Está aqui

A escola minguada de Nuno Crato

Os cortes desta reforma curricular não são aleatórios, têm alvo certo – as áreas de trabalho do pensamento crítico, da articulação de saberes, e de ensino artístico e de trabalho das competências criativas. Para Nuno Crato, tudo isso é desperdício.
Ana Drago não poupa críticas ao modelo curricular proposto pelo ministro Nuno Crato

Assim que o novo Governo assumiu funções anunciou de imediato a sua intenção de alterar a matriz curricular vigente. Dada a aparente urgência de proceder às alterações julgadas necessárias, era expectável que o Governo tivesse iniciado um processo alargado de consulta dos diferentes parceiros do campo educativo, cujas sugestões e contributos deveriam sustentar essa reforma. Seria também expectável que os novos responsáveis da tutela da educação tornassem públicos os estudos que estariam na fundamentação da avaliação crítica do atual modelo curricular. Aliás, só assim se compreendia o anúncio desta vontade intensa de fazer uma revisão da estrutura curricular.

Contudo, nada disto aconteceu. O Ministério da Educação e Ciência apresentou no dia 12 de Dezembro a proposta de Revisão da Estrutura Curricular. São quatro singelas páginas, que mais não são que um mero comunicado de imprensa, ao qual adicionou uns quadros comparativos de como está hoje organizada a estrutura curricular e a carga horária, e os quadros de como pretende que venha a ficar. Sobre análise crítica e fundamentada do currículo vigente, nada se ouviu, apenas algumas opiniões expressas no referido documento e algumas apreciações de carácter estritamente individual sobre o que deve ser “ensinado”.

Mas para dizer a verdade, nem os próprios argumentos apresentados pelo Governo batem certo. O Governo diz que quer reduzir a dispersão curricular, mas pega na disciplina de Educação Visual e tecnológica e divide-a em duas. Daqui resulta o fim do chamado par pedagógico de EVT, o que significa que o carácter prático desta disciplina fica comprometido. Diz também o Governo que quer valorizar o ensino das ciências. Mas no seu projeto termina com desdobramento de turmas na área das ciências, que é o que permite o ensino experimental, e para o qual, note-se, o país tem investido no apetrechamento das escolas nos últimos anos.

As ditas quatro páginas de proposta do Governo mostram que não há equívocos. Nuno Crato parece querer juntar a fome à vontade de comer. Ou seja, juntar a vontade do Governo de fazer cortes orçamentais profundos nos serviços públicos/direitos sociais com o projeto de uma escola minguada, com a função restrita de formar para o mercado de trabalho. É regresso da máxima salazarenta “ler, escrever e contar” – uma escola pública que não forma indivíduos autónomos ou cidadãos com capacidade crítica. Não. É uma escola para qualificação para mercado de trabalho, porque as elites cuidarão de si próprias. É por isso que os cortes não são aleatórios, têm alvo certo – as áreas de trabalho do pensamento crítico, da articulação de saberes, e de ensino artístico e de trabalho das competências criativas. Para Nuno Crato, tudo isso é desperdício.

A reorganização da estrutura curricular é um debate determinante para o desenvolvimento social de um país, porque define o que uma comunidade política entende serem as aprendizagens e as competências que a escola pública promove no percurso educativo das suas crianças e jovens. Nesse sentido, a matriz curricular constitui um conjunto de escolhas políticas absolutamente fundamentais para o futuro do país, onde se estabelecem os princípios basilares da educação. É por estes motivos que o debate da revisão curricular não pode ser de nenhuma forma pouco ponderado, pouco fundamentado ou servir quaisquer outros objetivos que não a educação plena das crianças e jovens.

A multiplicação de solicitações e de atribuição de missões que são hoje endereçadas à escola impõe hoje um debate importante, ao qual escola e sociedade, não podem fugir. Até porque o impacto dessa multiplicação de expectativas teve um efeito perverso na questão curricular. De facto, é hoje manifesto que a escolaridade básica assenta hoje numa matriz curricular excessivamente extensa, multiplicada e espartilhada por diferentes áreas curriculares e disciplinares, que resulta na fragmentação do conhecimento e numa carga horária desproporcionada no quotidiano escolar dos alunos, com particular incidência no 3º ciclo da escolaridade básica. Repensar hoje a estrutura curricular da escolaridade obrigatória exige, pois, refletir e definir quais as aprendizagens centrais que o percurso escolar deve assegurar. Nesse sentido, exige que a sociedade portuguesa se comprometa em responder à questão central: enquanto sociedade democrática, que escola necessitamos hoje para responder às solicitações e aos desafios que se nos colocam?

E é certo que hoje as solicitações são inúmeras e exigentes. Vivemos hoje num mundo globalizado, onde se multiplicam os canais de informação e comunicação – é pois necessário educar para a aquisição de competência de pesquisa, análise crítica e seleção da informação. Simultaneamente, cabe à escola capacitar para o exercício da cidadania, educar para comportamento saudáveis e socialmente responsáveis. A par deste novas exigências, a escola e a sua cultura são também a socialização na memória comum da comunidade política, nos conhecimentos clássicos que fazem essa mesma identidade e esse percurso. É hoje também central preparar a formação que conduzirá cada jovem a uma inserção qualificada no mercado de trabalho. A par destes aspetos, a educação artística e para a promoção da criatividade é central no desenvolvimento integral das crianças e jovens. São muitas, portanto, as exigências.

Este debate exige dois pressupostos. Em primeiro lugar, é preciso saber onde estamos. A reforma curricular empreendida há uma década atrás demonstrou, certamente, as suas virtudes. Mas são hoje também patentes os problemas que foi colocando ao longo do tempo – importa, portanto, analisar cuidadosamente o que foi a aplicação e os resultados desse modelo curricular, de modo a responder aos problemas diagnosticados e aos novos desafios que entretanto se nos colocam.

Em segundo lugar, o processo de elaboração das orientações centrais do desenho curricular deve partir de um amplo debate com os diferentes participantes do campo educativo – professores, estudiosos, associações científicas e sociedade civil.

Ora, foi todo este processo que o atual Governo recusou fazer. De facto, optou por fazer “cortes” em áreas disciplinares e no chamado par pedagógico da disciplina de Educação Visual e Tecnológica, sem cuidar de adequar a lógica global do desenho curricular.

Que não haja, portanto, ilusões. As alterações propostas do Governo não são, nunca foram, nem nunca pretenderam ser uma verdadeira reorganização curricular. São, apenas e só, cortes orçamentais por via do despedimento de professores e por limitação da vocação democratizadora da escola pública. Como política é pobre; como ideologia é perigosa; para o futuro do país pode ser trágico.

Sobre o/a autor(a)

Dirigente do Bloco de Esquerda, socióloga.
Comentários (1)

Resto dossier

Reforma Curricular no Básico e Secundário

A proposta de Nuno Crato tem apenas duas páginas de texto e deixa muitas perguntas sem resposta. Mas a falta de debate prévio e a urgência do ministro têm uma razão: é preciso tirar dinheiro à escola pública e despedir professores, à custa da amputação de áreas curriculares fundamentais para o desenvolvimento dos estudantes. Dossier coordenado por Luís Branco

A escola minguada de Nuno Crato

Os cortes desta reforma curricular não são aleatórios, têm alvo certo – as áreas de trabalho do pensamento crítico, da articulação de saberes, e de ensino artístico e de trabalho das competências criativas. Para Nuno Crato, tudo isso é desperdício.

Mais insucesso escolar à vista

As reformas curriculares da última década têm, sob a batuta das decisões de gabinete e quantas vezes a toque de caixa de uma espécie de senso comum, um forte travo ideológico e legitimam-se na arrogância: a decisão de gabinete é mais ajustada do que a dos que vivem e fazem a escola, dos que estudam o desenvolvimento das crianças e dos jovens, dos que investigam as tendências internacionais e se questionam sobre as melhores opções para o país.

P&R: Reforma curricular

A proposta do Governo vem transformar a vida nas escolas, embora não se conheçam as justificações para a mudança, à exceção da necessidade de cortar nas despesas. Eis algumas Perguntas e Respostas sobre a Reforma Curricular, baseadas no parecer aprovado pelo Conselho Nacional de Educação.

Estudantes exigem direito a ter voz

Enquanto estudantes exigimos um programa curricular adequado à nossa aprendizagem e desenvolvimento enquanto indivíduos construtores de uma sociedade em constante evolução. Artigo de Inês Ribeiro.

Quem tem medo de melhores cidadãos e cidadãs?

A disciplina de Formação Cívica vai ser excluída do curriculum escolar, sem que o ministério da educação tenha pedido opinião aos interessados, alunos e professores, sem se fazer um balanço dos anos em que funcionou. Elimina-se uma janela para a democracia e a participação estudantil.

A Educação Visual e Tecnológica "dá mais vida à vida nas escolas"

Não se vislumbra argumentos pedagógicos que justifiquem esta proposta que configura um desmembramento de uma disciplina de sucesso nas escolas, integradora dos saberes e que articula o saber e o saber fazer, tornando as aprendizagens dos alunos significativas. Artigo de Carlos Gomes.

CNE arrasa reforma curricular

O parecer do Conselho Nacional de Educação diz que a proposta de Nuno Crato "não só restringe o âmbito do currículo, como altera o seu equilíbrio interno, afeta a extensão e contradiz alguns dos seus próprios pressupostos". Para os conselheiros, o Governo não explica nem as razões nem a oportunidade desta revisão, feita "num prazo tão curto em relação à revisão anterior".

Vem aí o currículo “Não Mexas Aí!”

O Movimento Escola Pública condenou a ausência de uma discussão alargada do projeto de Reforma Curricular proposto por Nuno Crato e apresentou ao Ministério a sua posição durante o mês em que decorreu a discussão pública da proposta.

Regresso ao passado

Com esta reforma curricular, desenha-se um modelo de escola teórico, livresco e com apelo privilegiado à memorização. É a primazia do saber recitar em detrimento do saber fazer. É, de facto, um ensino mais pobre, mais barato, com menos professores, e mais conforme as necessidades e os desejos de quem vai mandando no país e no mundo.