Está aqui

Uma multidão anti-racista nas ruas de Portugal

Em várias cidades foram milhares as vozes que se juntaram para lembrar a memória de todos os George Floyd que têm sido vítimas de racismo. A deputada Beatriz Dias também marcou presença defendendo a criação de “políticas públicas que combatam o racismo e a discriminação racial”.
Manifestação anti-racista em Lisboa. Junho de 2020.
Manifestação anti-racista em Lisboa. Junho de 2020.

“A nossa luta é todo o dia, contra o racismo e a xenofobia!”, “direitos iguais”, “Cláudia Simões presente!”, “no justice, no peace”. Foram inúmeras as palavras de ordem e milhares as pessoas que lhes deram voz em várias cidades de norte a sul do país.

Nas diferentes mobilizações, lembrou-se a memória do afro-americano George Floyd assassinado pela polícia mas não se esqueceram todas as outras vítimas de diferentes tipos de racismo.

Lisboa, Porto, Coimbra, Braga, Viseu, Guarda e Faro foram os palcos de manifestações muito participadas e animadas. Leonardo, um dos co-organizadores da manifestação de Coimbra, sintetizou ao Esquerda.net o espírito da mobilização: “pretendemos levar à reflexão e consciencialização de que em Portugal também existe racismo. E aqui em Portugal também já fez imensas vítimas – pretendemos igualmente homenageá-las”.

Também vítima de racismo, a comunidade cigana fez questão de estar presente. José Fernandes insurge-se: “chega de tanto racismo, de tantos problemas uns com os outros. Somos todos iguais, todos portugueses e todos seres humanos. Fora com o racismo!”

Catarina Martins também esteve na ação de Lisboa para manifestar “solidariedade com todos aqueles que protestam nos EUA mas sabendo que, também aqui, o racismo estrutural vive”.

E Beatriz Dias explicou que “estamos aqui a prestar homenagem ao George Floyd, o afro-americano que foi morto nos Estados Unidos, mas também queríamos trazer à discussão todas as manifestações de racismo institucional que afetam a vida de pessoas negras em Portugal e em várias partes do mundo”.

A deputada bloquista referiu “várias dimensões do racismo” nas quais se manifesta o racismo: “na educação, na justiça, habitação, segregação territorial, acesso ao emprego, salários” mas “também na forma como as pessoas racializadas como negras são representadas, quer seja nos telejornais, uma representação muito negativa, o que reforça os estigmas e os preconceitos que afetam esta população”. Por isso, considerou urgente “criar políticas públicas que combatam o racismo e a discriminação racial”.

No Porto, a tarde foi assim:

Em Coimbra a Praça da República estava assim:

E em Braga o encontro na Avenida Central esteve assim:

No Rossio de Viseu, os manifestantes ajoelharam-se num gesto de homenagem às vítimas do racismo.

Em Faro onde se desceu da Avenida 5 de Outubro até ao Jardim Manuel Bívar:

E em Lisboa a jornada de luta terminou desta forma no Terreiro do Paço:

 

Termos relacionados Sociedade
(...)