Está aqui

“A bolso-economia está destinada ao fracasso”

Para além do sexismo, racismo, homofobia e autoritarismo, Bolsonaro é também nome de uma reforma da Segurança Social que corta direitos e aumenta o tempo de descontos, de uma política de cortes nos gastos públicos, privatizações, precariedade e desemprego. É o que nos explica o sociólogo Ruy Braga nesta entrevista.
Ruy Braga.
Ruy Braga.

Visto de fora, o "bolsonarismo" parecia à partida um projeto mais apoiado numa retórica anti-corrupção, justicialista, saudosista de um passado inventado. Havia à partida uma "bolso-economia"?

 

Jair Bolsonaro foi um político do chamado "baixo clero" da Câmara dos Deputados por três décadas. Desde o início de sua atuação parlamentar, ele buscou representar demandas corporativas dos militares e, posteriormente, com o crescimento do fenómeno das milícias cariocas, passou a incorporar também os interesses desses grupos. Nunca se destacou por nada de propositivo na Câmara, além de suas declarações sexistas, racistas, homofóbicas e autoritárias.

No contexto da crise política brasileira aberta pelo impeachment da presidente Dilma, pelos desdobramentos a operação Lava-Jato e pelo aprofundamento da crise económica (2015-2016), Bolsonaro soube se aproveitar da confusão generalizada da cena política do país, lançando-se como candidato da restauração da ordem. Trata-se de um discurso politicamente ambíguo, pois ele nunca detalhou o que faria para restaurar e, afinal, que “ordem” seria realmente restaurada.

A confusão gerada pela crise, as ambiguidades políticas do candidato – que diga-se, não participou dos debates presidenciáveis devido a uma facada recebida na ciade de Juiz de Fora – e, sobretudo, a ausência de um candidato alternativo ao campo de centro-esquerda viável eleitoralmente, transformaram Bolsonaro num político competitivo durante a campanha eleitoral de 2018. O debate económico em torno do programa do candidato praticamente não foi debatido e os media corporativistas brasileiros preferiram ocultar as informações sobre o programa do candidato e criar a figura do “Posto Ipiranga” (aquele que sabe tudo) Paulo Guedes, na época, assessor de Bolsonaro para assuntos económicos.

Enquanto os setores de centro-esquerda atacava o racismo do candidato, praticamente ninguém debatia sua agenda económica. E que agenda é essa: o programa “ultra-neoliberal” que, em termos esquemáticos, significa cortes radicais de gastos públicos, privatizações de empresas estatais e ataques aos direitos trabalhistas e previdenciários. A “economia política” de Guedes-Bolsonaro é a mesma do impopular governo de Michel Temer, ainda que radicalizada. Sem investimentos públicos e atacando os rendimentos do trabalho, sobram apenas a poupança internacional e os investimentos privados. Como os investidores internacionais estão fugindo do risco devido à crise EUA-China e como há uma reconhecida sobrecapacidade instalada nas empresas brasileiras, algo que bloqueia o investimento privado, o desempenho económico do país não consegue ser superior a 1% há três anos consecutivos. A “bolso-economia” é um programa condenado ao fracasso.

 

Que interesses tem servido a governação de Bolsonaro?

O governo Bolsonaro articula três grandes ordens de interesses sociais: o corporativismo das forças repressivas do Estado – isto é, as forças armadas, a polícia federal e as polícias militares estaduais; o corporativismo do poder judiciário brasileiro que busca a qualquer custo defender seus escandalosos privilégios de camada burocrática (ou seria, plutocrática?); e a pauta socialmente conservadora em relação aos costumes associada ao setor evangélico, em especial, neopentecostal, que tem garantido a base popular do governo. Bolsonaro soube contentar e integrar as corporações repressivas e judiciárias ao seu projeto de governo. Não há dúvidas quanto a isso. No entanto, a base popular do governo, apesar de ideologicamente alinhada ao “bolsonarismo”, é excessivamente sensível ao aumento das desigualdades sociais. Em especial, ela é sensível à compressão dos rendimentos do trabalho e aos ataques aos benefícios previdenciários. O ano de 2020 será um ano de enormes desafios para o governo, pois, a base popular do governo não é tão estável quanto crê a extrema-direita brasileira. As eleições municipais serão um bom termômetro para auferir a popularidade do bolsonarismo.

 

Pode-se classificar o setor que domina atualmente a política brasileira como neoliberal? O que aconteceu ao protecionismo económico tradicional na extrema-direita?

Não há nenhum traço de nacionalismo entre aqueles grupos que dominam o governo federal. Nem mesmo os militares. Na verdade, eles avalizaram sem questionar a venda da Embraer para a Boeing – uma empresa dirigida, basicamente, por militares das forças aéreas - além de apoiarem o plano radical de privatizações de Paulo Guedes, ministro da economia. O grupo dominante é basicamente oriundo do setor financeiro. E o poder judiciário está completamente imerso em sua tentativa de defender seus privilégios burocráticos. Ou seja, o governo é formado por setores entreguistas e egoístas. Daí a aceitação acrítica de uma agenda ultra-neoliberal.

 

Que impacto social teve este ano e pouco de governo? Há uma regressão de direitos?

 

No ano passado, o Congresso Nacional aprovou a mais dura contra-reforma da previdência social de que se tem notícia no país, com eliminação de direitos, aumento do tempo de contribuição e cortes nos benefícios. O desemprego continua elevadíssimo para os padrões nacionais (no último trimestre de 2019, a taxa de desocupação manteve-se em 12,1%, e o da taxa de desocupação por horas trabalhadas chegou a 15,4%) os rendimentos do trabalho seguem declinantes (o salário de admissão em dezembro foi mais baixo do que o de igual período em 2018, caindo de 1.597,94 reais para 1.595,53 reais) e a informalidade nunca foi tão elevada: entre as mais de 94,4 milhões de pessoas em atividade, 38,8 milhões encontravam-se em ocupações informais, trabalhando por conta própria ou no setor privado, sem registo formal. Essa fatia representa 41,1% da população ocupada. Um recorde histórico.

 

Qual o ponto da situação das resistências ao governo?

As perspetivas entre os setores mais ou menos tradicionais de oposição, ou seja, partidos políticos e sindicatos, não são nada boas. A fragmentação política não cede, a principal liderança política da oposição é incapaz de se renovar e mostra-se alguém muito mais alinhado com o passado do que com o futuro e, com o fim do imposto sindical implementado pelo governo Bolsonaro, o movimento sindical brasileiro enfrenta uma inédita e muito grave crise de financiamento. O polo mais dinâmico de resistência e que eventualmente poderia criar constrangimentos ao governo é formado por movimentos sociais urbanos ligados à moradia e ao transporte, por estudantes, e por aqueles setores da classe trabalhadora usualmente desorganizados, mas com um potencial disruptivo enorme, como os motoristas de autocarros e camiões. Ocorre que esses setores encontram-se: ou muito pressionados pelas forças repressivas do Estado, caso do MTST, por exemplo, ou são inexperientes politicamente, caso dos estudantes, ou continuam deixando-se cooptar pelo governo, caso dos camionistas. Ou seja, as principais fontes de resistência ao governo estão desarticuladas e fragilizadas. Daí a “aparência” de haver um "governo" quando, na realidade, o que temos é um assalto aos fundos públicos orquestrado por uma aliança política esdrúxula formada por milicianos, militares, banqueiros, policiais e juízes. Isso sem mencionar os terraplanistas e os criacionistas que controlam o Ministério da Educação. Enquanto o ritmo da vida política no país não se alinhar ao restante da América Latina, não haverá a menor chance de uma solução progressista para a crise brasileira.

 

Ruy Braga é Professor de Sociologia na Universidade de São Paulo, especialista em Sociologia do Trabalho. É chefe do Departamento de Sociologia da Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas da USP, onde coordena o Centro de Estudos dos Direitos da Cidadania (Cenedic).

 

Entrevista de Carlos Carujo.

(...)

Resto dossier

Manifestação anti-fascista em Londres. Dezembro de 2018.

Extrema-direita e liberalismo, a nova receita do sistema

A nova vaga de partidos de extrema-direita tem aspeto e política económica diferentes das anteriores. Agora, grande parte, é descomplexadamente liberal no seu programa, servindo dessa forma os interesses dos mais poderosos economicamente. Como o prova o Chega em Portugal. Dossier organizado por Carlos Carujo.

André Ventura junto com Pedro Passos Coelho na campanha eleitoral que o irá eleger como vereador do PSD em Loures. Foto de Nuno Fox/Lusa.

Só de liberalismo é que não Chega

O partido com mais sucesso da extrema-direita nacional pretende passar por partido de protesto. Mas em questões económicas é totalmente alinhado com os interesses dominantes. O seu programa levaria à destruição da escola pública, ao fim do Serviço Nacional de Saúde e do princípio de que quem ganha mais, paga mais impostos.

Cartaz anti-extrema-direita numa manifestação em Londres. Julho de 2018.

Atlas imperfeito da extrema-direita na Europa

Assume faces diferentes mas sempre reconhecíveis, escolhe inimigos diferentes mas sempre nos mais fracos, faz discursos diferentes mas sempre promovendo o ódio. A extrema-direita que juravam há pouco tempo ser coisa do passado e não ter lugar na Europa, chegou em força e governa vários países. Conheça alguns dos movimentos.

Capa da brochura A extrema-direita no governo.

A extrema-direita no governo

Há um casamento de conveniência entre nacionalismo e neoliberalismo e os novos autoritarismos fazem perigar a democracia. É o que defendem Stefanie Ehmsen e Albert Scharenberg em “A extrema-direita no governo: seis casos por toda a Europa” da Fundação Rosa Luxemburgo. Trazemos a introdução de um texto que pode ser lido aqui.

Marilena Chauí por Patrícia Araújo. Foto de Outras Palavras

O que é a “nova” ultradireita?

A nova ultradireita submete a nação aos poderes globais apesar da sua retórica. O seu totalitarismo já não se inscreve na lógica do Estado mas sim na da Mercadoria, da Empresa, da Meritocracia, do Investidor. Esta é a tese da filósofa brasileira Marilena Chauí.

Manifestação anti-fascista em Itália.

O Autoritarismo Pós-liberal

Neste artigo, Fernando Rosas explica-nos que a história não se repete, mostrando as diferenças dos novos autoritarismos de caráter liberal dos velhos fascismos e lembrando a urgência do combate contra estes fenómenos.

Cartaz na caravana contra as multinacionais, uma iniciativa dos sindicatos da Colômbia em julho de 2014.

Liberalismo e neoliberalismo

“O liberalismo é o outro nome da utopia capitalista, ou seja, da distopia capitalista para os subalternos”. Publicamos aqui em conjunto duas entradas, uma sobre liberalismo e outra sobre neoliberalismo, elaboradas pelo economista João Rodrigues para o Alice Dictionary do CES da Universidade de Coimbra.

A União Europeia, as políticas sociais, e os fundamentos: de Hayek para Salazar, até aos liberais autoritários

Neste artigo trato brevemente da relação entre a crise estrutural e as ameaças recentes contra o Estado Social e, em particular, da forma como diversas correntes do liberalismo moderno, incluindo Hayek ou os ordoliberais, abordaram a questão da relação entre a democracia e o funcionamento do Estado. Por Francisco Louçã.

Jaime Pastor.

Direitas radicais, neoliberalismo e pós-democracia

Neste artigo de 2018, Jaime Pastor sublinha a captura pela extrema-direita da agenda política. Para além de serem pseudo-outsiders, de mobilizarem o ódio contra migrantes e refugiados, de apostarem na guerra cultural ultra-conservadora, têm em comum serem coniventes ou fervorosos adeptos do neoliberalismo.

Ruy Braga.

“A bolso-economia está destinada ao fracasso”

Para além do sexismo, racismo, homofobia e autoritarismo, Bolsonaro é também nome de uma reforma da Segurança Social que corta direitos e aumenta o tempo de descontos, de uma política

de cortes nos gastos públicos, privatizações, precariedade e desemprego. É o que nos explica o sociólogo Ruy Braga nesta entrevista.

Donald Trump. Setembro de 2016. Nova Iorque.

Trumponomics: uma política de classe

Pela retórica truculenta, Trump tornou-se ídolo da extrema-direita. Os ataques a minorias, negacionismo climático e ultra-conservadorismo tornaram-se mainstream. Com o arsenal do reacionarismo, o presidente norte-americano criou o mito de ser contra o sistema. Mas representa apenas o poder retocado do velho sistema económico.

Manifestante contra Salvini. Dezembro de 2019. Itália.

Salvini: falhanço económico e impunidade política

As contradições sobre nacionalismo, Europa e corrupção parecem não afetar o líder da extrema-direita italiana. A má prestação económica do governo em que participou também não. O facto de ter prescindido de políticas centrais ainda menos. Conseguirão as “sardinhas” acabar com o estado de impunidade permanente de Salvini?

Santiago Abascal, líder do Vox.

Radiografia do Vox, o novo partido da extrema-direita espanhola

O Vox emergiu em dezembro de 2018 nas eleições andaluzas e parece ter assegurada a entrada no parlamento com as eleições legislativas do próximo fim de semana. Radiografia de um partido militarista, racista, clerical, pró-imperialista, anti-feminista e neoliberal. Por Daniel Pereyra/Viento Sur.