Está aqui

Sentenças do Supremo Tribunal dos EUA contra a Argentina incentivam investidores depredadores

Duas sentenças do Supremo Tribunal dos EUA contra a Argentina incentivarão os investidores depredadores e dificultarão a redução da dívida dos países mais desfavorecidos, afirmaram organizações que lutam contra a pobreza. Por Carey L. Biron, da IPS.
Foto: Mark Fischer by/CC2.0

Ontem, o máximo tribunal norte-americano recusou um apelo apresentado pelo governo argentino diante da decisão de um tribunal inferior que exigia de Buenos Aires o pagamento de 1,5 mil milhões de dólares aos credores dos fundos abutre, que se negaram a aceitar uma troca da dívida pública do país. Em agosto de 2013, quando se conheceu essa sentença, a Argentina declarou que não a acataria, mas depois moderou a sua postura.

Os magistrados norte-americanos validam “uma forma de dominação mundial com base na especulação, para pôr de joelhos os países e a sua população”

Assim que a sentença foi divulgada, a presidente argentina, Cristina Fernández, afirmou que, desta forma, os magistrados norte-americanos validam “uma forma de dominação mundial com base na especulação, para pôr de joelhos os países e a sua população”. A Argentina conta neste caso com apoio do Fundo Monetário Internacional (FMI), do Banco Mundial e do governo de Barack Obama.

Esta sentença implica um revés dramático para a Argentina, que luta há anos contra os fundos abutres norte-americanos, NML Capital e Aurelius, para concluir um importante acordo de reestruturação da sua dívida de 102 mil milhões de dólares, após a suspensão de pagamentos (default) do país em 2001.

O NML Capital, que liderou a ação contra a Argentina em Nova York, comprou os títulos do tesouro argentinos por 48,7 milhões de dólares e agora o Supremo Tribunal dos EUA reconhece como seu direito cobrar 832 milhões de dólares por esses papéis. “Um lucro de 1.600% em dólares em poucos anos. Creio que nem o crime organizado consegue essa taxa de retorno em tão pouco tempo”, destacou Fernández numa mensagem transmitida pela rede nacional de televisão.

Os 1,5 mil milhões de dólares que a Argentina deverá pagar aos fundos abutres são apenas 10% dos títulos que não entraram na troca de 2001. Se o restante da dívida não trocada for apresentada nos tribunais, Buenos Aires enfrentará um processo de aproximadamente 15 mil milhões de dólares.

Uma segunda sentença, também do Supremo Tribunal norte-americana, proferida ontem, foi esmagadoramente a favor dos fundos abutres de alto risco e permitirá aos detentores de títulos obrigar os bancos internacionais a dar-lhes toda ajuda na procura de ativos argentinos.

As sentenças animarão os investidores depredadores e implicam uma derrota importante para os países pobres que buscam reduzir a sua dívida

As sentenças animarão os investidores depredadores e implicam uma derrota importante para os países pobres que buscam reduzir a sua dívida, afirmaram em Washington organizações não governamentais.

“Ainda estou aturdido pela notícia, é devastadora”, disse Eric LeCompte, diretor-executivo da Jubileu Estados Unidos, uma rede de organizações religiosas que luta em nível mundial contra a pobreza. “Não só apoia o comportamento dos fundos de capital de risco como os incentiva. Agora têm novos instrumentos legais para obrigar países como a Costa do Marfim e Zâmbia à submissão com bastante rapidez”, disse à IPS.

Em jogo está a estratégia de um pequeno número de fundos de investimento, ou fundos abutre, com sede sobretudo nos Estados Unidos, que compram dívida de países pobres com poucas esperanças de amortização, por uma fração do seu valor nominal. Depois essas empresas apresentam ações judiciais contra os governos, porque não lhes pagaram 100% do valor dos títulos do tesouro adquiridos, com a intenção de ficar com parte da renda fiscal e dos fundos de ajuda internacional quando finalmente começam a fluir.

Os fundos desse tipo mantêm as suas ações mesmo quando outros investidores concordam em reduzir a dívida – no que é conhecido como troca de dívida – e aceitam rendimentos inferiores aos esperados que, no entanto, permitem ao governo devedor começar a recuperar economicamente. Inclusive, um só fundo abutre que não aceita a troca pode anular todo o processo de reestruturação da dívida, já que legalmente o acordo não pode avançar sem a aprovação de todos os detentores de títulos.

O caso da Argentina começou em 2001, quando deixou de amortizar 102 mil milhões de dólares em títulos do tesouro após anos de turbulências que afundaram a sua economia. Em 2005 e 2012, ofereceu troca de dívida aos investidores estrangeiros por títulos novos a um quarto do seu valor original.

Cerca de 93% dos credores da argentina finalmente aceitaram a troca, mas o NML Capital e o Aurelius negaram-se a aceitar e posteriormente processaram o governo argentino em tribunais nova-iorquinos. “É hora de a Argentina cumprir os seus compromissos com os credores, o que beneficiará tanto a economia argentina quanto a sua posição internacional”, disse o NML num comunicado à imprensa após a sentença contra a apelação.

Observadores do processo temem que a decisão do Supremo Tribunal não só incentive os demais credores da Argentina como fomente as estratégias dos detentores que não aceitam a troca da dívida.

Observadores do processo temem que a decisão do Supremo Tribunal não só incentive os demais credores da Argentina como fomente as estratégias dos detentores que não aceitam a troca da dívida. “Esse comportamento já era um dos mais rentáveis do mundo, e esta sentença agora considera-o legítimo e torna-o ainda mais rentável, já que os investidores terão que gastar menos em litígios”, pontuou LeCompte.

Alguns analistas sugerem que o Aurelis e o NML processaram a Argentina não tanto pelo dinheiro em jogo no caso, mas pelo modelo que uma sentença favorável ajudaria a consolidar no futuro. A decisão do tribunal pode ter numerosas repercussões adversas. Agora, os fundos abutre podem atacar o rendimento fiscal de países em extrema pobreza, bem como a ajuda internacional que lhes for proporcionada.

As gestões de reestruturação da dívida que credores multilaterais realizam com o FMI ou o Clube de Paris, que facilitaram a redução da dívida de 90 países em cerca de 573 mil milhões de dólares, também podem complicar-se. Os investidores legítimos provavelmente decidam não participar desse tipo de estrutura já que agora os seus investimentos podem correr risco.

Na batalha jurídica da Argentina nos últimos anos, o FMI, o Banco Mundial e o governo de Obama, bem como uma ampla variedade de investidores, apoiaram formalmente Buenos Aires. No início deste mês, um porta-voz do FMI afirmou que essa entidade “está profundamente preocupada pelas amplas implicações sistémicas que a sentença de primeira instância pode ter para o processo de reestruturação da dívida em geral”.

Existem numerosos esforços internacionais em curso que poderiam limitar a ação dos investidores predadores ou criar um sistema de arbitragem internacional que aborde o problema da dívida soberana. Nos últimos dias, o FMI analisou um documento de trabalho destinado a prevenir as crises económicas mundiais.

Segundo análise da Jubileu Estados Unidos e da New Rules for Global Finance, uma organização não governamental de Washington, procura-se “limitar ou eliminar a conduta predadora extrema que viola as políticas de alívio da dívida, a sua reestruturação e o bom funcionamento do sistema financeiro”.

Mas, seja a nível nacional ou internacional, qualquer medida deste tipo só oferecerá uma solução única no médio prazo. A Argentina agora tem até o dia 30 deste mês para fazer os pagamentos a todos os detentores de títulos do tesouro, entre eles o NML e o Aurelius, mas pagar o que poderia chegar a cerca de 15 mil milhões de dólares arriscaria outro default.

Envolverde/IPS
Washington, Estados Unidos, 18/6/2014
Artigo publicado em http://envolverde.com.br/ips/inter-press-service-reportagens/suprema-cor...

Termos relacionados Internacional
(...)