Está aqui

Manicómio: a Arte no combate à estigmatização

Criado em 2019, o Manicómio é um espaço de criação e galeria de Arte Bruta que promove trabalhos desenvolvidos por artistas com doenças mentais. Facilitar “o caminho da inclusão” e incentivar a empregabilidade são alguns dos seus objetivos.
Foto da página de facebook de Manicómio.

O projeto Manicómio nasceu no Centro Hospitalar Psiquiátrico de Lisboa e foi idealizado por Sandro Resende e José Azevedo, fundadores da Associação de Desenvolvimento Criativo e Artístico P28, onde se dedicam a dar aulas de artes plásticas a doentes do Hospital Júlio de Matos.

"Isto não é terapia, é arte", explicou Sandro Resende. “Eu nunca vi uma ficha clínica, o que me interessa é a pessoa e o que ela quer fazer”, frisou. O cofundador do Manicómio, localizado na Rua do Grilo, no Beato, acredita que a liberdade que os artistas têm no âmbito deste processo potencia a responsabilidade: “Os horários são as próprias pessoas que os fazem e quando vêm trabalhar chegam com muita vontade de fazer coisas bem e o resultado vê-se tanto no trabalho, como também na autoestima”.

O combate à estigmatização é feito também pela via da autonomização de cada artista, a quem é atrbuída uma bolsa, que inclui refeições, transportes e uma remuneração, além de 70% do montante arrecadado com as vendas das obras de arte e 90% das verbas dos workshops que promovem.

“O mais problemático disto tudo é a lista de espera”, assinalou Sandro. No primeiro trimestre de 2020, já existiam “mais de 80 pessoas em lista de espera para os próximos espaços”. “Este espaço desperta um grande interesse e por isso acho que existe grande viabilidade nesse salto para novos espaços, fora da capital”, defende.

Com o evoluir da crise pandémica, o espaço do Manicómio no Beato encerrou a visitas externas e consultas. Mas os artistas continuam ativos e a trabalhar em casa. Para marcações futuras basta enviar e-mail para info@manicomio.pt.

Nos próximos tempos, este projeto, tal como acontece em todos os setores, continuará a enfrentar desafios no que respeita à adaptação da sua atividade em contexto pandémico. Mas o projeto está aí, já deu provas do seu valor, e o seu potencial no combate à estigmatização, pela autonomização e inserção social e laboral dos artistas com doenças mentais merece um olhar atento por parte de todas nós e, concretamente, das entidades públicas e privadas que com ele possam estabelecer parcerias.

(...)

Resto dossier

Saúde Mental em tempos de pandemia

Portugal é um dos países europeus com maior prevalência de doenças psiquiátricas. Ainda assim, contamos com uma fraca resposta pública nesta área. Com a covid-19 e o agudizar da crise socioeconómica, urge garantir os recursos necessários para dar resposta à população. Dossier organizado por Mariana Carneiro.

Saúde Mental: Contratar profissionais e articular respostas, a aposta que é necessário fazer-se

Nunca como nos últimos meses a saúde mental teve tanta relevância mediática e atenção política, importa que não fique no papel a reconhecida prioridade que, finalmente, todos dizem ter. Por Ana Matos Pires.

Covid-19 e a vaga de doença mental

Se se ficar apenas pelas renovadas juras de prioridade sem nunca se concretizar nada, o futuro próximo será muito difícil. Teremos uma vaga de doença mental sem recursos para a enfrentar. Por Moisés Ferreira.

Covid-19: um inimigo sem rosto

É de prever que os impactos da pandemia na saúde mental cresçam nos próximos meses, sobretudo com o aumento do desemprego e da crise económica. Por Ana Paula Freitas.

Vida precária, saúde mental na velhice... precária

Não devemos esperar para reforçar as prestações de cuidado ao longo da vida, e muito menos menosprezá-las durante a velhice. Por Gustavo Sugahara.

Psicólogos pedem combate às desigualdades e reforço de serviços de Saúde Mental

Ordem dos Psicólogos alerta que “o aumento dos problemas de Saúde Mental provocados pela crise pandémica e pela crise socioeconómica torna expectável um aumento da procura dos serviços e cuidados” nesta área e que, “em termos de resposta, a situação em Portugal não é a mais favorável”.

Manicómio: a Arte no combate à estigmatização

Criado em 2019, o Manicómio é um espaço de criação e galeria de Arte Bruta que promove trabalhos desenvolvidos por artistas com doenças mentais. Facilitar “o caminho da inclusão” e incentivar a empregabilidade são alguns dos seus objetivos.

93% dos países viram os serviços de saúde mental suspensos devido à pandemia

OMS: Pandemia suspendeu acesso a serviços de saúde mental em quase todos os países

Numa altura em que se regista um aumento da procura por serviços de saúde mental, 93% dos países inquiridos num estudo internacional afirmam ter suspenso ou interrompido o trabalho na área devido à pandemia. A OMS apela a um maior investimento.

saúde mental no trabalho

Problemas de saúde mental têm fortes custos económicos

Um relatório da Ordem dos Psicólogos diz que as empresas nacionais perdem 3,2 milhões e pede um reforço de investimento nesta área que considera “um investimento necessário que tem retorno”.

Consultório. Foto de Paulete Matos.

Estudo revela implicações da covid-19 na saúde mental

Um em cada cinco doentes com covid foram depois diagnosticados com ansiedade, depressão ou insónia, revela um estudo da Universidade de Oxford. Um dos autores defende que a doença psiquiátrica devia ser considerada fator de risco.