Está aqui

“A economia grega encontra-se numa armadilha da dívida”

Yorgos Stathakis é apontado como possível ministro das Finanças de um governo Syriza. Defensor de uma viragem keynesiana e de um New Deal europeu, quer renegociar a dívida e sair do memorando para dar resposta à crise humanitária na Grécia. Publicado no jornal La Vanguardia.
O economista Yorgos Stathakis tem sido apontado como uma das figuras centrais de um governo do Syriza. Foto Heinrich-Böll-Stiftung/Flickr

Yorgos Stathakis, deputado do partido de esquerda Syriza, é o principal responsável pela estratégia económica e provável ministro de economia se o Syriza ganhar, como parece provável, as eleições que se celebrarão na Grécia a 25 de janeiro. Defende uma viragem keynesiana, uma espécie de New Deal na política da zona euro: muito mais investimento público, para impulsionar o crescimento e o emprego, e a reestruturação negociada da dívida. Mas a sua visão tem também uma faceta mais próxima à economia ambientalista. Tem sido um dos impulsionadores das redes de intercâmbio e moedas alternativas a partir da sua cátedra de Ciências Económicas na Universidade de Creta. Stathakis calculou que se contarem com o apoio de um governo central, 20% dos serviços sociais podem ser proporcionados pelas redes.

Há uma campanha de medo neste momento em relação às consequências de uma vitória do Syriza nas eleições. Porquê?

Acho que é em 100% resultado do governo de Samarás. Houve comentários infelizes de políticos europeus. Mas Juncker retificou dizendo que quando falava de “extremistas” se referia à extrema-direita. Nenhum democrata pode ter medo das eleições.

Se o Syriza ganhar, que farão?

O nosso programa é o que foi anunciado em Salónica. Queremos sair totalmente do programa pactuado no memorando com a troika. Queremos atender imediatamente à crise humanitária que atinge milhares de gregos. Queremos restabelecer um salário mínimo de 751 euros mensais. E subiremos o rendimento mínimo isento de pagar imposto para 12.000 euros anuais. E renegociar a dívida.

O nosso programa é o que foi anunciado em Salónica. Queremos sair totalmente do programa pactuado no memorando com a troika. Queremos atender imediatamente à crise humanitária que atinge milhares de gregos. Queremos restabelecer um salário mínimo de 751 euros mensais. E subiremos o rendimento mínimo isento de pagar imposto para 12.000 euros anuais. E renegociar a dívida.

E a renegociação da dívida como será feita?

Já se cortou uma parte importante da dívida grega em novembro de 2012. O que estamos a propor é o adiamento.

Não há perigo, se renunciarem ao acordo com a Troika, de o BCE retirar liquidez do sistema bancário grego?

Não pode haver um corte de liquidez. Desde que existe a união bancária não é possível que o BCE retire financiamento a bancos que passaram a prova de solvência como aconteceu com os bancos gregos. Desde que há união bancária isto mudou. É importante ter isso em conta. Haverá que procurar uma solução viável.

Se não houver mudança de rumo e o atual governo adotar as políticas acordadas com a troika no último memorando, que impacto terá na economia grega?

Há um buraco de financiamento para 2015 e 2016 de modo que querem ainda mais medidas de restrição fiscal e mais uma nova onda de reformas no mercado de trabalho. Ambas são para nós inadmissíveis.

Porquê?

Porque a economia grega encontra-se numa armadilha da dívida. Se forem adotados mais ajustamentos fiscais, restringir-se-á o crescimento de novo. Mas a troika quer mas do mesmo. Precisamente no momento em que há algum crescimento querem adotar mais cortes ou subidas de impostos. E isso matará o crescimento. Temos que sair desta armadilha da dívida. É tão óbvio como dizer ABC.

Seria mais fácil enfrentar a Troika dessa maneira se tivessem apoio em países como a Espanha?

Se o Syriza ganhar vai ajudar a impulsionar a mudança política que começa em Espanha. A subida do Podemos em Espanha é muito boa notícia. A verdade é que se o Syriza ganhar vai ser uma ajuda para muitos europeus mesmo não sejam de esquerda. Porque a política de austeridade obviamente não funciona.

Se o Syriza ganhar vai ajudar a impulsionar a mudança política que começa em Espanha. A subida do Podemos em Espanha é muito boa notícia. A verdade é que se o Syriza ganhar vai ser uma ajuda para muitos europeus mesmo não sejam de esquerda. Porque a política de austeridade obviamente não funciona. Acho que ajudaremos a que se recoloque tudo, a que haja mais medidas expansivas, que o BCE aposte forte na expansão quantitativa. Neste momento as economias que estão a ser submetidas a muita pressão são a Itália e a França.

O Syriza comprometeu-se a ligar de novo a eletricidade a milhares de famílias que deixaram de a ter. Como se financiará isto? É parte de uma estratégia mais ampla no setor energético?

A troika exerceu fortes pressões para que se adotasse uma solução de mercado no setor energético, com a privatização. Mas o resultado é um desastre absoluto. Primeiro, nós resolveríamos uma crise humanitária em que milhares de famílias têm que viver sem luz elétrica já que não podem pagar as faturas. Depois, poríamos mãos à obra na melhoria de uma situação em que várias centrais de gás estão infrautilizadas e desenvolveíamos o potencial grego de criar energia renovável também.

Na sua qualidade de economista da Universidade de Creta foi defensor de uma economia descentralizada baseada em redes locais, moedas alternativas, etc. Isso seria parte da estratégia do Syriza?

Sim, temos que descentralizar. Isso vai para além de uma resposta de sobrevivência; as redes ajudaram a suavizar o golpe da crise e podem ser uma forma de complementar o Estado Social.


Entrevista a Yorgos Stathakis realizada por Andy Robinson, publicada em La Vanguardia a 31 de dezembro de 2014. Tradução para português de Carlos Santos para esquerda.net

(...)

Resto dossier

O que fará um Governo Syriza?

A três semanas das eleições gregas, o esquerda.net publica as linhas gerais do programa eleitoral e as opiniões de economistas e dirigentes do Syriza sobre os caminhos da mudança política no país e na Europa. Com a dívida e o memorando da troika no centro do debate, apresentamos também alguns relatos dos efeitos da austeridade na vida da população e como a solidariedade tem servido de antídoto à pulverização da resistência. Dossier organizado por Luís Branco.

Tsipras: Em 26 de janeiro, o governo da maioria das pessoas!

A direção do Syriza aprovou por larga maioria as bases do programa de Governo para discussão a Conferência Permanente da coligação. Leia aqui os principais pontos. Artigo do diário Avgi.

“A ameaça a um governo Syriza não virá dos mercados, mas de Berlim e Bruxelas”

O economista Yanis Varoufakis, conselheiro económico do Syriza, defende nesta entrevista que a recuperação grega nunca aconteceu para além da propaganda e que a saída do euro não fará parte da estratégia negocial de um governo liderado por Alexis Tsipras. Publicado em L'Antidiplomatico.

“A economia grega encontra-se numa armadilha da dívida”

Yorgos Stathakis é apontado como possível ministro das Finanças de um governo Syriza. Defensor de uma viragem keynesiana e de um New Deal europeu, quer renegociar a dívida e sair do memorando para dar resposta à crise humanitária na Grécia. Publicado no jornal La Vanguardia.

33 razões por que Atenas (e a Grécia) ainda está em depressão profunda

Neste artigo publicado no blogue Histologion, Mihalis Panagiotakis apresenta os dados concretos dos efeitos da austeridade na vida do povo grego, que se refletiram na capital do país.

Depois dos Merkozy... os Tsiglesias?

Káki Balí, editora de economia do diário Avgi, analisa as reações da imprensa económica internacional ante o cenário de uma vitória da esquerda na Grécia.

Política, mentiras e vídeo

Um homem ligado aos negócios e à política tentou subornar um deputado na recente eleição para presidente. Nada lhe aconteceu, o que mostra bem o estado da corrosão da austeridade nas instituições gregas. Artigo de Nikos Smyrnaios.

O fim político da Primavera Política

Aqui há uns anos, a Nova Democracia escolhia o novo líder que iria suceder a Kostas Karamanlís. Os candidatos eram a filha de Mitsotákis (o fundador do Partido Liberal) e Antónis Samarás vindo do partido Primavera Política. O resultado é conhecido. Artigo de Rias Kalfakákou.

A esperança vencerá o medo

O governo e o primeiro-ministro tanto exploram a arma do medo, que acabam por conseguir o efeito contrário. Ninguém pode aceitar a lógica absolutamente egoísta do "ou eu ou o caos" ou considerar o direito de voto como uma insignificância. Artigo de Kalyvis Alékos.

"A vitória do Syriza servirá como locomotiva para a esquerda radical na Europa"

O professor de filosofia política e membro do Comité Central do Syriza Stathis Kouvélakis, que afirma acreditar que o partido liderado por Alexis Tsipras vencerá as eleições de forma contundente, defendeu que o velho sistema político bipartidário "entrou em colapso”.

“O Syriza precisa de um mandato claro e forte nas eleições”

Argiris Panagopoulos, jornalista e membro do Syriza, falou ao esquerda.net sobre a situação política grega no momento em que o governo de Samarás ainda tentava eleger o seu candidato presidencial.

Manifesto alemão contra a “campanha do medo” na Grécia

Declaração subscrita por personalidades do meio sindical, cultural e político da Alemanha contra a ingerência de Berlim e Bruxelas nas eleições gregas.

Austeridade arrasou sistema público de saúde na Grécia

Num país onde faltam profissionais, medicamentos e material médico e hospitalar, 3 milhões de pessoas não têm acesso a cuidados médicos. Para encher os cofres dos seus credores - aos quais pagou 63 mil milhões de euros em 2013 - o governo grego promoveu um verdadeiro saque fiscal e cortou drasticamente nas áreas sociais, como a Saúde e a Educação.

Solidariedade contra a austeridade: o exemplo da saúde na Grécia

A Clínica Comunitária Metropolitana de Helliniko é um exemplo de resposta cidadã e mobilização social pelo direito à saúde. Relato de uma visita efetuada no verão de 2014.

Documentário: "Que ninguém fique só no meio da crise"

Filmado em julho de 2013 na região de Atenas, este mini-documentário dá a conhecer algumas das redes de solidariedade e ajuda mútua erguidas pelas vítimas da austeridade e pela esquerda grega. Realizado por Jorge Costa e Bruno Cabral.