Está aqui

O próximo Afeganistão?

O Mali representa o mais claro caso de paralisia geopolítica. Todas as maiores e menores potências da região estão genuinamente preocupadas, mas nenhuma parece ter vontade ou capacidade de agir. (Artigo publicado em 1 de novembro de 2012).
Tropas francesas em Bamako. Foto de Voice of America, Wikimedia Commons

Até há pouco tempo, poucas, muito poucas pessoas, fora dos vizinhos e da anterior potência colonial (França), tinham sequer ouvido falar do Mali, e muito menos sabiam qualquer coisa sobre a sua história e política. Hoje, o Mali do norte foi tomado militarmente por grupos “salafistas” que partilham as posições da Al-Qaeda e praticam a mais dura versão da sharia– recorrendo à lapidação e à amputação como forma de punição.

Esta conquista foi condenada por uma votação unânime do Conselho de Segurança da ONU, que a considerou uma “ameaça à paz e à segurança internacionais”. A resolução citou “a situação humanitária em rápida deterioração” e o “crescente entrincheiramento de elementos terroristas” e as potenciais “consequências para os países do Sahel e além”. As Nações Unidas declararam estar dispostas a considerar a formação de uma “força militar internacional [para recuperar] as regiões ocupadas no norte do Mali”.

A resolução foi unânime mas sem força. De facto, o Mali representa o mais claro caso de paralisia geopolítica. Todas as maiores e menores potências da região e além estão genuinamente preocupadas, mas nenhuma parece ter vontade ou capacidade de agir, por medo de que a sua ação tenha como consequência o que se chama de “afeganistização” do Mali. Além disso, há pelo menos uma dúzia de diferentes atores envolvidos, e quase todos estão profundamente divididos entre eles.

Como começou isto tudo? O país chamado Mali (que se chamou Sudão francês durante o domínio colonial que começou em 1892) é um estado independente desde 1960. Inicialmente, tinha um governo laico de um só partido, que era socialista e nacionalista. Foi derrubado por um golpe militar em 1968. Os líderes do golpe, por seu lado, criaram outro regime de partido único, mas de orientação para o mercado. Foi por sua vez derrubado por outro golpe militar em 1991, que adotou uma constituição que permitia a existência de múltiplos partidos. Não obstante, um só partido continuava a dominar a situação política. Mas devido aos processos eleitorais multipartidários, o regime do Mali foi então saudado no ocidente como “democrático” e exemplar.

Durante estes tempos, os políticos e funcionários públicos civis em sucessivos governos vieram principalmente de grupos étnicos do sul, que representa 40% do país. O norte mais escassamente povoado, que representa 60%, era povoado pelos grupos tuaregues que era marginalizados e se ressentiam disso. Periodicamente revoltavam-se e falavam na vontade de ter um estado independente.

Muitos tuaregues fugiram para a Líbia (e para a Argélia) cujas regiões meridionais são também povoadas por tuaregues. A confusão que se seguiu à queda de Muammar Khadafi permitiu que os soldados tuaregues obtivessem armas e voltassem ao Mali para participar na luta pelo Azawad, o nome que deram a um estado independente tuaregue. Organizaram-se como o Movimento Nacional para a Libertação do Azawad (MNLA)

Em 22 de março, um grupo de jovens oficiais dirigidos por Amadou Haya Sanogo anunciou um terceiro golpe pós-independência. Alegaram especificamente que a principal razão do golpe era a ineficácia do exército maliano para lidar com as pretensões secessionistas do MNLA. A França, os Estados Unidos e a maioria dos estados da África ocidental declararam forte oposição ao golpe e exigiram a restauração do governo derrubado.

Foi concluído um difícil compromisso entre as forças Sanogo e o regime anterior, no qual assumiu um novo presidente ad interim. Este escolheu um primeiro-ministro com ligações familiares ao líder do golpe de 1968. Até hoje, não é claro quem controla o quê no Mali do sul. Mas o exército é mal treinado e incapaz de desencadear uma ação militar a sério no norte do país.

Entretanto, no norte, os muçulmanos relativamente laicos do MNLA procuraram fazer alianças com grupos mais fundamentalistas. Quase imediatamente, estes últimos expulsaram o MNLA e assumiram o controlo de todas as principais cidades do norte do Mali. Contudo, estes elementos mais fundamentalistas eram de facto três grupos diferentes: o Ansar Eddine, composto por tuaregues locais; a Al-Qaeda do Maghreb (AQIM), composta principalmente de não-malianos; e o Movimento pelo Tawhid e a Jihad na África Ocidental (MUJAO), uma rutura do AQIM. O MUJAO tinha rompido com o AQIM, acusando-o de ter interesse exclusivo pelo Norte de África. Quereriam expandir a sua doutrina aos países da África ocidental. Estes grupos controlam diferentes áreas e não é claro quão unidos são, tanto taticamente quanto em termos de objetivos.

A próxima série de atores são os vizinhos, todos eles descontentes com o facto de os grupos “salafistas” terem assumido o controlo efetivo de uma região tão grande, grupos que não escondem o desejo de expandir as suas doutrinas aos vizinhos. Os vizinhos, porém, também estão divididos quanto ao que fazer. Um grupo é a Comunidade Económica dos Estados da África Ocidental (ECOWAS), que consiste em 15 estados – todas as ex-colónias da Grã-Bretanha, da França, de Portugal, mais a Libéria – com a única exceção da Mauritânia.

A ECOWAS tem querido ajudar a resolver as diferenças dentro do governo maliano. Deram a entender que poderiam enviar algumas tropas para reconquistar o controlo do norte do Mali. O problema era duplo. O grupo contestatário no sul do Mali teme uma intervenção semipermanente da ECOWAS, especialmente da fação Sanogo. E o único país que efetivamente tem tropas para oferecer é a Nigéria, que encara esta possibilidade com muita relutância porque precisa destas tropas para enfrentar o seu próprio problema “salafista” interno, o Boko Harem.

A Mauritânia, que foi mais bem sucedida que outros governos oeste-africanos na contenção dos grupos “salafistas”, teme que estas forças se expandam para a Mauritânia, principalmente se decidir participar militarmente na luta contra elas no Mali. A Líbia, para além do facto de enfrentar uma intensa agitação interna entre os seus muitos grupos armados, teme principalmente que as populações tuaregues no sul da Líbia se unam a um Azawad maior.

Tanto a França quanto os Estados Unidos sentem a urgência de expulsar os “salafistas” do norte do Mali. Mas os Estados Unidos, sobrecarregados militarmente como estão, não querem enviar quaisquer tropas. A França, ou melhor, o presidente Hollande, está a assumir uma postura mais de força. Parecem estar prontos a mandar tropas. Mas a França é a ex-potência colonial, e as tropas francesas no Mali podem suscitar uma forte resposta nacionalista.

Assim, o que França e Estados Unidos estão a tentar fazer é convencer a Argélia, que faz fronteira com o Mali pelo norte e tem um exército poderoso, a liderar a operação militar. Os argelinos estão hiper-dúbios em relação à ideia. Por um motivo, o sul da Argélia é uma região tuaregue. E também porque o governo argelino considera que conteve o perigo “salafista” até agora, e teme fortemente que uma intervenção militar no Mali desmanche essa contenção.

Assim, todos querem expulsar os grupos “salafistas”, desde que algum outro faça o trabalho sujo. E grupos importantes em todos estes países opõem-se a qualquer ação, alegando o perigo da “afeganistização” da situação. Quer dizer, temem que a ação militar contra os “salafistas” os fortaleça, em vez de os enfraquecer, atraindo a ida de indivíduos e grupos que seguem a orientação da Al-Qaeda para o norte do Mali. O Afeganistão tornou-se o símbolo do que não se deve fazer. Mas não fazer nada é outra forma de definir uma paralisia geopolítica.

A conclusão é que o Mali está a sofrer da cena geopolítica caótica. O que parece mais provável é que não haja intervenção militar. Resta ainda saber se as populações locais no norte do Mali, acostumadas a uma versão “sufi” muito tolerante do Islão e agora muito descontentes, se vão levantar contra os “salafistas”.

Immanuel Wallerstein

Comentário nº. 340, 1 de novembro de 2012

Tradução, revista pelo autor, de Luis Leiria para o Esquerda.net

Sobre o/a autor(a)

Sociólogo e professor universitário norte-americano.
(...)

Resto dossier

Intervenção francesa no Mali

Tropas francesas combatem neste momento no Mali, numa nova guerra que não parece ter fim à vista. Diante da opinião pública mundial, o presidente François Hollande justifica a intervenção pela necessidade de combater o “terrorismo”, um argumento muito semelhante ao que usou George W. Bush ao invadir o Iraque e o Afeganistão. Quais são então os motivos que provocaram esta nova guerra? Dossier organizado por Luis Leiria.

Razões da intervenção imperialista de França

A intervenção da França no Mali inscreve-se numa longa tradição de intervenções. Desde a independência das suas colónias africanas, a França interveio sessenta vezes. A estratégia da França é manter a sua influência política e económica através de um apoio inquebrantável a várias ditaduras que promovem os interesses franceses. Por Paul Martial

O próximo Afeganistão?

O Mali representa o mais claro caso de paralisia geopolítica. Todas as maiores e menores potências da região estão genuinamente preocupadas, mas nenhuma parece ter vontade ou capacidade de agir. (Artigo publicado em 1 de novembro de 2012).

Agora no Mali

O que motivou a França, com o apoio logístico e diplomático das demais potências estrangeiras, a intervir no conflito?

Nós, opositores à guerra francesa

Senhor Hollande, o destino dos malianos pertence aos malianos. E se uma guerra tiver de ser travada, não cabe seguramente à França autoproclamar-se salvadora no Mali. Em França, o Estado interessou-se até aqui pelos malianos, sobretudo para os expulsar. Esta França teria sido repentinamente tocada pelos mais sinceros sentimentos humanitários? Christine Poupin, Olivier Besancenot, Philippe Poutou, membros de direção do NPA.

Questões sobre uma intervenção

Os objetivos anunciados incluem de tudo. A duração da operação é "o tempo que for necessário", "algumas semanas"... As justificativas políticas são de geometria variável. Os benefícios políticos para François Hollande, autopromovido "senhor da guerra" são indiscutíveis, num terreno onde tem a garantia de encontrar ampla aprovação em clima de unanimidade nacional. Por Philippe Leymarie, Les Blogs du Diplo

O desastre da França no Mali

O perigo é que o presidente François Hollande e o estado Francês se possam, a curto prazo, encontrar na situação desastrosa do pobre coiote dos desenhos animados do Papa-léguas, tão determinado a perseguir a sua presa que se apressa a saltar sobre um penhasco e se vê a si mesmo a debater-se no ar, prestes a cair para o deserto. Por Barry Lando