Está aqui

MP acusa Rui Moreira de prevaricação e pede perda de mandato

O Ministério Público acusa o presidente da câmara municipal do Porto de violar os deveres de legalidade, de prossecução do interesse público e de imparcialidade para beneficiar a empresa Selminho, de que ele, a sua mãe e os seus irmãos eram sócios.
Foto de Fernando Veludo, Lusa.

Conforme assinala a Procuradoria-Geral Distrital do Porto (PGDP) na sua página de internet, por despacho de 10.12.2020, o Ministério Público no Diap Regional do Porto acusou Rui Moreira de um crime de prevaricação.

“O Ministério Público considerou indiciado que o arguido, presidente da câmara municipal do Porto, violou os deveres de legalidade, de prossecução do interesse público e de imparcialidade, em decisões que tomou na gestão de um conflito que opunha o município a uma sociedade comercial”, lê-se na nota divulgada na sexta-feira.

De acordo com a acusação, a Selminho, de que o autarca do Porto, a sua mãe e os seus irmãos eram sócios, “vinha desde 2005 esgrimindo perante o município o direito de construir um edifício de apartamentos num terreno sito na Calçada da Arrábida, no Porto, direito que o município não lhe reconhecia por entender que as operações urbanísticas pretendidas não estavam de acordo com o plano municipal”.

A PGDP recorda ainda que a sociedade comercial instaurou no tribunal administrativo e fiscal do Porto uma ação com vista à declaração de ilegalidade das normas que a pediam de construir. Caso não houvesse decisão a seu favor, a Selminho pedia a condenação do município no pagamento de uma indemnização pelos danos causados.

O Ministério Público conclui agora que “o arguido, tendo tomado posse como presidente da câmara municipal do Porto em outubro de 2013”, veio beneficiar a Selminho. O município comprometeu-se, “sem qualquer autorização da assembleia municipal”, a diligenciar, “nomeadamente durante a revisão do plano diretor municipal, pela alteração da qualificação do solo do terreno da sociedade comercial, de modo a que esta pudesse aí construir, e na aceitação de submeter a um tribunal arbitral a fixação de uma indemnização devida à sociedade comercial caso as alterações ao plano diretor municipal não fossem efetuadas”.

Em declarações à agência Lusa, Rui Moreira descreve a acusação como "completamente descabida e infundada".

"Esta acusação é muito estranha, tanto no conteúdo como no momento em que é deduzida, mas estou absolutamente tranquilo e não deixarei de tudo fazer para que sejam apuradas todas as responsabilidades", defende o autarca, remetendo para a reunião do executivo de segunda-feira uma declaração "mais aprofundada sobre o caso".

Em outubro de 2019, o Tribunal da Relação do Porto confirmou a sentença que declarava que o terreno com mais de 1.600m2 na Calçada da Arrábida pertencia à Câmara do Porto e não à sociedade imobiliária, como esta reivindicava.

Termos relacionados Política
(...)