Está aqui

Rússia e Geórgia em conflito militar por causa da Ossétia do Sul

As relações estreitas da Geórgia com os Estados Unidos não foram indiferentes ao sentimento de impunidade do presidente Saakashvili ao decidir bombardear Tskhinvali, a capital da Ossétia do Sul, alegadamente para combater milícias separatistas. Muitos civis morreram nesses bombardeamentos, bem como alguns militares russos que se encontravam ali posicionados enquant forças de manutenção de paz.

A região da Ossétia do Sul tem cerca de 70 mil habitantes e boa parte conserva a cidadania russa, argumento suficiente para que o presidente Medvedev e o primeiro-ministro Putin não hesitassem em mandar avançar as tropas estacionadas junto à fronteira, atacando alvos estratégicos georgianos como a cidade de Gori, ponto de passagem da maior estrada do país. As tropas russas avançaram até junto da capital, dominando militarmente a situação e ali se mantendo por algumas semanas antes da retirada.

A principal consequência do conflito foi o reconhecimento pela Rússia da independência das duas províncias onde desde o desmoronamento da União Soviética ocorrem conflitos armados de resistência a integrar o território da Geórgia. Moscovo fez saber claramente que esta medida era uma resposta ao reconhecimento internacional da independência do Kosovo, que se separou da República Sérvia após anos de guerrilha apoiada pelos EUA e Alemanha.

Depois de um combate desigual, que provocou milhares de refugiados, o cessar-fogo entre a Geórgia e a Rússia foi mediado pela presidência francesa da União Europeia. Nos dias que se seguiram, os russos foram adiando a retirada das tropas da Geórgia, contribuindo para uma maior humilhação do país que é candidato à entrada na NATO.
 
 
 

 
 

(...)

Neste dossier:

O Mundo em 2008

O ano de 2008 conheceu a mudança de inquilino na Casa Branca, com a eleição de Barack Obama e o mundo acompanhou as presidenciais norte-americanas com atenção redobrada.

Reconstrução do Iraque revela-se falhanço total

No plano de reconstrução do Iraque já foram gastos 100 mil milhões de dólares, mas os níveis de desenvolvimento do país estão abaixo dos que tinha antes da invasão dos EUA. O relatório oficial ainda não é conhecido, mas a conclusão foi divulgada dias antes da visita de Bush ao Iraque, onde conseguiu desviar-se de um par de sapatos lançado na sua direcção, mas não da humilhação que se seguiu.

O Mundo em 2008: protestos sociais na Grécia abalam governo

A morte de um jovem atingido por uma bala policial foi o rastilho para uma explosão social sem igual nos últimos 20 anos na Grécia. Os primeiros motins de jovens encapuzados contra a polícia deram lugar a manifestações estudantis e de trabalhadores a pedir a demissão do governo e a uma greve geral que paralisou o país.

Ataques terroristas põem Mumbai em estado de sítio

Dois hotéis de luxo, restaurantes, hospitais e um centro judaico em Mumbai foram os alvos de um grupo armado que matou 145 civis (dos quais 23 eram estrangeiros), 18 membros das forças de segurança indianos, e nove dos terroristas, deixando feridas mais de 300 pessoas. O atentado foi considerado o "11 de Setembro indiano" e elevou a tensão indo-paquistanesa.

Maior fraude financeira de sempre chama-se Madoff

Bernard Madoff foi em tempos o presidente da bolsa nova-iorquina das empresas de alta tecnologia - a Nasdaq - e depois manteve-se na bolsa, agora administrando vários fundos de investimento. No dia 11 de Dezembro foi preso por ter montado uma fraude que pode chegar aos 50 mil milhões de dólares, a maior de sempre atribuída a uma só pessoa.

Obama vence eleições com maior participação de sempre

O candidato do Partido Democrático à presidência dos Estados Unidos venceu as eleições e tornou-se o primeiro presidente negro dos EUA. A afluência às urnas bateu recordes e Barack Obama aproveitou bem o desencanto dos norte-americanos com a política de George W. Bush. Em 2009, os olhos do mundo estão virados para a Casa Branca, em busca da mudança prometida.

Rússia e Geórgia em conflito militar por causa da Ossétia do Sul

No dia 7 de Agosto, o mundo acordou com um novo conflito militar declarado com consequências imprevisíveis. A Geórgia atacava a região separatista da Ossétia do Sul, provocando a reacção da vizinha Rússia. Moscovo enviou tropas para invadir a Geórgia e em poucos dias os russos controlavam militarmente o país, reconhecendo a independência da Ossétia do Sul e da Abecásia.

Colapso financeiro ameaça economia global

Em Setembro, o Nobel da Economia Joseph Stiglitz disse que a crise aberta em Wall Street corresponde à "queda do Muro de Berlim do capitalismo". As hipotecas de difícil cobrança e os produtos financeiros que lhes foram associados viram o seu valor esfumar-se em poucos dias e o valor dos activos dos maiores bancos caíram a pique. Os governos dos países mais ricos decidiram injectar biliões para salvar o sistema financeiro da falência total.

Irlandeses dizem "Não" ao Tratado de Lisboa

O "Não" saiu vencedor do referendo irlandês, com 53,4% dos votos, contra 46,6% do "Sim", que venceu em apenas 8 dos 43 círculos eleitorais. Apesar da derrota do Tratado de Lisboa, Durão Barroso veio dizer que apoia a continuação da ratificação do Tratado pelos restantes países. A Irlanda deverá repetir o referendo em 2010.

Combustíveis: greves e protestos na Europa

Cerca de 300 camionistas britânicos manifestaram-se em Londres, formando um longo cortejo e tocando as buzinas para exigir uma redução no imposto sobre produtos petrolíferos. Uma manifestação semelhante realizou-se em Cardiff com cem camiões. Em França, os pescadores bloquearam o depósito de combustíveis de Fos, perto de Marselha, e os acessos de auto-estrada ao porto de Dunquerque. Em Espanha, os pescadores da Catalunha. A subida dos preços dos combustíveis e dos alimentos marcou os noticiários durante alguns meses de 2008.

Nuno Sena (2): "O Indie tenta sempre fugir do óbvio"

Nesta segunda parte da entrevista, Nuno Sena fala sobre a forma como o IndieLisboa está estruturado, de forma a facilitar a consulta dos rpogramadores e o acesso do público. Mas insiste: o Indie tem como critério fugir do óbvio. "Não apanham o IndieLisboa a fazer uma retrospectiva de um autor, mesmo que gostemos muito dele, que esteja muito divulgado no mercado português."

Itália: Berlusconi ganhou, comunistas e verdes não elegeram, Bertinotti demitiu-se

Em Maio, Silvio Berlusconi e a direita ganharam as eleições em Itália. A sua coligação obteve maioria absoluta na Câmara de Deputados e no Senado, enquanto a Esquerda Arco-Íris, que incluía a Refundação Comunista, os Comunistas Italianos e os Verdes, não elegeu nenhum deputado ou senador. Perante esta derrota histórica, Fausto Bertinotti apresentou a demissão.

Tibetanos manifestam-se contra a China

O centro de Lhasa esteve a ferro e fogo em Março, com as maiores manifestações anti-chinesas desde 1989, com lojas partidas, carros da polícia incendiados e mosteiros cercados pelos militares na capital do Tibete, onde centenas de pessoas participaram no protesto que marcou o 49º aniversário da partida do Dalai Lama para o exílio. Apesar da repressão policial, as manifestações de solidariedade com a causa tibetana mantiveram-se até aos Jogos Olímpicos de Pequim, mesmo a nível internacional, por ocasião da passagem da tocha olímpica.

Kosovo proclama independência

O parlamento do Kosovo aprovou em Fevereiro a declaração de independência em relação à Sérvia. O projecto da proclamação foi apresentado pelo primeiro-ministro Hashim Thaçi: "De hoje em diante, o Kosovo é orgulhoso, independente e livre", anunciou. A decisão foi recebida nas ruas de Pristina com o aplauso de dezenas de milhares de pessoas. O presidente da Sérvia, Boris Tadic, declarou que Belgrado não reconhecerá nunca a independência do Kosovo.

Obama vence no início das primárias

2008 começou com o arranque da corrida à nomeação dos candidatos à Casa Branca, com a primeira sessão eleitoral a decorrer no início de Janeiro, com forte participação do lado democrata. Barack Obama foi o vencedor no estado do Iowa e chegaria ao fim das primárias como candidato democrata à presidência dos Estados Unidos. Nos republicanos, a vitória no Iowa sorriu ao evangélico Mike Huckabee, mas Mc Cain havia de ser o candidato escolhido para defrontar Obama.