Está aqui

Manifesto alemão contra a “campanha do medo” na Grécia

Declaração subscrita por personalidades do meio sindical, cultural e político da Alemanha contra a ingerência de Berlim e Bruxelas nas eleições gregas.
Tal como em 2012, Merkel joga tudo na eleição de Samaras nas eleições gregas para prosseguir as políticas de empobrecimento da troika. Foto EPP/Flickr

Não à campanha de intimidação do povo grego, não à intromissão eleitoral de Berlim e Bruxelas a favor do governo Samaras

De acordo com as declarações de membros do governo da Grécia, a realização de eleições antecipadas em caso de não eleição do presidente da República pelo atual parlamento equivale a um desastre. Yannis Stournaras, governador do Banco da Grécia e antigo ministro das Finanças, evocou os “danos irreversíveis” para a economia grega causados pela instabilidade política dos últimos dias. O esforço interno para aterrorizar os cidadãos gregos, cujo objetivo é o prologamento a todo o custo da vida do governo de Samaras e Venizélos, está a ser apoiado de forma inequívoca por altos quadros da Uniao Europeia, que tal como Juncker não se cansam de repetir que preferem “caras conhecidas” no governo que sairá das eleições.

Neste esforço de aterrorizar [os eleitores gregos] participam de forma ativa, como ocorreu também em 2012, figuras do governo alemão e a quase totalidade dos grandes media alemães. A mensagem que procuram passar junto dos gregos é unívoca: “Não se atrevam a votar errado! Os mercados e o resto da Europa não perdoarão essa atitude e a Grécia vai desintegrar-se por completo.” A cenografia do terror já foi artisticamente construída, só resta saber se desta vez irá ter influência determinante sobre os eleitores gregos.

A diferença específica em relação a 2012 é que a aplicação fiel dos Memorandos pelo atual governo empurrou a economia e a sociedade grega, já profundamente feridas antes disso, para a beira do precipício. A imposição autoritária de medidas através da repressão e o permanente contornar das instituições e dos procedimentos parlamentares lesaram de forma irreparável o regime democrático. Através das eleições antecipadas será por fim dada ao povo grego a possibilidade de votar contra as políticas bárbaras que foram aplicadas por quadros políticos sem escrúpulos.

No exercício do seu legítimo direito democrático, o povo grego não precisa de tutores nem de conselheiros beneméritos. No que respeita às ameaças diretas e indiretas vindas de figuras do meio financeiro e de líderes de outros Estados europeus, elas devem ser publicamente condenadas e ignoradas.

Contra a visão da chanceler Merkel por uma Europa dos Mercados, nós propomos uma visão de uma Europa da Solidariedade, de uma Europa dos Povos. Esta visão inspira-nos durante os repetidos encontros com os companheiros gregos, sindicalistas, em iniciativas políticas na Grécia e na Alemanha. Através desses contactos tivemos oportunidade de ver com os nossos olhos a dimensão do desastre provocado pelas políticas da Troika e dos seus agentes locais. Iremos lutar contra a propaganda dos media e dos políticos aqui na Alemanha, cujo objetivo é a permanência e a extensão das políticas ditadas pelos memorandos, e continuaremos a colocar-nos ao lado do povo grego.

Primeiros signatários: Rolf Becker (Ator); Eberhard Rondholz (Jornalista); Wolfgang Pomrehn (Jornalista); Ulrike Eifler (DGB Südosthessen); Rainhard Raika (DGB Darmstadt); Prof. Dr. Céline Jouin, (SUD educação); Gerd Graw (Delegado IGM Salzgitter); Fritz Klein (BR, S-Bahn Berlin, EVG); Uwe Krug (BR, S-Bahn Berlin, GDL); Jochen Gester, Hans Köbrich, Nina Knirsch, David-S. Schumann (Comité International do IG Metall Berlin); Manfred Klingele (GEW Hamburg);Rainer Thoman (Unia, Zürich); Kalle Kunkel (Gewerkschaftssekretär Berlin); Cordula Muehr (Médica); Dr. Nadja Rakowitz (Presidente do Conselho de Médicos Democratas – Verein demokratischer Ärztinnen und Ärzte); Dr. Peter Hoffmann (Conselheiro dos  Médicos Democratas – Verein demokratischer Ärztinnen und Ärzte); Dr. Bernhard Winter (Conselheiro dos  Médicos Democratas – Verein demokratischer Ärztinnen und Ärzte); Dr. Gregor Kritidis (Iniciativa dos Cientistas Críticos – Loccumer Initiative kritischer Wissenschaftlerinnen und Wissenschaftler); Michael Aggelidis (Jurista, Bonn, Rechtsanwalt, Landesvorstand DIE LINKE.NRW); Paul Michel (Mitglied des VerDi Ortsvorstandes Schwäbisch Hall); Attac Osnarbrück; Dieter Wegner, (Gewerkschaftslinke Hamburg); Angela Müller, Alexandra Pavlou, Peter Klemm, Marianna Munk, Lothar Zieske, Anita Friedetzki, Silke Mahlau, Rainer Basowski (Griechenland Soligruppe Attac Hamburg); Hubert Schönthaler (DIE LINKE, Köln); Griechenland-Solidaritätskomitee Köln (GSKK) –  Grupo de Solidariedade com a Grécia - Colónia.

Publicado no portal Syriza Paris. Tradução de Luís Branco para o esquerda.net.

(...)

Resto dossier

O que fará um Governo Syriza?

A três semanas das eleições gregas, o esquerda.net publica as linhas gerais do programa eleitoral e as opiniões de economistas e dirigentes do Syriza sobre os caminhos da mudança política no país e na Europa. Com a dívida e o memorando da troika no centro do debate, apresentamos também alguns relatos dos efeitos da austeridade na vida da população e como a solidariedade tem servido de antídoto à pulverização da resistência. Dossier organizado por Luís Branco.

Tsipras: Em 26 de janeiro, o governo da maioria das pessoas!

A direção do Syriza aprovou por larga maioria as bases do programa de Governo para discussão a Conferência Permanente da coligação. Leia aqui os principais pontos. Artigo do diário Avgi.

“A ameaça a um governo Syriza não virá dos mercados, mas de Berlim e Bruxelas”

O economista Yanis Varoufakis, conselheiro económico do Syriza, defende nesta entrevista que a recuperação grega nunca aconteceu para além da propaganda e que a saída do euro não fará parte da estratégia negocial de um governo liderado por Alexis Tsipras. Publicado em L'Antidiplomatico.

“A economia grega encontra-se numa armadilha da dívida”

Yorgos Stathakis é apontado como possível ministro das Finanças de um governo Syriza. Defensor de uma viragem keynesiana e de um New Deal europeu, quer renegociar a dívida e sair do memorando para dar resposta à crise humanitária na Grécia. Publicado no jornal La Vanguardia.

33 razões por que Atenas (e a Grécia) ainda está em depressão profunda

Neste artigo publicado no blogue Histologion, Mihalis Panagiotakis apresenta os dados concretos dos efeitos da austeridade na vida do povo grego, que se refletiram na capital do país.

Depois dos Merkozy... os Tsiglesias?

Káki Balí, editora de economia do diário Avgi, analisa as reações da imprensa económica internacional ante o cenário de uma vitória da esquerda na Grécia.

Política, mentiras e vídeo

Um homem ligado aos negócios e à política tentou subornar um deputado na recente eleição para presidente. Nada lhe aconteceu, o que mostra bem o estado da corrosão da austeridade nas instituições gregas. Artigo de Nikos Smyrnaios.

O fim político da Primavera Política

Aqui há uns anos, a Nova Democracia escolhia o novo líder que iria suceder a Kostas Karamanlís. Os candidatos eram a filha de Mitsotákis (o fundador do Partido Liberal) e Antónis Samarás vindo do partido Primavera Política. O resultado é conhecido. Artigo de Rias Kalfakákou.

A esperança vencerá o medo

O governo e o primeiro-ministro tanto exploram a arma do medo, que acabam por conseguir o efeito contrário. Ninguém pode aceitar a lógica absolutamente egoísta do "ou eu ou o caos" ou considerar o direito de voto como uma insignificância. Artigo de Kalyvis Alékos.

"A vitória do Syriza servirá como locomotiva para a esquerda radical na Europa"

O professor de filosofia política e membro do Comité Central do Syriza Stathis Kouvélakis, que afirma acreditar que o partido liderado por Alexis Tsipras vencerá as eleições de forma contundente, defendeu que o velho sistema político bipartidário "entrou em colapso”.

“O Syriza precisa de um mandato claro e forte nas eleições”

Argiris Panagopoulos, jornalista e membro do Syriza, falou ao esquerda.net sobre a situação política grega no momento em que o governo de Samarás ainda tentava eleger o seu candidato presidencial.

Manifesto alemão contra a “campanha do medo” na Grécia

Declaração subscrita por personalidades do meio sindical, cultural e político da Alemanha contra a ingerência de Berlim e Bruxelas nas eleições gregas.

Austeridade arrasou sistema público de saúde na Grécia

Num país onde faltam profissionais, medicamentos e material médico e hospitalar, 3 milhões de pessoas não têm acesso a cuidados médicos. Para encher os cofres dos seus credores - aos quais pagou 63 mil milhões de euros em 2013 - o governo grego promoveu um verdadeiro saque fiscal e cortou drasticamente nas áreas sociais, como a Saúde e a Educação.

Solidariedade contra a austeridade: o exemplo da saúde na Grécia

A Clínica Comunitária Metropolitana de Helliniko é um exemplo de resposta cidadã e mobilização social pelo direito à saúde. Relato de uma visita efetuada no verão de 2014.

Documentário: "Que ninguém fique só no meio da crise"

Filmado em julho de 2013 na região de Atenas, este mini-documentário dá a conhecer algumas das redes de solidariedade e ajuda mútua erguidas pelas vítimas da austeridade e pela esquerda grega. Realizado por Jorge Costa e Bruno Cabral.