Está aqui

RTP: a política do facto consumado

O Governo faz-se de ignorante perante as declarações do consultor Borges, mas enquanto isso vai fechando a porta à espera que alguém apague a luz na RTP.
Sabemos hoje que o governo planeou a extinção da RTP2 a partir de Janeiro próximo. Foto rtppt

Dois meses depois de um consultor do primeiro-ministro, António Borges, anunciar em direto a sua vontade de extinguir um dos canais público, não se conhece ainda a posição do Governo sobre o serviço público de rádio e televisão.

Mas, enquanto nos dizem que Miguel Relvas ainda está a estudar, o ministro demitiu um Conselho de Administração da RTP e nomeou outro,  sem explicar porquê nem sequer submeter o seu candidato ao crivo da fiscalização parlamentar.

Este delírio governativo exige realidade. E a realidade impõe-se. Sabemos hoje que o governo planeou a extinção da RTP2 a partir de Janeiro próximo. Guilherme Costa, ex-administrador da RTP, confirmou no parlamento, na semana passada, que não só a extinção do segundo canal generalista estava prevista como foram já cancelados todos os conteúdos para o próximo ano. É a política do facto consumado.

O Governo nada nos diz sobre o que pretende fazer do serviço público de televisão, fazendo-se de ignorante perante as declarações do consultor Borges, mas enquanto isso vai fechando a porta à espera que alguém apague a luz na RTP.

Jorge Wemans anunciou ontem a sua demissão porque, nas palavras do próprio, “a matriz da RTP2 está totalmente em causa”. Há um problema, isto é ilegal. O Ministro devia ter estudado melhor o assunto. A lei da televisão exige dois canais de acesso livre e gratuito.

E não, esta não é uma questão que se possa modelar a belo prazer do Ministro Relvas. O governo está legalmente obrigado a garantir um segundo canal com conteúdos próprios e uma grelha própria. E não havendo em Outubro uma grelha definida está-se na prática a garantir que chegaremos a Janeiro com o segundo canal extinto. É um governo fora da lei que quer um canal público nas mãos dos suspeitos do costume.

O Bloco de Esquerda apresentou um requerimento a pedir a presença da nova administração da RTP, presidida por Alberto da Ponte, no Parlamento, para esclarecer se está ou não a preparar o enterro de um dos canais da RTP – ao arrepio do próprio programa de Governo.

CDS e PSD, com todo o desplante, chumbaram essa pretensão e impuseram a lei da rolha. Ou seja, há uma decisão já confirmada de extinção da RTP2, uma decisão que já provocou a demissão de dois administradores do grupo RTP, mas a maioria prefere esperar até o facto estar consumado para a administração finalmente prestar declarações sob o cadáver do serviço público.

A responsabilidade da oposição é apresentar alternativas responsáveis à trapalhada autoritária do governo. O Bloco de Esquerda avançou nesta legislatura com uma proposta de alteração do modo de nomeação da administração da RTP, uma proposta que garante a autonomia do serviço público de rádio e televisão. Uma proposta que impede seja que governo for de demitir e substituir a seu bel-prazer a direção da RTP, garantindo a supervisão pública da nomeação através do parlamento.

Estamos convictos de que a obrigação de encontrar um consenso que permita chegar a uma maioria qualificada para a nomeação do responsável pela RTP. A ligação dessa escolha a um plano estratégico claro para a RTP, obrigará os responsáveis políticos a escolher quem dê garantias mínimas de imparcialidade e tenha um perfil adequado ao serviço público. A escolha democrática do Presidente do Conselho de Administração da RTP é condição para garantir a autonomia e independência dos canais públicos de rádio e televisão.

Chamamos por isso à responsabilidade não apenas os partidos da oposição parlamentar mas também o partido da oposição na coligação. Porque, lembramo-nos bem, o CDS fez promessas promessas de dignidade do bem público e serviço público, e não é agora que pode voltar atrás.

É também sua obrigação assumir responsabilidade e acabar com qualquer possibilidade de instrumentalização governativa da RTP.

Ceder, como querem Relvas e o seu consultor, a RTP a interesses amigos de uma plutocracia internacional, acaba com a pluralidade garantida pelo serviço público. Assumam responsabilidade. Aceitam a extinção da RTP2? Aceitam que Portugal seja o único país sem um canal público de televisão? Aceitam a autonomização da RTP Madeira e Açores? Aceitam que um governo tenha poder para demitir e nomear presidentes da empresa? Aceitam a privatização da RTP? Aceitam ainda mais limites à pluralidade na comunicação social em Portugal? Aceitam tratar o serviço público como um negócio de mercearia das privatizações de António Borges? Apoiam as decisões do Ministro Miguel Relvas?

É bom que clarifiquem agora, porque daqui a três meses estarão de volta a esta Assembleia para prestar contas por uma decisão ilegal, um serviço público dilacerado e uma negociata entre amigos com aquilo que é público.


(Declaração Política na Assembleia da República, 3/10/2012)

Sobre o/a autor(a)

Coordenadora do Bloco de Esquerda. Deputada. Atriz.
(...)

Neste dossier:

O que é um serviço público de rádio e televisão?

 

Passos Coelho afirmou recentemente que não sabe “o que é que se entende por serviço público” e que é preciso defini-lo antes de decidir o que fazer com a RTP. Isto depois de se ter feito uma comissão que tinha precisamente esse objetivo. Mas será tão difícil assim definir o que é serviço público de rádio e televisão? Este dossier, coordenado por Luis Leiria, descobriu que não, e avança com respostas e propostas.

“O serviço público tem de melhorar imenso”, diz a CT da RTP

Em entrevista ao Esquerda.net, Camilo Azevedo, da Comissão de Trabalhadores, explica as propostas para melhorar o serviço público de televisão. E aproveita para estranhar factos recentes, como a RTP-África e a RTPI terem transmitido em direto a posse do presidente de Angola e a nova administração ter contratado a agência de comunicação que também trabalha para a Newshold, candidata à privatização da RTP.

Tanta asneira sobre a Rádio e a Televisão públicas…

Mas que raio de conversa é essa de não se saber o que é “Serviço Público”? Quem faz esta pergunta não levou vacinas quando era pequenino? Não andou na Escola Pública? Não andou de comboio, autocarro? Nunca viu as patrulhas da PSP ou da GNR? Não sabe que um Serviço Público é algo que o Estado disponibiliza aos cidadãos para que eles o possam ser de facto: cidadãos! Por José Manuel Rosendo jornalista da Antena 1.

Estações públicas são mais importantes em tempos de dificuldades

Dois máximos dirigentes da União Europeia de Radiodifusão enviaram um carta ao primeiro-ministro português para insistir que “o processo de privatização de parte da RTP dá precedência ao interesse comercial sobre o interesse público e põe em xeque o pluralismo informativo”. A carta é reproduzida a seguir.

O Serviço Público de média é sinal de vitalidade e garante da democracia

Para os investigadores do Centro de Estudos de Comunicação e Sociedade (CECS) da Universidade do Minho, abre-se uma clara oportunidade para enveredar por um Serviço Público de média gerido com independência e rigor, produzindo conteúdos de excelência e disponível em acesso aberto.

RTP: a política do facto consumado

O Governo faz-se de ignorante perante as declarações do consultor Borges, mas enquanto isso vai fechando a porta à espera que alguém apague a luz na RTP.

O capital privado é mais livre do que o público? A privatização da RTP

Enquanto o Governo dá como encerrada a discussão em torno da venda da RTP, os trabalhadores saem à rua em protesto e os debates sucedem-se. Publico aqui um contributo para o debate. As referências bibliográficas estão no final.

"O serviço público de televisão não pode ser feito por privados"

No Fórum Socialismo 2012, o cineasta António Pedro Vasconcelos é perentório: “Só em Portugal é que se lembraram disso!”

"RTP não pode deixar de ter dois canais"

No painel do Fórum Socialismo 2012 sobre a ameaça privatizadora ao serviço público de televisão, o cineasta António Pedro Vasconcelos defendeu a necessidade de dois canais de serviço público e criticou a irresponsabi-lidade dos partidos que endividaram a empresa para agora a entregarem com lucro garantido aos privados.