Está aqui

Vida precária, saúde mental na velhice... precária

Não devemos esperar para reforçar as prestações de cuidado ao longo da vida, e muito menos menosprezá-las durante a velhice. Por Gustavo Sugahara.
Foto Pixabay.

Os problemas relacionados com a saúde mental não devem ser aceites como parte natural da velhice. Mas é importante termos em conta que o envelhecimento da população traz novos desafios, que serão agravados pelo atual contexto de crescente precarização.

A saúde mental na velhice é tão importante quanto em qualquer outro momento da vida. No entanto, diversas mudanças de cariz biológico e social, muitas vezes a ocorrer em simultâneo, implicam cuidados acrescidos, específicos, e individualizados. Vale lembrar que em todos os momentos da vida, a saúde mental influencia e é influenciada pela saúde física.

Se por um lado há de facto uma tendência de declínio da capacidade funcional individual na velhice, também é preciso reconhecer que muitas vezes esta pode e deve ser remediada. As políticas públicas devem ter em conta intervenções simples, como por exemplo, garantir que as pessoas tenham acesso a um novo par de óculos, e mais complexas, estruturais, como a adaptação das jornadas de trabalho, a garantia de acesso à formação durante toda a vida, e a promoção de atitudes inclusivas e anti discriminatórias em toda a sociedade.

Um dos preconceitos ainda fortemente enraizados em relação ao envelhecimento foca exatamente a questão da saúde mental. Para além da ideia de que são problemas “normais” da velhice, o questionamento da saúde mental é frequentemente utilizado como ferramenta para descredibilizar, alienar, e reduzir as pessoas mais velhas. Em alguns casos, é mais fácil descredibilizar uma pessoa em função da sua idade, do que rebater as ideias que ela defende.

Segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS)1 mais de 20 por cento da população mundial com 60 e mais anos padece de algum tipo de doença mental ou neurológica, dentre as quais as mais comuns são a demência e a depressão, que afligem respetivamente 5 e 7 por cento deste mesmo grupo populacional. É importante lembrar que há um elevado número de casos não identificados, justamente devido ao estigma associado a estas doenças.

Para além dos novos desafios advindos da mudança no perfil demográfico, devemos também atentar pela preservação de importantes e recentes conquistas sociais durante toda a vida, como as alcançadas pelo movimento LGBTI+. Somados aos preconceitos existentes em relação aos mais velhos, e diante da virtual inexistência serviços que explicitamente reconhecem e acolhem pessoas mais velhas “não heterosexuais”, corremos o risco de ver muitos a voltar para o armário na velhice.

Precisamos ainda saber mais sobre as repercussões da saúde mental em diferentes fases da vida. Um tema ainda pouco explorado na literatura científica é o efeito cumulativo que as adversidades enfrentadas ao longo da vida têm na saúde mental durante a velhice. Para se ter um exemplo, e segundo um estudo2 recente realizado na Inglaterra, pessoas que tiverem experiências adversas sequências ao longo da vida, adversidade durante a infância, ou perdas ligas a relacionamentos afetivos, têm maior probabilidade de apresentar sintomas de depressão na velhice.

Vidas precárias resultam em uma saúde mental precária, e isto tende a agravar-se na velhice. Não devemos esperar para reforçar as prestações de cuidado ao longo da vida, e muito menos menosprezá-las durante a velhice.

Sobre o/a autor(a)

(...)

Resto dossier

Saúde Mental em tempos de pandemia

Portugal é um dos países europeus com maior prevalência de doenças psiquiátricas. Ainda assim, contamos com uma fraca resposta pública nesta área. Com a covid-19 e o agudizar da crise socioeconómica, urge garantir os recursos necessários para dar resposta à população. Dossier organizado por Mariana Carneiro.

Saúde Mental: Contratar profissionais e articular respostas, a aposta que é necessário fazer-se

Nunca como nos últimos meses a saúde mental teve tanta relevância mediática e atenção política, importa que não fique no papel a reconhecida prioridade que, finalmente, todos dizem ter. Por Ana Matos Pires.

Covid-19 e a vaga de doença mental

Se se ficar apenas pelas renovadas juras de prioridade sem nunca se concretizar nada, o futuro próximo será muito difícil. Teremos uma vaga de doença mental sem recursos para a enfrentar. Por Moisés Ferreira.

Covid-19: um inimigo sem rosto

É de prever que os impactos da pandemia na saúde mental cresçam nos próximos meses, sobretudo com o aumento do desemprego e da crise económica. Por Ana Paula Freitas.

Vida precária, saúde mental na velhice... precária

Não devemos esperar para reforçar as prestações de cuidado ao longo da vida, e muito menos menosprezá-las durante a velhice. Por Gustavo Sugahara.

Psicólogos pedem combate às desigualdades e reforço de serviços de Saúde Mental

Ordem dos Psicólogos alerta que “o aumento dos problemas de Saúde Mental provocados pela crise pandémica e pela crise socioeconómica torna expectável um aumento da procura dos serviços e cuidados” nesta área e que, “em termos de resposta, a situação em Portugal não é a mais favorável”.

Manicómio: a Arte no combate à estigmatização

Criado em 2019, o Manicómio é um espaço de criação e galeria de Arte Bruta que promove trabalhos desenvolvidos por artistas com doenças mentais. Facilitar “o caminho da inclusão” e incentivar a empregabilidade são alguns dos seus objetivos.

93% dos países viram os serviços de saúde mental suspensos devido à pandemia

OMS: Pandemia suspendeu acesso a serviços de saúde mental em quase todos os países

Numa altura em que se regista um aumento da procura por serviços de saúde mental, 93% dos países inquiridos num estudo internacional afirmam ter suspenso ou interrompido o trabalho na área devido à pandemia. A OMS apela a um maior investimento.

saúde mental no trabalho

Problemas de saúde mental têm fortes custos económicos

Um relatório da Ordem dos Psicólogos diz que as empresas nacionais perdem 3,2 milhões e pede um reforço de investimento nesta área que considera “um investimento necessário que tem retorno”.

Consultório. Foto de Paulete Matos.

Estudo revela implicações da covid-19 na saúde mental

Um em cada cinco doentes com covid foram depois diagnosticados com ansiedade, depressão ou insónia, revela um estudo da Universidade de Oxford. Um dos autores defende que a doença psiquiátrica devia ser considerada fator de risco.