Está aqui

Sondagens afastam Sarkozy do Eliseu

Na imprensa francesa, todas as sondagens publicadas estão de acordo quanto ao vencedor das presidenciais na segunda volta: François Hollande deverá bater Sarkozy. Mas ainda é difícil prever qual dos principais candidatos fará o discurso mais empolgado este domingo: Sarkozy e Hollande irão disputar a vitória à primeira volta e apenas uma das sondagens dos últimos dias indica a vantagem do candidato apoiado pelo PSF.
Se as sondagens acertarem, Hollande vai suceder a Sarkozy como o próximo presidente da França. Foto radiowood2000/Flickr

A sondagem da Ipsos dá um empate técnico entre Nicolas Sarkozy e François Hollande, com ambos a registarem 27% das intenções de voto. Em comparação com o último estudo da empresa, Sarkozy perde 2% e Hollande 1,5%. A disputa pelo terceiro lugar nas sondagens também é renhida, com a candidata da extrema-direita Marine Le Pen a ter vantagem sobre Jean-Luc Mélenchon, da Frente de Esquerda (15,5% contra 14,5%). O início do período oficial de campanha deu também mais visibilidade aos restantes candidatos e a maior vencedora parece ser a ecologista Eva Joly, com 2,5%, distanciando-se do 1% registados pelas candidaturas de Nathalie Arthaud, da Lutte Ouvrière e Phillipe Poutou, do NPA, mas ainda muito longe do centrista François Bayrou, que recolhe 10% nas intenções de voto dos inquiridos pela Ipsos. A dúvida quando às expectativas do eleitorado sobre a identidade do próximo presidente da França desfaz-se quando a pergunta é em quem vai votar na segunda volta. Aqui, François Hollande tem razões para estar mais tranquilo, com a sondagem a dar-lhe 56% e apenas 44% a Sarkozy.

Outra sondagem publicada na terça-feira, a cargo da Harris Interactive, não se afasta muito destes valores, dando uma pequena vantagem a Sarkozy (28%) em relação a Hollande (27%). Para os inquiridos por este empresa, Marine Le Pen está em alta, com 17% das intenções de voto, enquanto Mélenchon perde terreno, recuando para os 12%. À segunda volta, o resultado previsto é o mesmo da Ipsos, com Hollande a vencer Sarkozy por 53% contra 47%. A maior novidade desta sondagem acaba por ser a resposta à questão "qual o candidato que mais o marcou durante a campanha?". Jean-Luc Mélenchon continua à frente, embora tenha perdido seis pontos na última semana, seguido dum espetacular salto de Phillipe Poutou, o candidato mais marcante para 13% dos inquiridos.

A última sondagem publicada esta terça-feira, a cargo da empresa de estudos de mercado CSA, diz que Hollande ganhou terreno a Sarkozy, batendo-o numa segunda volta por 58% contra 42% e já no domingo por 29% contra 24% à primeira volta das presidenciais francesas. Marine Le Pen surge em terceiro lugar com 17% e Jean-Luc Mélenchon consegue 15%. Ainda segundo a CSA, François Bayrou tem 11% nas intenções de voto, 2% para Eva Joly, 1,5% para Nicolas Dupont-Aignan e 1% para Phillipe Poutou, com Nathalie Arthaud  a manter 0,5% e Jacques Cheminade abaixo dessa percentagem

Uma terceira previsão publicada esta semana foi o barómetro Ifop Fiducial, que pela primeira vez coloca Hollande à frente na primeira volta com 28%, mais um ponto percentual que o presidente em exercício. A diferença em relação às outras sondagens é que coloca Hollande a subir e Sarkozy a cair nas intenções de voto nas duas voltas. Para este barómetro, o candidato apoiado pelo PS poderá obter 55,5% dos votos na segunda volta, contra 44,5% de Sarkozy.

Caso Hollande termine a noite eleitoral de domingo em vantagem, será a primeira vez que um Presidente da Vª República se recandidata à reeleição e não consegue chegar à frente na primeira volta. O barómetro Ifop Fiducial confirma a incerteza na luta pelo terceiro lugar, com apenas um ponto a separar Marine Le Pen de Mélenchon, que consegue aqui o melhor resultado no barómetro desde o lançamento da candidatura: 14,5%. De acordo com os dados revelados pela Paris Match, que encomendou o barómetro, o candidato da Frente de Esquerda consegue segurar 17% dos eleitores da socialista Ségolène Royal, derrotada por Sarkozy nas últimas presidenciais de 2007, e vai mesmo buscar o apoio de 15% dos que nessa eleição votaram em Bayrou, que agora se volta a candidatar. O candidato apoiado pelo Modem obteve 18,6% dos votos, mas as sondagens agora só lhe dão 10%, com uma parte importante (29%, segundo o barómetro) dos seus antigos eleitores a preferirem desta vez o voto em Hollande.

Termos relacionados Internacional
Comentários (1)