You are here

Bloco questiona situação precária do Centro da Mama do Hospital de São João

Há onze anos que o Centro da Mama do Hospital de São João está em contentores, noticiou esta quinta-feira o Jornal de Notícias. Trata-se do único Centro da Mama certificado a nível europeu no país. O Bloco questionou o governo sobre quando vai ser transferido o serviço e se vão ser contratados mais profissionais.
Hospital de São João. Centro da Mama.
Hospital de São João. Centro da Mama. Fonte: Hospital de São João. Site institucional.

O Centro da Mama do Hospital de São João no Porto é a única unidade do Serviço Nacional de Saúde que tem um certificado de nível europeu, situação que contrasta com as instalações onde funciona há onze anos: em contentores.

O facto foi relembrado esta quinta-feira pelo Jornal de Notícias e o Bloco de Esquerda decidiu questionar o Ministério da Saúde dada a importância de um serviço que realiza 12 mil consultas por ano e que obteve o certificado EUSOMA (Sociedade Europeia de Especialistas em Cancro da Mama) pela excelência do tratamento.

O Bloco considera que esta qualidade esbarra no caráter provisório das instalações que “não o permitem funcionar na sua plenitude”. O partido fala “em salas de espera sempre lotadas” e nos problemas associados a só haver uma funcionária no atendimento.

Face a estas condições e à “potencial degradação” do serviço prestado, o Bloco demonstra “a sua preocupação” e defende que as novas instalações previstas devem “ser finalizadas o mais rápido possível e que a transferência do serviço para um local com condições dignas seja uma prioridade do Governo”.

Para além das instalações, os bloquistas estão também preocupados com o número de profissionais. Por isso, escrevem, “o Governo deve ainda estudar a necessidade de contratar mais profissionais de forma a reforçar a capacidade de resposta deste serviço” de forma a “garantir a qualidade de um serviço que já foi reconhecido a nível europeu e que tantas vidas pode salvar”.

O documento assinado pelo deputado Moisés Ferreira questiona assim quando vão ser concluídas as obras no espaço que futuramente vai albergar o Centro da Mama e quando este vai ser transferido e se o governo vai “estudar a situação de forma a perceber a necessidade de contratar mais profissionais para o serviço”.

Termos relacionados Política
(...)