Está aqui

Circos com animais: The Saddest Show on Earth

O bonito e luminoso espectáculo que pode ser um circo com animais, onde estes parecem felizes e contentes, a saltarem e dançarem, é na verdade a fachada de um campo de tortura e escravatura animal. Artigo de Cassilda Pascoal.

Os macacos, os ursos, os elefantes e os leões são os animais mais comuns em circos. São animais selvagens retirados violentamente do seu habitat de tranquilidade e liberdade, para ficarem confinados a jaulas e a obedecerem a práticas pouco naturais da sua espécie, até ao fim das suas vidas. Outros ainda, em Portugal na sua maioria, nascem já em cativeiro, nunca tendo conhecido a liberdade.

Os elefantes, por exemplo, são os mamíferos com maior cérebro. São emocionais, dóceis, altruístas e inteligentes, e são capazes de desenhar na terra e abrir caminhos em lugares aparentemente não acessíveis. Em constante movimento, caminham 30-40 kms por dia em busca de água a alimentos. A sua esperança média de vida é de 70 anos.

Os macacos, que na sua maioria vivem em árvores e em sociedade, possuem uma maior capacidade craniana tendo o encéfalo maior volume e massa, o que resulta numa complexidade neurológica, coordenação e faculdades psíquicas, como a capacidade de aprendizagem e adaptação, superiores às outras ordens do reino animal. Os macacos pertencem à ordem dos primatas, tal como nós, seres humanos, vivendo entre 10 a 15 anos.

Poderia continuar a descrever outras características de outros animais mas basta-nos pensar neles. Quando pensamos em ursos, pensamos numa imensidão de florestas e montanhas verdes onde vivem as suas vidas pacatas. Quando pensamos em leões, pensamos em selvas e savanas e como socializam ora tranquilamente ora de modo mais agressivo, conforme a sua natureza, culturas e rituais.

Não pensamos em ursos, macacos ou elefantes a dançarem nem em leões a saltarem por entre círculos em chamas. Nenhum destes comportamentos é normal em nenhum destes animais.

Muitos deles capturados de formas cruéis, passam o resto das vidas em jaulas pequenas, privados de liberdade, alimentação adequada e socialização. A mudança de habitat e a imposição de uma forma de vida contrária à sua, provoca-lhes muitas vezes distúrbios físicos e psicológicos.

Os “tratadores” dos animais de circo usam o método de Pavlov, ou seja, treinam-os usando o reflexo condicionado, através da dor e da privação de alimentos.

Os leões são chicoteados nas pontas dos dedos e no lombo até executarem a tarefa pretendida pelo domador. Durante o circo, o domador não chicoteia o leão, apenas usa o barulho do chicote, que animal reconhece e por condicionamento (através da dor) intimida-se e cede à vontade do domador.

Os macacos, por exemplo, são pontapeados e apanham estalos enquanto são treinados.

Os ursos são obrigados a pisar chapas de metal quentes ao som de determinada música. Durante o “espectáculo” os ursos ouvem a música que foi usada enquanto foram torturados e por reflexo movimentam-se, levantando as patas.

Não há muito tempo, nos Estados Unidos, a PETA levou a cabo uma investigação secreta nos bastidores do circo Ringling Brothers, um dos mais antigos do mundo, onde filmaram elefantes vitimas de maus tratos brutais. Os animais eram, e possivelmente ainda são, acorrentados e agredidos com ganchos de metal nas trombas, pernas e orelhas.

Tendo os circos um carácter itinerante, os animais são transportados de vila em cidade. A grande maioria dos vagões onde é feito esse transporte frequente e por longos períodos de tempo, são desprovidos de qualquer tipo de aquecimento, conforto ou até luminosidade.

A crueldade com que são obrigados a viver, em cativeiro e muitas vezes sozinhos, o modo como são constantemente transportados, privados de alimentação adequada e espaço necessário para se moverem conforme as suas necessidades, faz com que desenvolvam comportamentos agressivos e stressantes, como andar em círculos, entrando muitos deles em depressão profunda.

Em Portugal a ANIMAL e a Animal Defenders Internacional (ADI), publicaram um relatório resultante de uma exaustiva investigação aos Circos Portugueses. O relatório denuncia as condições em que vivem os animais nos circos em Portugal, desadequada à sua natureza, vitimas de violência física e psicológica, usada para os controlar, a falta de cuidados prestados pelos trabalhadores dos circos aos animais doentes e feridos, para além dos comportamentos perturbados e repetitivos que dos animais desenvolvem ao serem explorados e escravizados, para lucro de quem não tem pudor em viver às custa da exploração e do sofrimento.

Recordo o infeliz comentário de Vitor Hugo Cardinali, há tempos num programa da Sic “Aqui e Agora”, sobre o modo como vivem os seus animais, afirmando, com algum orgulho, que viviam em liberdade dois meses por ano.

Partindo do principio que o seu conceito de ano é o mesmo que o da maioria, estamos a falar de dois em doze meses. Ou seja, dez meses de enjaulamento.

Estas condições, que afectam as saúde física e psicológica dos animais, reduzem consideravelmente o teu tempo de vida. Os elefantes de circo, por exemplo, vivem 14-17 anos. Menos de metade do que da esperança média de vida dos que vivem em liberdade (70 anos).

Em 2009 a aprovação de um decreto de lei passou a proibir a compra de novos animais selvagens e a reprodução dos existentes em cativeiros nos circos.

Este decreto gerou a indignação de Miguel Chen e Victor Hugo Cardinali, também este domador, directores do Circo Chen e Circo Cardinali, respectivamente. Miguel Chien, com alguma ironia dizia não poder ir contra a natureza do animal se se quisesse reproduzir. Ora, tendo em conta que todo o uso de animais em circos vai contra a natureza próprio do animal, impedir que se reproduzam será um mal menor. Já Victor Hugo, justificava a sua frustração atacando o intelecto de habitantes do interior do país ao afirmar que estes não são capazes de apreciar um espectáculo livre de crueldade1.

Sabemos que ainda demorá algum tempo para que a inexistência da escravatura animal nos circos seja uma realidade, por alguns dos animais existentes só se virem a ser livres com a suas mortes e pelas violações à lei.

Cabe-nos então a cada um de nós, cidadãos e cidadãs, do litoral e interior, termos a coragem de acelerar o processo, denunciando e apelando ao boicote a este tipo de circo, rejeitando a violência existente naquele que é o espectáculo mais triste do mundo.

 

Links:

http://www.ringlingbeatsanimals.com/default.asp

http://www.animal.org.pt/pdf/relatorio_basta_de_sofrimento_nos_circos.pdf

http://diario.vlex.pt/vid/decreto-lei-setembro-65808909

http://www.beparlamento.net/utiliza%C3%A7%C3%A3o-de-crias-animais-protegidos-nos-circos-da-quadra-natal%C3%ADcia

 

1"Posso fazer algo como o Cirque do Soleil, que é feito para os intelectuais de Lisboa e do Porto. Mas experimentem levar o Cirque do Soleil a Portalegre e os meus amigos alentejanos vão perguntar 'que porra é essa?'. In DN 14 Outubro de 2009

 


Comentários (2)

Resto dossier

Direitos dos Animais

O modo de produção capitalista e a forma como provocamos sofrimento aos animais não-humanos entram em notória contradição com o conhecimento adquirido acerca da senciência de muitos animais, incluindo todos os animais vertebrados, e a consciência do nosso parentesco evolutivo com as outras espécies. Dossier organizado por Mariana Carneiro.

Debate Direitos dos Animais

Este sábado, o Bloco de Esquerda organizou um debate sobre Direitos dos Animais, que contou com a participação da deputada do Bloco Catarina Martins, o biólogo Hugo Evangelista e o ativista dos direitos dos animais Ricardo Sequeiros Coelho. Após o debate esquerda.net recolheu o testemunho dos três oradores. Ver vídeo.

Cábula para o especialista instantâneo em direitos dos animais

Os preconceitos alastram ao sabor do zeitgeist e uma vez estabelecidos, passam a fazer parte do senso comum e deixam de ser questionados. Neste artigo, Cristina DʼEça Leal e Pedro Ribeiro procuram desmontar algumas dessas “ideias feitas”.

Todos diferentes, todos animais

Somos todos diferentes e o problema não é reconhecer e admitir a diferença, mas sim hierarquizar os outros com base nessa diferença. A inteligência é a capacidade de resolver novos problemas e isso não é exclusivo dos humanos. Artigo de Cristina D'Eça Leal.

Animais: as “coisas” de que não falamos

A questão que aqui se coloca é a de que posição é que devemos assumir perante estes animais. E esta é uma questão crucial na modernização ética da sociedade humana. Artigo de Mariana Pinho.

Uma nova geração que defende os animais

Enquanto vivermos da exploração dos animais nem eles nem nós, humanos, seremos livres. Artigo de Hugo Evangelista.

Direitos dos animais, uma causa da esquerda

A evolução humana prende-se com a evolução da forma como tratamos o outro. Aquele sobre o qual temos poder. A nossa evolução prende-se com o repensar a nossa posição no mundo, na vida, e na nossa posição em relação ao outro que tocamos com a nossa existência. Artigo de Luísa Ferreira Bastos e Ricardo Sequeiros Coelho.

Não é a falar que a gente se entende

O debate que costuma acompanhar a questão do papel da tauromaquia na sociedade portuguesa actual é inevitável e, em boa medida, apaixonante: envolve e empolga os participantes, suscita posições vincadas e raramente deixa as pessoas indiferentes. Artigo de Pedro Ribeiro.

Esterilização e Eutanásia

Defender a Esterilização e em alguns casos até a Eutanásia são posições que geram sempre alguma surpresa quando vindas de quem assume defender os direitos e a protecção animal. Artigo de Cassilda Pascoal.

Circos com animais: The Saddest Show on Earth

O bonito e luminoso espectáculo que pode ser um circo com animais, onde estes parecem felizes e contentes, a saltarem e dançarem, é na verdade a fachada de um campo de tortura e escravatura animal. Artigo de Cassilda Pascoal.

O Conflito Estudantil da Garraiada Académica

Na garraiada académica nega-se o direito inegável de se sentir, superioriza-se uma existência face a outra, na mesma premissa em que assentou a escravatura no Império Português até 1878. Artigo de Irina Castro.

Será o Vegetarianismo um ato político?

Desde sempre a alimentação tem sido o reflexo das culturas dos países, cidades ou comunidades onde a humanidade reside. Por todo o planeta, assistimos a uma diversidade imensa de pratos e sabores que enriquecem os povos ou os demarcam do resto do mundo. Artigo de João Pedro Santos.

Direitos dos Animais: O que deve a esquerda propor?

Na minha perspetiva, importa que a Esquerda continue a manter os temas dos Direitos dos Animais na agenda parlamentar e no debate público. Texto de Manuel Eduardo dos Santos