Está aqui

Negacionismo das alterações climáticas, negacionismo da Covid, a mesma luta?

Nem todos os negacionistas da Covid são negacionistas climáticos. Mas muitos dos mais famosos negacionistas climáticos tornaram-se agora negacionistas da Covid. A mesma desconfiança da ciência, as mesmas temáticas conspirativas, às vezes os mesmos inimigos surgem nas suas narrativas. E os mesmos interesses.
Manifestantes do movimento Reopen America. Maio de 2020. Foto @SurrealSage/Twitter.
Manifestantes do movimento Reopen America. Maio de 2020. Foto @SurrealSage/Twitter.

Nos Estados Unidos, fundações, thinks tanks, grupos conservadores e ultra-liberais que promoveram as teorias negacionistas das alterações climáticas abraçaram recentemente o negacionismo da Covid. É bem conhecido o seu financiamento por várias das empresas da área dos combustíveis fósseis e outros grandes capitalistas. O mesmo caminho de inúmeros indivíduos: políticos, jornalistas, comentadores políticos, bloggers, influencers, etc. São sobretudo apoiantes de Trump e alguns, para além destes dois negacionismos, são também adeptos de outras teorias da conspiração. Entre a sofisticação e a simplificação, muitas vezes encontram-se temas decalcados uns dos outros.

A “sobreposição” de negacionismos

O grupo DeSmog, uma organização não-governamental que procura “limpar a poluição das Relações Públicas que nubla a ciência e as soluções para as alterações climáticas”, dedicou-se a fazer extensas listas que apresentam provas de como muitas das figuras-chave do movimento negacionista das alterações climáticas se juntaram ao negacionismo da Covid. Há listas de teóricos da conspiração, de defensores das indústrias fósseis, de promotores de curas alternativas para o novo coronavírus e de opositores do confinamento, por exemplo, centradas nos EUA mas também olhando para o Reino Unido. Para além de indivíduos, também várias organizações e alguns dos interesses que se escondem por detrás delas são citados.

Para o DeSmog, “a máquina de negação da ciência climática criada pela indústria dos combustíveis fósseis é agora uma fonte importante de desinformação sobre a Covid-19.” Os ambientalistas alegam que “os negacionistas empregam as mesmas táticas que usaram para atacar os cientistas do clima e atrasar ação para minimizar a gravidade do surto de coronavírus e semear desconfiança nos esforços de reposta de governos, cientistas e comunidade médica – com consequências mortais que estão a desenrolar-se ante os nossos olhos”. E considera-os “operacionais perigosos que trabalham espalhando todo o tipo de dúvidas e enganos para confundir o público”.

Um dos artigos mostra, por exemplo, que organizações financiadas pelas indústrias Koch passaram a atacar o confinamento e a participar na organização de protestos contra ele. Outro revela em detalhe como o “Michigan Freedom Fund” e a “Michigan Conservative Coalition” foram instrumentais nas manifestações contra o confinamento decretado pela governadora democrata Gretchen Whitmer e que deram o pontapé de saída para o movimento. O primeiro grupo recebe financiamento da família DeVos, notáveis do Partido Republicano, tendo Betsy DeVos sido Secretária da Educação de Trump. O “Mackinac Center”que também promoveu os protestos faz parte do State Policy Network (SPN), rede de think tanks de nível local ultra-conservadores que, para além da família Koch, recebem dinheiro da família DeVos e da Mercer. Estes organismos são conhecidos difusores de visões do mundo negacionistas das alterações climáticas. O SPN escrevia num relatório em 2010 que o planeta afinal estava a passar por um arrefecimento global e não um aquecimento global manifestando-se contra as medidas de combate às alterações climáticas em nome do mercado livre.

No Idaho, um papel semelhante foi assumido pela Idaho Freedom Foundation também parte do SPN e igualmente conhecida negacionista que defende que “a ciência não se decidiu” ainda sobre a matéria. Muitos outras mobilizações nos EUA podem ser ligadas a este tipo de instituições.

Outro exemplo apresentado é o de vários think-tanks neoliberais como o Manhattan Institute for Policy Research, o Competitive Enterprise Institute e o Heartland Institute. Este último foi um dos instigadores do movimento ultra-conservador Tea Party e é consideradi uma das forças motrizes do negacionismo das alterações climáticas nos EUA. O seu diretor de comunicações, Jim Lakely, disse no início da pandemia tratar-se apenas de uma gripe e que “o pânico é definitivamente mais perigoso que esta gripe”, sublinhando os estragos económicos causados.

O instituto é financiado por várias empresas. Um dos grupos económicos que o financiaram é a petrolífera ExxonMobil que em 2008, perante a pressão ambientalista, acabou por se distanciar da organização. Outro, nos anos 1990, era a tabaqueira Philip Morris, uma vez que outra das facetas da Heartland era questionar a ligação entre tabaco e cancro e opor-se às leis que restringem o seu acesso. Os irmãos Koch também fazem parte da lista de doadores.

O negacionismo das alterações climáticas abriu caminho ao negacionismo da Covid

David Hasemyer e Neela Banerjee, no Inside Climate News, também sublinham quer o papel do Heartland Institute quer “a sobreposição entre as comunidades que minimizaram a pandemia e as que negam as alterações climáticas provocadas pelos seres humanos”. Mas realçam sobretudo como o negacionismo das alterações climáticas com a sua crítica da ciência desbravou o caminho deste novo negacionismo: “Depois da indústria dos combustíveis fósseis ter gasto centenas de milhões de dólares a atacar os cientistas do clima e a acentuar uma suposta incerteza da ciência do clima, não é difícil compreender” como este se impôs.

Os mesmo padrões, as mesmas ideias

Há também quem vinque que ambos seguem o mesmo padrão. Naomi Oreskes, historiadora norte-americana da ciência explica-o, em declarações à revista Wired: “primeiro, nega-se o problema, depois nega-se a sua gravidade e depois diz-se que é demasiado difícil ou caro para resolver e/ou que a solução apresentada ameaça a nossa liberdade.” “Fases” que não são lineares.

Já Amanda Marcotte, redatora-senior de política do Salon, utiliza o exemplo de dois jornalistas da Fox News adeptos de Donald Trump para mostrar como o seu discurso sobre ambas as matérias é decalcado. Em setembro de 2019, Laura Ingraham acusava os jovens que lutam contra as alterações climáticas de pertencerem a uma conspiração que pretenderia controlar “a nossa economia, a nossa forma de vida, a nossa forma de nos transportarmos, quantas crianças queremos ter”; em maio de 2020, a sua preocupação era o uso de máscaras faciais que serviria para “controlar amplas populações”, o que seria “alcançado através do medo e da intimidação e da supressão do pensamento livre.” A jornalista da televisão ultra-conservadora explicava ainda: “vão dizer que toda esta coisa das máscaras é ciência certa, tal como fizeram com as alterações climáticas”.

Com ainda mais visibilidade pública, Tucker Carlson dizia em setembro de 2010 algo parecido sobre as greves climáticas: não “eram sobre o ambiente” mas um esquema esquerdista inventado para criar “uma emergência que seja grande o suficiente para justificar tomar mais poder”. Meses depois era já a transmissibilidade e perigosidade que estavam a ser exageradas por pessoas sedentas de “poder” de forma a colocar os americanos às suas “ordens”.

(...)

Neste dossier:

Negacionismo, uma pandemia?

O conceito não se tornou tão viral quanto a pandemia, mas esteve nas bocas do mundo. A desinformação a que se refere espalhou-se tanto que foi chamada de infodemia. Olhamos para os negócios, para alguns dos protagonismos, para as formas como se dissemina. Dossier organizado por Carlos Carujo.

Autocolante a dizer que a Covid é uma fraude e com referência ao filme Plandemic. Foto de duncan c/Flickr.

Negocionismo I: o negócio das mentiras sobre a pandemia

Empresas a vender curas milagrosas, Estados a fazer o seu jogo geoestratégico, “empreendedores políticos” e teóricos da conspiração a vender as suas ideias. A desinformação sobre a Covid-19 passou por filmes, livros, páginas órgãos de comunicação social especializados em fake news, redes sociais e plataformas de crowdfunding.

Fake news e redes sociais. Imagem publicada no Outras Palavras.

A ‘epidemia’ de ideias falsas que ameaça o conhecimento e a democracia

Teorias falsas, fake news e manipulação política das crenças sempre existiram. Mas há uma onda de extrema-direita que lhes dá uma nova dimensão. Em entrevista ao Sul21, o filósofo Ernesto Perini Santos analisa as razões que fazem as pessoas acreditarem em ideias implausíveis.

Cartaz anti-confinamento de um grupo que se apropriou do nome "Rosa Branca", o movimento alemão de resistência anti-nazi. Foto de duncan c/Flickr

Desafios políticos do negacionismo

A capacidade do negacionismo se apresentar como um movimento anti-sistema sendo precisamente pró-sistema, aliado de conservadores e retrógrados, que utiliza a suspeita, a conspiração e a polarização da sociedade, explica em boa medida o seu êxito. Por Luisa Martín Rojo e Ángela Delgado.

Adepto de uma teoria da conspiração sobre o coronavírus. Foto de Eden, Janine and Jim/Flickr

Porque é que as pandemias são o ambiente perfeito para as teorias da conspiração?

A cultura política dos últimos 50 anos falhou em oferecer à vasta maioria das pessoas um sentido do seu valor e em protegê-las contra o risco existencial de perderem os seus meios de subsistência. As teorias da conspiração alimentam-se de um sentimento de impotência face a um apocalipse. Por Nicolas Guilhot.

Vacina. Foto de Jernej Furman/Flickr.

Pedir apenas confiança nos especialistas não cura o ceticismo da vacina

Caitlín Doherty questiona se enquadrar a resistência a temas específicos como parte de uma categoria mais ampla de negacionismo será uma estratégia útil e busca as motivações para “o ceticismo da vacina”.

Manifestação de pessoas HIV positivas na Cidade do Cabo em 2002, no âmbito da Treatment Action Campaign que defrontou Thabo Mbeki o presidente negacionista da SIDA. Foto de Louis Reynolds/Flickr.

Quem se lembra do negacionismo da SIDA?

Os atuais negacionistas da Covid acham-se verdadeiros iluminados em terra de carneirinhos. Mas os seus argumentos nem sequer são originais. Alguns parecem cópia de outro movimento negacionista que chegou a ter grande importância: o do VIH/SIDA, hoje praticamente inexistente. Por Luis Leiria.

Negacionismo climático. Foto de Matt Brown/Flickr.

Ceticismo e negacionismo

O físico Alexandre Araújo Costa considera antagónicos os dois conceitos. Analisa o negacionismo climático considerando-o “um produto de laboratório de corporações e think tanks que há mais de 20 anos mimetizaram a estratégia da indústria do tabaco, que sabotou por um longo tempo as medidas de restrição”.

Manifestantes do movimento Reopen America. Maio de 2020. Foto @SurrealSage/Twitter.

Negacionismo das alterações climáticas, negacionismo da Covid, a mesma luta?

Nem todos os negacionistas da Covid são negacionistas climáticos. Mas muitos dos mais famosos negacionistas climáticos tornaram-se agora negacionistas da Covid. A mesma desconfiança da ciência, as mesmas temáticas conspirativas, às vezes os mesmos inimigos surgem nas suas narrativas. E os mesmos interesses.

Negocionismo II: Infodemia, 5G e antivacinas

A rejeição das vacinas é antiga. Ganhou novo fôlego com os medos trazidos pela vacinação contra a Covid. A teoria da conspiração acerca dos efeitos nocivos do 5G é tão recente quanto esta mas também se adaptou aos tempos de pandemia. Há quem diga que fazem parte de uma infodemia. Mas são também um negócio.

Manifestação anti-confinamento em Londres. Setembro de 2020. Foto de Steve Eason/Flickr.

Negocionismo III: nas ruas, o caso britânico e o alemão

Nem só nas redes sociais o negacionismo da Covid vive. Em alguns países ocupou as ruas, explorando frustrações e problemas económicos causados pelos confinamentos. Na Alemanha, chamaram-se “pensadores laterais”. No Reino Unido, há vários teóricos da conspiração à mistura. Com a extrema-direita sempre por perto.