Está aqui

PE aprova ação contra Hungria por violação grave dos valores europeus

Segundo Marisa Matias, os ataques de Viktor Orbán, nomeadamente aos migrantes, “violam os valores mais universais que são a base dos direitos humanos”. PCP votou contra o relatório do Parlamento Europeu e Marinho e Pinto absteve-se. Os restantes partidos portugueses votaram a favor.
Foto GUE/NGL.

Como recomendado num relatório da comissão parlamentar das Liberdades Cívicas, da Justiça e dos Assuntos Internos, aprovado por 448 votos a favor, 197 contra e 48 abstenções, o Parlamento Europeu solicitou esta quarta-feira ao Conselho da União Europeia (UE) que inicie o procedimento previsto no artigo 7.º do Tratado da UE, relativo à existência de um risco manifesto de violação grave dos valores europeus.

De acordo com o PE, subsistem “diversos motivos de preocupação que se repercutem negativamente na imagem da União, bem como na sua eficácia e credibilidade na defesa dos direitos fundamentais, dos direitos humanos e da democracia a nível mundial, e que põem em evidência a necessidade de lhes dar resposta através de uma ação concertada da União”.

As principais preocupações do PE dizem respeito às seguintes questões: funcionamento do sistema constitucional e eleitoral; independência do poder judicial e de outras instituições e direitos dos magistrados; corrupção e conflitos de interesses; privacidade e proteção de dados; liberdade de expressão; liberdade académica; liberdade de religião; liberdade de associação; direito à igualdade de tratamento; direitos das pessoas pertencentes a minorias, incluindo os ciganos e os judeus, e proteção contra as declarações de ódio contra essas minorias; direitos fundamentais dos migrantes, requerentes de asilo e refugiados; e direitos económicos e sociais.

Conforme sublinha o PE em comunicado, esta é a primeira vez que a assembleia europeia elabora e vota um relatório sobre a ativação do artigo 7.º do Tratado da União Europeia, que prevê, como sanção máxima, a suspensão dos direitos de voto a um Estado membro. A proposta de decisão que acompanha o relatório será agora enviada ao Conselho da UE, a quem caberá agendar o tema.

Antes da votação do relatório, deputados e deputadas do GUE/NGL - Grupo Confederal da Esquerda Unitária Europeia / Esquerda Nórdica Verde quiseram deixar claro que “os ataques de Viktor Orbán à democracia, independência da justiça, liberdade de imprensa e a sua conivência com a extrema direita têm que ser enfrentados”.

Na sua conta de twitter, Marisa Matias destacou que votou “a favor do Relatório sobre a Hungria, porque os ataques de Viktor Orbán à democracia, direitos das mulheres, à independência da justiça, à liberdade de imprensa, aos migrantes, violam os valores mais universais que são a base dos direitos humanos”.

No dia anterior à votação do relatório, Viktor Órban garantiu que "não vai sucumbir a essa chantagem".

“A Hungria vai ser punida por ter decidido que não vai ser um país de migrantes. Mas não deixarei de proteger a fronteira e de defender o povo húngaro”, acrescentou.

Termos relacionados Internacional
(...)