Está aqui

"Ímpeto reformista"do Governo é sempre o mesmo

Se alguém tinha dúvidas, que as dissipe: o "ímpeto reformista"do Governo é sempre o mesmo; descer o valor do trabalho e entregar à finança o que resta do Estado Social. Semana parlamentar por Catarina Martins.
Semana parlamentar por Catarina Martins

A semana parlamentar que passou foi marcada por duas "novidades" do Governo. Pedro Mota Soares anunciou que estuda a privatização de parte da segurança social e Álvaro Santos Pereira que quer embaratecer ainda mais os despedimentos.

Se alguém tinha dúvidas, que as dissipe: o "ímpeto reformista"do Governo é sempre o mesmo; descer o valor do trabalho e entregar à finança o que resta do Estado Social. E nunca está satisfeito; na mesma semana em que se debatem na especialidade alterações ao código do trabalho, já o Governo anuncia mais e pior.

Mas quando se trata de mudanças necessárias, e mesmo prometidas em campanha eleitoral, nada acontece. Foi assim esta semana com as medidas para travar a especulação no preço dos combustíveis e a consagração da cativação das mais valias urbanísticas, projetos que o Bloco de Esquerda levou a plenário e que a direita chumbou.

Nesta semana que passou, os transportes no Grande Porto também estiveram em destaque. Foram aprovadas recomendações sobre o Metro da Trofa e o troço Caíde-Marco da Linha do Douro. São, aparentemente, avanços. Mas é preciso estar atento à demagogia da direita: ao chumbarem os projetos do BE para apresentarem iniciativas próprias, que aprovaram, rejeitaram qualquer compromisso com prazos e, portanto, qualquer compromisso efetivo. E, como se vê no caso da Linha do Douro, em que a CP já anunciou supressão de ligações: enquanto aprovam boas intenções futuras, vão cortando serviço agora.

Duas últimas notas:

Foi aprovado o projeto de resolução do BE para a integração na carreira docente dos professores de técnicas especiais com vínculo definitivo à função pública. São professores a quem a falta de uma política estruturada para o ensino artístico tinha condenado a um limbo de legislação e negado a integração na carreira. A aprovação deste PR é um passo determinante para a correção de uma injustiça flagrante.

Na noite de sexta-feira foram conhecidos os dados da execução orçamental: com mais impostos, o Estado tem menos receita. É a imagem da estupidez da austeridade, do assalto da Troika.

Sobre o/a autor(a)

Coordenadora do Bloco de Esquerda. Deputada. Atriz.
Termos relacionados Política, semana parlamentar 2012
(...)