Está aqui

Michael Löwy: A emergência climática é a questão política central da nossa época

Para impedir uma catástrofe climática sem precedentes, é preciso deixar o petróleo e o carvão no solo, o que a oligarquia fóssil que governa o sistema nunca aceitaria. Numa transição ao ecossocialismo podem-se criar as condições para substituir as energias fósseis por renováveis, defende o sociólogo nesta entrevista de Patricia Fachin, publicada no IHU Online.
Michael Löwy: Em vez da soja e do boi para o mercado mundial, por que não uma agricultura camponesa orgânica, voltada para o mercado interno? Foto USP
Michael Löwy: Em vez da soja e do boi para o mercado mundial, por que não uma agricultura camponesa orgânica, voltada para o mercado interno? Foto USP

A emergência climática “já é, e vai se tornar ainda mais nos próximos anos, a questão política central de nossa época”, diz o sociólogo Michael Löwy à IHU On-Line. Defensor do ecossocialismo, um “modelo de civilização baseado na justiça social, na igualdade, na democracia, na solidariedade e no respeito por nossa Casa Comum”, ele explica por que a catástrofe ambiental ainda não está no centro das políticas das esquerdas. “Durante muito tempo, em particular no decorrer do século XX, a esquerda apostava no ‘desenvolvimento das forças produtivas’, no produtivismo e no consumismo, considerando a questão ecológica como um detalhe, ou um assunto ‘pequeno-burguês’”. Segundo ele, “na medida em que, no século XXI, o debate climático se torna decisivo, há uma evolução positiva, ainda que parcial e desigual” desta preocupação entre os partidos progressistas.

Radicado na França desde os anos 1960, Löwy avalia que “o mais importante ator social” que trata da crise climática na Europa é a “juventude, uma impressionante força que tem invadido as ruas e praças do continente”. O movimento da juventude, que é “simbolizado pela bela figura de Greta Thunberg, não é homogêneo politicamente, embora sua tendência seja de radicalização. Os setores mais conscientes do movimento se reconhecem na palavra de ordem ‘Mudemos o sistema, não o clima!’. Trata-se, implicitamente, de uma perspetiva anticapitalista”, explica.

Na entrevista a seguir, concedida por e-mail, Michael Löwy reflete sobre as vantagens do ecossocialismo e frisa que a Encíclica Laudato Si’ deveria ser lida pela esquerda: “A esquerda deveria ler este documento e se inspirar no seu diagnóstico sobre a urgência de salvarmos nossa Casa Comum, a Mãe Terra”.

IHU On-Line O senhor tem defendido que é preciso pensar saídas políticas diante da gravidade climática. Como essa questão tem sido tratada no interior das esquerdas, na sua avaliação?

Michael Löwy – A crise climática, ameaça sem precedente para a vida neste planeta, já é, e vai se tornar ainda mais nos próximos anos, a questão política central de nossa época. A esquerda está pouco a pouco tomando consciência da gravidade do desafio, mas ainda de forma desigual e, salvo exceções, insuficiente. Em geral, as forças social-democratas, ou de centro-esquerda, ainda estão presas ao modelo “desenvolvimentista” e ao culto do “crescimento” (do PIB); nas forças da esquerda mais radical, antineoliberal, ou anticapitalista, existe um início de consciência ecológica.

Alguns críticos afirmam que a esquerda não está preocupada com a questão ambiental e climática, a exemplo das políticas desenvolvimentistas adotadas pelos governos progressistas na América Latina. Qual é o paradigma político da esquerda hoje?

Na verdade, os governos mais radicais, da esquerda “bolivariana” – Chávez, Correa, Evo Morales – reconheciam a importância da questão ecológica, mas entre os seus discursos e a prática ia uma grande distância. A economia destes países continuou a estar baseada, em grande medida, nas energias fósseis responsáveis pela mudança climática.

Por que o debate climático ainda não é uma agenda central para as esquerdas?

Porque durante muito tempo, em particular no decorrer do século XX, a esquerda apostava no “desenvolvimento das forças produtivas”, no produtivismo e no consumismo, considerando a questão ecológica como um detalhe, ou um assunto “pequeno-burguês”. Mas na medida em que, no século XXI, o debate climático se torna decisivo, há uma evolução positiva, ainda que parcial e desigual.

Na França e nos países da União Europeia que o senhor acompanha, quem são os atores sociais e políticos que chamam atenção para a questão ambiental hoje?

Na Europa, os partidos verdes reconhecem a importância da questão ambiental. Mas com a exceção de algumas correntes “verdes vermelhas”, sua estratégia consiste em tentar corrigir os “excessos” produtivistas do sistema, apostando num capitalismo verde. As forças da esquerda radical, em particular os anticapitalistas, rejeitam esta conceção, mas nem todos colocam, como os ecossocialistas, a questão ambiental, e em particular a questão climática, no centro de seu programa e de sua estratégia.

O mais importante ator social neste combate na Europa é a juventude, uma impressionante força que tem invadido as ruas e praças do continente.

Hoje surgem novas lideranças, algumas jovens, como a ativista sueca Greta Thunberg. O senhor vê nesses novos ativistas uma identificação com outras pautas de esquerda? Se sim, quais?

Este movimento de juventude, simbolizado pela bela figura de Greta Thunberg, não é homogéneo politicamente, embora a sua tendência seja de radicalização. Os setores mais conscientes do movimento reconhecem-se na palavra de ordem “Mudemos o sistema, não o clima!”. Trata-se, implicitamente, de uma perspetiva anticapitalista.

Em artigo, cita a seguinte pergunta feita pelo historiador Richard Smith: “Se for impossível aplicar reformas no capitalismo a fim de colocar os benefícios a serviço da sobrevivência humana, que outra alternativa existe senão optar por um género de economia planificada no nível nacional e internacional?” É possível defender esse modelo económico nos dias de hoje? Quais seriam as vantagens e desvantagens desse modelo em relação ao modelo económico dominante?

A economia de mercado, isto é, o capitalismo, revela-se cada dia mais incapaz de enfrentar os desafios da crise ecológica, que necessita uma reorganização geral da produção e do consumo, em função de critérios não mercantis. Isto necessita uma planificação democrática – algo totalmente distinto da planificação ditatorial e burocrática da finada URSS – na qual a própria população decide o caminho para a transição ecológica.

Ao explicar o ecossocialismo, diz tratar-se de “uma política económica visando as necessidades sociais e ao equilíbrio ecológico e, portanto, fundada em critérios não monetários e extraeconómicos”. Pode explicar essa ideia? Que tipo de necessidades sociais esse modelo atenderia e como garantiria o equilíbrio ecológico?

As necessidades sociais e o respeito aos equilíbrios ecológicos seriam, numa transição ao ecossocialismo, os critérios para a política económica, no lugar da acumulação do lucro, do capital e das “partes de mercado”. Seria a própria população a decidir quais são as verdadeiras necessidades sociais, uma vez libertada da absurda pressão ao consumismo imposta pela publicidade.

O que são esses critérios não monetários e extraeconómicos? Pode dar alguns exemplos?

Por exemplo, desenvolver os serviços públicos gratuitos: educação, saúde, transporte público, cultura. Não são mais “mercadorias”, mas satisfazem necessidades sociais fundamentais. A gratuitidade é um dos aspectos fundamentais de uma transição ecológica pós-capitalista. Ela substitui a obsessão consumista imposta pelo sistema capitalista.

Em que aspectos o ecossocialismo se diferenciaria do capitalismo?

Trata-se de um outro modelo de civilização baseado na justiça social, na igualdade, na democracia, na solidariedade, e no respeito pela nossa Casa Comum, a Natureza. Graças à propriedade social dos meios de produção, as decisões sobre o que produzir e o que consumir seriam tomadas, democraticamente, pela população, levando em conta as exigências ecológicas. Trata-se de uma rotura com o modelo da civilização capitalista, baseada na mais absurda desigualdade – um punhado de multimilionários tem tanta riqueza quanto a metade mais pobre da população do mundo – e na destruição acelerada dos equilíbrios ecológicos.

Como o ecossocialismo pode responder aos desafios postos pelas mudanças climáticas da nossa era?

Para impedir uma catástrofe climática sem precedente, é preciso deixar o petróleo e o carvão no solo, o que a oligarquia fóssil que governa o sistema nunca aceitaria. Numa transição ao ecossocialismo podem-se criar as condições para substituir as energias fósseis por renováveis, reduzir a produção de mercadorias suprimindo a obsolescência programada, substituir o agronegócio por uma agricultura camponesa orgânica etc.

Até recentemente, durante a vigência do Protocolo de Kyoto, os países em desenvolvimento argumentavam que não poderiam reduzir as suas emissões porque ainda precisavam desenvolver-se. Como responder a esses países que ainda são pobres e buscam o desenvolvimento neste momento de agravamento das mudanças climáticas? Como a sua ideia de transformação qualitativa do crescimento ajuda a oferecer uma resposta?

Os países em desenvolvimento – América Latina, África, Ásia – precisam se desenvolver, mas não copiando o American Way of Life! Em vez de produzir mais e mais carros para as classes superiores e média, por que não desenvolver a saúde e a educação públicas, os transportes coletivos? Em vez da soja e do boi para o mercado mundial, por que não uma agricultura camponesa orgânica, voltada para o mercado interno? etc.

Quais são as barreiras ou os impeditivos para implantar o ecossocialismo que defende?

O ecossocialismo só poderá realizar-se se a maioria da população estiver convencida da necessidade de pôr fim ao ecocídio capitalista e iniciar a transição para uma nova sociedade, ecológica, democrática e socialista. Neste processo haverá necessariamente momentos de confronto com as poderosas forças da oligarquia fóssil e do capital financeiro, que são sérios “impeditivos” a uma transformação social.

No cenário político internacional, algum partido ou político sinaliza em direção ao ecossocialismo?

A Quarta Internacional é um movimento que se reclama, já há anos, do ecossocialismo. As suas forças são pequenas, mas presentes em todos os continentes. Há um interesse crescente pelo ecossocialismo nos Estados Unidos, em alguns países da Europa e mesmo no Brasil.

Como a obra de Marx pode contribuir para pensar alternativas à crise climática?

Marx foi um pioneiro, ao apontar para a tendência do capitalismo, em particular na agricultura, a destruir a natureza, provocando uma “rotura do metabolismo” entre as sociedades humanas e o meio ambiente. Mas como a crise ecológica estava apenas começando na sua época, esta temática não podia ocupar um papel central nasua obra. Os ecossocialistas inspiram-se na crítica de Marx ao capitalismo e na sua visão de uma alternativa socialista, mas colocam a questão ecológica no centro da sua teoria e da sua prática.

Deseja acrescentar algo?

Sim. Duas coisas, uma negativa, outra positiva:

Com Jair Bolsonaro, temos infelizmente no Brasil um governo cem por cento antiecológico, levando adiante uma política de destruição ambiental, em particularizar da Amazónia. Defender a Floresta Amazónica, em solidariedade com os indígenas que a habitam há séculos, é uma tarefa fundamental, no interesse de todo o povo brasileiro e da própria humanidade.

A Encíclica do papa Francisco, Laudato Si’, é um documento muito positivo, pela sua crítica radical ao modelo económico dominante, “o perverso sistema de propriedade e consumo atual”, exclusivamente baseado na maximização do lucro, que considera responsável pela crise ecológica. A esquerda deveria ler este documento e inspirar-se no seu diagnóstico sobre a urgência de salvarmos nossa Casa Comum, a Mãe Terra.

Michael Löwy é brasileiro, radicado na França. Licenciado em Ciências Sociais pela Universidade de São Paulo - USP, possui doutorado na Sorbonne. Em Paris, trabalha como diretor de pesquisas no Centre National de la Recherche Scientifique - CNRS; também já dirigiu um seminário na École des Hautes Études en Sciences Sociales. Entre as suas publicações, destacamos Centelhas - marxismo e revolução no século XXI, escrito com Daniel Bensaïd (São Paulo: Boitempo, 2014), Afinidades revolucionárias (São Paulo: Unesp, 2016), A jaula de aço: Max Weber e o marxismo weberiano (São Paulo: Boitempo, 2014) e O que é o cristianismo da Libertação (São Paulo: Editora Perseu Abramo, 2017).

21 Agosto 2019

Publicado originalmente em IHU Onlin

(...)

Resto dossier

Bombeiros combatem as chamas no estado do Acre, Amazónia brasileira. Foto Lusa/EPA.

Amazónia

A Amazónia continua a sofrer a desflorestação e as queimadas, em proporções inéditas. Neste dossier, o cientista do clima Alexandre Araújo Costa, num artigo especial para o Esquerda.net, lança o apelo: o ecocídio tem de ser travado. Dossier coordenado por Luis Leiria.

Fumo dos incêndios da Amazónia obscurece o sol perto de Porto Velho, Rondónia, Brasil. Foto de Joedson Alves, Lusa/EPA

Salvar a Amazónia das Garras de Bolsonaro e do Capital

O ecocídio precisa ser contido. Bolsonaro e os ruralistas precisam ser detidos. As consequências de seus atos já seriam suficientemente abomináveis se permanecessem circunscritas ao território do Brasil, mas não! Os efeitos são planetários. Por Alexandre Araújo Costa.

O mesmo lugar, antes e depois do fogo. Fotos do Facebook de Erika Berenguer.

“As cinzas do Brasil agora buscam a gente até na grande metrópole”

No dia 23 de agosto, a investigadora brasileira Erika Berenguer, há 12 anos a trabalhar na Amazónia e há dez a investigar o impacto do fogo na floresta, escreveu um post no Facebook. Teve 51 mil “gostos”, 60 mil partilhas e 11 mil comentários.

Monitoramento e combate ao Incêndio na região de Sorriso no Norte de MT. Foto: Mayke Toscano/Secom-MT

A Fogueira das Vaidades

No planeta dos bolsonaros, toda fogueira tem serventia. Mesmo que a nuvem de fumaça dos incêndios que estão a destruir a Amazónia já seja vista até do espaço, na terra plana ela continua a nublar verdades enquanto o fogo também queima quem se opõe às leis da ganância. Por Alessandra Fonseca e Cintya Floriani

Raoni Metuktire (Kapot, no Mato Grosso, em 1930) é um líder indígena brasileiro da etnia caiapó. É conhecido internacionalmente por sua luta pela preservação da Amazónia e dos povos indígenas.

“Nós, povos da Amazónia, estamos cheios de medo. Em breve vocês também terão”, diz cacique Raoni

“Você destrói nossas terras, envenena o planeta e semeia a morte, porque está perdido. E logo será tarde demais para mudar. Então você sentirá o medo que nós sentimos.” Leia na íntegra texto do Cacique Raoni Metuktire publicado no jornal The Guardian. De Mídia Ninja.

Manifestação em defesa da Amazónia. Foto Mídia Ninja

Para barrar a devastação da Amazónia, boicote às exportações brasileiras predatórias

O movimento só terá eficácia se golpear interesses económicos estratégicos do bloco no poder. É preciso penalizar o agronegócio e o extrativismo pelos crimes dos quais eles são cúmplices. Posição da Insurgência, corrente interna do PSOL.

Incêndio em Porto Velho no dia 9 de setembro de 2019. Foto de Fernando Bizerra Jr, Lusa/EPA.

Amazónia arde cada vez mais

Apesar de Bolsonaro ter enviado para a Amazónia 44 mil militares para combater os fogos, a área ardida em agosto foi mais de quatro vezes superior à do mesmo mês no ano passado. Área desflorestada nesse mês também representou um aumento de 222% em relação a agosto de 2018.

Bolsonaro nunca escondeu a sua hostilidade às políticas ambientais. Foto Lusa/EPA

Bolsonaro sempre contra o meio ambiente

Ainda antes de ser eleito presidente do Brasil, Bolsonaro já demonstrava desprezo pela preservação do Meio Ambiente, que considerava um obstáculo ao desenvolvimento do país. A seguir, uma seleção de frases e de ações que mostram essa obsessão do capitão contra as políticas ambientais.

Michael Löwy: Em vez da soja e do boi para o mercado mundial, por que não uma agricultura camponesa orgânica, voltada para o mercado interno? Foto USP

Michael Löwy: A emergência climática é a questão política central da nossa época

Para impedir uma catástrofe climática sem precedentes, é preciso deixar o petróleo e o carvão no solo, o que a oligarquia fóssil que governa o sistema nunca aceitaria. Numa transição ao ecossocialismo podem-se criar as condições para substituir as energias fósseis por renováveis, defende o sociólogo nesta entrevista de Patricia Fachin, publicada no IHU Online.