Está aqui

Reações ao falecimento de João Semedo

João Semedo faleceu esta terça-feira, 17 de julho, após uma longa luta contra o cancro. O esquerda.net publica neste artigo as notas de condolência e as reações à morte do antigo coordenador bloquista.

Mensagem de Jorge Soares, presidente do Conselho Nacional de Ética para as Ciências da Vida:

Em nome pessoal e no do Conselho, envio aos senhores deputados do Bloco de Esquerda um abraço de condolências pela perda do Dr. Joao Semedo, que lembro com saudade e respeito desde os tempos de faculdade de medicina de Lisboa e por quem tinha uma intocável consideração.

Mensagem de Carla Tavares, presidente da Câmara Municipal da Amadora:

Venho por este meio, em meu nome pessoal e em nome da Câmara Municipal da Amadora expressar, as mais sentidas condolências pelo falecimento de João Pedro Furtado da Cunha Semedo. Serve ainda o presente ofício, para dar conhecimento a V. Exa., do teor do voto de pesar, aprovado em reunião da Câmara Municipal da Amadora, no passado dia 18 de julho de 2018.

Mensagem da Junta de Freguesia de Alcântara:

A junta de Freguesia de Alcântara vem por este meio apresentar os seus mais sentidos votos de condolências pelo falecimento de João Semedo.

Homem de ideais e de convicções foi um acérrimo defensor da Liberdade, da salvaguarda dos Direitos consagrados na nossa Constituição e do Estado Social.

Não será esquecido.

Mensagem da Câmara Municipal de Vale de Cambra:

Cumpre levar ao conhecimento de V. Exa. que, reunida ordinariamente em 17 do corrente mês de Julho, foi pela Câmara Municipal deliberado por unanimidade dos membros presentes aprovar um Voto de Pesar pelo falecimento do Exmo. Senhor Dr João Semedo, ex coordenador do Bloco de Esquerda.

Muito grato ficaríamos se do teor deste ofício fosse, do mesmo modo, dado conhecimento à sua dignissima família, considerando que não dispomos do seu endereço pessoal.

Testemunho de Regina Guimarães:

Hoje

um pouco antes do despertar

pensei em si

e no seu nome João Sem Medo.

Lembrei-me dos primeiros momentos

em que, ainda criança, fui tomando consciência

do desconcerto do mundo, das injustiças a combater,

da fatalidade da infelicidade a recusar

com violência se preciso for.

Uma profunda fraternidade liga os descontentes

que não engolem o descontentamento como um veneno.

E sim, o maior medo é o mundo não mudar para mais mundo

e a humanidade para mais desejo de liberdade fraterna e fraternidade livre.

Desculpando-me pelo atrevimento

envio estas palavras pelo meu amigo José Soeiro

segura de que ele saberá colocar na voz

a intensidade destas horas

em que a sombra da ausência mais-que-presente

recorda e aviva a necessidade de sermos mais poética e politicamente reais

nos nossos lutos e nas nossas lutas.

Mensagem de Antonino Leite, presidente do Conselho Diretivo da ARS Norte:

De acordo com notícias vindas a público e da informação por V. Exª tornada pública, a qual dá conta do falecimento do Senhor Dr. João Semedo, em meu nome pessoal e do Conselho Diretivo a que tenho a honra de presidir não posso deixar de lhe manifestar o meu mais profundo sentido de pesar e de perda com morte de tão ilustre e prestigiada figura nacional, a quem tanto os portugueses e a democracia devem.

Lembrar o Senhor Dr. João Semedo apenas como direto colaborador desta Administração Regional de Saúde, visto que, para além de exímio médico e Diretor da Unidade Hospitalar de Joaquim Urbano – funções que desempenhou com peculiar empenho e sentido de responsabilidade –, deputado, dirigente partidário, ou mesmo como interveniente direto e permanente na vida política nacional, é extremamente redutor para tudo o que o Homem fez e defendeu durante toda a sua vida, mesmo no momento em que a sua saúde claudicava e a fragilidade da própria doença o tentava limitar.

Lutador até ao limite pelos valores em que acreditava, com especial ênfase para o Serviço Nacional de Saúde, desde a Assembleia da República, do seu Partido Político e através de todos os meios de que dispunham, nunca desistiu de, pela sua pessoa, dar voz aqueles que “em silêncio” iam suportando as adversidades provocadas por tantos de quem a democracia se tinha ausentado ou pura e simplesmente não conheciam.

Neste momento de enorme perda, peço-lhe que transmita este nosso sentimento a todos os Senhores Deputados da sua Bancada Parlamentar, militantes e simpatizantes do Bloco de Esquerda.

Mensagem da Junta de Freguesia de Milheirós de Poiares:

A Junta de Freguesia de Milheirós de Poiares manifesta o seu profundo pesar pelo desaparecimento do Dr. João Semedo, aos seus familiares e à Direção do Bloco de Esquerda. Reconhecemos em João Semedo uma figura de qualidades humanas inesgotáveis, sempre na defesa da liberdade e da justiça social, quer enquanto médico, quer enquanto activista social, político e cultural.

Mensagem do Sindicato dos Transportes Fluviais, Costeiros e da Marinha Mercante:

Vem o STFCMM através da sua direcção apresentar à Família, assim como ao Bloco de Esquerda, as condolências pelo falecimento de João Semedo.

Militante antifascista, homem de convicções e de causas, João Semedo foi um lutador pela defesa da liberdade e pela consolidação da democracia, foi um interveniente activo na vida política, na construção de uma política de esquerda, alicerçada nos direitos, liberdades e garantias constitucionais emergentes da Revolução de Abril.

O seu apoio à luta pela valorização do trabalho e dos trabalhadores e a defesa e melhoria das funções sociais do Estado, com particular destaque para o Serviço Nacional de Saúde onde, ainda recentemente, foi co-autor de uma proposta de revisão da Lei de Bases de Saúde, releva o compromisso de uma vida com o serviço público, o bem-estar da população e o desenvolvimento do país.

Neste momento difícil para os familiares, assim como para todos quantos o conheceram e conviveram com João Semedo, o STFCMM, vê o político e o homem que lutou até ao fim da sua vida por um Portugal soberano, de progresso e justiça social.

Mensagem de Rafael Marques, jornalista:

Gostaria de endereçar à direcção do Bloco de Esquerd os meus sentidos pêsames pela morte de João Semedo.

Miguel Frasquilho, chairman da TAP:

Caro Pedro, sou o Miguel Frasquilho e tomei a liberdade de lhe enviar esta mensagem para lhe expressar as minhas condolências pelo falecimento do João Semedo, cujas qualidades humanas e como pessoa muito apreciava. É uma enorme perda para a democracia e a política portuguesa e, obviamente, para a família e o Bloco de Esquerda. E por isso queria, através desta mensagem, expressar-lhe a si, enquanto dirigente do Bloco de Esquerda, ao Partido e, claro, à família do João Semedo os meus profundos e respeitosos sentimentos.

Mensagem do Die Linke:

Foi com tristeza que recebemos as notícias do falecimento do Camarada João Semedo. Em nome do partido Die Linke, aceitem por favor as nossas sentidas condolências por esta grande perda. Honramos João Semedo enquanto grande personalidade, como um humanista e socialista. Dedicou a sua vida aos membros mais frágeis da sociedade e trabalho com compromisso e dedicação pelos interesses dos trabalhadores portugueses. Partilhamos o seu ideal de sociedade, livre de exploração e repressão, pelo socialismo, contra a guerra e pela paz no mundo.

Caros camaradas, partilhamos a vossa tristeza. Enviem por favor os nossos sentimentos à família do Camarada Semedo.

Mensagem do Bloco Democrático de Angola:

Foi com profunda consternação que a direcção do Bloco Democrático tomou conhecimento da perda do médico e militante político do Bloco de Esquerda, João Semedo, em consequência de doença prolongada.

Foram perfeitamente visíveis, nos últimos tempos, as suas crescentes limitações de voz que, no entanto, não o impediram de manter a actividade política, defendendo as causas em que profundamente acreditava muitas das quais são também a nossa marca genética.

O Bloco Democrático junta-se, pois, à merecida homenagem que os portugueses rendem ao ex-coordenador do Bloco de Esquerda, um homem de causas, politicamente empenhado desde muito jovem, com um activismo político anterior ao 25 de Abril, e também na defesa do Sistema Nacional de Saúde e na dos direitos inalienáveis das pessoas. Fê-lo sempre com bastante coragem e com coração.

Nesta hora de luto, expressando a vontade dos membros do Bloco Democrático, apresento à Coordenadora do Bloco de Esquerda, Catarina Martins, à esposa, filho e a toda a família do malogrado os sentimentos do mais profundo pesar.

Que tenha um descanso em Paz, JOÃO SEMEDO.

Mensagem de Artur Pereira, Augusto Taveira, Carlos Brito, Eunice Sequeira, Honório Gonçalves, Joaquim Gomes, Joaquim Gorgulho, Luís Costa, Manuel Afonso e Maria Eugénia Taveira:

Partiu um dos nossos!

Nada mais redutor do que justificar que João Semedo era um dos nossos pela pertença ao Bloco de Esquerda. Partiu um dos nossos, porque:

- Partiu um dos que não se calou quando não se podia falar, sofrendo disso as consequências;

- Partiu um dos que procurou o conhecimento científico para o colocar ao serviço do Outro, para contribuir para a transformação da sociedade;

- Partiu um dos médicos que mais pugnou pelo Serviço Nacional de Saúde, ultimamente, ao lado de António Arnaut, o qual, infelizmente, também nos deixou este ano.

Por todas estas razões e mais mil e uma, dizemos que partiu um dos nossos. É verdade que o Bloco lhe deve muito, mas também é verdade que Portugal e o Mundo ficaram mais pobres com a partida do nosso querido João Semedo.

Até sempre, João!

Mensagem da Associação Portuguesa de Naturopatia:

Acabamos de ter a triste notícia do falecimento do Dr. João Semedo. Pessoa ilustre, atenta, leal, muitíssima respeitadora, com quem tivemos a honra de nos encontrarmos diversas vezes.

Sempre se mostrou disponível para ajudar e ouvir os problemas das TNC. Sempre defensor da saúde para todos. Deixa um legado enorme, jamais poderá ser esquecido. Portugal perdeu um Grande HOMEM! Cremos que o seu caminho é a luz. Que descanse em PAZ!

Os nossos sentidos pêsames, para a família, amigos e Bloco de Esquerda.

Testemunho de Júlio Isidro, apresentador de televisão:

PARTIU UM MENINO DO CAMÕES.
O João Pedro Furtado da Cunha Semedo, entrou para o 1º ano do Liceu Camões em 1961 e terminou o curso liceal em 68. Foi médico, foi político e foi sobretudo um ser humano respeitável. Na hora da sua partida, percebemos que todos aqueles que pertencem ao enorme bloco da liberdade, da transigência na diferença das concepções de vida e da luta pacífica por um Portugal mais próspero e mais saudável, estavam unidos no elogio ao dr. João Semedo. Elogiar o médico é elogiar Abril, enaltecer o cidadão empenhado no SNS é elevar Abril, respeitar a sua luta leal pelos seus ideais é respeitar Abril. Nunca o conheci, mas na hora da sua morte fiquei a conhecer melhor o respeito que sempre mereceu pelos seus aliados e adversários. O meu Liceu Camões perdeu mais um dos seus meninos que fizeram história.

Mensagem da Sociedade Portuguesa de Medicina Chinesa:

Foi com profundo pesar que recebemos a notícia do falecimento do Dr. João Semedo. Embora a morte seja a realidade das nossas vidas, o desaparecimento de alguém com tanto valor deixa um profundo sentimento de perda. Em nome da Sociedade Portuguesa de Medicina Chinesa, vimos manifestar nossas sinceras condolências aos colegas, familiares e amigos de uma pessoa a quem a Medicina Chinesa muito deve.

Mensagem de Luís Antunes, presidente da Câmara Municipal da Lousã:

Neste momento de profunda consternação, envio as mais sentidas condolências.

Mensagem da Concelhia do Bloco de Esquerda de Portimão:

Em nome da Comissão Coordenadora Concelhia do Bloco de Esquerda de Portimão e de todos os bloquistas portimonenses, o secretariado local endereça à Coordenadora Nacional e a toda a direção política nacional do Bloco de Esquerda as mais sentidas condolências pela morte do camarada João Semedo e que o seu exemplo perdure na memória de todos nós e das gerações futuras.

Queiram camaradas, nesta hora triste, transmitir à família e amigos este nosso sincero voto de condolências.

Mensagem da Associação Portuguesa de Profissionais da Acupunctura:

Foi com grande consternação que tomámos conhecimento do falecimento do Dr. João Semedo.

O Dr. João Semedo esteve na linha da frente no processo de regulamentação das TNC em Portugal, nomeadamente no que diz respeito à Acupunctura e Medicina Tradicional Chinesa e a ele se deve muito do que se conseguiu até hoje. De igual forma, o que falta alcançar terá sempre a sua marca.

Num país onde a abertura da classe médica a outras abordagens terapêuticas deixa ainda muito a desejar, o Dr. João Semedo demonstrou desde muito cedo uma admirável tolerância e abertura para com as TNC encabeçando um processo de alteração que culminou com a aprovação da legislação que regula o exercício profissional das TNC.

Em todas as ocasiões que a APPA teve o privilégio de trabalhar com o Dr. João Semedo este revelou sempre uma absoluta retidão, clareza e espírito cooperante para que o exercício da Acupunctura e Medicina Tradicional Chinesa pudesse ser dignificado e para que a legislação portuguesa lhe conferisse o reconhecimento que a sociedade já lhe confere.

A luta pelo reconhecimento e dignificação destas profissões de saúde fica enfraquecida com a sua partida mas o seu inquestionável legado permanecerá. O Dr. João Semedo foi um dos que semearam as sementes de mudança de um paradigma que agora está a começar a florescer.

A APPA estará eternamente grata ao Dr. João Semedo e a todo o trabalho e empenho que sempre demonstrou.

Gostaríamos de apresentar os nossos sentidos votos de pesar à sua família e amigos.

Mensagem de Jorge Leite, professor universitário:

Poucas despedidas me deixaram tão abalado como a tua João, porque tu pertences à categoria rara de pessoas que irradiam simpatia, generosidade, combatividade, sinceridade, perseverança pelas causas que abraçaste, as causas do outro, em particular as das vítimas de uma sociedade ainda injusta. Compreendo, por isso, que te tenhas sentido feliz, como dizias numa das tuas últimas mensagens, expressão eloquente da nobreza que te caracteriza.

Triste, sentido, magoado, revoltado, inconformado, não esquecerei, enquanto por aqui andar, o teu exemplo, as tuas lições de vida.

'Aquele abraço de cumplicidade' que te enviei no dia do teu 67.º aniversário e que agora renovo.

Mensagem de Myriam Martin e Jean François Pelissier, Ensemble!:

Tivemos conhecimento do falecimento do nosso camarada João Semedo. Nesta altura difícil, queremos prestar o maior apoio possível. Enviamos aos seus familiares próximos e camaradas o nosso apoio e camaradagem.

Mensagem da Associação dos Deficientes das Forças Armadas:

A Associação dos Deficientes das Forças Armadas apresenta à Senhora Coordenadora Nacional do Bloco de Esquerda, Dra. Catarina Martins, sentidas condolências pela morte do Senhor Dr. João Semedo.

Consideramos que Portugal perdeu um cidadão de referência no que diz respeito aos valores da Cidadania, da Liberdade e um lutador intransigente pelos Direitos Humanos e causas sociais.

Mensagem da direção da Associação Nacional das Farmácias:

Ao tomarmos conhecimento do infausto acontecimento, vimos por este meio expressar os nossos mais sinceros pêsames.

Mensagem de Assunção Cristas, presidente do CDS-PP:

Neste momento de profunda dor, envio em meu nome pessoal e do CDS-PP as mais sentidas condolências.

Mensagem de Manuela e António Ramalho Eanes:

Com estima e muita consideração, as nossas sentidas condolências pelo falecimento do Dr. João Semedo, com a nossa homenagem ao homem íntegro, de coragem e defensor dos direitos humanos.

Mensagem de Ana Pedroso Cavaco, bastonária da Ordem dos Enfermeiros:

À família do Dr. João Semedo,

A Ordem dos Enfermeiros apresenta os sentidos pêsames pelo falecimento do Dr. João Semedo.

Mensagem de Bernardino Soares, presidente da Câmara Municipal de Loures:

Manifesto em meu nome pessoal e de todo o executivo municipal as mais sentidas condolências.

Mensagem de Fernando Nobre, presidente da AMI:

Foi com profunda consternação e pesar que tive conhecimento do falecimento do Dr. João Semedo, um querido amigo e colega.

Portugal ficou mais pobre ao perder um homem de tão grande valor, integridade e humanismo, com um percurso admirável.

Venho manifestar a toda a família e amigos as minhas mais sentidas condolências e enviar um abraço de apoio e solidariedade.

Mensagem da Associação Nacional de Freguesias:

O presidente da Associação Nacional de Freguesias, em nome da ANAFRE e das freguesias portuguesas, manifesta o seu pesar pelo falecimento de João Semedo, enviando as mais sentidas condolências.

Mensagem da direção do Sindicato dos Quadros Técnicos do Estado e de Entidades com Fins Públicos:

Foi com tristeza que recebemos a notícia do falecimento do Dr. João Semedo, ocorrida na passada segunda feira.

Consternados, ainda, recordamos a relevante actuação político-parlamentar do Dr João Semedo na defesa dos serviços públicos, em especialno trabalho desenvolvido na área da saúde muito em particular na empenhada defesa do SNS.

Apresentamos à família enlutada e ao Bloco de Esquerda as nossas mais sentidas condolências.

Mensagem da direção do Sindicato Nacional dos Registos:

A Direção do SNR envia as mais sentidas condolências pela perda do ilustre Dirigente Dr. João Semedo.

Mensagem de Mamadou Bah, presidente da Associação Comunidade Islâmica da Tapada das Mercês e Mem-Martins (ACITMMM):

A ACITMMM vem por este meio prestar as suas condolências pelo falecimento do Exmo. Dr. João Semedo.

Mensagem de Luís Eduardo Afonso Andrade, presidente do OIDH - Observatório Internacional de Direitos Humanos:

Na qualidade de Presidente do Observatório Internacional de Direitos Humanos (OIDH) www.direitos-humanos.com,venho expressar os mais sinceros e sentidos pêsames à família e ao Bloco de Esquerda (BE) pela partida, do Grande Homem que foi, o médico e político, João Semedo.

Portugal ficou mais pobre, os portugueses perderam uma Grande Personalidade muito marcante que sempre defendeu os direitos dos mais desprotegidos, dos mais fracos, de todos aqueles que não têm voz.

Para sempre ele viverá em nossas memórias para preencher o vazio deixado.

Infelizmente morreu de uma terrível doença, o cancro, gostaria de sublinhar que o OIDH suporta no seu seio, um “Departamento de Ações Especiais”, constituído por cerca de duas mil mulheres, todas elas, já passaram por um processo do foro oncológico, neste momento, servem o OIDH, ajudam outros seres humanos que se encontram a atravessar um processo da mesma natureza.

Um pormenor, também eu próprio, presidente e fundador do OIDH, já passei por um complexo processo desse âmbito do foro oncológico, desta forma estou à altura, mais que ninguém, de avaliar e reconhecer o sofrimento por que terá passado esse ilustre cidadão que nos deixou mais pobres.

Um bem-haja por tudo o que fez em prol do bem comum.

Mensagem de Fernando Santos Pessoa, professor e fundador do SNPRPP:

Já se disse tudo o que poderia ser dito sobre essa personalidade que desaparece, eu acrescento uma repetição - v foi o exemplo do que deve ser um democrata, devotado às suas  convicções sociais , discreto na sua grande categoria pessoal e profissional. Admirava-o muito e ainda por ser um dos responsáveis pelo Movimento Cívico  Direito a Morrer com Dignidade do qual sou também aderente.

É com políticos desta craveira que se funda e se defende a vida em liberdade!

Mensagem da Junta de Freguesia de Buarcos e São Julião:

A Junta de Freguesia de Buarcos e São Julião (concelho da Figueira da Foz) vem exprimir a V/ Ex.ª, em nome do Bloco de Esquerda, os mais sentidos pêsames pela perda do Dr. João Semedo, antigo Coordenador dessa estrutura partidária.

Que o seu exemplo nos motive a sermos cada vez melhores.

Testemunho de Elísio Summavielle, Presidente do Centro Cultural de Belém:

Ao João Semedo, um homem genuinamente bom, de convicções firmes, solidário, tolerante, de fina inteligência democrática,
e que tive o prazer de conhecer razoavelmente bem. 
Vai fazer muita falta à (boa) Política da nossa terra. Até sempre.

Testemunho de Nuno Matias, vereador da Câmara Municipal de Lisboa:

Conheci o João Semedo no Parlamento. Fomos colegas e partilhámos algumas reuniões em Comissão onde pude testemunhar que, apesar do que nos separava politicamente, ele era um homem bom, educado, simpático e com respeito pelo próximo. 

Na Política não temos que transportar para a relação pessoal o que o combate político divide. O João Semedo era esse tipo de pessoa e foi uma honra tê-lo conhecido. 

Parte cedo demais, mas fica na nossa memória.

Um abraço de sentidas condolências à sua família e ao seu partido.

Testemunho de Ricardo Alexandre, jornalista:

Que descanse em paz o doutor João Semedo. Parte alguém que muito respeitei, alguém que sempre lutou, de acordo com os seus ideais, por fazer do país um sítio mais decente.

Testemunho de Renato Sampaio, deputado do PS:

Foi com profunda tristeza e grande amargura que recebi, na alvorada de hoje, a notícia da morte de João Semedo.

Conheci João Semedo no início da década de noventa, em debates na Rádio Nova, ele representando ainda o PCP e eu um jovem a representar o PS. Construímos aí uma amizade reciproca que perdurou no tempo. 

Os campos ideológicos separavam-nos, mas as divergências politicas dissipavam-se perante um homem de forte caráter, de profundo humanismo e de grande verticalidade. Admirava-o.

Encontramo-nos mais tarde no parlamento, onde passamos horas nos corredores da assembleia a partilhar muitas conversas, sobre os mais variados temas políticos e sobre amigos comuns. 

João Semedo era um homem de convicções e valores inabaláveis que defendia com coragem, que acreditava num mundo mais igualitário, respeitava os seus adversários e nutria um grande amor à liberdade.

Dedicou a sua vida à causa publica, sempre com o sentido do dever, tendo a ética republicana como bússola. 

Deixa-nos um homem justo, inteligente e bom, que soube resistir à adversidade da doença, todos ficamos mais pobres. 

A democracia e o País perdem um dos seus melhores.

Até sempre João.

Testemunho de Nuno Melo, eurodeputado:

Foram muitos os debates travados na TVI com o João Semedo, moderados pelo Paulo Magalhães.
Significava politicamente o oposto de tudo aquilo em que acredito e programaticamente muito do que combato. Mas foi sempre um forte adversário, que aprendi a respeitar pela capacidade argumentativa e firmeza nas convicções.
Os meus sentimentos à família e a quantos lhe eram próximos.

Testemunho de José Carlos Malato, jornalista e apresentador de televisão:

Boa viagem, companheiro! Que pena, que pena!

Testemunho de João Fernandes, Subdirector artístico do Museo Nacional Centro de Arte Reina Sofía:

Em lembrança do João Semedo, essa versão da Internacional interpretada pelos Area, grupo italiano que a veio tocar num concerto no Porto organizado pela União dos Estudantes Comunistas, no primeiro concerto pop/rock a que, ainda miúdo, assisti e em cuja organização colaborei, fascinado por tudo quanto descobria...

O Manoel de Oliveira confessou-me uma vez que o mais duro no correr dos anos era ver desaparecer tantos amigos que nos são queridos. Há mais de uma década que tal me acontece. Este meu FB começa a parecer-se com uma secção de obituário pessoal em que sinto a necessidade de escrever sobre quem me faz tanta falta quando desaparece. Alguma precocidade levou-me a viver e a trabalhar com gente mais crescida do que eu. Tenho conhecido agora o reverso da medalha, ao ser testemunha do desaparecimento também tantas vezes precoce de alguns que me foram tão essenciais. O João Semedo era um deles. Partilhámos sonhos e lutas, confrontámos opiniões e modos de tentar mudar o que sentíamos necessário mudar no mundo em que vivemos. Era um homem justo e bom, dirão todos os que o conheceram. Mas como vos explicar que aprendi com ele que na acção política a curiosidade intelectual, a tolerância e o respeito por outras opiniões podem não diminuir a firmeza das convicções nem a disponibilidade para mudar o nosso entendimento das coisas? Como vos explicar que a generosidade era nele indissociável dessa sua gentileza única, com a qual nunca deixou de ser médico enquanto político e nunca deixou de ser político enquanto médico? Obrigado João, por tudo quanto vivemos juntos, tão pouco quando comparado com a imensidão do que me transmitiste!

Testemunho de Liliana Rodrigues, eurodeputada:

Cruzei-me com João Semedo poucas vezes. Mas das vezes que falamos encheu-me a alma pela tranquilidade com que via as ideias e o mundo.
Hoje perdemos um dos melhores.
Aos amigos do Bloco de Esquerda um abraço sentido.

Testemunho de Pedro Santana Lopes, advogado:

Partiu João Semedo. Durante uns tempos, participámos na Prova dos Nove, programa moderado por Constança Cunha e Sá, na TVI 24. Pessoa de trato impecável, inteligente, duro mas sempre pronto a esboçar um sorriso afável. Não recorria a radicalismos e mantinha sempre a educação. Um Democrata que elevou a Democracia com a sua ação cívica e a sua participação política. Um Cavalheiro, Médico e Político como vale a pena ser: lutando por aquilo em que se acredita, com honestidade e coerência.

Testemunho de Álvaro Beleza, médico:

Deixou-nos há pouco tempo o criador do SNS e hoje um dos maiores defensores o meu querido amigo João Semedo!!
O Joao foi um homem pleno , amigo presente, cidadão empenhado e militante, coração de ouro, médico excepcional, gestor hospitalar de excelência, político apaixonado e inteligente.... tive o privilégio de ser amigo dos dois.... A Arnaut e João Semedo lutaram até ao fim... e lutaram com vigor e energia invejável!! Lutaram por uma saúde para todos, universal e de qualidade... o SNS vai sobreviver e nos que cá ainda estamos vamos honrar esse legado!!...
Estou mais sozinho hoje... estamos todos mais desamparados... mas nunca desistiremos do combate pela justiça , igualdade e dignidade!! Isso podes contar João!!
Não foi em vão tua luta!!
Obrigado João Semedo!!

Testemunho da associação Miguel Portas:

O João Semedo partiu hoje depois de uns anos a lutar contra um cancro. Um grande amigo e camarada do Miguel Portas, dos tempos da UEC, do PCP e mais tarde do Bloco mas também de muitas outras cumplicidades e lutas para além dos emblemas. Talvez hoje o Miguel se despedisse carinhosamente com um Até sempre, João Semana.

Nota de pesar da Câmara Municipal de Lisboa:

Câmara Municipal de Lisboa lamenta o falecimento de João Semedo
João Semedo nasceu e estudou na cidade de Lisboa, onde cresceu num ambiente familiar de discussão aberta e de luta pela democracia. Muito cedo se tornou ativista estudantil, militante comunista e combatente contra a ditadura, sendo preso pela PIDE em 1972. Após o 25 de abril, desenvolveu uma importante ação como militante comunista, no Porto, designadamente no setor intelectual e na política de saúde. Participou na fundação do Sindicato dos Médicos do Norte e foi dirigente de diversas associações culturais e sociais.
Foi presidente do Conselho de Administração do Hospital Joaquim Urbano entre 2000 e 2006, tendo nesse ano deixado a administração do hospital para ser deputado da Assembleia da República.
Exerceu, com Catarina Martins, o cargo de coordenador do Bloco de Esquerda entre 2012 e 2014. Foi também candidato pelo Bloco de Esquerda à Câmara Municipal de Lisboa em 2013.
Foi parlamentar durante três legislaturas, eleito pelo Bloco de Esquerda, até renunciar ao mandato por motivos de saúde em março de 2015. A sua atividade parlamentar destaca-se na área da saúde, algo que é reconhecido em todos os quadrantes políticos. Teve um papel decisivo na adoção de leis fundamentais como a do testamento vital, a Carta dos Direitos dos Utentes do SNS, a prescrição por princípio ativo, o estatuto do dador de sangue, o acompanhamento nos serviços de urgência, a dispensa gratuita de medicamentos após alta hospitalar e a inscrição do preço na embalagem dos medicamentos.
Empenhou-se na luta pela despenalização da eutanásia, tendo sido um dos principais ativistas do Movimento pelo Direito a Morrer com Dignidade. O seu último contributo para a democracia portuguesa foi a proposta de revisão da Lei de Bases da Saúde, que elaborou juntamente com António Arnaut, fundador do PS e do SNS, e que ambos publicaram em livro com o título “Salvar o Serviço Nacional de Saúde”.
Em entrevista dada quando a doença já o limitava severamente, João Semedo disse: “tive a vida que escolhi, a vida que quis, não tenho nada de que me arrependa no que foi importante. Segui sempre a minha intuição, nunca me senti a fazer o que não queria. Sim, fui muito feliz (…)”

Testemunho de Carlos Magno, Presidente do Conselho Regulador da Entidade Reguladora para a Comunicação Social:

Cunhal e João Semedo. Um segredo para a História

Quando o velho Álvaro Cunhal, já quase cego e com dificuldades de caminhar, precisou de ir à casa de banho gerou-se uma súbita angústia na mesa daquele jantar de várias esquerdas e alguns liberais portuenses mais à direita. 
Quem deveria conduzir o líder histórico do PCP pelos labirínticos corredores da casa?!... 
A cena passou-se há alguns anos na Cooperativa Árvore onde o corpo de João Semedo está hoje a ser velado pelos inúmeros amigos que, de todos os lados da política, choram o seu desaparecimento.
Nesse jantar em que Álvaro Cunhal, não clandestina mas discretamente, reuniu à sua volta camaradas, compagnons de route e intelectuais diversos, o PCP era maioritário e vários militantes do partido se ofereceram para acompanhar o seu líder à casa de banho. Irónico e um pouco constrangido, Cunhal aguardou que os presentes decidissem quem lhe serviria de guia e enquanto uns se levantavam para o deixar passar, outros mostravam a firme vontade de mostrar a sua proximidade ao líder. De pé e com voz firme, Cunhal, porém, surpreendeu toda a gente dirigindo-se a um dos presentes que poucos tempo antes tinha abandonado o PCP. Era, na prática, aquilo que na linguagem do partido se chama um dissidente. 
-“O João Semedo leva-me!” disse Cunhal com a elegância e a força que se lhe conheciam.
Fez-se um silêncio na sala, seguido de um sorriso descontraído na cara de cada um. Cunhal, cego, a ser guiado por um ex-comunista! Era uma verdadeira glasnost! 
O velho líder do PCP avançou amparado pelo então dirigente do Bloco de Esquerda e quando ambos regressaram à sala, João Semedo justificou assim aquela intimidade: “Eu sou médico e o Camarada Álvaro já foi meu doente!...”
A última vez que recordei este episódio com o próprio João Semedo, ele já quase não falava. Mas fez aquele seu sorriso cúmplice que desarmava qualquer um. E quando eu lhe disse, a brincar, que ele era um infiltrado do PCP no Bloco de Esquerda, o João deu-me uma palmada nas costas e piscou o olho como só ele piscava. É desse sorriso e desse piscar de olhos que todos nós vamos ter saudades para sempre!

Testemunho de Joana Barata Lopes, deputada do PSD:

Quando “dos meus” se hesitou, João Semedo foi acutilante numa defesa de mim. 
Não porque fôssemos amigos. Mas porque era demasiado sério para cavalgar um populismo desonesto; era demasiado livre para que a seriedade dependesse de cores políticas; era demasiado superior para se prender em “jeitinhos”.
Não se é uma Grande Pessoa apesar da ideologia que se tem. É-se uma grande pessoa com tudo o que se é.
Estávamos praticamente em lados opostos no caminho que queríamos que o país seguisse. 
Mas gosto de acreditar que estava no caminho dele - nisso que é querer um mundo de Pessoas Grandes.
É por isso que hoje estamos mais pobres. Todos.

Testemunho de Samuel Quedas, músico:

Quando se diz de alguém que morreu «Era um ser humano bom!»… isso pode parecer escasso para algumas pessoas, pode parecer que falta muita informação, muita política, muita História… pode parecer pouco…mas não é.
Faz toda a diferença!
Seres humanos como João Semedo fazem a diferença, num mundo povoado por “iguais” à força. À força de esmagamento. À força da indiferença. À força da cobardia. À força da ganância. À força da falta de carácter.
Os amigos do João sabem que ele fazia a diferença.

Até sempre!

Testemunho de Luís Osório, jornalista:

Pessoa admirável o João Semedo - uma vida que valeu a pena.

Testemunho de Paulo Rangel, eurodeputado:

Morreu João Semedo, alguém de que gostava muito e que admirava. Foram anos bons aqueles em que nos travámos de razões , em que debatemos ideias, em que falámos da vida e do mundo.
E melhores ainda os instantes dos últimos anos em que nos cruzámos umas largas vezes e em que nos demos conta da alegria desse cruzamento.
Vale a pena acreditar que se pode mudar o mundo e melhorar a vida dos outros - eis a dica que o sorriso afável e terno do João Semedo me deixa.

Mensagem Luís Palma, presidente da Junta de Freguesia de Laranjeiro e Feijó:

Em meu nome pessoal, e do Executivo da Junta de Freguesia, apresento as mais sentidas condolências ao Bloco de Esquerda e à família de João Semedo, reconhecendo na sua personalidade mérito profissional na área da Medicina e elevada ação na sua intervenção política.  

Recordamos para sempre a sua participação num debate sobre a Saúde Pública, realizado no auditório da nossa autarquia, onde revelou um sentido de estar na defesa das causas que consideramos só ser possível em personalidades com uma enorme consciência política e de valores humanos superiores.

Testemunho de Paula Marques, vereadora da Câmara Municipal de Lisboa:

Para o João Semedo que me ensinou que a vida é coisa bonita quando se luta e luta é a nossa essência. E que nunca desistiu! De nada! Da integridade e rectidão! Da elevação . Da ternura..
E quando me davas na cabeça por eu faltar às aulas e ir pintar murais?
E quando me pedias as notas?
E quando nos sentávamos no quintal da sede da JCP e me deixavas falar a atropelar o pensamento?
E quando de tempo em tempo nos sentávamos na Rotunda da Boavista, cruzavas os braços, esticavas as pernas, olhavas de lado e dizias “ Então e agora?”
E quando me apertaste a mão e disseste “deixa-o ir”
E quando eu estou toda baralhada e nos sentamos na mesma Rotunda... ali no sol de granito...
“os nossos abraços estão ao virar da esquina! O que eu quero é muitos e longos!” -disse-te
“Sim estão ao virar de esquina.... Logo que estiver melhor, direi e trocaremos esses mimos.”
É isso mesmo... ao virar da esquina.
Até já camarada amigo e companheiro, até já

Testemunho de Aurélio Malva, músico:

Morreu João Semedo, médico e antigo militante do PCP e, posteriormente, do Bloco de Esquerda, de que foi coordenador.
O país perde um homem bom, um político de convicções, impoluto e corajoso. O SNS, depois da morte de António Arnaut, perde outro dos seus maiores defensores. Obrigado, João Semedo!

Testemunho de José Gabriel, professor:

Morreu o João Semedo, bom amigo, companheiro de luta desde os tempos da União dos Estudantes Comunistas, a cuja direcção ambos pertencíamos, com aquele nível de cumplicidade que nos inspiram os homens bons. A minha solidariedade para com a sua família. Junto-me num abraço fraterno a todos os companheiros e amigos comuns.

Testemunho de Manuel Rocha, músico:

Conheci o João Semedo há muitos anos, nos tempos em que a Brigada andava pelos lados do Porto, apresentando-se em iniciativas de colectividades e do PCP, de que o João era funcionário. Com a sofisticação dos ambientes de apresentação musical em Portugal deixou de haver aquele mundo em que se tocava sem microfones, mas com vozes e toques de mudar o mundo. E durante muitos anos deixei de estar com o João (desde muito antes de ele ter saído do Partido).

Só no ano passado voltei a estar com o João, em Coimbra, numa sessão em torno da eutanásia. No final fui ter com ele. Lembrei-lhe quem era, e ele, que se lembrava de mim como sendo "o puto", concordou que estou velho. Dei-lhe nessa noite o penúltimo abraço. Dou-lhe agora o último

Testemunho de Rita Ferro Rodrigues, jornalista e apresentadora de televisão:

Um dos melhores. Ficámos sem um dos melhores. Continuemos honrando a sua coragem, determinação e nobreza de carácter. Da minha parte, agradeço-lhe. Para sempre, muito obrigada, querido João.

Crónica de homenagem de André Lamas Leite, jornal Público:

"Curvo-me perante a memória da vida grande e cheia de João Semedo, esperando que outros, à semelhança dele, possam continuar a saber estabelecer pontes que, no diálogo aberto e franco com os demais, consigam atingir soluções comunitárias equilibradas."

Testemunho de Rita Brandão Guerra, jornalista:

Percebi nesse dia que ele ia morrer. Já tinha percebido noutra tarde no olhar triste da Rosa. E no gesto cuidador do José, quando eu me sentia um pássaro perdido numa sala cheia. Mas nesse final de tarde foi tão forte e tão físico que doeu outra vez fundo, fundo. Dei por mim a dizer que me ia despedir. Palavras ocas ou como se eu pudesse adivinhar coisas que ninguém sabe.

Não há outra pessoa a quem tenha dito que gostaria de ter tido como pai, caso não tivesse tido o meu. O que respondeu de volta, ficará em mim para sempre. Acho que é tudo. A amizade e a ternura. E a política que adoramos. Sim, também com intriga, inconfidências e tanta ironia. Mas com verdade. E os conselhos, apesar da vida que ainda nos tremeu algumas vezes. Rimos à gargalhada, de São Bento ao Príncipe Real. A última vez foi no Carmo. Aprendi imenso, sim, e fiquei com lanternas, na política e na vida. É o mesmo. Numa das últimas mensagens: "Não tenho palavras", lá disse eu, a propósito das saudades que tinha dele. De volta recebi "um beijo abraçado", que viverá em mim para sempre. "Não tenho palavras", lá disse eu.

Editorial de Amílcar Correia, jornal Público:

"João Semedo não foi mais um político ou mais um médico. O antigo coordenador do Bloco de Esquerda ou director do Hospital Joaquim Urbano, no Porto, foi bem mais do que a soma destas duas partes. Semedo nunca deixou de intervir política e civicamente, fosse em 1967, nas mobilizações estudantis de apoio às populações atingidas pelas cheias na periferia de Lisboa, onde nasceu, fosse na candidatura à Câmara do Porto, em 2017, cidade onde viveu nos últimos 40 anos. Semedo fez parte dos movimentos estudantis na Faculdade de Medicina de Lisboa, foi preso por distribuir panfletos a exigir eleições livres, participou nas campanhas de alfabetização após o 25 de Abril, foi membro do Comité Central do PCP, que abandonou para integrar as listas do BE, encabeçadas por Miguel Portas, nas eleições europeias de 2004."

Testemunho de Rosa Pedroso Lima, jornalista:

Percebi agora que não tenho nenhuma foto com o João Semedo. Mas tenho memórias incríveis, saudades imensas e um respeito eterno. O João era um homem bom. Era mesmo óptimo. Um beijo sentido à Ana Maria Brito Jorge. E ao Miguel. Descanse, querido João, finalmente, na paz que merece.

Testemunho de Edite Estrela, deputada do PS:

Foi um privilégio ter conhecido o João Semedo e com ele ter partilhado algumas causas. Apesar de pertencermos a partidos diferentes, sempre que me desafiou a subscrever uma petição, aderir a um projeto, defender uma causa, nunca lhe disse não. Porque o que ele propunha era justo, correto, altruísta. A correção e a simpatia reforçavam a sua capacidade agregadora. Pessoas como o João Semedo fazem muita falta à democracia portuguesa.

Testemunho de Vítor Dias, militante do PCP:

Infelizmente iminente, a notícia do falecimento, aos 67 anos, de João Semedo causa naturalmente uma consternação muito ampla com traços mais dolorosos para a sua família e para todos os que o conheceram mais de perto. Recordando naturalmente a empenhada militância e elevadas responsabilidades que exerceu no Bloco de Esquerda, não posso entretanto esquecer todos os muitos anos, desde antes do  25 de Abril, em que foi um dedicado e qualificado militante e dirigente do PCP. O seu espírito de entrega, capacidade de diálogo e espírito aberto vão deixar saudades.

Mensagem do POUS - Partido Operário de Unidade Socialista:

O Partido Operário de Unidade Socialista, através do seu Secretariado, vem transmitir as mais sentidas condolências ao Bloco de Esquerda, na pessoa da Coordenadora Nacional, Catarina Martins, pelo falecimento do seu dirigente João Semedo. O país ficou mais pobre. Perdeu um combatente político, que lutava pelas suas convicções, mesmo nas mais adversas condições de saúde, como ficou demonstrado nesta última batalha conjunta com António Arnaut, pela nova Lei de Bases do Serviço Nacional de Saúde.

Testemunho de Juliano Medeiros, presidente do PSOL, Brasil:

Hoje faleceu o companheiro João Semedo, grande dirigente do Bloco de Esquerda, partido amigo do PSOL em Portugal. Tive o prazer de conhecê-lo num congresso do BE em Lisboa, anos atrás. À militância, amigos e familiares, minha solidariedade. João Semedo: presente!

Mensagem da Frente Polisario em Portugal:

É com profunda tristeza que a Frente POLISARIO tomou conhecimento do falecimento de João Semedo, um homem que tornou o mundo melhor na sua trajectória de luta e solidariedade a nível nacional e internacional e que se destacou tanto na sua actividade política como na sua actividade profissional na area da Medicina.

Nesta hora de luto, a Frente POLISARIO, através da sua representação em Portugal, apresenta as condolências à família pessoal e política de João Semedo.

Mensagem do Fórum Tecnologias da Saúde:

O Fórum Tecnologias da Saúde (FTS) manifesta a V. Exas. o profundo pesar pela perda irreparável do Senhor Dr. João Semedo que deixa uma marca indelével pela sua postura cívica e política e, em concreto, os valiosos contributos que deu para a defesa do Serviço Nacional de Saúde.

O FTS reconhece, ainda, o trabalho desenvolvido no processo de criação da Ordem dos Técnicos de Saúde, em que o Senhor Dr. João Semedo foi um interlocutor, pelo seu empenho na procura de uma solução construtiva e participada pelos diferentes atores!

Mensagem da União do Povo Galego:

Amig@s do Bloco de Esquerda,
Queremos fazer chegar as nossas mais sinceiras condolencias pelo falecemento do João Semedo, pessoa que ao longo de sua trajectória vital deu provas de um compromisso com o a luta pela liberdade e pela justiça social. Personalidade destacada não só do Bloco senão de toda a esquerda portuguesa.
Transmitam o nosso pesar a seus companheir@s e a sua família.

Testemunho de António Garcia Pereira, advogado e ex-membro do Comité Central do PCTP/MRPP:

A última vez que me encontrei com João Semedo foi à porta do Ministério da Saúde quando cada um de nós ali foi manifestar o apoio a uma manifestação de médicos em defesa do Serviço Nacional de Saúde.
Aqui presto homenagem a um Homem que, apesar das nossas divergências políticas e ideológicas, manteve sempre uma elevada correcção de trato, uma grande abertura ao debate de ideias e de projectos e um marcado respeito por posições e opiniões diferentes da sua.
À família e aos amigos que com ele privaram, uma palavra de apoio neste momento difícil.

Mensagem de Henrique Barros, médico epidemiologista e presidente do Instituto de Saúde Pública da Universidade do Porto:

Foi uma perda imensa. João Semedo foi e permanecerá uma figura central da democracia, da cidadania e da defesa dos direitos humanos. Uma boa pessoa, corajosa e digna. Uma pessoa e uma ideia que permanece como símbolo dos valores mais centrais do Serviço Nacional de Saúde. Fica uma enorme saudade mas também um exemplo a seguir.

Testemunho de Paulo Cafofo, presidente da Câmara Municipal do Funchal:

Estou triste. O João Semedo, pessoa com quem construí amizade, deixou-nos. Foi daquelas pessoas com quem criei uma empatia imediata e com quem aprendi como se deve estar na política. Sempre procurou derrubar muros e, no seu lugar, construir pontes. Homem de coragem, de princípios, de ideias. Alguns poderão chamá-lo de utópico. Que assim seja, a quem sempre se elevou à dimensão do sonho. Era amigo da Madeira e sempre acreditou na mudança nesta terra. Não esqueço que esteve presente na minha tomada de posse em 2013, não esqueço o que me disse pessoalmente, no ano passado, naquele que era o seu desejo de uma Madeira com outro rumo. Por pessoas como ele, continuaremos a lutar e a acreditar. Obrigado, João.


Mensagem da Renovação Comunista:

É com mágoa que recebemos a notícia do João Semedo. Ele pertencia a uma geração de ouro da política portuguesa que fez o 25 de abril. Ele despertou na Associação de Medicina, no tempo do fascismo, e tornou-se rapidamente num destacado protagonista da ação. João Semedo foi um incansável combatente, no movimento estudantil, na UEC e no partido comunista, fundou connosco a Associação Renovação Comunista e tornou-se deputado e dirigente do Bloco de Esquerda. A sua contribuição para o debate comunista intensificou-se no quadro da crise que conduziu ao desaparecimento da URSS e foi na exigência dessa mesma discussão que protagonizou a fundação da nossa Associação.
 
Ele foi exemplar na intensidade da ação e, embora as nossas opiniões tenham divergido em muitos aspetos, admirámos o empenho que colocou nas frentes onde foi chamado a intervir. Fomos naturalmente sensíveis ao rasgo com que impulsionou o debate pela renovação do Serviço Nacional de Saúde nos últimos meses. Neste aspecto, ele ajudou a abrir uma situação de grande cristalização por onde a hidra dos interesses capitalistas tem medrado e subvertido a ordem democrática inscrita na Constituiçãoda República. O que se trata é de impedir que vingue uma saúde de classe, apetrechada para os ricos e depauperada para os restantes. Acreditamos que neste domínio tínhamos um largo consenso com ele e com as restantes esquerdas e que seria um resultado positivo para homenagear a sua memória e a memória de outros defensores do SNS, desaparecidos, que conseguíssemos gerar uma maioria favorável ao relançamento e ao desenvolvimento do SNS e alcançássemos uma viragem democrática na política de saúde.
 
Peço-te que transmitas à Direcção do Bloco e à família do João as nossas condolências e esperamos poder cooperar no futuro na construção de uma sociedade mais avançada.
 
Paulo Fidalgo
Renovação Comunista


Mensagem da Associação dos Ex-Trabalhadores das Minas de Urânio:

Foi com grande consternação e dor, que os Órgãos Sociais da ATMU tomaram conhecimento do falecimento do ex-Deputado e dirigente Bloco de Esquerda, João Semedo.

A Família Mineira, reconhece sempre aqueles, que nos diversos momentos do nosso processo de dura Luta pelos direitos, nos deixam sempre uma palavra amiga, como foi o caso do deputado João Semedo, que nunca regateou a mesma, mesmo enquanto dirigente do Bloco de Esquerda.

Assim, nesta hora dolorosa para todos aqueles que lutam em nome de causas, não podemos de deixar de lamentar o seu desaparecimento, ainda mais em face da Luta que este travava pelo aplicação do SNS, onde  a nossa Luta se enquadra por melhores condições de apoio à saúde que os ex-Mineiros continuam a exigir em face da exposição à radioactividade, a que estes estiveram sujeitos, enquanto ex-Mineiros de Urânio.

Transmitimos assim ao Bloco de Esquerdo, o nosso apreço pelas causas que João Semedo se debateu. Os nossos mais sentidos pêsames pelo seu desaparecimento, na certeza de que a sua Luta e exemplo, serão sempre para Família Mineira uma referência a não esquecer.

Gostaríamos que este nosso sentimento, fosse transmitido à sua Família, bem como aos membros do Bloco de Esquerda.
 
Com os melhores cumprimentos
O Presidente da ATMU
António Minhoto


Mensagem da concelhia do Partido Socialista de Baião

A Comissão Política do Partido Socialista de Baião, vem, por este
meio, transmitir as suas sentidas condolências pelo falecimento de
João Semedo,

Recordamos uma pessoa de qualidades humanas excecionais e de
convicções fortes, defensor do Serviço Nacional de Saúde e
combatente pela liberdade e democracia.

Por tudo isto, num momento de profundo pesar e consternação para o
País e para o Bloco de Esquerdo, queremos transmitir à família
enlutada e ao Partido as nossas mais sinceras condolências.

A Presidente da Comissão Política Concelhia de Baião,
Ivone Abreu


Mensagem de Eduardo Fernandes, Eleito do PS na Assembleia Freguesia da Venteira-Amadora

Boa tarde, venho por este meio desejar a todos vós e à sua Família os meus Sentidos sentimentos pela vossa perda, era um Homem com muito valor, um Homem que lutava por causas, um Homem muito admirado e respeitado na Sociedade é uma grande perda para a Democracia.

Um Forte abraço Democrático, desejando que consigam superar dentro do
Possível a vossa perda.


Mensagem do PURP - Partido Unido dos Reformados e Pensionistas

O PURP - Partido Unido dos Reformados e Pensionistas vem juntar a sua voz de pesar, de toda a comunidade política, perante o falecimento do ex-deputado da República Portuguesa, Doutor João Semedo.

À família enlutada apresentamos os nossos sinceros pêsames.

A Comissão Política Nacional


Mensagem de Francisco Pinto Balsemão:

Quero que saibam que lamento profundamente o desaparecimento do Dr. João Semedo. Conheci-o pouco, mas o suficiente para ter dele uma opinião muito favorável e para apreciar as qualidades humanas e profissionais que sempre sobressaíram em todas as conversas que tivemos.
 
Quero louvar a maneira como, muito recentemente, e já na fase terminal da doença que o vitimou, coordenou a edição do livro “ Morrer com Dignidade – a decisão de cada um”, no qual tive a honra de colaborar".


20h00 - Declarações de Pedro Nuno Santos à agência Lusa

O secretário de Estado dos Assuntos Parlamentares, Pedro Nuno Santos, lembrou João Semedo como um “homem bom, generoso e de esquerda”, que “lutou até ao último dos seus fôlegos” para que Portugal fosse um país onde se vivesse melhor.

“Foi alguém que lutou contra a ditadura e a liberdade antes do 25 de Abril e continuou a lutar para que a liberdade não ficasse apenas nas mãos de minorias, mas chegasse a todos”, afirmou Pedro Nuno Santos, que esteve no velório de João Semedo em representação do primeiro-ministro, António Costa, que se encontra em Cabo Verde para participar na XII Conferência de Chefes de Estado e de Governo da Comunidade de Países de Língua Portuguesa.


Mensagem de José Mario Branco e Manuela de Freitas

Enviamos o nosso abraço e compartilhamos a vossa tristeza pelo falecimento do João Semedo, pessoa de quem gostamos muito e que faz muita falta


Mensagem da direção da EAPN/Rede Europeia Anti-Pobreza

A EAPN Portugal vem por este meio expressar o seu profundo pesar pelo falecimento do Dr. João Semedo e apresenta sentidas condolências à sua família e amigos.


Testemunho de João Teixeira Lopes, sociólogo e candidato do Bloco à CM Porto nas últimas eleições, em que substituiu João Semedo.

Soube agora, ao acordar (estou no Canadá), da morte do João. E, apesar da certeza de que estava iminente, sou invadido pela dor de perder um amigo, combatente singular, que, mesmo estando tão doente, se bateu ainda pela despenalização da eutanásia e por uma lei de bases progressista para a saúde Que saudades vou ter do teu humor e da tua exigência, João Semedo.


Mensagem da Associação de Promoção Social da População do Bairro do Aleixo

Ao tomarmos conhecimento do infausto acontecimento ocorrido no dia de hoje, 17 de julho, os órgãos sociais da Associação de Promoção Social da População do Bairro do Aleixo, os funcionários, os utentes dos equipamentos sociais e os moradores deste bairro, vêm, junto de V. Exas., expressar as nossas sentidas condolências pelo falecimento do Exmo. Senhor Dr. João Semedo.

Apresentamos a nossa mais sentida homenagem e agradecemos, encarecidamente, todo o apoio que sempre nos prestou, ao longo de tantos anos de trabalho em comum.


Mensagem de João Neto, presidente da Associação Portuguesa de Museologia e diretor do Museu da Farmácia

Desejo prestar as minhas sentidas condolencias pela partida do Dr Joao Semedo. Um grande ser humano e defensor da nossa Democracia.


Testemunho de José Neves, investigador FCSH/UNL

além de tudo o mais, o joão semedo era um benfiquista daqueles, embora não tanto como o seu tio, o artur semedo, que pediu que na hora da sua morte o carro fúnebre desse uma volta ao redor do estádio, o que creio ter acontecido, se bem me lembro da história que o seu sobrinho uma vez me contou. conheci-o nos finais dos anos 90 quando o miguel portas decidiu promover uma reunião entre velhos e novos descontentes do pcp e, claro, o próprio miguel portas chegou atrasado. para ir partindo pedra eu e o joão semedo fomos falando de outras coisas e eu disse-lhe que conhecera de vista e quotidiano o tio dele, que morava numa rua não longe da minha, a rua manuel ferreira de andrade, em cujos terraços se jogava à bola, a ponto de termos criado uma equipa chamada mfa, que, de resto, venceu os jogos da cidade de lisboa, cabendo ao presidente do município de então, um tal de jorge sampaio, entregar o troféu ao capitão de equipa, moi même. o joão semedo disse logo "mfa, isso é que é um nome revolucionário!, só fica atrás de benfica". desde esse encontro inicial que entre mim e o joão semedo ficou instaurado um equívoco para todo o sempre. eu chegava ao pé dele, das poucas vezes que nos íamos vendo, e perguntava "isso vai?"; ele dizia que sim, que ia. eu fazia a pergunta em sentido genérico, ou então pensando na situação política deste ou daquele projecto, e ele respondia quase sempre qualquer coisa do género: "claro que vai, este ano estão a jogar bem que se farta". a última vez que vi o joão semedo foi numa iniciativa do bloco que teve lugar no porto, creio que há dois anos, no verão. ele já estava com problemas de saúde muito graves e eu fiz-lhe a pergunta de sempre, mas tendo em mente a situação de saúde dele, claro. a resposta foi sensivelmente a mesma. "claro, este ano lá seremos outra vez campeões". e, no meio de tudo isto, um dia, lá para 2004, ainda fomos à luz juntos, depois de uma reunião com o miguel portas, sendo que chegámos quase atrasados ao jogo, que o portas tinha chegado atrasado à reunião.


Mensagem da Associação Sindical dos Funcionários de Investigação Criminal da Polícia Judiciária

É com profundo pesar que a Direção Nacional da ASFIC-PJ tomou hoje conhecimento do falecimento do Dr. João Semedo.

A democracia em Portugal, perdeu hoje, um dos seus mais iminentes arautos da liberdade e do Estado Social, o qual pautou a sua vida e o seu trabalho, abnegadamente, em prol da ciência, do humanismo e na defesa dos mais indefesos e desprotegidos.

É nesse sentido que em nome da Direção Nacional da ASFIC-PJ, prestamos a devida homenagem ao Dr. João Semedo, manifestando as nossas condolências ao Bloco de Esquerda, família e amigos.

Citando as palavras de Antoine de Saint-Exupéry:

"Ceux qui passent par nous, n'allez pas seul, ne nous laisse pas seuls. Laisser un peu d'eux-mêmes, prendre un peu de nous"

Ricardo Valadas
Presidente Nacional


Testemunho de Duarte Marques, deputado do PSD

Um Senhor!

Conheci o João Semedo através da família. Gente boa do Norte(e ainda por cima benfiquistas e amantes dos automóveis) amigos daqueles com quem não precisamos de falar todos os dias para sabermos que estão sempre lá quando é preciso. O João era do Bloco sem deixar de ser assim. O João era da extrema-esquerda sem perder o respeito pela direita. O João distinguia-se dos outros por não ter qualquer preconceito em relação aos que pensavam diferente. O João era muito mais do que um dirigente do BE. Sempre disse que o João a liderar o Bloco era um perigo para o centro pois dava uma imagem de “bom senso” e de “normalidade” ao Bloco de Esquerda. Não era radical, nem demagogo, nem populista. Era um Senhor, daqueles com quem falamos através de sorrisos, daqueles com quem aprendemos todos os dias, daqueles de quem temos o prazer de dizer que somos amigos.
O país só fica mais pobre se não aprendermos com o seu exemplo a tornar a nossa democracia mais rica. A vida por vezes é mesmo muito injusta.
Obrigado João!


Mensagem da Associação Comércio Tradicional da Rua São Lázaro Lisboa

Foi com grande pesar e consternação que  tivemos conhecimento do falecimento de João Semedo. A Associação Comércio Tradicional da Rua São Lázaro Lisboa quer transmitir a todos os Senhores Deputados Parlamentares,militantes e apoiantes do Bloco de Esquerda as nossas mais sentidas condolências Muita força e coragem para a familia e amigos.

 


Mensagem da Gilead Sciences

A Direção da Gilead Sciences apresenta as suas condolências pelo falecimento do Dr. João Semedo e vem por este meio prestar homenagem ao antigo coordenador do Bloco de Esquerda e impulsionador do Serviço Nacional de Saúde, cujo percurso cívico e político ficará indelevelmente associado à defesa da causa da Saúde em Portugal.


Mensagem de Luís Brochado Pinheiro, médico

E com tristeza  que recebi a noticia do falecimento de João Semedo

Conheci a pessoa enquanto colega de trabalho  no SAMS no Porto e com ele privei alguns momentos de camaradagem, sempre me ajudou estando eu no início da carreira.Considerei e considero um bom Médico, um bom colega e um bom cidadão.

À família, ao Bloco de Esquerda e ao País, endosso os meu pêsames. Fica o sentimento de que conheci e me enriqueci com o sua personalidade. Aqui fica o meu tributo ao Dr. João Semedo.


Mensagem da direção do Sindicato Ferroviário da Revisão e Comercial Itinerante

A Direcção do SFRCI, tendo conhecimento do falecimento do Sr. Deputado e antigo Coordenador do BE , Dr. João Semedo,  vem por este meio apresentar os sentidos pêsames.


Mensagem da Associação dos Inquilinos Lisbonenses

Em meu nome pessoal e em representação dos Orgãos Sociais e trabalhadores da AIL, aceite as nossas sentidas condolências pelo falecimento do Dr. João Semedo.
 
Romão Lavadinho


16h50 — Mensagem de Almeida Henriques, Presidente da Câmara Municipal de Viseu

Neste momento de luto e dor, associo-me solidarizando-me e endereçando os meus sentidos pêsames para toda a família e amigos.
 
Apresento a expressão do meu pesar e um abraço amigo solidário


16h45 — Mensagem da Intervenção Democrática

Foi com grande pesar que a Associação Intervenção Democrática (ID) tomou conhecimento do falecimento do Médico e Dirigente Político João Semedo, vítima de doença incurável.

A ID, sublinhando o contributo que o antigo Deputado à Assembleia da República deu ao país no quadro da sua atividade parlamentar e noutros órgãos públicos e partidários da Democracia Portuguesa, expressa por esta via à sua Família e ao Bloco de Esquerda as mais sentidas condolências e a expressão de profunda solidariedade neste momento de perda e tristeza que vivemos.

Lisboa, 16 de Julho de 2018
 
Pela Comissão Diretiva da Associação Intervenção Democrática
O Vice-presidente
João Eduardo Geraldes


16h43 — Mensagem da direção da APIFARMA

Ao tomar conhecimento do falecimento do Dr. João Semedo, a Direcção da APIFARMA – Associação Portuguesa da Indústria Farmacêutica,  apresenta as suas condolências à família e à Direcção do Bloco de Esquerda, prestando homenagem ao médico, ao político e ao defensor do Serviço Nacional de Saúde. A sua coragem, determinação e resistência constituem um inestimável lastro de humanismo que a todos deve inspirar.


16h40 — Declarações de Francisco Louçã, ex-coordenador do Bloco, à agência Lusa:

Em declarações à agência Lusa, Francisco Louçã sublinhou a "marca profunda como um homem de grandes convicções, de grande conhecimento, de grande profundidade, mas também com uma enorme de estabelecer convergências unitárias e aproximações".

Para o antigo dirigente bloquista, "a defesa do Serviço Nacional de Saúde (SNS), um dos seus grandes últimos combates, um combate da sua vida inteira, resumiu a sua preocupação com a solidariedade, com os direitos dos homens e das mulheres". Esse foi "um dos sinais mais nobres" da vida de João Semedo, salientou.

"Talvez este livro "Salvar o SNS", que escreveu com António Arnaut, seja um sinal de toda a sua vida. Uma preocupação com a qualidade da democracia, um esforço enorme para o qual dava o seu contributo e o seu conhecimento e uma vontade de fazer pontes, de alargar o debate, de trazer soluções, de mudar. Ter uma vida para mudar a vida de muito gente", enalteceu.

O antigo líder bloquista registou "com muita simpatia as mensagens do Presidente da República, do Presidente da Assembleia da República, de tantas pessoas de todos os quadrantes que reconhecem que João Semedo é um homem grande e um defensor extraordinário da qualidade da democracia e da vida pública portuguesa e do serviço de saúde, em particular".

"Eu creio que é a continuação desse combate, a persistência com a mesma garra que o João Semedo trouxe para a vida, com a alegria que ele trouxe, que ele será homenageado", apelou.


16h37 — Testemunho de Inês Pedrosa, escritora.

João Semedo deu força, sentido, dignidade, honra, brio, seriedade, verdade e coragem à actividade política, que é, na sua essência, a mais luminosa e altruísta das actividades humanas. Recordá-lo será honrar diariamente esses valores.


16h35 — Testemunho de Alfredo Barroso, cronista e jornalista

João Semedo era um homem bom, justo e corajoso. Além disso, era um político íntegro e muitíssimo competente, como bem o demonstrou quando foi deputado do Bloco de Esquerda à Assembleia da República, quando partilhou com a Catarina Martins a coordenação do BE e, nestes últimos anos da sua vida, no combate em defesa do Serviço Nacional de Saúde, ao lado do António Arnaut.

Não posso esquecer que foi o João Semedo - juntamente com o Fernando Rosas, a Catarina Martins e a Marisa Matias - um dos dirigentes do Bloco de Esquerda que me desafiaram a sair do isolamento político a que eu fora remetido pelas sucessivas direcções do partido que ajudei a fundar, o Partido Socialista, permitindo-me, assim, regressar à actividade política pública, participando em colóquios e comícios do BE.

Lembro-me bem do telefonema que o João Semedo me fez, num dia de Maio de 2014, desafiando-me a participar, em Coimbra, na noite de 22 desse mês, num comício integrado na campanha do BE para o Parlamento Europeu. Foi numa altura em que se levantavam contra mim, dentro do PS, vozes de muito azedume instando-me a sair do partido, por causa das críticas que eu fazia e das posições discordantes que assumia.

E lá fui para Coimbra, onde, na chuvosa noite de 22 de Maio, participei no comício do BE realizado, imaginem, no Pátio da Inquisição (!), sob chuva torrencial, mas devidamente coberto e recheado de militantes, tendo tomado a palavra entre três distintos oradores - o João Semedo, a Catarina Martins e a Marisa Matias - e uma palavra de ordem - «De Pé, as Pessoas não são Dívida» - que tinha a ver com o protesto contra o Pacto Orçamental imposto aos países da União Europeia pela Alemanha da senhora Angela Merkel e do senhor Wolfgang Schäuble.

Aqueles que, no PS, queriam que eu saísse do partido, ainda tiveram de esperar algum tempo até eu decidir abandoná-lo pelo meu próprio pé. A minha participação nesta e noutras iniciativas e campanhas eleitorais do BE, marcou um fase decisiva da minha vida política, que me levou a confirmar que, tal como na minha juventude, antes do 25 de Abril de 1974, o meu coração e a minha cabeça estiveram e hão-de estar sempre à esquerda.

Ainda me lembro duma frase desajeitada que dirigi ao João Semedo, no pátio do liceu de Santa Maria da Feira, durante o «Fórum Socialismo 2016» organizado pelo BE, em que participei no painel sobre a Europa, e em que também se ia debater, entre outros temas, a eutanásia. Tínhamos estado à conversa a seguir ao almoço e, quando chegou a hora de recomeçarem os diferentes debates, virei-me para o João Semedo e disse: «Então, lá vai você para a eutanásia!?». E ele respondeu-me, com grande sentido de humor: «Nunca se sabe, nunca se sabe...».

Até sempre, João Semedo!


16h33 — Testemunho de Francisco Seixas da Costa, diplomata aposentado, consultor e gestor.

 Há quatro anos, João Semedo, à época co-lider do Bloco de Esquerda com Catarina Martins, sondou a minha disponibilidade para estar presente na "universidade de verão" do seu partido, para falar sobre a situação na Europa.

Declinei esse amável convite, por duas razões: não estaria em Portugal nessa altura e, mesmo que estivesse, mantinha com o BE, desde a votação do PEC IV, em 2011, uma divergência política insanável, que inviabilizaria a minha presença, como na ocasião lhe expliquei.

Na nossa troca de mensagens, confirmei a grande dignidade de João Semedo e o seu modo urbano e sereno de estar na política. Voltámos a encontrar-nos, meses mais tarde, no almoço dos 90 anos de Mário Soares.

João Semedo teve entretanto um grave problema de saúde, que o obrigou a afastar-se da liderança do Bloco. Agora, a doença fez o seu caminho.

Quero deixar aqui uma nota de pesar pela desaparição de João Semedo, uma figura que me merece um grande respeito, com um passado feito de fortes convicções.


16h30 — Testemunho de Paulo Areosa Feio, conselheiro da delegação portuguesa na OCDE

Uma vida do caraças ... Hoje apetece-me recordar essa serenidade desconcertante, com que valorizavas uma vida cheia, vivida com a alegria e a intensidade de quem se sente bem na sua pele, ansiando sempre por mais um combate, mais um pedaço de vida. Até sempre, João.


16h25 — Testemunho de António Capelo, ator.

Meu querido João... que o teu exemplo nos inspire a todos, que todos somos necessários a um país melhor!! O que querias para nós... até sempre!


16h20 — Testemunho de André Silva, deputado do PAN:

Há pessoas que pela forma como estão na vida e pelos valores que se guiam são para mim um referencial. Discordando de várias das suas visões políticas, o João Semedo foi um homem que esteve uma vida ao serviço, que se entregou ao bom combate na defesa do bem comum, na luta pelos valores da democracia, que se batia pela dignidade de todas as pessoas. Activista, deu-nos de si até ao fim. Lúcido, sereno e realizado, disse há cerca de um ano, numa entrevista, que nunca desejou morrer, mas que quando o momento da morte chegasse, o apanharia feliz com a vida que teve. Da minha parte agradeço o exemplo e o legado de humanismo.


16h10 — Mensagem de Clara Queiroz, escritora, professora catedrática aposentada da Fac. Ciências/UL

Desolada, não posso estar presente na homenagem devida a um Homem íntegro, inteligente, coerente, lutador com coragem. Do meio do Atlântico, segue o grande abraço solidário, certa de que o exemplo que o João Semedo deixa será devidamente honrado.


Mensagens de eurodeputados de vários partidos, enviadas a Marisa Matias

“Querida Marisa, condolências desde a Finlândia.” Merja Kyllönen, Aliança de Esquerda, Finlândia

"Profundas condolências para ti e tdos os camaradas do Bloco nesta altura difícil". Lynn Boylan, Sinn Féin

"Os mais sentidos pêsames de EH Bildu à família de João Semedo, e a todos os companheiros e companheiras do Bloco de Esquerda. Um forteíssimo abraço especialmente para a Marisa Matias e Catarina Martins". Josu Juaristi, EH Bildu

"Querida Marisa, é com imensa tristeza que tomei conhecimento da partida do João Semedo. Sei bem como gostavas dele e lhe eras próxima. Nestes momentos dolorosos para ti e para todo o Bloco, apresento-vos as minhas sinceras condolências e peço que aqui encontrem a expressão da minha amizade e reconforto." Younous Omarjee, eurodeputado da France Insoumise.

"Em nome da delegação italiana, enviamos ao Bloco as nossas profundas condolências". Eleonora Forenza, Refundação Comunista

A nossa delegação e o nosso partido sentem muito a vossa perda. Os membros do Bloco perderam um grande homem e o nosso coração está com eles. Kateřina Konecna, do Partido Comunista da Boémia e Morávia

"Que tristeza, perdemos um grande companheiro, e também muito simpático. Prestamos o nosso respeito pela sua magnífica trajetória. Toda a nossa solidariedade está convosco." Paul-Emile Dupret, do movimento belga Demain

"Queremos prestar as nossas sentidas condolências ao Bloco". Miguel Urbán, Podemos

"Cara Marisa, Perante a notícia do falecimento de João Semedo, endereçamos-te, à família e à Direcção do Bloco de Esquerda, as nossas condolências." João Ferreira, PCP

"Partilhamos a nossa tristeza pelo falecimento do João Semedo com todos os camaradas e familiares". Javier Couso/Izquierda Unida.

"Com profunda pena, lamentamos a morte de um grande do Bloco, com quem partilhamos experiências galego-portuguesas pelo caminho. Força à família pessoal e política". Ana Miranda, Bloco Nacionalista Galego.

"É uma tristeza enorme. Envio as minhas condolências ao partido. Desejo-vos esperança e lutas conjuntas no futuro, como o João gostaria de ver". Dimitrios Papadimoulis, Syriza, vice-presidente do Parlamento Europeu.

"Envio as minhas sentidas condolências ao Bloco". Sanna Lepola, secretária-geral GUE/NGL

"Estou profundamente sentido pelas notícias tristes. Deixem-me expressar as minhas e nossas sentidas condolências pela morte do camarada João Semedo, uma perda para o Bloco de Esquerda e para a esquerda europeia e internacional. Por favor transmitam os nossos profundos sentimentos à sua família, bem como aos dirigentes e todos os membros do vosso partido." Helmut Scholz, Die Linke

"Condolências e solidariedade para com todos os membros do Bloco de Esquerda." Matt Carthy, Sinn Féin

"As mais sentidas condolências e toda a minha solidariedade para o Bloco." Barbara Spinelli, eurodeputada independente, membro do GUE/NGL.

"Ouvimos com pesar a notícia da perda de João Semedo, anterior co-coordenador do Bloco de Esquerda. Em nome do nosso partido, Unidade Popular, gostaríamos de enviar ao Bloco, e a si pessoalmente, as nossas mais sentidas condolências por esta perda." Panagiotis Lafazanis, Secretário do Unidade Popular, e Nikos Chountis, eurodeputado.

"É com grande tristeza que tivemos conhecimento do falecimento do João Semedo. Em nome do grupo do GUE/NGL no Parlamento Europeu, expresso as minhas condolências à sua família, amigos e camaradas do Bloco de Esquerda. O João Semedo era conhecimento como um ativista apaixonado, um médico empenhado e um visionário que inspirou as pessoas com as suas ideias. O seu trabalho em prol do Serviço Nacional de Saúde português permitiu um verdadeiro progresso e é reconhecido por muitos. Fiquei impressionada com a sua análise e o seu pensamento político e ativismo, mesmo durante o período em que se encontrava doente. Foi um exemplo para muitos. Lamentamos a perda de uma voz importante na política progressista. A sua morte não é apenas uma perda para Portugal, mas também para o movimento de esquerda na Europa. Não será esquecido." Gabriele Zimmer, presidente do GUE/NGL.


15h00 – Nota de pesar da CGTP-IN

“A CGTP-IN apresenta à família, assim como ao Bloco de Esquerda, as condolências pelo falecimento de João Semedo.

Militante antifascista, homem de convicções e de causas, João Semedo foi um lutador pela defesa da liberdade e a consolidação da democracia e um interveniente activo na vida política, primeiro no PCP e depois no BE, pela construção de uma política de esquerda, alicerçada nos direitos, liberdades e garantias constitucionais emergentes da Revolução de Abril.

O seu apoio à luta pela valorização do trabalho e dos trabalhadores e à defesa e melhoria das funções sociais do Estado, com particular destaque para o Serviço Nacional de Saúde onde, ainda recentemente, foi co-autor, com o saudoso António Arnault, de uma proposta de revisão da Lei de Bases de Saúde, releva o compromisso de uma vida com o serviço público, o bem-estar da população e o desenvolvimento do país.

Neste momento difícil para os familiares, assim como para todos quantos conheceram e conviveram com João Semedo, a CGTP-IN homenageia o profissional de saúde, que esteve na fundação do Sindicato dos Médicos do Norte, o político e o homem que lutou até ao fim da sua vida por um Portugal soberano, de progresso e justiça social.

Lisboa, 17.07.2018

DIF/CGTP-IN”


14h45: Marcelo Rebelo de Sousa, Presidente da República: “Deixa muita saudade e uma boa saudade"

“Já se sabia do agravamento nos últimos dias, tinham-me chegado notícias disso e de que poderia ser a qualquer momento, mas é sempre um choque. É um choque, enquanto político e enquanto pessoa”, declarou o chefe de Estado.

“Mas, deixa muita saudade e uma boa saudade", acrescentou.

O Presidente da República descreveu João Semedo como alguém que "foi notável enquanto político, pelas causas que abraçou e pelas quais lutou, sobretudo no domínio da saúde", destacando a proposta recente de Lei de Bases da Saúde e a eutanásia.

"Tudo o que era saúde o preocupava muito", disse.

Como pessoa, Marcelo Rebelo de Sousa considerou que João Semedo "reunia qualidades intelectuais, de facto, excecionais" e tinha "uma bondade, uma maneira de se dar, um calor humano que permaneceram ao longo de toda a sua vida".


14h52 –  Testemunho de Eduardo Vitor Rodrigues, Presidente da Câmara Municial de Vila Nova de Gaia

"Perdemos hoje um Homem cujo percurso foi orientado pela dignidade política e pela assertividade nas suas convicções. Até sempre João Semedo".

 


14h30 – Nota de Pesar do Movimento Partido da Terra (MPT)

“Em nome do Movimento Partido da Terra – MPT e em meu nome quero respeitosamente, neste momento de tristeza para Portugal e para os portugueses, enaltecer o Humanista, o Político e o velho amigo pessoal e “compagnon de route” que foi o João Semedo.

Portugal e os Portugueses perdem um amigo, um lutador pela Liberdade e pela Democracia e também um lutador incansável pela dignidade humana, um político de coração.

Desde as causas humanitárias e das lutas estudantis nos finais da década de sessenta, primeiro na União dos Estudantes Comunistas e, já após o 25 de Abril de 1974, no Partido Comunista Português, no Movimento da Renovação Comunista e no Bloco de Esquerda, João Semedo não deixou nunca de lutar pelo bem de Portugal e dos portugueses, pelas suas convicções e ideais.

João Semedo fica na história da Resistência e da defesa da liberdade, da democracia, da equidade e do bem-estar de todos os portugueses.

Perde Portugal, perdemos todos nós. Nunca lhe seremos suficientemente gratos

Luís Vicente, Presidente da Comissão Política Nacional do MPT”.


14h08 - Tiago Barbosa Ribeiro, deputado: "João Semedo triunfou nesse grande combate da vida"

"Quando a doença impediu o João Semedo de prosseguir o seu combate autárquico no Porto, em Junho do ano passado, mandei-lhe um sentido abraço e disse-lhe que estávamos todos com ele num combate muito mais importante do que qualquer disputa política. Ao ir vendo o carinho, a memória grata e a camaradagem de valores que tantos vão expressando neste dia triste, a que me associo, não tenho dúvidas de que o João Semedo triunfou nesse grande combate da vida. Fará muita falta à cidadania e à esquerda. Até sempre, João".


13h58: António Costa, primeiro-ministro: “Foi alguém que foi exemplar em toda a sua vida”

“Foi alguém que foi exemplar em toda a sua vida, como combatente pela liberdade, pela democracia, pelo SNS. Era uma pessoa por quem eu tinha não só estima como profunda admiração, designadamente pela forma muito corajosa como enfrentou ao longo de muitos anos uma batalha muito dura contra a doença. E é com muita pena que o vejo partir”, declarou António Costa.

“Queria, em primeiro lugar, dar um abraço de condolências à família, apresentar as minhas condolências também à direção do Bloco de Esquerda e queria, sobretudo, manifestar muito pesar”, afirmou.

António Costa referiu que teve “a oportunidade de privar com o João Semedo” e manifestou “uma grande admiração por ele, pela sua luta, pelo seu combate, como democrata, como antifascista, como defensor do Serviço Nacional de Saúde e também pela forma corajosa como se bateu ao longo destes longos anos contra a doença”.


13h54: Testemunho de Miguel Guedes, músico

“Obrigado, João. Tive o privilégio, como muitos, de testemunhar a tua humanidade, inteligência e brilhantismo. Muitas das tuas lutas. Até sempre”.


13h54: Pedro Soares, deputado: "Procurava abrir caminhos por entre as maiores dificuldades"

"Era mesmo assim, atento, perscrutador e reflexivo, ouvia e procurava entender o que se passava do outro lado, sensível e amigo, aconselhava, procurava abrir caminhos por entre as maiores dificuldades e divergências onde todos pudessem estar, profundamente lutador e combativo. 
Sim, estamos tristes, mas com a enorme alegria interior de o ter tido connosco. Que vontade de te abraçar!..."


13h44 – Ana Gomes, eurodeputada: “Político impera pela coerência”

“Profunda, imensa tristeza, por nos passar a faltar o João Semedo! Político ímpar pela coerência, lucidez, coragem, serenidade, determinação, serviço público e dedicação ao povo.

Sentidas, doridas condolências à Família, ao Bloco de Esquerda, à Marisa Matias e em especial à Catarina Martins”.


13h29 - Crónica de João Rodrigues, economista, nos "Ladrões de Bicicletas"

"De facto, o Serviço Nacional de Saúde, ao qual dedicou uma parte importante, talvez a mais importante, da sua vida profissional e política, é um esforço colectivo, assente na provisão pública, que concretiza este conhecimento humanista. João Semedo vai fazer muita falta neste e noutros esforços colectivos".


13h27: Testemunho de Fátima Grácio, ex-presidente da Fundação Cuidar o Futuro

“Foi alguém que me tocou muito pela sua serenidade, bom senso, acolhimento e visão”.


13h26 – André Silva, porta-voz do Pessoas-Animais-Natureza (PAN): “Agradeço o exemplo e o legado de humanismo”

“Há pessoas que pela forma como estão na vida e pelos valores que se guiam são para mim um referencial. Discordando de várias das suas visões políticas, o João Semedo foi um homem que esteve uma vida ao serviço, que se entregou ao bom combate na defesa do bem comum, na luta pelos valores da democracia, que se batia pela dignidade de todas as pessoas. Activista, deu-nos de si até ao fim. Lúcido, sereno e realizado, disse há cerca de um ano, numa entrevista, que nunca desejou morrer, mas que quando o momento da morte chegasse, o apanharia feliz com a vida que teve. Da minha parte agradeço o exemplo e o legado de humanismo.


13h25 – Nota de pesar da Missão Diplomática da Palestina em Portugal

“Caros amigos, família e camaradas do Bloco de Esquerda

Recebemos, com enorme pesar, a notícia da grande perda do Camarada e Amigo, o antigo líder do Bloco de Esquerda João Semedo.

Nesta triste ocasião, queria transmitir, em meu nome pessoal e no nome dos funcionários da Missão Diplomática da Palestina em Lisboa, os nossos sentidos pêsames, a toda a família e camaradas, pelo doloroso falecimento.

Temos a certeza que o Bloco de Esquerda e o povo português, pelos quais João Semedo fez tudo o que lhe era possível, pelas suas prosperidades e dignidades, sentirão uma falta enorme.

Homem justo, humano, digno e de forte carácter, foi um exemplo para Portugal. Temos a certeza que o seu legado não será esquecido e que o seu digno e incansável trabalho será continuado.

Lamentamos esta perda e queremos reforçar o grande orgulho que sentimos em saber que a Palestina era uma das muitas causas pelas quais João Semedo lutou, com grande sentido humanitário e cívico, que o guardaremos sempre como referência na luta pela nossa justa causa, e cujo trabalho deve ser honrado e continuado por todos aqueles que com ele privaram e partilharam ideais e sentido de justiça.

Nabil Abuznaid
Embaixador da Palestina”


13h20 – Nota de Pesar da Federação Nacional dos Médicos (FNAM)

“A Federação Nacional dos Médicos expressa o seu pesar à família, amigos e companheiros de João Semedo, lembrando o seu profissionalismo enquanto médico e a sua luta política pela defesa do Serviço Nacional de Saúde público, universal e gratuito, como recentemente defendeu, em conjunto com António Arnaut, com a sua proposta para uma nova Lei de Bases da Saúde”.


13h10 – Pilar del Rio, jornalista: “Assumir legado de João Semedo é uma responsabilidade da sociedade”

“La prematura muerte de Joao Semedo duele demasiado. Desde la tristeza, abrazos a los amigos del Bloco de Esquerda y a quienes colaboramos con él en campañas cívicas, la última por la eutanasia. Asumir su legado, una responsabilidad de la sociedad”.


13h07 - Fernando Medina, Presidente da Câmara Municipal de Lisboa: "Portugal perdeu um lutador inquebrantável"

"Portugal perdeu um lutador inquebrantável por uma sociedade mais digna e mais justa. E eu perdi um amigo de décadas. O João Semedo dedicou toda a sua vida à luta pelos valores da esquerda e pelas políticas à esquerda. Discutindo, mobilizando, divergindo, construindo. Unindo. Foi assim o João. Com a gentileza, a simpatia e a amizade de um homem bom. À família, aos amigos e ao Bloco de Esquerda, de quem foi destacado militante e dirigente, um abraço de solidariedade neste momento de pesar".


13h04 – Nota de Pesar do LIVRE

“Morreu João Semedo, antigo coordenador do Bloco de Esquerda e figura de referência na luta pelo Serviço Nacional de Saúde.

Militante de esquerda desde sempre, João Semedo tornou-se uma das principais figuras da esquerda portuguesa deste início de século.

Teve um papel essencial na luta pela dignidade na vida e na morte, através da criação do Testamento Vital, da melhoria dos cuidados paliativos, da reflexão – em conjunto com António Arnaut – sobre o Serviço Nacional de Saúde e da defesa da despenalização da morte assistida.

O seu contributo político fica marcado pelo grande empenho, luta e integridade. O LIVRE apresenta o seu voto de pesar à família, aos amigos e aos seus camaradas do Bloco de Esquerda”.


13h00 – Nota de Pesar do jornal angolano FOLHA 8

“João Semedo, ex-coordenador do Bloco de Esquerda, morreu esta terça-feira, aos 67 anos, depois de anos de uma batalha contra o cancro. Os angolanos em geral (os que que querem ser livres) e os activistas em particular sempre contaram com o apoio de João Semedo. Para ele a picada chegou ao fim. Mas também para ele, e por ele, o nosso horizonte de Liberdade continuará a florir neste eterno infinito angolano. Obrigado João Semedo”.


12h53 – “João Semedo: um homem de olhos bem abertos” - Crónica de homenagem do deputado Luís Mota Soares no portal dos Jesuítas

“Desde muito novo que o João Semedo teve consciência e intervenção política. Lembro-me do o ouvir contar que as conversas com o Padre Feytor Pinto o levaram a abrir os olhos para uma realidade que até então estava distante, da guerra, das dificuldades dos bairros sociais, das desigualdades gritantes da sociedade de então”.


12h47 – Crónica de homenagem de Daniel Oliveira, jornalista, no Expresso

“Não foi por engano, falta de determinação ou por seres inofensivo que tiveste sempre o respeito de todos. Foi por saberes juntar muitos às nossas causas. Por saberes que a luta não é cega e tem ouvidos bem grandes. Não segue em linha reta para chegar ao seu destino. Até ao último dia da tua vida, talvez para a morte perceber que cometia um grave erro em levar-te, soubeste merecer o lugar neste mundo. Mesmo doente, mesmo envolvido na tua batalha pessoal, estiveste, só no último ano, na linha da frente por uma nova Lei de Bases do Serviço Nacional de Saúde e no combate por uma morte digna. Estiveste no centro do centro dos nossos diretos. Nunca nos falhaste, João. Respiraste a luta até ao teu último suspiro. Porque a luta nunca acaba, a tua durou sempre. Sempre decente, sempre em combate. Outros, antes de serem levados da vida com a felicidade que conseguirem ter, pegarão nela a partir daqui”.


12h45 – Nota de Pesar do Conselho Nacional de Saúde

“O Conselho Nacional de Saúde manifesta profundo pesar pelo falecimento do Dr. João Semedo. No seu percurso como médico e político, será recordado como uma personalidade marcante na defesa cívica e política do Estado social e do Serviço Nacional de Saúde”.


12h44 – António Filipe, deputado: “Foi uma personalidade muito marcante na vida política nacional”

“Foi uma personalidade muito marcante na vida política nacional. Desenvolveu uma atividade muito relevante, designadamente no plano parlamentar e particularmente na área a que se dedicava muito, que era a das políticas de saúde. Tivemos com ele, naturalmente, divergências e convergências, mas sempre uma excelente relação", disse.

António Filipe, que falava aos jornalistas nos passos perdidos do parlamento, declarou que "foi com muito pesar" que o PCP teve conhecimento da notícia e reiterou "as mais sentidas condolências" a familiares e membros do Bloco de Esquerda pelo sucedido.


12h42 – Gilberto Couto, Movimento Morrer com Dignidade: “País perde um homem bom que serviu o povo português”

Gilberto Couto disse à Lusa que enquanto trabalhou com João Semedo descobriu “um homem bom, que tinha uma inteligência muito grande e de uma grande humildade ao serviço do público”

“Ele tinha a noção de que a sua ação política era uma ação de serviço público. O país perde um homem bom que serviu o povo português”, afirmou.

"É o terceiro fundador do movimento cívico pela despenalização da morte assistida em Portugal que acaba por falecer, o terceiro com cancro em fase terminal. Esta experiência de médico e de doente deu este aspeto solidário que o João Semedo acabou por emprestar à causa 'Morrer com Dignidade'", acrescentou o responsável.

Gilberto Couto recordou também que João Semedo, não só como médico, mas como doente, "teve a experiência da dor inútil e do sofrimento irremediável que muitas vezes não pode ter outro tipo de solução que não aquela que o doente pede no final da sua vida".


12h32 – Fernando Negrão, líder parlamentar do PSD: “Perco alguém de quem gostava”

O presidente do grupo parlamentar do PSD sublinhou à Lusa o “legado importante” do bloquista João Semedo como alguém que "sabia fazer pontes", melhorando assim a democracia, ao reagir à morte do antigo dirigente do Bloco, no parlamento.

“Deixa um legado importante na vida política nacional. Era alguém que exercia política com convicção, inteligência e com tolerância. Era alguém com quem nós sabíamos que podíamos contar para melhorar a democracia todos os dias porque sabia fazer pontes, fundamentais para termos melhor democracia”, afirmou Fernando Negrão.

Em nome do PSD, o líder parlamentar endereçou “sentidos pêsames à família” do médico e antigo deputado, falecido hoje, aos 67 anos, vítima de cancro.

“Pessoalmente, perco alguém de quem gostava”, acrescentou Negrão.

 


12h00 – Nota de Pesar do Partido Ecologista “Os Verdes”

“O PEV manifesta o seu profundo pesar pelo falecimento de João Semedo.

O Grupo Parlamentar teve oportunidade de privar diretamente com João Semedo, pelo que destacamos a sua simpatia e simplicidade no trato com as outras pessoas, assim como a sua determinação e dedicação a áreas tão relevantes como a saúde. João Semedo foi um homem profundamente interventivo, quer do ponto de vista político, quer do ponto de vista cívico, e deixou inegável marca no seu percurso.

Os Verdes endereçam as mais sentidas condolências à família de João Semedo e também ao Bloco de Esquerda”.


11h56 – Jorge Costa, deputado: “50 anos de luta pelo socialismo”

“João Semedo, comunista, dirigente estudantil contra o fascismo, médico de saúde pública, líder do Bloco durante os anos da resistência à troika. 50 anos de luta pelo socialismo, um indispensável, um dos maiores da esquerda portuguesa. Sabia dar um bom abraço”.


11h46 – Rui Rio, Presidente do PSD: “Uma pessoa que estava na vida pública por causas e convicções”

“O dr. João Semedo era alguém que vou guardar na minha memória como uma pessoa que estava na vida pública por causas e convicções e em circunstância alguma por qualquer interesse pessoal. Isso hoje vai escasseando cada vez mais e, portanto, tenho um grande respeito por toda a gente que está assim na vida pública”, destacou Rui Rio, em declarações à agência Lusa.

 “Pese embora as grandes diferenças ideológicas que tínhamos, eu acho que o dr. João Semedo faz realmente falta à política portuguesa”, salientou.

Rio conhecia pessoalmente João Semedo “há muitos anos” e recordou que, quando foi presidente da Câmara Municipal do Porto, o antigo deputado do Bloco colaborou num programa de combate à toxicodependência na cidade.

A última vez que os percursos de ambos se cruzaram foi no âmbito do movimento criado por João Semedo, “Direito a morrer com dignidade”, pela despenalização da eutanásia, causa também apoiada pelo presidente do PSD.

“Naturalmente que não tive qualquer problema em colaborar com alguém que tinha a mesma convicção que eu, independentemente de termos alinhamentos partidários diferentes”, afirmou Rio, reiterando o respeito que manterá pela memória de João Semedo “pela forma como se dedicava à causa pública, sempre por convicções”.


11h43 - Miguel Guimarães, Bastonário da Ordem dos Médicos: “Foi sempre um lutador”

“Teve intervenção em várias áreas, seja com projetos de decreto-lei ou colaborando nas leis que foram feitas e que marcam o caminho do que e saúde em Portugal nos últimos anos”, afirmou à Lusa o bastonário da Ordem dos Médicos.

O bastonário disse igualmente que João Semedo “foi sempre um lutador, enquanto estudante de medicina, médico e político, e teve sempre como principio defender os direitos das pessoas com coragem e com o coração, de forma apaixonada e intensa”.

Miguel Guimarães acrescentou que o antigo coordenador do Bloco de Esquerda, médico de profissão, foi um grande defensor do Serviço Nacional de Saúde (SNS), recordando o livro que João Semedo publicou com António Arnaut – “Salvar o SNS” - a propósito da lei de bases da saúde.

“É um livro que espelha a sua visão sobre o estado atual do SNS”, afirmou o bastonário, acrescentando: “João Semedo fez o seu caminho sempre centrado no que são os direitos liberdades e garantias das pessoas. O projeto morrer com dignidade é um espelho da sua imagem de marca de defender as causas em que acreditava”.


11h40 – Adolfo Mesquita Nunes, vice-presidente do CDS: João Semedo “far-nos-á muita falta”

“Leio o que se escreve sobre o João Semedo, sobre o respeito, o civismo, a dignidade, a seriedade, e concordo com tudo e subscrevo tudo, porque tudo isso senti enquanto nos debatíamos por modelos de sociedade tão distintos. Far-nos-á muita falta”.


11h23 – Nota de pesar do Sindicato Independente dos Médicos (SIM)

“Faleceu João Semedo.

Médico, lutador pela liberdade e pelo Serviço Nacional de Saúde, batalhou pelas suas crenças até ao fim. Nele tivemos sempre um interlocutor atento para as questões que envolviam políticas de saúde e a intervenção sindical.

À família enlutada e ao Bloco de Esquerda o Sindicato Independente dos Médicos apresenta sentidas condolências”.


11h16 – Ana Catarina Mendes, secretária-geral adjunta do PS: “O João era um homem terno, de convicções fortes”

“Partilhei com o João Semedo histórias do antigamente, do presente e falávamos sempre de futuro. O João era um homem terno, de convicções fortes, capaz de ouvir e discordar com serenidade e respeito. Não é fácil escrever... aprendi com o João! Mesmo não partilhando a mesma visão do mundo. Na última mensagem que me enviou após a apresentação do livro sobre o SNS, lamentou a minha ausência (imprevisto de última hora) e disse que tinha uma frase bonita sobre mim que ficaria para a próxima. Um dia, quem sabe?....

Fica uma boa memória e uma enorme saudade!”


11h15 - Marcelo Rebelo de Sousa, Presidente da República: “O país sentirá a sua falta, o Presidente da República honra a sua memória”

O Presidente da República lamenta a morte de João Semedo e envia à família as mais sentidas condolências.

Médico de profissão e defensor do Serviço Nacional de Saúde, João Semedo foi um homem de causas, politicamente empenhado desde muito jovem, com um ativismo político anterior ao 25 de Abril.

Militante do PCP durante muitos anos, partido que abandonou no início da década de noventa, chegou mais tarde a coordenador do Bloco de Esquerda.

Foi pelas escolhas que fez que se destacou, sempre com uma afabilidade acentuada, convencendo pelo exemplo, afirmando-se pela força do seu pensamento lúcido e clarividente.

Até a morte encarou com a firmeza e a bondade que o caracterizava, tendo afirmado numa das suas últimas entrevistas que viveu como quis e que de nada do que é importante se arrependeu.

O país sentirá a sua falta, o Presidente da República honra a sua memória.


11h04 - Testemunho de Sandra Cunha, deputada

"Uma vida de luta e militância em defesa do SNS, por um mundo mais justo e igualitário. Uma vontade imparável que o caracterizou até ao fim. Abraçaremos esse legado e continuaremos todas as lutas João".


11h03 – Nota de pesar do PCP

"Perante a notícia do falecimento de João Semedo, o PCP endereça à família e à direção do Bloco de Esquerda, as suas condolências".


11h02 – Bárbara Bulhosa, editora: “O João Semedo era um senhor”

“Só para recordar que foi o João Semedo, já sem cordas vocais, que me desafiou a organizarmos a sessão no Fórum Lisboa e o manifesto a favor da libertação dos presos políticos em Angola, num momento crucial. 
Espero que tenha conseguido morrer como queria. Foi ele também que se empenhou até ao fim pela legalização da eutanásia. 
O João Semedo era um Senhor”.


10h59 – Roberto Almada, deputado à Assembleia Legislativa da Madeira, manifesta o seu pesar

O deputado bloquista Roberto Almada, ao intervir no parlamento regional sobre a proposta de Decreto Legislativo Regional, apresentada pelo Governo Regional, sobre a criação da carreira especial de Sapador Florestal, pediu licença à Mesa para manifestar o seu “pesar” e pedir “paz à sua alma”.


10h57 – Mário Tomé, militar de Abril, “Semedo deixa-nos aqui uma grande missão”

“O João Semedo deixa-nos aqui uma grande missão: pôr em movimento e conseguir implementar a proposta dele e do António Arnaut sobre o Serviço Nacional de Saúde que é de uma grande importância. Aliás, é de estranhar que o governo do Partido Socialista não olhe para o assunto com os olhos com que deve olhar. O João Semedo, para além de todos os combates que travou, deixa-nos essa missão”.

“O João Semedo era um homem que dizia as coisas certas: não falava de mais nem falava de menos. É uma tristeza perdermos um homem destes”, acrescentou à Lusa o militar de Abril Mário Tomé.


10h57: João Pina, fotógrafo: “Partiu mais um dos valentes”

“Lá partiu mais um dos valentes... João sem medo, João do sorriso gentil, João humanista.

Vais fazer cá muita falta”.


10h53 – Editora Contraponto recorda “pessoa de elevadíssimo sentido ético e cívico”

“O médico e político João Semedo será recordado como um democrata, um humanista e como uma pessoa de elevadíssimo sentido ético e cívico, que, da forma mais digna possível, lutou até ao final pela possibilidade de, num país em que se morre mal, se poder morrer com dignidade”, sublinha a nota de pesar, assinada pelo editor Rui Couceiro.

A nota de pesar é assinada pelo editor Rui Couceiro, que leu o texto enviado por João Semedo, a última intervenção pública, na apresentação da obra, em maio, na Assembleia da República.


10h50: Mariana Mortágua, deputada: “O legado e o trabalho de João Semedo não deixou ninguém indiferente”

Mariana Mortágua conta que João Semedo era um homem “incansável, com grande capacidade de trabalho e determinação como poucas pessoas têm”.

“Isso ficou muito visível no contributo que deu nas comissões de inquérito na Assembleia da República, inaugurando uma forma diferente de fazer esse trabalho. Ficará para sempre o seu contributo na comissão de inquérito ao BPN por exemplo esse trabalho foi reconhecido”.

“Há um conjunto de temas em que o João era um especialista e deixou esse contributo. Nos últimos tempos participou em duas enormes campanhas: uma pela nova lei de bases da saúde e outra em que se empenhou com muito afeto e vontade que foi a despenalização da morte assistida”.

“O legado e o trabalho de João Semedo não deixou ninguém indiferente, nem aqueles que tiveram o privilégio de trabalhar muito de perto dele, nem as pessoas que acompanhavam o contributo político e ativista”.

“Portanto foi uma vida de luta, de contributo a dar ao país, à vida politica e isso acho que nos marcou a todos muito e marcou muito o país e fez tudo isto com bom humor, com a coragem e sempre com uma forma muito particular de fazer política”.

“Era um homem assertivo, bem-humorado, trabalhador, corajoso e mais uma vez não deixou ninguém indiferente e deixa-nos a todos um grande contributo, mas também uma perda também do seu contributo pela falta que vai fazer”.


10h32 – José Soeiro, deputado: “Lutador até ao fim”

“Infinitamente generoso, lutador até ao fim, sempre disponível para começar de novo, sempre à procura de pensar com outros e de juntar mais gente. Obrigado, nosso querido João. Pela coragem e por tudo. Não esquecemos nada, não desistimos de nada. Abraço-te para sempre, querido João”.


10h29 – José Manuel Pureza, vice-presidente da Assembleia da República: João Semedo “era absolutamente extraordinário”

“Quando se escrever a história do Serviço Nacional de Saúde, do direito a morrer com dignidade, da prescrição do princípio ativo e de tanta e tanta outra coisa importante, o nome de João Semedo será fundamental”, disse defendeu o deputado do Bloco de Esquerda e vice-presidente da Assembleia da República.

João Semedo “era um tipo raro, apaixonava-se meticulosamente pela realidade” e queria “conhecer as coisas para as mudar, em nome da justiça e da decência” e “com uma determinação e uma elegância sem igual”, sublinha José Manuel Pureza.

João Semedo “era absolutamente extraordinário”, destaca ainda José Manuel Pureza, referindo que com a morte do médico e antigo dirigente do Bloco de Esquerda perdeu o seu melhor amigo.


10h27 - Isabel Galriça Neto, deputada, destaca “amor à liberdade”

“No dia da sua morte, e celebrando a sua vida, quero falar daquilo que está para além das divergências na política, que é o amor à liberdade, o respeito, as convicções, a coragem, e esses são valores que eu reconheço na vida do João Semedo, permanecem na minha memória, e hoje curvo-me perante essa memória”, disse à Lusa a deputada do CDS.


10h24 – Maria Antónia Almeida Santos, porta-voz do PS: “Tocou no coração de pessoas de todo o espetro político”

“Nos últimos meses da sua vida, João Semedo publicou um livro com António Arnaut para uma nova Lei de Bases da Saúde e deu força e conteúdo ao Movimento ‘Direito a morrer com dignidade’”.

“O PS e os socialistas receberam com profunda tristeza esta notícia. João Semedo foi um combatente pela liberdade, um democrata e um resistente até ao fim por várias causas. O PS envia as mais sentidas condolências à sua família e ao Bloco de Esquerda”, referiu à Lusa Maria Antónia Almeida Santos.

A porta-voz do PS salientou que, enquanto médico, João Semedo "foi um humanista que entregou a medicina ao serviço da política". “Como deputado foi um lutador sempre leal. Apesar das diferenças, foi um político com quem sempre deu gosto partilhar e discutir as nossas posições. Tocou no coração de pessoas de todo o espetro político”.

Maria Antónia Almeida Santos afirmou depois que “todos os que tiveram a sorte de privar” com João Semedo "vão ter muitas saudades". “Vamos respeitar o seu legado político. Vamos lembrar sempre o seu exemplo na luta pela dignidade da vida humana”, acrescentou a porta-voz do PS.


10h20 – Nota de pesar da Federação Portuguesa de Futebol (FPF)

“Ao tomar conhecimento do falecimento do antigo Coordenador do Bloco de Esquerda Dr. João Semedo, venho pelo presente, em nome pessoal e no da Direção da Federação Portuguesa de Futebol apresentar as mais sentidas condolências, extensivas à família enlutada”. Fernando Gomes.


10h17Luís Cília, músico: “Se todos fossemos como ele, isto iria bastante melhor”

“Caros amigos

O João Semedo foi uma pessoa que sempre nos habituámos a respeitar e gostar. Se todos fossemos como ele, isto iria bastante melhor.

Enviamos os nossos pêsames e agradecemos que os transmitam também à família”.


10h16 - Joana Mortágua, deputada: “Lutou até ao último sopro”

“Lutou até ao último sopro. Nunca lhe esperamos menos, nem nunca ninguém lhe poderia ter pedido mais. A esquerda hoje fica mais pobre”.


10h16 - Adalberto Campos Fernandes, ministro da Saúde: “Era um homem sério e bom, dedicado à causa pública”

“Era a notícia que todos aguardávamos, mas que ninguém queria receber. Infelizmente, apesar do João dizer que a morte o apanharia feliz, a nós deixa-nos tristes”, disse o ministro da Saúde, Adalberto Campos Fernandes.

“Era um homem sério e bom, dedicado à causa publica e com um sentido muito apurado do que é o dever de cada um de nós para com os outros”. “Nesse sentido temos tido um ano difícil, foi o António Arnaut e agora o João Semedo. São pessoas que vão fazer muita falta”.

“O Semedo estará sempre no nosso pensamento, pelo exemplo de vida, pela coragem com que lidou com a doença, pela dignidade como soube aceitar o fim da vida e como morreu”, afirmou à Lusa Adalberto Campos Fernandes.


10h15 – José Eduardo Martins, advogado: “Que imensa tristeza”

“Sobram dedos numa mão para contar as pessoas boas, sérias e inteligentes como o João Semedo que conheci na vida. Que imensa tristeza”.


10h13 – Fernando Rosas, historiador: “João Semedo nunca desistiu de lutar”

“João Semedo nunca desistiu de lutar. Foi militante e dirigente do Partido Comunista Português, mesmo antes do 25 de Abril, e dirigente do Bloco de Esquerda até à morte”.

“Foi um homem livre, tranquilo, determinado e que travou batalhas até ao fim” recordou o historiador e fundador do Bloco Fernando Rosas.

O ex-deputado bloquista recorda que João Semedo, “consciente da sua situação de saúde manteve-se sempre empenhado nas questões políticas em que acreditava” recordando que esteve envolvido no processo da despenalização da eutanásia que - “não passou no Parlamento, mas há de passar um dia” e também na defesa do Sistema Nacional de Saúde “juntamente com António Arnaut (PS) que faleceu recentemente.”


10h12 – Ana Luísa Amaral, escritora: “João Semedo era uma grande pessoa”

“Era um homem muito bom, com um coração gigante”, disse Marisa Matias de João Semedo.

Não é costume ouvirem-se estas frases sobre políticos, mas João Semedo não era um político comum. Era, de facto, uma grande pessoa, e, tanto quanto dele conheci, de uma grande generosidade. E muito gentil, no que a palavra tem de mais importante: a atenção aos outros.

A política está muito mais pobre -- e nós também.


10h06 – Nota de Pesar do Grupo Parlamentar do PS

“O Grupo Parlamentar do Partido Socialista manifesta o seu sentido pesar pelo falecimento, esta manhã, de João Semedo, antigo deputado e antigo coordenador do Bloco de Esquerda.

Figura de relevo maior da vida política nacional recente, João Semedo desde a sua juventude assumiu a defesa da liberdade e a luta contra a ditadura, através da militância na União dos Estudantes Comunistas e da eleição para o movimento associativo estudantil.

Após o 25 de abril, através da sua militância no Partido Comunista Português, da participação na Renovação Comunista e da militância e assunção de funções dirigentes no Bloco de Esquerda, do qual seria eleito coordenador e pelo qual seria eleito deputado à Assembleia da República em três legislaturas, João Semedo foi um interveniente destacado da vida política nacional, complementando-a, na sua intervenção cívica, com uma igualmente intensa atividade sindical e associativa, no plano cultural e educativo.

A sua vida profissional no setor da saúde, que exerceu com particular intensidade na década de 90, quer no exercício da atividade clínica, quer na assunção de funções dirigentes hospitalares, foi igualmente marcada pela inovação e abertura a novos desafios. Recentemente, aliás, já após a cessação de exercício de cargos públicos, a sua intervenção cívica manteve-se intensa, e focada precisamente, entre outras, na defesa e valorização do Serviço Nacional de Saúde, onde a colaboração com António Arnaut ilustrou a sua abertura ao diálogo e construção de pontes que foram a marca da sua vida pública.

Neste momento de perda de um cidadão empenhado na vida da República, o presidente do Grupo Parlamentar do PS, Carlos César, transmite aos familiares e amigos de João Semedo e ao Bloco de Esquerda as suas condolências, evocando a memória do seu passado de resistência à ditadura, de construção da Democracia e do Estado Social e de disponibilidade para o diálogo e criação de espaços de convergência política”.


10h02 – Ana Jorge, ex-ministra da Saúde: “Pessoa respeitadora do outro e dedicado a causas”

“O João Semedo sempre foi uma pessoa respeitadora do outro, dedicado a causas, sempre com muita honestidade, verdade e aprofundando sempre os conhecimentos com respeito pela posição de cada um”, sublinhou Ana Jorge, em declarações à agência Lusa.

Ana Jorge destacou ainda que João Semedo, “mesmo nas questões políticas, tinha sempre uma grande capacidade de diálogo”. “Mesmo na causa da morte assistida e na possibilidade de cada um decidir o seu fim de vida, deu um grande contributo para o conhecimento e para a discussão, colocando o assunto na ordem do dia, sempre de forma muito profissional e humana”, explicou.


09h56 – Pedro Filipe Soares, líder parlamentar do Bloco de Esquerda: “O João foi um lutador”

“O João foi um lutador, pelas suas convicções, pelos seus ideais, pelos valores da Esquerda. Um dos maiores defensores do SNS, que ajudou a melhorar.

Nunca se negava a um bom debate e isso obrigava a aprofundar ideias, limar argumentos. Mesmo que tivéssemos opiniões diferentes, o que também aconteceu, obrigava a que fôssemos melhores, além.

Até sempre João”.


09h52 – Marco Martins, Presidente da Câmara Municipal de Gondomar: “um grande homem que nos deixou”

“João Semedo: um grande homem que nos deixou!

Um político de esquerda com valores e com grande defesa de causas, que tive o prazer de conhecer quando foi candidato à Câmara de Gondomar em 2005”.


09h51 – Nota de pesar da Porto Editora

“A Porto Editora manifesta o seu mais profundo pesar pelo falecimento de João Semedo, médico, político e coautor do livro "Salvar o SNS- Uma nova lei de bases da Saúde para defender a democracia", em que propôs, em conjunto com António Arnaut, uma profunda reforma da Lei de Bases da Saúde em Portugal. À família, amigos e todos quantos privaram com João Semedo, endereçamos as mais sentidas condolências”.


09h49 – Rui Tavares, historiador: “Parte um grande lutador”

“Uma muito triste notícia. Parte um grande lutador, sempre do lado da justiça social, sempre do lado de todos os que não são ricos nem poderosos. Um abraço à família, amigos e todos os camaradas de luta, em particular no Bloco de Esquerda”.


09h47 – Ferro Rodrigues, Presidente da Assembleia da República, recordar “uma das principais personalidades políticas da última década”

"É com muita tristeza que recebo a notícia do falecimento de João Semedo.

É uma daquelas notícias que, embora não sendo inesperadas, preferíamos continuar sem receber.

O médico João Semedo foi uma das principais personalidades políticas da última década.

Como dirigente e coordenador do Bloco de Esquerda, contribuiu decisivamente para a consolidação do partido e para a atual solução de governo.

Na Assembleia da Republica deixa uma imensa saudade. Foi sempre um homem de diálogo e de convicções.

A sua defesa cívica e política do Serviço Nacional de Saúde perdurará na memória de todos.

À Família e amigos de João Semedo, ao seu partido, o Bloco de Esquerda, aqui deixo a minha pública homenagem”.
 


09h43 – Marisa Matias, eurodeputada: “O João era um dos imprescindíveis”

“O João era um dos imprescindíveis. Creio que fica e ficará sempre a forma como ele se debateu por um país mais decente para toda a gente e a forma como o fez, com alma, com coração, com garra, sem nunca abdicar de nenhuma das lutas essenciais para a vida de toda a gente”, afirmou a eurodeputada bloquista à Lusa.

“O João teve uma atividade política muito transversal e foi um construtor de pontes que procurou sempre encontrar soluções para que pudesse haver entendimentos que ajudassem à vida das pessoas. Penso que isto é um legado fundamental e uma referência politica para muita gente. Para mim é fundamental”.

“É inevitável recordar aquele que eu acho que foi um dos atos de maior coragem e que classifiquei como o maior ato de amor na política durante a campanha das presidenciais quando o João Semedo já estava doente, tinha sido operado às cordas vocais, e, de surpresa apareceu num ato politico em Coimbra e falou sem cordas de vocais. Foi dos maiores atos de amor que vi em política e isso caracteriza muito bem o que era o João. Há muita gente boa a fazer politica e o João era seguramente dos melhores”.


09h43 - Testemunho de Luís Monteiro, deputado

"Um camarada que não será esquecido por ninguém... pelos que o acompanharam profissionalmente nem pelos que militaram lado a lado na política. Até já, João!"

 


09h40 - Sofia Branco, Presidente do Sindicato dos Jornalistas: “João Semedo manteve sempre o sorriso de quem viveu como quis”

“Como João Sem Medo, João Semedo não se deixou ficar pela aldeia onde se chora de manhã à noite e saltou o muro em direção a um país mais decente, a uma sociedade mais justa, a uma humanidade feita de mulheres e homens livres e iguais em direitos e oportunidades. Ao contrário, João Semedo manteve sempre, mesmo na doença, o sorriso de quem viveu como quis, de consciência limpa. Vais fazer falta, João, porque és dos melhores de nós”.


09h35 - Testemunho de Isabel Pires, deputada

"Tive oportunidade de trabalhar muito de perto durante alguns (poucos) anos com o João, com quem aprendi muito. Faleceu esta manhã, depois de uma vida intensa e uma luta desigual nos últimos anos de vida. Entre muitas outras coisas, fica a militância sempre ativa em prol do SNS, que continuaremos!"


09h30 – Carlos Moedas, Comissário Europeu: “A vida política portuguesa fica hoje mais pobre”

“A vida política portuguesa fica hoje mais pobre. João Semedo lutou até às últimas forças pelas suas convicções em prol da causa pública. Descanse em paz”.


09h23 – Diogo Feio, ex-eurodeputado: “Partiu um homem bom”

“Morreu o João Semedo. Partiu um homem bom. Não tenho as meras palavras de circunstância destas ocasiões. Fomos deputados pelo mesmo Distrito, na mesma altura. Debatemos inúmeras vezes. Quase nunca concordávamos, mas fazíamos pontes. Sempre respeitei a sua faceta de político convicto e admirei a sua enorme coragem. Vais fazer falta”.


09h14Nota de pesar do Bloco de Esquerda

O Bloco de Esquerda transmitiu “as mais sentidas condolências “pela morte de João Semedo, considerando que a perda “é de todos os que partilharam o seu ímpar e diversificado percurso, que com ele lutaram, aprenderam e conviveram”.

“O Bloco de Esquerda informa que morreu esta manhã João Semedo, com 67 anos, médico e militante político, e transmite à sua mulher, ao seu filho e a toda a família as mais sentidas condolências”.

“A perda de João Semedo é de todos os que partilharam o seu ímpar e diversificado percurso, que com ele lutaram, aprenderam e conviveram, na política e na vida”. "Como é de todos o orgulho e a alegria de o terem tido a seu lado”.

O Bloco sublinha ainda que “a doença prolongada e as crescentes limitações da voz não impediram” João Semedo de “manter a atividade política”.


09h11 – Moisés Ferreira, deputado: “Militância sempre ativa em prol do SNS”
O João Semedo faleceu hoje de manhã. Depois de uma vida intensa, depois de uma luta desigual nos últimos anos de vida. Depois de uma militância sempre ativa em prol do SNS.

Um abraço, João. Continuaremos!


09h10 - Carlos Reis dos Santos, advogado:  “Um político decente, sério e honesto”

“Morreu hoje o João Semedo. Uma pessoa boa. Um político decente, sério e honesto. Uma alma rara neste país que frequentamos. Das poucas referências que ainda subsistem na política. E sem qualquer dúvida uma das mais inteligentes. Para mim, que sempre o escutei com atenção, mesmo se depois eu dele discordava, o partido a que pertencia e que ele liderou sempre foi um pormenor”.


09h05: António Chora, ex-Coordenador da Comissão de Trabalhadores da Autoeuropa: “Até sempre camarada”

“Deixou-nos um amigo e um camarada, a esquerda fica mais pobre.

Foi um lutador pelas causas da esquerda durante toda a vida e sendo médico um lutador por um verdadeiro e universal SNS e pelo direito a morrer com dignidade que direito que foi hipocritamente recusado no Parlamento.

A luta por esta e outras causas continua!

Até sempre camarada”.


08h55 – Inês de Medeiros, Presidente da Câmara Municipal de Almada: “Lutador incansável pelo SNS”

“É com tristeza que aprendo a notícia do desaparecimento de João Semedo. Das pessoas mais afáveis que conheci no parlamento. E um lutador incansável pelo SNS”.


08h54: Filipe Santos Costa, jornalista: “Tinha essa capacidade de passar por cima das fronteiras partidárias”

“Médico, Semedo sabia bem da gravidade da doença que combatia e da fragilidade das vitórias que ia tendo. Acreditou sempre no Serviço Nacional de Saúde onde escolheu ser tratado. O SNS que foi criado por António Arnaut, que, não por coincidência, foi o parceiro de Semedo numa das suas últimas lutas políticas: uma proposta de nova lei de bases do SNS, totalmente privado. O ex-líder do BE ainda teve tempo de deixar a sua marca noutra luta política: a despenalização da eutanásia, causa em que reuniu gente de variados quadrantes políticos.

Ele tinha essa capacidade de passar por cima das fronteiras partidárias onde militou - primeiro, no PCP, depois no Movimento da Renovação Comunista, por fim no BE. Dos muitos (e merecidos) elogios que hoje lhe farão, o maior talvez seja esse: será elogiado - no seu empenho, na sua generosidade, na sua humanidade - por gente que em muita coisa pensava radicalmente diferente dele”.
(In Expresso Curto)


08h43 – José Ribeiro e Castro, ex-líder do CDS: “Era uma pessoa cordata e um adversário leal”

“Creio que não concordávamos numa ideia. Mas sempre o estimei como um homem sério. Era uma pessoa cordata e um adversário leal. Enfrentou a doença e as suas dificuldades com grande coragem e ainda maior naturalidade. Entristece-me a sua morte. Deixo os meus sentimentos à sua família e aos amigos mais próximos”.


08h40: José Teófilo Duarte, designer: “Gerava consensos mesmo onde parecia só haver desalinho”

“Gerava consensos mesmo onde parecia só haver desalinho. Intenso defensor dos ideais de esquerda. Sempre com ideias para defender. Sempre com os que não chegam aos palanques. Sempre na defesa da cultura e da sua inteligente aplicação. Das boas práticas políticas. Médico de formação, democrata e anti-fascista desde cedo por opção e vontade de reagir à injustiça, usou a política para aplicar essas boas práticas. É para isso precisamente que deve servir a política. Muito obrigado, João Semedo”.

(...)

Resto dossier

João Semedo (1951-2018) - Foto de Paulete Matos

João Semedo (1951-2018)

Neste dossier, lembramos João Semedo, antigo coordenador do Bloco de Esquerda, através de artigos, opiniões, vídeos, fotogalerias que o esquerda.net publicou desde o seu falecimento, em 17 de julho passado.

Homenagem a João Semedo este sábado em Lisboa

Amigos, camaradas e familiares do antigo coordenador do Bloco vão lembrá-lo numa homenagem pública, este sábado a partir das 16h30 no Teatro São Luiz.

João Semedo: discursos marcantes

Relembramos neste podcast alguns momentos marcantes de João Semedo no Bloco.

Continuamos a caminhar, João

Coube-me a tarefa de assessorar o João no seu primeiro debate parlamentar, uma interpelação ao governo sobre política de saúde, pouco depois da sua chegada a S. Bento.

Homenagem a João Semedo (podcast)

Podes ouvir aqui todas as intervenções na sessão de homenagem a João Semedo, que decorreu a 19 de julho no Teatro Rivoli, no Porto.

O privilégio foi todo nosso, João

O João Semedo mostrou-nos que a política não se resume aos cargos, ao protagonismo nem ao poder vazio.

As tarefas de João Semedo

As duas últimas batalhas - uma nova lei do SNS e a morte assistida - foram as mais difíceis e não conseguiu ganhá-las. Mas não as perdeu. Deixou sementes.

João

O generoso João garantiu que seríamos muitos mais do que pensávamos a ter essa consciência e prontos para assumir essa responsabilidade.

Obrigada, João

Teve intervenção política por inteiro até ao fim. Perguntou, sugeriu, alertou. Discutimos tudo o que ia acontecendo, nenhum tema deixou de o ocupar.

Centenas de pessoas encheram o Rivoli nesta homenagem póstuma a João Semedo.

João Semedo: Rivoli a transbordar para a homenagem

Foi de casa cheia que o Rivoli homenageou João Semedo. Amigos, família, camaradas, centenas de pessoas juntaram-se ali para esta despedida em jeito de homenagem.

Homenagem a João Semedo

Veja aqui a sessão de homenagem a João Semedo realizada esta quinta feira no Rivoli, no Porto.

O braço do João

A morte do João Semedo surpreendeu-me, de tal forma, que ainda me custa a acreditar que se foi e que não vou receber mais aquelas mensagens encorajadoras nos maus momentos e de felicitações nos bons.

João Semedo

O João percebeu que o cancro o tinha vencido, mas nunca desistiu de puxar pela vida.

Intervenções, testemunhos, poesia e música para homenagear João Semedo

A sessão de homenagem ao ex-coordenador do Bloco realizar-se-á esta quinta-feira, 19 de julho, no Rivoli, no Porto, às 21h. A par de intervenções e testemunhos de amigos e companheiros de lutas de João Semedo, a iniciativa contará ainda com momentos de música e poesia.

"João Semedo foi um cidadão exemplarmente empenhado e um grande parlamentar"

José Manuel Pureza pronuncia o voto de pesar pelo falecimento de João Semedo que foi aprovado por unanimidade pela Assembleia da República.

AR aprova voto de pesar pelo falecimento de João Semedo

No voto de pesar aprovado por unanimidade, a Assembleia da República manifesta a sua profunda consternação pela morte do cidadão exemplarmente empenhado e do grande parlamentar que foi João Semedo.

Centenas despediram-se de João Semedo com aplausos

Familiares, políticos de vários quadrantes e muitos cidadãos prestaram a última homenagem ao ex-coordenador do Bloco esta quarta-feira no Porto.

João Semedo

Como recordo Mário Soares

Neste artigo, publicado em janeiro de 2017, João Semedo escreveu sobre Mário Soares, destacou diferentes facetas e realçou: “do que não duvido é da sua consagração pela História como fundador da democracia portuguesa e da segunda República”.

Aquele em quem confiávamos

Quando se fizer a História das conquistas de uma democracia avançada em Portugal, o nome do João Semedo estará lá, como referência maior.

Catarina: João Semedo ficará “na história dos avanços da nossa democracia”

Catarina Martins destacou a generosidade que o ex-coordenador bloquista trazia às causas que abraçou e que fazem parte da história da democracia portuguesa.

Reações ao falecimento de João Semedo

O esquerda.net publica as notas de condolência e as reações à morte do antigo coordenador bloquista.

Vídeo: o João no Bloco

João Semedo em campanhas e iniciativas do Bloco de Esquerda. Fotos de Paulete Matos.

"Tive uma vida muito intensa, o que me enche de felicidade e boa disposição"

Antes de ser obrigado a abandonar por razões de saúde a candidatura à Câmara do Porto, João Semedo deu esta entrevista para um vídeo de campanha em alguns dos locais da cidade que mais marcaram a sua vida.

João Semedo (1951-2018)

Militante comunista contra a ditadura, defendeu a renovação do PCP e encontrou no Bloco de Esquerda o espaço de intervenção capaz de mudar a política portuguesa. “Tive a vida que escolhi, a vida que quis, não tenho nada de que me arrependa no que foi importante”, disse João Semedo na última grande entrevista que concedeu.