Está aqui

A ferrovia está a sangrar

A CP no último ano perdeu 3,3% dos seus passageiros. Os números são da empresa. Partamos deste número, na atual conjuntura económica e social, para perceber como o Governo pretende destruir a empresa e reduzir drasticamente o transporte ferroviário no nosso país.
Foto de Paulete Matos

Numa conjuntura marcada pelos preços altíssimos dos combustíveis, pela introdução de portagens nas SCUT, pelos cortes nos salários, pela perda continuada de poder de compra, a função do transporte público coletivo ganha uma dimensão superior. Uma boa gestão das empresas de transporte definiria como prioritária uma estratégia para ganhar clientes e utilizadores.

Os transportes públicos e os ferroviários de uma forma particular, deviam aproveitar esta situação para relançar a sua atividade, única forma para fazer baixar os desequilíbrios orçamentais. Ao mesmo tempo que se prestava um serviço fundamental às populações e ao país, promovendo o direito à mobilidade, com ganhos substanciais para o ambiente e para a organização das cidades. O tempo é de transporte coletivo, a própria conjuntura empurra para isso, mas a CP perdeu 3,3% dos passageiros e as medidas do Governo vão no sentido contrário: aumentam os preços, reduzem o passe social e diminuem a oferta de transportes.

Os governos anteriores deixaram as empresas de transportes públicos numa situação desgraçada, acumulando-se défice sobre défice, juros a somar aos juros. A CP paga mais em juros anualmente - 147 milhões de euros - do que em salários e encargos com a segurança social, que somam 122 milhões de euros.

Mas o Governo PSD/CDS agrava ainda mais a situação. A preocupação não é salvar as empresas públicas, é destrui-las, privatizando o que é rentável e colocando no desemprego milhares de trabalhadores e trabalhadoras.

Encerrar cerca de 500 km de linhas, tal qual fez Cavaco Silva nos anos 90, privando uma parte significativa do país, e em particular do interior, de mobilidade ferroviária contribuindo para o seu isolamento, fechar estações, reduzir a oferta de comboios e de carruagens diminuindo a qualidade dos serviços prestados e assim afastar potenciais utilizadores, é o que o Governo tem para oferecer. Não nos iludamos, é isto que está em marcha.

Propõem-se privatizar o que dá lucro, começando pelo transporte de mercadorias - a “CP-Carga”, continuando nos serviços suburbanos e no longo curso, com o serviço “Alfa” para começar, deixando para a CP pública o que dá prejuízo. Existem linhas que dão prejuízo, mas uma lógica de serviço público e uma boa gestão da empresa levariam a que os serviços que dão lucro compensassem estes. Separar o que dá lucro para entregar aos privados é o mesmo que declarar a morte da empresa. Mas o trabalho do Governo não se fica por aqui: antes da entrega aos privados, tratam de aumentar o preço dos bilhetes e das várias modalidades de passes. No sector das mercadorias entregam 400 vagões novos, ao futuro “proprietário”.

A redução de serviços vai sobrar para os trabalhadores, pois facilmente se conclui que sobram ferroviários.

Existe ainda outra consequência muito dramática, que atingirá a empresa de reparação e manutenção do material ferroviário, EMEF. Menos serviços, menos comboios em circulação, logo menos desgaste do material, logo trabalhadores a mais.

Uma parte significativa da frota da CP está hoje parada devido à redução de oferta de serviços, e parte da dívida da CP está no investimento feito em material circulante que agora se encontra encostado. Este é um País sem planeamento, sem rumo, onde se tomam decisões a pensar apenas no dia de amanhã e nos interesses instalados.

O Presidente da CP fala em excesso de capacidade instalada, o Secretário de Estado confirma. Traduzindo é a ameaça de despedimentos que está aí.

A tendência para perder passageiros vai manter-se e aumentar. As receitas vão diminuir, como aconteceu este ano. O aumento de 20% nas tarifas traduziu-se em apenas 8% nas receitas. A CP precisava de uma política bilhética radicalmente diferente daquela que tem sido aplicada, uma política ofensiva que apostasse na juventude para captar novos públicos e os fidelizasse, este é o tempo para isso.

Os últimos desenvolvimentos, que trouxeram a público a ameaça de não pagamento de salários caso os trabalhadores façam greve, só podem ser vistos à luz do que é dito atrás. Para concretizar estes objetivos eles precisam de envenenar a opinião pública, como já começaram a fazer ao falarem das “inúmeras e injustificadas” regalias dos ferroviários e não hesitarão em virar trabalhadores contra trabalhadores.

O plano estratégico de transportes aponta para a redução de administrações e administradores, porque não reconhecem que foi um erro histórico a divisão da CP em várias empresas, cujos interesses se chocam com frequência e unificam estas empresas tutelando-as com apenas uma administração, que significaria uma redução substancial de custos, mas acima de tudo, uma viragem clara no reforço da segurança ferroviária, uma aposta clara no sector ferroviário como estratégia de apoio à economia e uma visão ampla do papel que a ferrovia deve ter na construção de um País equilibrado geograficamente.

Os ferroviários são trabalhadores com consciência de classe, com uma história, com sentido de serviço público. A ferrovia é obra sua, são os governantes que a destroem. Cada linha que fecha é uma amputação do seu esforço. Estão em preparação várias formas de luta para janeiro pela defesa dos postos de trabalho, mas também pela defesa do serviço público ferroviário. É uma luta de todos – trabalhadores e populações. Só assim será possível responder a este ataque às empresas públicas e ao transporte coletivo. Caso contrário a sangria continua.

(...)

Resto dossier

Plano governamental contra transportes públicos

O objetivo do Governo de Passos Coelho é a privatização das principais empresas públicas de transportes. Por isso, e em particular nas áreas metropolitanas de Lisboa e Porto, encerram linhas e carreiras, aumentam drasticamente preços, preparam despedimentos. Procuram fazer o trabalho sujo para a entrega aos privados. Dossier organizado por Carlos Santos

A Resposta Socialista à política neoliberal nos transportes do Governo PSD/CDS

O Governo Passos Coelho/Paulo Portas prepara a maior ofensiva de sempre no pós 25 de Abril contra o transporte público: a privatização de todos os principais operadores de transporte público no país e, em particular, nas áreas metropolitanas de Lisboa e Porto. Para tornar essas empresas mais “apetecíveis” o Governo vai-se encarregar, em 2012, de fazer o “trabalho sujo”, isto é, despedir trabalhadores, reduzir a oferta de transportes e voltar a aumentar o preço dos transportes.

A insustentabilidade da dívida das empresas de transportes públicos

Os encargos com juros da dívida já representam 76% dos prejuízos das empresas de transportes públicos. Apesar disso, foram despedidos 37% dos trabalhadores nos últimos 10 anos. Será legítimo despedir e cortar nos serviços prestados à população para garantir as taxas de rentabilidade às instituições financeiras?

A ferrovia está a sangrar

A CP no último ano perdeu 3,3% dos seus passageiros. Os números são da empresa. Partamos deste número, na atual conjuntura económica e social, para perceber como o Governo pretende destruir a empresa e reduzir drasticamente o transporte ferroviário no nosso país.

O Metro do Porto e o caminho para a privatização

O que a Empresa de Transportes do Porto vem anunciar é o novo modelo de privatizações que aí vem: o modelo do Metro do Porto, investimento público / lucro privado, é alargado a todas as empresas de transporte público do Porto e Lisboa sob a capa das fusões.

O transporte público e a exclusão social

Se forem limitadas as ligações entre as duas margens e entre os concelhos limítrofes de Lisboa, prejudica-se de forma muito penalizadora os trabalhadores e trabalhadoras e “fecha-se o centro” isolando-o da periferia.

Passe sub23, gordura do Estado?

O Governo vai acabar já em Janeiro com essa gordura do Estado que é o Passe Escolar sub23, para estudantes universitários.

Cortes nos transportes públicos em Lisboa

O estudo encomendado pelo governo prevê o fim de 23 carreiras da Carris, incluindo a rede da madrugada, das ligações da Transtejo para a Trafaria e Seixal e acaba com a do Montijo ao fim de semana. As outras, assim como pelo menos algumas estações do metro, vão fechar mais cedo. Os utentes falam em "recolher obrigatório" para a Margem Sul e o Bloco diz que é "um ataque sem precedentes" ao direito à mobilidade da população.

Petição contra o fecho da carreira 18 dos elétricos de Lisboa

De acordo com o documento “Simplificação Tarifária e reformulação da Rede de Transportes da Área Metropolitana de Lisboa” o elétrico 18 vai acabar. Uma petição contra o fim da carreira já recolheu mais de 1.100 assinaturas.

Redução de comboios na linha de Sintra

As novas escalas, introduzidas a 11 de dezembro, reduzem substancialmente a frequência e número de comboios na linha de Sintra, especialmente nas horas de ponta. Sindicato diz que o acordo da empresa não está a ser respeitado. Bloco questiona ministro da Economia e Emprego.

Utentes vão pagar ainda mais por menos serviços, objetivo é o fim do passe social

O estudo encomendado pelo governo sobre a ‘Simplificação Tarifária e Reformulação da Rede de Transportes da Área Metropolitana de Lisboa’ prevê, a par da redução de serviços, o fim dos passes respeitantes a um só transporte, o que poderá levar a um acréscimo da despesa mensal de 41%. O objetivo do Governo é o fim do passe social.

Trabalhadores marcam semana de luta em janeiro

Os trabalhadores dos transportes vão realizar uma semana de luta com greves na segunda quinzena de janeiro. Protestam contra: A redução dos salários; o despedimento de trabalhadores no sector público de transportes; o fim dos Acordos de Empresa e da negociação coletiva; o fim do serviço público de transportes e a entrega das concessões a empresas privadas; a redução da oferta de transporte e o aumento das tarifas.

O direito à greve e as bilheteiras da CP

O que assistimos é inqualificável, a porta-voz de uma empresa do sector empresarial do Estado, ameaça com o não pagamento dos salários caso se realizem mais greves.

Metro Mondego: Bloco exige apuramento de responsabilidades e compromisso com as obras

O Ministro dos Assuntos Parlamentares, Miguel Relvas, anunciou a suspensão do Sistema de Mobilidade do Mondego e a avaliação da extinção da Sociedade Metro Mondego. O Bloco de Esquerda de Coimbra exige que o Governo honre, de uma vez por todas, os compromissos assumidos pelo Estado Português, ao longo dos anos, com as populações dos concelhos de Coimbra, Lousã e Miranda do Corvo.

Bloco apresenta projeto de resolução para evitar encerramento da linha do Vouga

O Plano Estratégico de Transportes (PET) afirma a: “Desativação, até ao final de 2011, do serviço de passageiros da linha do Vouga”. Os deputados do Bloco de Esquerda apresentaram na Assembleia da República um projeto de resolução para evitar o encerramento da linha do Vouga.

Aeroporto do Porto: fim da ANA, começo de quê?

A propósito do anunciado desmantelamento da ANA, entidade pública gestora dos aeroportos portugueses, convém ter em conta as experiências desastrosas de outras operações de privatização de aeroportos. O caso inglês é muito elucidativo.