Está aqui

Uma economia agonizante?

“A Argélia é uma economia agonizante. A tal ponto que a pergunta não é se vai quebrar ou não, mas sim quando”, escreve o Xerfi (instituto de estudos privado, especializado na análise económica sectorial em França e a nível internacional). Em 2014 especialistas tentaram reformar uma economia baseada no petróleo. Antes que o regime enterrasse as propostas que ele mesmo tinha encomendado. Por Amélie Perrot.
Poço de petróleo na Argélia. Foto de By aka4ajax, CC BY 3.0, https://commons.wikimedia.org/w/index.php?curid=57761438
Poço de petróleo na Argélia. Foto de By aka4ajax, CC BY 3.0, https://commons.wikimedia.org/w/index.php?curid=57761438

No dia 19 de março, milhares de pessoas voltaram a manifestar-se nas ruas para pedir a demissão do presidente Abdelaziz Bouteflika. E em matéria de economia, os desafios aos quais o país está confrontado são numerosos. Em primeiro lugar, porque a economia argelina depende totalmente do petróleo e do gás: ambos constituem quase todas as exportações do país, 97%, e dois terços dos rendimentos do Estado. De facto, a Argélia é um exemplo perfeito do que os economistas chamam a “doença holandesa”: uma abundância de recursos naturais que ao princípio parece ser uma boa notícia, mas que na realidade provoca o declínio da indústria local e a queda de todas as outras exportações. Enquanto os preços do petróleo são altos, o problema quase não se vê. O preço do petróleo não deixou de aumentar entre a chegada ao poder de Bouteflika e o ano de 2014, e a redistribuição da renda petrolífera foi mesmo a ferramenta do regime para adormecer as crises sociais, em particular durante as primaveras árabes em 2011.

Mas o problema estourou em 2014: nesse ano, o preço do petróleo afundou. E na Argélia isto se traduziu em que os recursos do Estado afundaram igualmente. Nesse momento, o regime reagiu utilizando as suas reservas, deixando aumentar o défice e, para compensar a queda das exportações, restringiu as importações de 850 produtos. Em resumo, o poder tapou os buracos e ganhou tempo, mas não reformou.

Clientelismo e corrupção

O outro grande problema da economia argelina é o do clientelismo. Aliás, um problema ligado ao da dependência dos hidrocarbonetos, pois o dinheiro do petróleo beneficiou sobretudo círculos de negócios próximos ao poder.

A restrição às importações imposta pelo regime é um exemplo vivo dos efeitos da corrupção no país, pois esta medida provocou o enriquecimento dos que na Argélia são conhecidos como os barões das importações: atacadistas que graças às suas privilegiadas relações políticas obtêm licenças de importação e estabelecem monopólios. Estas práticas não são exclusivas de Argélia, mas a diferença, estima o politólogo Thomas Serre em Alternatives Économiques, é que “aqui elas são de notoriedade pública”.

A palavra que se repete quando se trata de reformar a economia argelina é a da “diversificação”; efetivamente, trata-se de diversificar a economia para que ela deixe de ser tão dependente do petróleo. Mas mesmo depois da crise de 2014 esta diversificação não ocorreu. O regime preferiu criar moeda: 4.000 mil milhões de dinares desde novembro de 2017 (20% do PIB), fazendo pairar o risco da hiperinflação.

Hoje na Argélia as consequências económicas e sociais de todos estes problemas são evidentes. Um jovem em cada três está no desemprego. Também se pode ler no Le Monde uma reportagem apaixonante que nos leva a Ouargla, cidade situada no coração da zona dos hidrocarbonetos, onde 55.000 das 130.000 pessoas que ali vivem estão desempregadas. Nesta semana, o instituto de estudos Xerfi escrevia que “Argélia é uma economia agonizante. A tal ponto que a pergunta não é saber se vai quebrar ou não, mas sim quando”.

O “novo modelo de crescimento económico” enterrado pela Argélia

No entanto, o regime tentou mesmo pensar, junto com economistas, um novo modelo. Numa tribuna publicada no diário Le Monde, o economista argelino Raouf Boucekkine conta como o regime enterrou o modelo de transição económica que ele mesmo tinha encomendado. Em 2014, Raouf Boucekkine fazia parte, com outros cinco especialistas argelinos, de uma “task force”, um grupo de trabalho reunido pelo governo e que acabou por elaborar um “novo modelo de crescimento económico” para Argélia em 2016.

O grupo definiu três domínios prioritários: reforma do financiamento da economia, reforma do Estado social e, finalmente, a política industrial, para diversificar a economia e exportar outros produtos para além dos hidrocarbonetos.

Este “novo modelo de crescimento” foi finalmente enterrado. Primeiro, em julho de 2016, quando o conselho de ministros presidido por Abdelaziz Bouteflika adotou o plano de reforma mas suprimindo grandes partes da versão inicial. Em seguida quando a Argélia optou, em vez de diversificar a sua economia, criar moeda sem limites. Para Raouf Boucekkine, este abandono “ilustra, uma vez mais, a incapacidade do regime argelino de se reformar por dentro”.

Mas o economista também diz que se ele pensava, depois deste episódio, que “só uma pressão exterior levaria o regime a aceitar reformas estruturais”, não duvidava que uma revolta popular, um acontecimento “prodigioso para um observador da economia do país”, diz, “poderia conduzir a revisitar os próprios fundamentos da República argelina”.

20/3/2019

Artigo publicado em Les nouvelles de l’éco.

Reproduzido de A L’encontre

Tradução de Luis Leiria para o Esquerda.net

(...)

Resto dossier

"Fora o sistema" é o lema das mobilizações

Argélia em revolução contra o "sistema"

A Argélia vive, desde 22 de fevereiro, as maiores mobilizações da sua história recente. Milhões de pessoas, todas as sextas-feiras, manifestam coletivamente a sua vontade que se pode resumir numa palavra de ordem: “Fora o sistema”. Já conseguiram a demissão do presidente. Dossier organizado por Luis Leiria.

A palavra de ordem de uma Assembleia Constituinte soberana a via a uma mudança radical e realmente democrática do “sistema”.

Argélia: A democracia, a Constituição e o desafio da transição

Nas forças que querem o fim do sistema, há os que pedem um governo de transição encarregado de organizar a eleição de um novo presidente, o qual desencadearia reformas. Mas há também os que reivindicam um processo constituinte para uma verdadeira rutura democrática e uma nova estrutura de poder. Por Nadir Djermoune.

No cartaz lê-se: "Testei este regime e não emagreci, então mudo de regime"

Argélia: Não é senão o início

Seis semanas de mobilizações de milhões em toda a Argélia dividiram o poder e levaram à demissão do Presidente Abdelaziz Bouteflika. Neste artigo, Hocine Belalloufi analisa os meandros do processo que abala o país e abre o debate estratégico sobre as suas perspetivas.

"Pela centésima segunda vez: Fora!". Cartaz faz alusão ao artigo 102 da Constituição argelina. Foto de Nesrine Kheddache

O exército e a dinâmica do levantamento popular “antissistema”

Qual será o papel do Exército argelino, que forma a coluna vertebral do país, na transição política? Semelhante ao do exército do Egito? Ou ao de Portugal no 25 de Abril? Por Nadir Djermoune.

 

Para o PST, a hora é de auto-organização das massas populares argelinas

Por uma assembleia constituinte soberana, o combate continua!

O Partido Socialista dos Trabalhadores é um dos partidos da esquerda argelina, fundado nos anos 70 do encontro de um grupo de sindicalistas do leste do país e de um círculo de estudantes da Universidade de Argel. Reproduzimos aqui o comunicado publicado pela sua direção após a queda de Bouteflika.

Louisa Hanoune, secretária-geral do PT

Maioria do povo disse: “vão-se embora sem exceção”

Reação do Partido dos Trabalhadores (PT) da Argélia à demissão de Bouteflika.

A construção do futuro comum não pode ser feita sem uma igualdade plena e inteira entre as cidadãs e os cidadãos, sem distinção de género, de classe, de região ou de crenças. Foto de Fototeca do NPA.

Mulheres argelinas: “Reafirmamos a nossa determinação de mudar o sistema existente”

Vivemos atualmente uma magnífica sublevação popular pacífica contra o sistema político existente. A presença massiva de mulheres nas manifestações testemunha as profundas transformações da nossa sociedade e exige um reconhecimento dos direitos das mulheres numa Argélia igualitária.

Mulheres argelinas na manifestação de 8 de março em Argel. Imagem do vídeo de Drifa

Uma adesão feminina muito forte

Muitas mulheres tomaram consciência da utilidade de se organizarem em coletivos para reivindicar os seus direitos e exigir o fim do sistema existente ao lado dos seus compatriotas, como era o caso durante a guerra de libertação nacional, explica a militante feminista Titi Haddad. Entrevista de Antoine Larrache.

Poço de petróleo na Argélia. Foto de By aka4ajax, CC BY 3.0, https://commons.wikimedia.org/w/index.php?curid=57761438

Uma economia agonizante?

“A Argélia é uma economia agonizante. A tal ponto que a pergunta não é se vai quebrar ou não, mas sim quando”, escreve o Xerfi (instituto de estudos privado, especializado na análise económica sectorial em França e a nível internacional). Em 2014 especialistas tentaram reformar uma economia baseada no petróleo. Antes que o regime enterrasse as propostas que ele mesmo tinha encomendado. Por Amélie Perrot.

Sede da petrolífera Sonatrach em Oran, Argélia

Portugal importa 50% do seu gás natural da Argélia

País tem uma economia totalmente dominada pela produção e exportação de combustíveis fósseis. Petrolífera argelina é acionista da EDP.

Mobilização em Argel

Cronologia: da candidatura ao 5º mandato à demissão de Bouteflika

No dia 2 de fevereiro era anunciada a candidatura de Bouteflika ao seu 5º mandato. No dia 2 de abril, demitiu-se ainda antes de terminar o 4º. De uma data à outra, ocorreram as maiores manifestações de massas da história recente da Argélia. Que prosseguem, porque nem a demissão as acalmou.