Está aqui

Agora no Mali

O que motivou a França, com o apoio logístico e diplomático das demais potências estrangeiras, a intervir no conflito?
Tropas francesas num C-17 da Força Aérea dos EUA a acaminho do Mali. Foto de U.S. Air Force, por Staff Sgt. Nathanael Callon, Wikimedia Commons

Dizem-nos que agora é no Mali, que as bombas e as balas vão garantir a democracia e combater o terrorismo islâmico. Mas, para lá da propaganda pretensamente humanitária, o que motivou a França, com o apoio logístico e diplomático das demais potências estrangeiras, a intervir convictamente no conflito?

O palácio do Eliseu tem um longo historial de intervenção militar nas suas ex-colónias, mesmo após a descolonização, o exército interveio no Congo, no Gabão, na República Centro-Africana e na Costa do Marfim.

Uma das primeiras conclusões a tirar é que a Françafrique só foi formalmente desmantelada. França, como ex-potência colonial, tem-se mantido como tutora destes países, nunca tendo reduzido significativamente a sua influência, nem a defesa dos seus interesses económicos e políticos no continente.

Por estes dias, tem-se repetido ad nauseum, que a resolução do conflito maliano, por via militar, é de elementar importância para a Europa. Caso contrário, afirma o discurso oficial, corre-se o sério risco do país se transformar numa nova base de treino e apoio ao terrorismo mundial, como “fora o Afeganistão”, pondo assim em cheque a segurança e a estabilidade ocidentais1.

Para lá da cortina de fumo, coloca-se-nos uma outra pergunta, como é que um dos países mais pobres do mundo pode ter interesse estratégico e económico para o ocidente em geral e em particular para a França?

Apesar de não ter acesso direto ao mar - uma limitação económica histórica do país – os recursos naturais do Mali são abastados, com um forte potencial de exploração. Atualmente é o terceiro maior produtor africano de ouro, tendo em vista projetos para a extração de petróleo, urânio e diamantes, para lá das inúmeras pedras preciosas que já exporta2.

É no garante da exploração destes recursos por empresas francesas, que reside a principal preocupação de François Hollande em manter a estabilidade do regime e a coesão territorial, como explica a cientista política Katrin Sold do conservador Conselho Alemão de Política Externa: "A longo prazo, a França tem interesse em explorar os recursos minerais da região do Sahel, principalmente petróleo e urânio, mineral que a empresa nuclear francesa Areva já explora há décadas no vizinho Níger"3.

Como a história tem demonstrado, as intervenções militares externas em nome dos direitos humanos, da democracia e da segurança não passam de retórica justificativa para o saque colonial. O recém-eleito presidente francês, nesta matéria, é exatamente igual aos seus antecessores.


1 É bom relembrar, que passados mais de onze anos de presença da NATO, nem o Afeganistão está democrático, nem a sharia desapareceu do país. Sendo públicas as negociações entre o governo de Cabul e de Islamabad e os principais líderes talibãs, para um acordo conjunto sobre o futuro do Afeganistão, do qual não reza a oposição das forças do Atlântico Norte.

2 Não é de menor importância sublinhar, que uma parte significativa dos investimentos previstos se situam no Norte da Região, zona maioritariamente controlada pela aliança rebelde, constituída por tuaregues e islamitas radicais.

Sobre o/a autor(a)

Dirigente do Bloco de Esquerda. Sociólogo.
(...)

Resto dossier

Intervenção francesa no Mali

Tropas francesas combatem neste momento no Mali, numa nova guerra que não parece ter fim à vista. Diante da opinião pública mundial, o presidente François Hollande justifica a intervenção pela necessidade de combater o “terrorismo”, um argumento muito semelhante ao que usou George W. Bush ao invadir o Iraque e o Afeganistão. Quais são então os motivos que provocaram esta nova guerra? Dossier organizado por Luis Leiria.

Razões da intervenção imperialista de França

A intervenção da França no Mali inscreve-se numa longa tradição de intervenções. Desde a independência das suas colónias africanas, a França interveio sessenta vezes. A estratégia da França é manter a sua influência política e económica através de um apoio inquebrantável a várias ditaduras que promovem os interesses franceses. Por Paul Martial

O próximo Afeganistão?

O Mali representa o mais claro caso de paralisia geopolítica. Todas as maiores e menores potências da região estão genuinamente preocupadas, mas nenhuma parece ter vontade ou capacidade de agir. (Artigo publicado em 1 de novembro de 2012).

Agora no Mali

O que motivou a França, com o apoio logístico e diplomático das demais potências estrangeiras, a intervir no conflito?

Nós, opositores à guerra francesa

Senhor Hollande, o destino dos malianos pertence aos malianos. E se uma guerra tiver de ser travada, não cabe seguramente à França autoproclamar-se salvadora no Mali. Em França, o Estado interessou-se até aqui pelos malianos, sobretudo para os expulsar. Esta França teria sido repentinamente tocada pelos mais sinceros sentimentos humanitários? Christine Poupin, Olivier Besancenot, Philippe Poutou, membros de direção do NPA.

Questões sobre uma intervenção

Os objetivos anunciados incluem de tudo. A duração da operação é "o tempo que for necessário", "algumas semanas"... As justificativas políticas são de geometria variável. Os benefícios políticos para François Hollande, autopromovido "senhor da guerra" são indiscutíveis, num terreno onde tem a garantia de encontrar ampla aprovação em clima de unanimidade nacional. Por Philippe Leymarie, Les Blogs du Diplo

O desastre da França no Mali

O perigo é que o presidente François Hollande e o estado Francês se possam, a curto prazo, encontrar na situação desastrosa do pobre coiote dos desenhos animados do Papa-léguas, tão determinado a perseguir a sua presa que se apressa a saltar sobre um penhasco e se vê a si mesmo a debater-se no ar, prestes a cair para o deserto. Por Barry Lando