Está aqui

40 mil nas ruas de Berlim contra “a loucura nas rendas”

Contra o escalar dos preços no arrendamento de casas e a especulação imobiliária que ocupa a cidade de Berlim, dezenas de milhares de pessoas saíram à rua neste sábado. Em várias outras cidades alemãs também houve manifestações contra “a loucura nas rendas”.
Foto de Maxim Boennemann/twitter

Em dez anos, o preço das rendas aumentou 104% na cidade de Berlim. É a isso que os manifestantes chamam “a loucura nas rendas” e, para protestar, desfilaram entre a Alexanderplatz e o bairro de Kreuzberg, exemplo dos aumentos desmesurados dos preços na habitação.

Apesar de ser a capital dos aumentos especulativos, Berlim não é caso único na Alemanha. Daí que tenham existido manifestações em mais outras 18 cidades alemãs como Dresden, Frankfurt, Munique, Estugarda ou Colónia.

A manifestação berlinense significou um aumento significativo da mobilização pelo direito à habitação. Na manifestação do ano passado, sob o mesmo lema, tinham sido 25 mil os manifestantes presentes em Berlim. Sinal que a duplicação dos preços assusta cada vez mais, numa cidade em que 85% dos habitantes são inquilinos e em que a taxa de desemprego é maior do que no resto do país.

Vários coletivos de inquilinos de prédios comprados por empresas que se dedicam à especulação imobiliária foram sendo criados ao longo dos últimos anos e estiveram presentes nesta marcha. Serão, segundo o jornal Tagesspiegel, cerca de uma centena de organizações nascidas da necessidade de assegurar imediatamente o seu direito à habitação. Contam histórias de assédio de moradores por parte de especuladores que parecem semelhantes às que vão sendo conhecidas em Lisboa e no Porto.

Também presentes na manifestação estiveram os promotores de um referendo com o objetivo de nacionalizar os

apartamentos das grandes empresas imobiliárias. A proposta a ser votada seria a de expropriar, com direito a indemnização, um universo estimado de cerca de 210 mil imóveis pertencentes a empresas que tenham mais de três mil apartamentos. Só o grupo imobiliário Deutsche Wohnen tem mais de 110000 apartamentos na cidade.

 

Termos relacionados Internacional
(...)