Está aqui

A Fogueira das Vaidades

No planeta dos bolsonaros, toda fogueira tem serventia. Mesmo que a nuvem de fumaça dos incêndios que estão a destruir a Amazónia já seja vista até do espaço, na terra plana ela continua a nublar verdades enquanto o fogo também queima quem se opõe às leis da ganância. Por Alessandra Fonseca e Cintya Floriani
Monitoramento e combate ao Incêndio na região de Sorriso no Norte de MT. Foto: Mayke Toscano/Secom-MT
Monitoramento e combate ao Incêndio na região de Sorriso no Norte de MT. Foto: Mayke Toscano/Secom-MT

Arrogância, ganância e ignorância alimentam a fogueira da vaidade. E o Brasil está a arder nesta fogueira da sua vaidade endémica. A arrogância desembarcou connosco na terra habitada por quem nós chamávamos de “selvagens” e dela apossamo-nos para alimentar nossa vaidade. A ignorância “limpou” as plantas, os bichos e os índios do caminho para ladrilhá-lo e nele poder arrastar seus vestidos, sacudir suas carruagens, cravar suas esporas e fazer rolar seu ouro. Há mais de 500 anos o Brasil é o país das oportunidades e o habitante ilustre de um país de oportunidades é sempre um oportunista.

A fogueira que queima as riquezas naturais no Brasil começou a arder há muito tempo, mas nunca antes estivemos tão próximos do ponto em que a Amazónia não terá mais a capacidade de autorregular-se para manter em equilíbrio a biodiversidade e a distribuição de água para todo o interior da América do Sul. O ponto sem retorno de recuperação seria alcançar os 40% de destruição, mas o aumento das temperaturas indica que é prudente não arriscar mais e manter o nível do desmatamento [desflorestação] em 20%, um limite que estamos a superar. Bom lembrar ainda, que é generalizada a ignorância sobre a verdadeira riqueza que a Amazónia esconde. Além da sua importância na regulação da humidade, do ar e da temperatura mundial, há um equilíbrio fino e invisível de um banco de diversidade incalculável, incluindo vírus e bactérias desconhecidos para nosso sistema imunológico e povos nativos que nunca tiveram contacto com a civilização.

Se o ponto sem retorno para a recuperação da floresta for invadido, não saberemos. Foto Sergio Vale
Se o ponto sem retorno para a recuperação da floresta for invadido, não saberemos. Foto Sergio Vale

Se o ponto sem retorno para a recuperação da floresta for invadido, não saberemos. A ganância e a vaidade irão permitir-nos morrer na ignorância e desaparecer juntamente com todos estes segredos que lá estavam guardados para preservar-nos.

Com o fogo ativo, sem retorno à vista, a saída para o impasse é uma miragem no deserto. O tempo da floresta não acompanha o tempo medíocre da vida humana que acaba muito antes da plenitude de uma árvore centenária. A Amazónia é um sistema frágil que se mantém graças a retroalimentação de nutrientes pela matéria orgânica que produz. Se queimar ou desmatar a terra fica infértil. E nós, que aqui estamos, não teremos tempo de ver as árvores centenárias que acumulam carbono, regulam o ar, o clima e a água do mundo.

Muitos bolsonaristas que acreditam que a Terra é plana, fazem a fumaça da ignorância alastrar-se rapidamente. Na terra dos bolsonaros não existe aquecimento global, o índio precisa modernizar-se, a ciência, os cientistas e os estudantes são comunistas e precisamos produzir mais soja para alimentar o gado que alimenta o homem. No planeta dos bolsonaros, toda fogueira tem serventia. Mesmo que a nuvem de fumaça dos incêndios que estão a destruir a Amazónia já seja vista até do espaço, na terra plana ela continua a nublar verdades enquanto o fogo também queima quem se opõe às leis da ganância. E assim foi demitido o diretor do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE), responsável pela monitorização da Amazónia, que há meses alertava para destruição em aumento da floresta.

A arrogância fez o governo negar o holocausto e recusar recursos do Fundo Amazónico vindo da Noruega e da Alemanha para promover o uso sustentável na maior floresta tropical do mundo. Em troca, preferiu receber a ajuda de 11 combatentes de incêndio de Israel. Sim, são 11 mesmo. Repito: não são 111. São ONZE. Como uma equipe de futebol para correr o equivalente a 4,2 milhões de campos de futebol com 70 mil focos de incêndio.

A ignorância fez o governo extinguir o departamento de combate ao desmatamento do Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (IBAMA), acusar as ONGs que trabalham na região, subestimar a gravidade da situação e só tomar providências depois da pressão internacional.

A ganância na gestão pública de Bolsonaro é terrorismo de Estado. Como também é terrorismo de Estado a cumplicidade com o crime ambiental, o ataque aos cientistas e aos dados produzidos por cientistas, o silêncio frente à invasão de terras indígenas para mineração do ouro (que utiliza mercúrio no seu processo e contamina o maior reservatório de água em superfície do planeta) e a conivência com a violência. A cumplicidade do governo com o crime é Terrorismo de Estado em nome da ganância.

A educação publica foi a área que mais sofreu cortes em 2019. Foto: Leandro Taques / Mídia NINJA
A educação publica foi a área que mais sofreu cortes em 2019. Foto: Leandro Taques / Mídia NINJA 

A estratégia de destruição sistémica só é possível se a fogueira das vaidades for alimentada também pelas estruturas do conhecimento que garantem a ignorância generalizada a longo prazo. A educação publica foi a área que mais sofreu cortes em 2019 e o orçamento de 2020 já mostrou que a situação vai piorar. Entretanto, as empresas da educação privada estão em alta na bolsa de valores. A educação deixa de ser um direito e transforma-se em produto no país com mais de 5 milhões de pessoas que não tem o que comer para conseguir aprender a ler.

Ainda que a fogueira das vaidades esteja a arder há séculos, nunca antes um líder brasileiro havia demonstrado arrogância, ignorância e ganância de forma tão explícita. Nunca antes um líder brasileiro esteve a desafiar pessoal e abertamente o senso comum dos direitos universais e do equilíbrio das relações internacionais. Nunca antes um líder brasileiro havia rotundamente negado diálogo com todos os setores progressistas do mundo e transformado a destruição dos marcos civilizatórios no seu plano de governo, em nome de um patriotismo antiquadamente militarizado e uma soberania subserviente a interesses obscuros.

Na terra plana dos bolsonaros, a estratégia é o silencio sobre suas verdadeiras intenções. Quando a opinião pública internacional faz ruído, o governo sustenta-se no direito à soberania. Os acontecimentos do Brasil sob o governo de extrema direita têm sido repercutidos na imprensa internacional, mas a grandiosidade da Amazónia fez aumentar o ruído e uniu a todos.

Brasileiros que conseguem ter acesso à informação que não está manipulada pelo governo, despertam diariamente no pesadelo, sem entender como deixaram escapar o cavalo selvagem do fascismo que tanto seduz os arrogantes, gananciosos e ignorantes.

O holocausto está institucionalizado no Brasil e o aumento de mais de 80% de incêndios na Amazónia será a câmara de gás que atingirá a todos a longo prazo quando estiver destruído um bioma que determina o ar que respira, a chuva que cai e o calor que queima no mundo inteiro.

E o que acontece quando um holocausto se instala? A selvajaria.

Se para o presidente do Brasil, a Amazónia “é a virgem que todo tarado quer”, podemos imaginar como corre solto o cavalo selvagem no ritmo de quem o monta.

Se fosse mesmo a existência de alma o que definia a diferença entre nós e os “selvagens” que encontrámos quando chegámos no Brasil há 500 anos, teríamos de admitir que nossa alma foi a primeira a queimar na fogueira das vaidades que está a destruir a Amazónia.

Selvagens somos nós.

Alessandra Fonseca é bióloga, professora dra. associada da Universidade Federal de SC;

Cintya Floriani é jornalista, gestora de projetos e doutoranda da Universidade de Lisboa.

(...)

Resto dossier

Bombeiros combatem as chamas no estado do Acre, Amazónia brasileira. Foto Lusa/EPA.

Amazónia

A Amazónia continua a sofrer a desflorestação e as queimadas, em proporções inéditas. Neste dossier, o cientista do clima Alexandre Araújo Costa, num artigo especial para o Esquerda.net, lança o apelo: o ecocídio tem de ser travado. Dossier coordenado por Luis Leiria.

Fumo dos incêndios da Amazónia obscurece o sol perto de Porto Velho, Rondónia, Brasil. Foto de Joedson Alves, Lusa/EPA

Salvar a Amazónia das Garras de Bolsonaro e do Capital

O ecocídio precisa ser contido. Bolsonaro e os ruralistas precisam ser detidos. As consequências de seus atos já seriam suficientemente abomináveis se permanecessem circunscritas ao território do Brasil, mas não! Os efeitos são planetários. Por Alexandre Araújo Costa.

O mesmo lugar, antes e depois do fogo. Fotos do Facebook de Erika Berenguer.

“As cinzas do Brasil agora buscam a gente até na grande metrópole”

No dia 23 de agosto, a investigadora brasileira Erika Berenguer, há 12 anos a trabalhar na Amazónia e há dez a investigar o impacto do fogo na floresta, escreveu um post no Facebook. Teve 51 mil “gostos”, 60 mil partilhas e 11 mil comentários.

Monitoramento e combate ao Incêndio na região de Sorriso no Norte de MT. Foto: Mayke Toscano/Secom-MT

A Fogueira das Vaidades

No planeta dos bolsonaros, toda fogueira tem serventia. Mesmo que a nuvem de fumaça dos incêndios que estão a destruir a Amazónia já seja vista até do espaço, na terra plana ela continua a nublar verdades enquanto o fogo também queima quem se opõe às leis da ganância. Por Alessandra Fonseca e Cintya Floriani

Raoni Metuktire (Kapot, no Mato Grosso, em 1930) é um líder indígena brasileiro da etnia caiapó. É conhecido internacionalmente por sua luta pela preservação da Amazónia e dos povos indígenas.

“Nós, povos da Amazónia, estamos cheios de medo. Em breve vocês também terão”, diz cacique Raoni

“Você destrói nossas terras, envenena o planeta e semeia a morte, porque está perdido. E logo será tarde demais para mudar. Então você sentirá o medo que nós sentimos.” Leia na íntegra texto do Cacique Raoni Metuktire publicado no jornal The Guardian. De Mídia Ninja.

Manifestação em defesa da Amazónia. Foto Mídia Ninja

Para barrar a devastação da Amazónia, boicote às exportações brasileiras predatórias

O movimento só terá eficácia se golpear interesses económicos estratégicos do bloco no poder. É preciso penalizar o agronegócio e o extrativismo pelos crimes dos quais eles são cúmplices. Posição da Insurgência, corrente interna do PSOL.

Incêndio em Porto Velho no dia 9 de setembro de 2019. Foto de Fernando Bizerra Jr, Lusa/EPA.

Amazónia arde cada vez mais

Apesar de Bolsonaro ter enviado para a Amazónia 44 mil militares para combater os fogos, a área ardida em agosto foi mais de quatro vezes superior à do mesmo mês no ano passado. Área desflorestada nesse mês também representou um aumento de 222% em relação a agosto de 2018.

Bolsonaro nunca escondeu a sua hostilidade às políticas ambientais. Foto Lusa/EPA

Bolsonaro sempre contra o meio ambiente

Ainda antes de ser eleito presidente do Brasil, Bolsonaro já demonstrava desprezo pela preservação do Meio Ambiente, que considerava um obstáculo ao desenvolvimento do país. A seguir, uma seleção de frases e de ações que mostram essa obsessão do capitão contra as políticas ambientais.

Michael Löwy: Em vez da soja e do boi para o mercado mundial, por que não uma agricultura camponesa orgânica, voltada para o mercado interno? Foto USP

Michael Löwy: A emergência climática é a questão política central da nossa época

Para impedir uma catástrofe climática sem precedentes, é preciso deixar o petróleo e o carvão no solo, o que a oligarquia fóssil que governa o sistema nunca aceitaria. Numa transição ao ecossocialismo podem-se criar as condições para substituir as energias fósseis por renováveis, defende o sociólogo nesta entrevista de Patricia Fachin, publicada no IHU Online.