Está aqui

Três estratégias desiguais para um resultado incerto

Olivier Guyottot analisa o papel do aproveitamento da temporalidade, dos diferentes posicionamentos que os líderes políticos assumiram, das dinâmicas de alianças e da “escolha crucial” da nova primeira-ministra nas vésperas do processo.
Macron e Elisabeth Borne, então ainda ministra da Transição Ecológica, nas vésperas de ser nomeada primeira-ministra. Foto de LUDOVIC MARIN/POOL MAXPPP OUT/Lusa.
Macron e Elisabeth Borne, então ainda ministra da Transição Ecológica, nas vésperas de ser nomeada primeira-ministra. Foto de LUDOVIC MARIN/POOL MAXPPP OUT/Lusa.

Numa altura em que as incertezas sobre o resultado do escrutínio legislativo de 12 e 19 de junho são numerosas e em que a obtenção de uma maioria de deputados em apoio do presidente eleito, Emmanuel Macron, permanece incerta, parece instrutivo analisar as estratégias das três principais forças políticas que resultaram das presidenciais. Por um lado para compreender e analisar melhor a situação atual numa altura em que a abstenção se anuncia como historicamente alta para as legislativas. Por outro porque se trata de estratégias muito diferentes que deverão ter um impacto significativo no resultado.

A questão da temporalidade

Alguns minutos depois da eleição de Emmanuel Macron, Jean-Luc Mélenchon lançava a batalha das legislativas, insistindo na ideia que estas seriam a 3ª volta das presidenciais. Colocava-se assim como principal opositor, sem deixar tempo a Emmanuel Macron e a Marine Le Pen para se regozijarem ou digerirem os resultados da segunda volta.

As semanas que se seguiram foram dominadas, nos meios de comunicação social e na opinião pública, pelas negociações entre os partidos de esquerda e pela implementação da Nova União Popular Ecológica e Social, ao mesmo tempo que a União Nacional rejeitava os avanços da Reconquista!, de Zemmour, e que Marine Le Pen decidia ir de férias.

Emmanuel Macron parecia abertamente aceitar “deixar andar” defendendo que era necessária um respiro democrático depois das presidenciais.

A ideia era, sem dúvida, deixar passar o entusiasmo mediático provocado por esta nova união de esquerda. E retomar a iniciativa com a nomeação posterior da sua ou do seu novo primeiro-ministro numa situação em que o período entre as eleições presidenciais e as legislativas foi este ano duas semanas mais longo e sabendo que uma reeleição geralmente provoca menos entusiasmo do que uma primeira ascensão ao poder.

Posicionamentos muito diferentes

A reeleição de Emmanuel Macron para o lugar de presidente, faz com que ele, segundo as suas próprias palavras, se posicione como presidente de todos os franceses e limita inevitavelmente o seu papel e ação de chefe de clã.

Apesar do discurso de Jean-Luc Mélenchon na noite da primeira volta das presidenciais parecer marcar o anúncio de uma passagem de testemunho e de uma ida para a reforma, assistiu-se, pelo contrário, a uma estratégia de forte afirmação do líder da França Insubmissa. Esta impede várias personalidades de esquerda de se juntar ao movimento da união (Carole Delgas, José Bové, Yannick Jadot…). Mas a personalização visa, sem dúvida, mobilizar, nas legislativas, os eleitores seduzidos antes de mais pela personalidade e liderança do do chefe dos insubmissos.

Ao reivindicar o lugar de primeiro-ministro se a NUPES obtivesse maioria nas legislativas, Jean-Luc Mélenchon posicionou-se a um nível nacional. Deste ponto de vista, a sua decisão, criticada pelos seus adversários, de não se candidatar nas legislativas permitiu-lhe finalmente assumir um posicionamento acima dos partidos, que uma campanha local no terreno teria sem dúvida tornado mais complicado.

Ao apresentar-se a estas eleições, Marine Le Pen escolheu por seu turno uma estratégia muito diferente. Ainda que finalista das presidenciais, a sua candidatura posiciona-a a um nível mais local e legitima a ideia, que ela própria defendeu, que Emmanuel Macron irá necessariamente obter uma maioria para governar durante cinco anos.

Estratégias e dinâmicas de alianças

As diferentes estratégias de aliança explicam sem dúvida também as incertezas atuais. Apesar da criação da coligação Ensemble de apoio a Macron ter dado lugar a algumas fricções e inquietudes em alguns dos seus membros, ela apenas oficializou e organizou, na ótica de um futuro mandato, os apoios que faziam estavam presentes na sua candidatura presidencial.

Apesar das críticas e das dissidências, a criação da NUPES deu lugar a uma verdadeira coopetição, juntando forças que tinham estado em oposição e concorrência. Esta pode assim reivindicar ser uma nova abordagem face às presidenciais e ser uma referência aos sucessos eleitorais das uniões de esquerda que a precederam (Frente Popular, Programa Comum, Esquerda Plural).

Ao recusar aliar-se com a Reconquista!, a União Nacional de Marine Le Pen teve uma estratégia oposta à unitária empreendida pela LFI e não conseguiu criar, a fiar-nos nas sondagens e para além dos seus importantes bastiões no norte, uma dinâmica que a sua qualificação para a segunda volta das presidenciais teria podido engendrar na perspetiva das legislativas.

Novas dinâmicas?

Na realidade, as diferentes sondagens dedicadas às eleições legislativas não mostraram uma evolução notável em matéria de intenções de voto ao nível nacional desde que a situação das forças em presença foi oficializda.

O Ensemble e a NUPES estão ombro a ombro à volta dos 27/28% na primeira volta, enquanto que a União Nacional se situa entre 19% e 21% e a Reconquista! entre 5% e 6%.

Mas as projeções no que diz respeito a números de deputados evoluíram pelo contrário e parecem mostrar uma dinâmica a favor da NUPES ao passo que o Ensemble era amplamente maioritário ainda há umas semanas. O projeto de união da esquerda dinamizado por Jean-Luc Mélenchon parece seduzir uma parte do eleitorado de esquerda marcado pelas divisões e por mais uma ausência, depois de 2017, de um dos seus representantes na segunda volta das presidenciais.

Mas para além desta mobilização, é sobretudo a escolha de Elisabeth Borne e a constituição do novo governo que colocam dúvidas de um ponto de vista estratégico.

A escolha crucial da primeira-ministra e do governo

Em 2017, Emmanuel Macron tinha escolhido como primeiro-ministro Edouard Philippe, um homem público que apesar de desconhecido do grande público era aguerrido nas lutas eleitorais para encabeçar a batalha das legislativas. E a sua segunda escolha, aquando da remodelação em 2020, foi de um perfil de alto funcionário e de tecnocrata, um simples eleito local, com Jean Castex. Esta decisão parecia dar crédito à ideia de que era necessário nomear um perfil político no início do mandato para se apoiar numa personalidade habituada à dureza de uma campanha eleitoral nacional.

Ao escolher Elisabeth Borne, cujo currículo é mais próximo de Jean Castex do que de Edouard Philippe, Emmanuel Macron procedeu de outra forma e correu o risco de deixar o campo livre à estratégia de omnipresença mediática de Jean-Luc Mélenchon e da NUPES.

A nomeação do novo governo devia permitir avançar com as prioridades do novo mandato (ecologia, poder de compra…) e voltar a ter impacto mediático. Só que a escolha de Elisabeth Borne e a confirmação de vários pesos pesados em postos chave não permitiram, apesar de alguns sucessos rapidamente manchados por polémicas (Pap Ndiaye na pasta da Educação ou Damien Abad nas Solidariedades), desencadear uma nova dinâmica.

As últimas deslocações de Emmanuel Macron testemunham certamente uma vontade de recentrar as legislativas no seu projeto e pessoa para conseguir vencer. Será este envolvimento suficiente para ganhar a maioria e evitar a coabitação? Se o modo de escrutínio maioritário uninominal a duas voltas destas legislativas torna uma projeção difícil e deve teoricamente favorecer os candidatos que se colocam no centro do quadro político, isto parece contudo dar crédito à ideia de que as legislativas se tornaram a 3ª volta das eleições presidenciais.


Olivier Guyottot é professor e investigador de Estratégia e Ciências Políticas no INSEEC Grande École.

Texto publicado originalmente no The Conversation. Traduzido para o Esquerda.net por Carlos Carujo.

(...)

Neste dossier:

Legislativas em França: Esquerda desafia o macronismo

A coligação de esquerda e o seu projeto de rutura com o liberalismo esteve no centro das legislativas francesas. Do outro lado, Macron promete um liberalismo ainda mais feroz em nome da estabilidade e Marine Le Pen perdeu protagonismo mas a extrema-direita continua à espreita de oportunidades. Dossier organizado por Carlos Carujo.

Do "Futuro em Comum" ao programa da NUPES, o que muda?

Entre o programa de Mélenchon nas presidenciais e o da coligação há poucos avanços, como salário mínimo e empregos para transição ecológica, omissões e recuos como sobre a Nato e a União Europeia. Enunciam-se muitas diferenças que podem travar decisões. Mas o combate ao neoliberalismo macroniano mantém-se. Por Patrick Le Moal.

Stefano Palombarini com Mélenchon.

Stefano Palombarini: “A esquerda será uma esquerda de rutura ou não será”

O economista que faz parte do “Parlamento da União Popular” analisa o papel dos três grandes blocos saídos das últimas presidenciais: o macronismo, a extrema-direita e a esquerda que se juntou à volta de Mélenchon. Sendo evidente que esta deve cortar com o neoliberalismo e o social-liberalismo, nesta entrevista equaciona-se como.

Macron e Elisabeth Borne, então ainda ministra da Transição Ecológica, nas vésperas de ser nomeada primeira-ministra. Foto de LUDOVIC MARIN/POOL MAXPPP OUT/Lusa.

Três estratégias desiguais para um resultado incerto

Olivier Guyottot analisa o papel do aproveitamento da temporalidade, dos diferentes posicionamentos que os líderes políticos assumiram, das dinâmicas de alianças e da “escolha crucial” da nova primeira-ministra nas vésperas do processo.

Macron, o presidente do recuo social e do passadismo liberal

A partir do programa eleitoral de Macron para as presidenciais, Myriam Martin mostra a essência do seu projeto e como o “presidente dos ricos” se prepara para intensificar os ataques sociais nos próximos cinco anos.

Cartaz eleitoral rasurado da campanha de Marine Le Pen. Foto de Mohammed Badra/EPA/Lusa.

Le Pen: a extrema-direita de sempre tenta fazer-se ouvir

Ultrapassada como principal desafiadora do atual presidente, a líder da extrema-direita apostou nos temas de sempre da União Nacional nas legislativas, somou-lhe as críticas à idade de reforma e ao aumento da inflação e fez parte ativa do coro que achou por bem criar uma nova diabolização na vida política francesa: a do perigo da esquerda.

Cartazes da primeira volta das eleições presidenciais francesas. Foto de CHRISTOPHE PETIT TESSON/EPA/Lusa.

“As legislativas francesas são uma verdadeira terceira volta das presidenciais”

Se Mélenchon for eleito primeiro-ministro, abrir-se-á um novo ciclo com uma refundação profunda das instituições e do seu papel no cenário internacional. Caso Macron ganhe é provável que a sua situação fique insustentável porque o seu projeto antipopular não pode ser realizado sem grandes tumultos, defende Jean-François Deluchey.