Está aqui

Escalada da dívida pública portuguesa continua a ganhar velocidade

Três anos de troika e de Pedro Passos Coelho e Paulo Portas e os resultados estão à vista: a par de uma economia destruída, um desemprego galopante e de uma população cada vez mais empobrecida, Portugal conta agora com uma dívida pública de 132,4% do PIB, segundo avança esta quinta-feira o Banco de Portugal. Face ao final de 2013, a dívida agravou-se em 7.053 milhões de euros, fixando-se em 220.684 milhões.
Foto de Paulete Matos.

De acordo com os dados preliminares do Boletim Estatístico do Banco de Portugal, divulgados esta quinta-feira, a dívida pública passou dos 129% registados no final de 2013, para os 132,4% do PIB no final do primeiro trimestre de 2014.

Em março, o valor da dívida era de 220.684 milhões de euros, o que reflete um agravamento de 7.053 milhões face aos 213.631 milhões de euros registados em dezembro.

O valor da dívida líquida de depósitos também aumentou cerca de mil milhões de euros, ascendendo a 197.312 milhões de euros em março, o equivalente a 118,3% do PIB.

Três anos após a entrada do Fundo Monetário Internacional (FMI), Banco Central Europeu (BCE) e Comissão Europeia (CE) em Portugal, a dívida pública está maior do que nunca, tendo passado de 97,4% para 132,4% do PIB. Em 2011, a troika assinlava que a dívida não subiria acima dos 108,6% em 2013, tendo a mesma ultrapassado esse valor logo no primeiro ano da aplicação do programa de ajustamento (3º trimestre de 2011).

No final de 2011, o rácio da dívida pública fixou-se em 108,3%. No final de 2012 passou para 124,1% e no final de 2013 já ascendia a 129,3%.

A dívida pública em 2014 (132,4%) já ultrapassa quer a meta estipulada no Orçamento do Estado para 2014 - de 126,7% do PIB - quer a estimativa avançada no Documento de Estratégia Orçamental 2014-2018 para este ano - 130,2% do PIB.

Termos relacionados Política
(...)