Está aqui

O que é o Estado Islâmico Khorasan?

Em entrevista ao programa Democracy Now, de Amy Goodman, o professor Haroun Rahimi explica as origens do grupo responsável pelos atentados ao aeroporto de Cabul e como os EUA e os talibãs têm colaborado para os atacar.
Amy Goodman e Haroun Rahimi
Amy Goodman convidou Haroun Rahimi para o programa Democracy Now!

Falamos com Haroun Rahimi, professor assistente de direito na Universidade Americana do Afeganistão, sobre a filial do Estado Islâmico que reivindicou os devastadores atentados bombistas suicidas desta semana no aeroporto de Cabul, que mataram mais de 110 pessoas, incluindo 13 tropas americanas. O Estado Islâmico Khorasan, ou EI-K, é um grupo puritano que é "crítico de todas as outras seitas do Islão", diz Rahimi. "Qualquer muçulmano que pense de forma diferente deles é um alvo importante para eles". Ele diz que o nome do grupo se refere a uma região do antigo império islâmico e é uma tentativa de restabelecer "alguma glória perdida no passado", numa tentativa de atrair jovens muçulmanos descontentes.

AMY GOODMAN: Continuamos a olhar para a crise no Afeganistão, um dia depois de pelo menos 95 afegãos e 13 militares norte-americanos terem sido mortos após dois de atentados suicidas em Cabul, mesmo à saída do Aeroporto Internacional Hamid Karzai. O grupo militante EI-K assumiu a responsabilidade.

Em Istambul, na Turquia, Haroun Rahimi, professor assistente de direito na Universidade Americana do Afeganistão, junta-se a nós. Ele estava de regresso a Cabul há duas semanas quando ouviu a notícia da tomada do poder pelos talibãs e permaneceu na Turquia. Ele tweetou na quinta-feira: "Por favor, não me perguntem no futuro próximo como me estou a sentir. Não me estou a sentir bem. Nenhum afegão está".


Professor Rahimi, bem-vindo de volta ao Democracy Now!

Obrigado por me receber.

 

Quem é o EI-K?

Bom, há diferentes maneiras de responder a essa pergunta. Pode olhar-se para a sua inclinação ideológica. Pode olhar-se para os seus combatentes, a composição dos seus combatentes. Pode olhar-se para os seus objetivos. E encontram-se respostas diferentes. Pode olhar-se para o seu enraizamento logístico e para os seus métodos e encontrar respostas diferentes.

Ideologicamente, é um grupo que é frequentemente chamado - é filiado numa marca específica da política islamista chamada Salafismo. É um fenómeno reacionário e moderno que procura restabelecer o seu passado muçulmano reimaginado. São frequentemente muito críticos em relação a todos. Eles são puritanos. São críticos em relação a todas as outras seitas do Islão. Qualquer muçulmano que pense de forma diferente deles é um alvo importante para eles. Visam os xiitas e outros muçulmanos que discordam deles em qualquer assunto. E consideram-nos, na realidade, o inimigo próximo, em comparação com o inimigo distante, que será o Ocidente ou os norte-americanos.

No que diz respeito aos seus combatentes, eles fazem as pazes - eles não têm muitos combatentes no Afeganistão. Eram um ramo do famigerado Estado Islâmico que surgiu na Síria e no Iraque. Uma espécie de ramo regional do mesmo surgiu no Afeganistão devido a algumas das ligações que existiam historicamente entre a parte oriental do país e o mundo árabe, e que - através da qual o salafismo, essa forma de entendimento particular do Islão, se tinha espalhado pela parte oriental do país. Alguns combatentes árabes - alguns combatentes estrangeiros, incluindo combatentes árabes, quando o Estado Islâmico foi difundido no Iraque e na Síria, vieram para lá, e houve também alguns afegãos que se juntaram a eles, porque sentiram um maior alinhamento ideológico, ou porque o viram como a oportunidade de se juntarem a um grupo que era visto por muitos como rico em recursos na altura.

Em termos de objetivos, eles são muito anti - como disse, são muito contra todos os outros tipos de muçulmanos que discordam deles. Eles têm lutado contra os talibãs. Tiveram muitas lutas. Também combatem - têm como alvo os xiitas, que são uma seita de muçulmanos no Afeganistão que constituem uma grande minoria no país. Também lutaram contra o governo do Afeganistão. Neste momento parecem retratar os talibãs como aliados dos Estados Unidos, e desejam atingir ambos, como fizeram no último ataque, o horrendo ataque ao aeroporto de Cabul.

Por isso, existem formas diferentes de responder a essa pergunta, mas é uma realidade complexa no terreno. O quão poderoso será, muitos concluíram que já não é tão poderoso, depois de ter sido derrotado pelos talibãs, pelo governo e aliados internacionais, pelas forças internacionais. Ainda tem alguns seguidores, células adormecidas em áreas urbanas, porque o Estado Islâmico tende a recrutar mais membros jovens, de classe média e com formação, em comparação com a base rural dos talibãs. Portanto, tem várias células adormecidas, com certeza, em Cabul, e várias dessas células foram obviamente responsáveis pelo ataque a que assistimos ontem.

 

A 14 de Agosto, quando os talibãs preencheram o vazio em Cabul, executaram Abu Omar Khorasani, o antigo chefe do Estado islâmico do Sul da Ásia, do EI-K. Estavam a libertar as pessoas na prisão. Tiraram-no de lá. Ele já lá estava aparentemente há anos. E executaram-no. Explique também o que Khorasan, EI-K, de Khorasan - e o seu nome, Khorasani - representa.

Bem, Khorasan é uma espécie de região. É preciso perceber que o Estado Islâmico não acredita em Estados-nação. Portanto, eles acreditam num califado que tem uma reivindicação universal. Ou seja, todos - em qualquer parte do mundo - se enquadram no reino ou na jurisdição do califado, mas tinham uma representação regional, muitas vezes com o nome de uma região como qualificador. O nome Khorasan refere-se à parte oriental do império muçulmano, quando o Islão era um império, e abrange regiões como o Irão e o Afeganistão. E estão a usar o tipo de nome mais antigo que se referia a essa parte do mundo em relação com o império muçulmano passado.

Obviamente, tem um significado simbólico. Mais uma vez, como disse, estão a reimaginar o passado muçulmano nos tempos modernos como uma forma de mobilizar jovens muçulmanos frequentemente marginalizados e alienados, que estão zangados por diferentes razões, através das declarações e esperanças de restabelecer alguma glória perdida no passado, que é obviamente um passado reconstruído e reimaginado. É por isso que a terminologia e o tipo de nomes têm frequentemente esse tipo de pedigree simbólico do passado.

 

Com o Presidente Biden a jurar vingança pelos ataques suicidas, vê os EUA e os talibãs a trabalharem juntos - o EI-K é também o inimigo dos talibãs, como sabemos - para os atingir?

Absolutamente. Quer dizer, supostamente até já o fizeram. Os militares dos Estados Unidos disseram que tinham estado a trocar informações, informações depuradas, isto é, que por vezes podem não ser informações completas. Mas algumas informações foram transmitidas aos talibãs para os ajudar a evitar tais ataques. E os militares norte-americanos afirmam que alguns ataques foram evitados através dessa partilha de informações.

Abreviando, os talibãs são o governo de facto no terreno. E o contra-terrorismo vai ser a principal questão que resta, da perspetiva dos EUA, e o único parceiro que eles têm no terreno, realmente, dado que se retiraram - vão retirar todas as tropas - seriam os talibãs. E parece que os EUA estão a contar com o interesse próprio dos talibãs, para usar as palavras de Biden, para os ver como um possível parceiro - um parceiro estranho, mas ainda assim um parceiro - no ataque contra-terrorista, pelo menos especialmente no que diz respeito ao EI-K, porque é preciso perceber que há outros grupos terroristas ativos na região ou que têm uma melhor relação com os talibãs e em que não há inimizade entre eles. Por exemplo, a Al-Qaeda ainda tem fortes laços com os talibãs. Há ali alinhamentos. Há muitos grupos que o Paquistão, por exemplo, considera um grupo terrorista. Há muitos grupos que os países da Ásia Central consideram grupos terroristas. Há grupos que a China considera grupos terroristas que são ativos na região e têm boas relações com os talibãs. Assim, os talibãs não seriam vistos como um parceiro forte e robusto no contra-terrorismo em geral, mas, no que diz respeito ao EI-K, parece ter havido alguma cooperação. E os talibãs serão vistos como um parceiro em que se pode confiar no Afeganistão.

 

Os talibãs não anunciaram o seu governo no Afeganistão. Estarão eles a ter dificuldades em reunir esta sua coligação?

Os talibãs são muito bons em não ter dissidência pública. Portanto, se houver desacordos dentro do movimento, eles tendem a permanecer dentro do movimento.

Pode haver outras razões pelas quais não tenham anunciado o seu governo. Uma delas é que ainda há tropas norte-americanas presentes em solo afegão. Assim, o simbolismo de anunciar um governo enquanto o aeroporto está sob controlo dos Estados Unidos não será algo que eles vejam com bons olhos. Caso as tropas americanas partam até 31 de Agosto e ainda tiverem problemas em anunciar o governo - por exemplo, a 1, 2, 3 de Setembro - então penso que isso seria motivo para frações internas mais graves.

Neste momento, tenho a certeza de que existem fracções internas. Não é um monólito, e existem diferentes grupos. Por exemplo, a rede Haqqani e os talibãs de Sadr de Kandahar e Helmand têm tido tensões um com o outro. Cabul é dominada pela rede Haqqani, que é uma espécie de subgrupo dentro dos talibãs que controla Cabul neste momento.

Então, há desacordos, mas eles têm sido bons em resolvê-los e em manter a coesão. E o facto de ainda não terem anunciado um governo, não creio que seja uma forte evidência de divisão interna grave, apenas devido ao facto de os EUA ainda estarem no Afeganistão, e os talibãs não teriam anunciado um governo com os EUA - com o aeroporto de Cabul sob controlo dos EUA. Isso simplesmente não aconteceria.

 

E finalmente, Haroun, estás a planear em breve regressar ao Afeganistão? Eu sei que o presidente da Universidade Americana do Afeganistão, a sua universidade, Ian Bickford, aparentemente fugiu do país, segundo o The Wall Street Journal e outros. Irá regressar?

Absolutamente, quero dizer, obviamente, para continuar a minha missão de educar a juventude afegã, e também para regressar a casa. É aí que está a minha casa. É aí que está toda a gente que amo. Não tenho uma grande família fora do Afeganistão. Toda a minha família está dentro do Afeganistão. Desde que seja seguro e eu possa estar razoavelmente seguro de que não serei prejudicado e visado pessoalmente, eu voltaria sem dúvida.

AMY GOODMAN: Haroun Rahimi, quero agradecer-lhe muito por estar connosco, professor assistente de direito na Universidade Americana no Afeganistão. Ele estava a caminho de Cabul quando ouviu a notícia da tomada do poder pelos Talibãs e, nesta altura, permaneceu em Istambul, Turquia.


Entrevista publicada em Democracy Now. Traduzido por Luís Branco para o esquerda.net.

(...)

Neste dossier:

Afeganistão, 20 anos após o 11 de Setembro

A retirada das tropas ocupantes coincide com o aniversário das duas décadas do atentado que lhe serviu de pretexto. Neste dossier, olhamos para a situação do país que assiste ao regresso dos talibãs e para o que mudou ou ficou na mesma durante 20 anos de mais uma guerra fracassada dos EUA. Dossier organizado por Luís Branco.

 

Treino na Academia Militar de West Point

EUA gastaram 21 biliões de dólares na militarização desde o 11 de Setembro

Segundo os autores do recém-lançado relatório do Institute for Policy Studies, com uma parte do dinheiro gasto na guerra ao terror, os Estados Unidos podiam ter descarbonizado completamente a sua rede elétrica, eliminado a dívida estudantil, prolongado o Crédito Fiscal Infantil da era covid por dez anos, garantido o pré-escolar gratuito, financiado as vacinas covid em todo o mundo - e ainda sobrava dinheiro para gastar. Artigo de Luke Savage.

Os desconsolados da fuga de Cabul

Os liberais podem mostrar-se tristes por terem dado para um peditório que afinal era um embuste. É lamentável que nem sequer o admitam. Podem mesmo reprovar a "traição" de Biden e jurar que fazem todas as guerras pela democracia mas o embaraço é muito.  Artigo de Luís Fazenda.

Vendedor ambulante expõe bandeiras e posters dos líderes talibãs junto a um mural de uma menina na escola.

O Afeganistão visto pelas mulheres da RAWA

A Associação Revolucionária das Mulheres do Afeganistão (RAWA) é uma organização política feminista fundada em 1977 com sede em Quetta, no Paquistão. Nesta entrevista ao Osservatorio Afghanistan, Maryam faz um balanço de 20 anos de ocupação ocidental e apresenta as perspetivas sobre como continuar a luta na nova fase que agora se abre.

Um mural no Afeganistão protesta contra o assassinato de Fakunda Malikzada: 'O assassinato de Fakhunda é uma mancha em todos os homens afegãos'.

Mulheres afegãs correm perigo, mas sempre viveram sob ameaça

A vida das mulheres afegãs corre agora perigo por causa dos talibãs. Mas elas sempre enfrentaram a violência masculina, como relata a investigadora Jenevieve Mannell, que no Afeganistão ouviu muitos testemunhos de mulheres vítimas de violência nos últimos anos.

Prisioneiro de Guantanamo e bandeira dos EUA

Ataques aos direitos civis do pós-11 de Setembro ainda permanecem

Dias antes dos atentados às Torres Gémeas, Anthony Romero tomava posse da histórica associação de defesa dos direitos civis ACLU. Passados 20 anos, diz que ainda há muito por desfazer nas decisões políticas tomadas na sequência do 11 de Setembro.

Forças talibãs tomam conta do aeroporto internacional em Cabul, após a retirada dos norte-americanos.

Os talibãs afegãos: Bilhete de identidade

No momento em que o Emirado Islâmico do Afeganistão é restabelecido, muitas questões permanecem sobre esta organização, a sua hierarquia, os seus recursos e os seus objetivos. Artigo de Dorothée Vandamme.

Amy Goodman e Haroun Rahimi

O que é o Estado Islâmico Khorasan?

Em entrevista ao programa Democracy Now, de Amy Goodman, o professor Haroun Rahimi explica as origens do grupo responsável pelos atentados ao aeroporto de Cabul e como os EUA e os talibãs têm colaborado para os atacar.

Soldado norte-americano em Rajankala, província de Kandahar, Afeganistão.

Quem está enterrado no cemitério dos impérios?

O destino do governo afegão foi apenas o mais recente da longa lista de casos de colapso de entidades fantoche criadas pelo ocupante estrangeiro quando a ocupação chega ao fim. Artigo de Gilbert Achcar.

 

Bruno Neto

“Não podemos levar a um país os direitos humanos com bombas”

Bruno Neto é coordenador de uma missão humanitária que garante o acesso à saúde a comunidades de várias províncias no Afeganistão. Nesta entrevista, fala da incerteza que se vive no terreno e do vazio de alternativas que a intervenção militar externa deixou no país.

Combatente talibã ergue a sua bandeira num veículo em Kandahar. Foto de STRINGER/EPA/Lusa.

Afeganistão: a ocupação dos EUA apenas tirou vidas, a vitória talibã não é sinal de paz

O que os EUA gastaram no Afeganistão nos últimos vinte anos não tem precedentes na história mundial, um investimento que fica nas mãos dos talibãs. A vitória destes são más notícias para os progressistas de todo o mundo. A crítica dos agentes americanos não é motivo para os apoiar. Por Farooq Tariq.

Tariq Ali

Tariq Ali: Debacle no Afeganistão

Todos aqueles que querem continuar a lutar devem mudar o seu foco para os refugiados que em breve estarão a bater à porta da NATO. No mínimo, refúgio é o que o Ocidente lhes deve. Artigo de Tariq Ali.