Diplomacia da vacina: como alguns países usam a COVID para aumentar o seu soft power

A pandemia COVID-19 deu origem a vários termos novos, reaproveitados ou recentemente popularizados. A mais recente entrada no vocabulário pandémico pode ser a “diplomacia da vacina”, com alguns países a usarem as suas doses para fortalecer os laços regionais e aumentar o seu próprio poder e status global. Artigo de Michael Jennings

07 de março 2021 - 16:44
PARTILHAR

A pandemia COVID-19 deu origem a vários termos novos, reaproveitados ou recentemente popularizados. A mais recente entrada no vocabulário pandémico pode ser a “diplomacia da vacina”, com alguns países a usarem as suas doses para fortalecer os laços regionais e aumentar o seu próprio poder e status global.

No início de fevereiro, meio milhão de doses da vacina chinesa Sinopharm COVID-19 chegaram ao Paquistão, antes de chegar também a 13 outros países, incluindo Camboja, Nepal, Serra Leoa e Zimbábue. O embaixador chinês no Paquistão declarou isso uma “manifestação de nossa fraternidade”, sentimento que ecoou pelo governo do Paquistão. A Rússia também usou a sua própria vacina Sputnik V para ganhar amigos e apoio, proporcionando acesso a países que ainda não conseguiram iniciar seus próprios programas de vacinação.

A Índia tem doado fornecimento de vacinas AstraZeneca produzidas no país para os seus vizinhos regionais, incluindo Bangladesh, Mianmar e Nepal, reforçando não apenas a sua reputação como fornecedor de vacinas baratas e acessíveis para o Sul global, mas também desafiando os esforços da China no mercado regional domínio em um momento de intensas tensões entre os dois países.

Enquanto isso, Israel concordou em pagar à Rússia para enviar a vacina russa Sputnik V ao governo Sírio como parte de um acordo de troca de prisioneiros.

A diplomacia da vacina também envolveu esforços para minar a confiança nos intentos e na eficácia de potencias rivais. A China e a Rússia foram acusadas por governos da Europa e da América do Norte de campanhas governamentais de desinformação, procurando minar a confiança nas vacinas produzidas nessas regiões. E a Rússia enviou fornecimentos da Sputnik V para a Hungria, uma ação vista por alguns como destinada a minar a unidade e a credibilidade da UE.

A Europa e a América do Norte estão atrasadas no fornecimento de vacinas para países e regiões mais pobres. Apelos de líderes como o francês Emmanuel Macron para doar vacinas aos países mais pobres e promessas do Reino Unido de doar suprimentos excedentes surgiram apenas nos últimos dias.

Nós atados?

Na ausência de fornecimento de vacinas para os países mais pobres, alguns no Ocidente procuraram lançar dúvidas sobre a credibilidade dos esforços chineses e russos, apresentando-os como estratagemas cínicos para obter vantagens diplomáticas. Vocês podem estar a tomar vacinas, dizem eles ao mundo, mas a que preço nas vossas obrigações para com a Rússia e a China - mesmo quando os países ocidentais fazem depender a sua própria ajuda internacional de condições, muitas vezes com aspirações a acordos comerciais.

A resposta ao vírus foi incorporada ao poder global e disputas diplomáticas desde o início - desde a administração Trump referindo-se ao "vírus chinês" a toda a hora como parte do seu conflito político e económico mais amplo com a China, aos esforços chineses para usar seu próprio sucesso para aumentar a legitimidade de medidas de restrição às liberdades políticas e sociais.

Na verdade, o combate às doenças tem sido usado há muito tempo como um meio de ampliar o "soft power" e ganhar amigos. A rivalidade das superpotências por exercer influência através da agulha às vezes até é positiva: o sucesso da campanha de erradicação da varíola foi em parte alimentado pela rivalidade entre a União Soviética e os Estados Unidos. Em resposta à epidemia da Sars em 2002, a China forneceu assistência e apoio aos países afetados para reforçar seu estatuto de potência global, incluindo Taiwan. O que contrasta fortemente com o relacionamento mais tenso com Taiwan nesta última epidemia.

Esse apoio tende a acumular maior influência por soft-power tanto mais que a ajuda é vista como imparcial e livre de puro interesse próprio. Antes de ser fundido com o Foreign and Commonwealth Office, por exemplo, a reputação do antigo Departamento para o Desenvolvimento Internacional (DfID) do Reino Unido foi em parte reforçada por seu foco, legalmente consagrado, na questão da pobreza e pelo seu estatuto de autonomia. A atual ronda de diplomacia da vacina não é nenhuma das duas coisas, de todos os pontos de vista.

A perspetiva de a saúde global se tornar uma nova arena para a competição e rivalidade pelo poder global deve preocupar-nos a todos. Quaisquer que sejam os benefícios que possam ter surgido dessas rivalidades no passado, fizeram-no por meio de uma rivalidade cooperativa. A resposta global ao COVID-19 até agora tendeu a ser pouco cooperativa e divisiva, atribuindo culpas ou procurando disseminar desconfiança.

As complexidades da saúde global e as necessidades de milhares de milhões de pessoas excluídas dos benefícios da ciência e da inovação em vacinas exigem uma resposta verdadeiramente global. Se a resposta à COVID-19 conduzirá a uma parceria mais igualitária para uma saúde para todos, ou se reforçará alguns dos piores instintos exibidos durante o ano passado, determinará não apenas o curso da COVID-19, mas o impacto da próxima epidemia, e as que se seguem, na ameaça à saúde global.


Michael Jennings é Leitor na International Development, SOAS, University of London. Publicado originalmente em The Conversation, a 22 de Fevereiro de 2021. Tradução esquerda.net.

Termos relacionados: Vacinas para todos