Está aqui

Dia Mundial da Luta contra a sida: Bloco quer mais respostas

Um de dezembro é dia mundial da luta contra a sida. O Bloco quer ouvir no Parlamento a diretora do programa da Direção-Geral de Saúde para o VIH/sida e propõe “respostas mais próximas das pessoas”, aumento do acesso à PrEP, início imediato do tratamento depois do diagnóstico e garantia de “fácil acesso à medicação”.
Dia Mundial de luta contra a sida.
Dia Mundial de luta contra a sida. Imagem de karensolanobravo/Flickr.

Há “dificuldades no início do tratamento, no acesso à terapêutica e na disponibilidade da profilaxia pré-exposição [PrEP]”. Por isso, o Bloco de Esquerda pensa que luta contra a sida tem de melhorar.

Naquele que é o dia mundial de luta contra a sida, um de dezembro, o partido anunciou que vai entregar na Assembleia da República um requerimento para a audição da diretora do Programa Nacional para a Infecção VIH/sida, Isabel Aldir.

No requerimento assinala-se que “recentemente, Portugal atingiu todos os objetivos do programa das Nações Unidas para o combate ao VIH/Sida” apresentados para o horizonte de 2020: 92% das pessoas diagnosticadas, 90,2% destas em tratamento, 93% dos doentes em tratamento com carga viral indetetável. Para o futuro quer-se mais ambição. Deve-se procurar “as metas 95-95-95 até 2030 e, se possível, antes disso”.

O Bloco nota que houve uma “redução consistente no número de novos casos diagnosticados em Portugal” mas que a taxa anual de novos diagnósticos continua a ser uma das mais elevadas da União Europeia. O ano passado houve 973 casos diagnosticados. E, desde o início da epidemia, em 1983, registaram-se cerca de 60 mil casos de infeção por VIH em Portugal. Desses, 22.551 evoluíram para sida. Quase 15 mil pessoas infetadas morreram. No ano passado houve 261 mortes em casos de infeção por VIH. Estes números “mostram a dimensão e complexidade da epidemia em Portugal” que o Bloco quer enfrentar.

E o partido apresenta prioridades para este combate. São necessárias “respostas mais próximas das pessoas”, aumentar o acesso à PrEP, o “início imediato do tratamento depois do diagnóstico” e a garantia de “fácil acesso à medicação”.

Termos relacionados Política
(...)