Está aqui

Cronologia da Revolução Alemã 1917-1920

Nesta cronologia mostra-se a sequência dos acontecimentos mais marcantes a revolução alemã. Desde a cisão partidária devido ao apoio da social-democracia ao esforço de guerra nacionalista até ao final do processo revolucionário.

1917

6-8 de abril: Formação do USPD, Partido Social-Democrata Independente da Alemanha, uma cisão do SPD que se opôs ao apoio do partido ao esforço de guerra alemão. O grupo político do Rosa Luxemburgo e de Karl Liebknecht, que adotará o nome de Liga Espartaquista, participa com autonomia neste partido.

14 de abril: Governo alemão anuncia redução nas rações de pão.

15 de abril 200 mil grevistas na Alemanha.

7 de novembro/25 de Outubro: Revolução Russa.

22 de dezembro: Começo das negociações de paz entre Rússia e Alemanha em Brest Litovsk.

1918

14 de janeiro: Greves massivas na Áustria-Hungria.

28 de janeiro: Revolução na Finlândia – governo operário no poder.

Greve geral de seis dias na Alemanha junta mais de um milhão de trabalhadores. Revindicava-se a “conclusão rápida de uma paz sem anexação”, o levantamento do estado de sítio, a libertação dos prisioneiros políticos e a democratização das instituições.

15-17 de abril: Novas greves em Berlim.

1 de outubro: A Liga Espartaquista apela à revolução e à formação de “Conselhos Operários”.

3-4 de outubro: Príncipe Maximilian von Baden nomeado Chanceler; líderes do SPD, Partido Social-Democrata Alemão, entram no governo.

16 de outubro: mais de 5 mil manifestantes convocados pelo USDP em Berlim exigem a queda do governo.

25 de outubro: No Reichstag, o deputado da Liga Espartaquista Otto Rühle apela à “abdicação do imperador” e à “revolução socialista”.

27-31 de outubro: Em Kiel, os marinheiros de dois navios de guerra recusam-se a participar numa expedição militar. Na sequência da revolta, 400 marinheiros amotinados são presos.

30 de outubro: Governo social-democrata formado na Áustria depois de manifestações massivas.

31 de outubro: Início da revolução Húngara.

1-3 de novembro: Manifestações de marinheiros em Kiel pela libertação dos 400 marinheiros.

4 de novembro: Conselho de Trabalhadores e Soldados formado em Kiel congregando 20 mil revoltados. Criação de conselhos de operários e de soldados em Estugarda.

5 de novembro: Greve geral em Kiel.

6 de novembro: Greve geral em Hamburgo. Criação de conselhos de operários e de soldados em Hamburgo e em Bremen. A Liga Espartaquista, o USPD e o SPD exigem o armistício e a abdicação de Guilherme II.

7 a 9 de novembro: O levantamento revolucionário de trabalhadores, marinheiros e soldados espalha-se por toda a Alemanha. Criação de conselhos de operários e de soldados em Leipzig, Frankfurt, Dresden…

Primeiro, uma manifestação de 10 mil trabalhadores faz a monarquia Bávara cair. A República é proclamada em Munique por uma coligação SPD-USPD-Liga dos Camponeses e Kurt Eisner é eleito presidente do Conselho. Depois, na sequência de uma greve geral em Berlim, a República Alemã é proclamada por Philipp Scheidemann (SPD). Ebert (SPD) torna-se Chanceler.

Rosa Luxemburgo é libertada da prisão de Breslau. A Liga Espartaquista cria o diário Rote Fahne (Bandeira Vermelha).

10 de novembro: Formação do governo do governo do “Conselho dos Comissários do Povo” com três membros do SPD (Ebert, Scheidemann e Landsberg) e três do USPD (Haase, Dittmann e Barth). A Liga Espartaquista denuncia a continuidade com o regime precedente e recusa fazer parte deste conselho. Guilherme II foge para a Holanda.

11 de novembro: É assinado o armistício com os aliados.

12 de novembro: O Conselho dos Comissários do Povo anuncia a sua intenção de “implementar um programa socialista.” A República é proclamada na Áustria.

16 de novembro: A República é proclamada na Hungria.

18 de novembro: Num artigo na Rote Fahne, Rosa Luxemburgo exige o fim da pena de morte.

19 de novembro-17 de dezembro: Greves na Saxónia e no Ruhr.

25 de novembro: Conferência dos governos regionais. A maior parte apoia o Conselho dos Comissários e Ebert mas o presidente do Conselho de Brunswick, Auguste Merges (Liga Espartaquista), exige a transferência do poder para os Conselhos de Operários e Soldados.

28 de novembro: Em Berlim, cartazes apelam ao assassinato de Karl Liebknecht. Rosa Luxemburgo é objeto de ataques anti-semitas na imprensa de direita.

6 de dezembro: O Conselho dos Comissários do povo convoca eleições para uma assembleia constituinte para o dia 15 de fevereiro de 1919. Pela primeira vez na Alemanha as mulheres teriam o direito de voto.

16-21 de dezembro: Primeiro Congresso Nacional dos Conselhos de Trabalhadores e Soldados em Berlim. O SPD tem maioria absoluta. O congresso reconhece o Conselho de Comissários do Povo, exige medidas imediatas de socialização e adota a destituição de todos os oficiais do exército e a eleição de novos oficiais pelos soldados (esta medida não será aplicada).

23-25 de dezembro: “Natal sangrento”. Revolta da Divisão Naval do Povo (Volksmarinedivision). 3 000 marinheiros vindos de Kiel insurgem-se após a provocação do chanceler Friedrich Ebert que decide parar de lhes pagar o salário com objetivo de neutralizar o que considerava uma ameaça revolucionária. Os revoltosos prendem Otto Wels e tomam o palácio da Chancelaria no dia 23. A 24 o exército ataca a Divisão. 68 dos marinheiros são mortos. Os operários, alertados pelo barulho de armas de fogo, acorrem ao local e a tropa é derrotada.

27 de dezembro: Crise no Conselho dos Comissários: desacordo entre o SPD e o USPD sobre a política a seguir.

29 de dezembro: Demitem-se os três membros do USPD do Conselho de Comissários em desacordo particularmente com a repressão sangrenta das manifestações. São substituídos por três elementos do SPD.

Abertura do Congresso de fundação do Partido Comunista da Alemanha (KPD) a partir da Liga Espartaquista.

30 de dezembro: O congresso do KPD adota o programa proposto por Rosa Luxemburgo.

31 de dezembro: Contra a posição de Rosa Luxemburgo e Karl Liebknecht, o congresso pronuncia-se pelo boicote às eleições.

Fim de dezembro; Tropas dos Freikorps deslocam-se para Berlim. Os Freikorps eram forças paramilitares conservadoras constituídas a partir de ex-combatentes da I Guerra Mundial.

1919

1 de janeiro: Fim do Congresso do KPD. Eleição da coordenação central com 12 membros (entre os quais Kate Duncker, Hugo Eberlein, Paul Frolich, Leo Jogiches, Paul Levi, Karl Liebknecht, Rosa Luxemburgo).

4 de janeiro: O chefe da polícia de Berlim, Emil Eichhorn (USPD) é destituído pelo governo Ebert. Apelo unitário USPD/KPD para uma manifestação no dia seguinte contra esta destituição.

5/6 de janeiro: Forte manifestação em Berlim. Uma Comissão revolucionária é eleita, dirigida por Georg Ledebour (USPD) e Karl Liebknecht (KPD), tendo como finalidade substituir o Conselho dos Comissários. Apelo à greve geral.

6 de janeiro: Manifestações e combates em Berlim. Noske, ministro da Defesa do SPD, utiliza os Freikorps como aliados, atacando posições dos trabalhadores.

7 de janeiro: Greves em Hamburgo e Brunswick. O exército dispara contra manifestantes em Munique.

9 de janeiro: Combates em Berlim e Spandau. O exército atira sobre os manifestantes em Dresden.

10 de janeiro: O exército atira sobre manifestantes em Estugarda. Os dirigentes do KPD em Nuremberga são presos. Proclamação da República dos Conselhos em Bremen.

11 de janeiro: Georg Ledebour (USPD) e Ernest Meyer (KPD) são presos em Berlim. Rosa Luxemburg e Karl Liebknecht entram na clandestinidade. Greve em Leipzig.

12-14 de janeiro: A última resistência dos trabalhadores é esmagada pelas tropas de Noske.

15 de janeiro: Rosa Luxemburgo e Karl Liebknecht são presos e de seguida assassinados pelos Freikorps sob ordem de Gustav Noske (SPD).

16 de janeiro: O jornal do KPD é interdito.

19 de janeiro: Eleições para a Assembleia Nacional. O KPD boicota as eleições. SPD-USPD conseguem 45% dos votos.

20 de janeiro: Os assassinatos de Rosa Luxemburgo e de Karl Liebknecht tornam-se conhecidos. Greves de protesto durante três dias. 8 dias de luto em Eisenach. Estado de sítio proclamado em Hamburgo.

24 de janeiro: A polícia dispara contra desempregados em Berlim.

29 de janeiro: Morte de Franz Mehring (KPD), biógrafo de Karl Marx.

6 de fevereiro: Assembleia Nacional reúne em Weimar.

11 de fevereiro: Ebert é eleito Presidente da República.

13 de fevereiro: Scheidemann forma o primeiro governo de coligação do SPD com o DDP (Partido Democrata Alemão) e o Partido do Centro (católicos).

17 de fevereiro: Greve geral no Ruhr.

21 de fevereiro: O primeiro ministro da Baviera, Eisner do USPD, é assassinado por um monárquico.

22 de fevereiro: O estado de sítio é proclamado em Munique.

26 de fevereiro: Greve geral em Leipzig até 10 de março.

1-3 de março: Combates em Halle: 55 mortos.

3 de março: Greve geral em Berlim. Os grevistas exigem o poder dos conselhos operários e a libertação dos prisioneiros políticos (entre os quais Ledebour - USPD). Proclamado o estado de sítio que vai durar até 5 de dezembro.

5 de março: Combates em Berlim.

2-6 de março: Congresso de Fundação da Internacional Comunista.

8 de março: A revolta de Berlim é esmagada pelo exército.

10 de março: Leo Jogiches (KPD) é preso e assassinado na prisão.

12-15 de março: repressão em Berlim: 1200 revolucionários são fuzilados.

31 de março: Greve geral no Ruhr até 28 de abril.

3 de abril: Greve em Breslau.

7 de abril: República dos Conselhos da Baviera declarada em Munique. O exército ataca a Baviera.

8-14 de abril: Segundo Congresso Nacional dos Conselhos de Trabalhadores e Soldados: maioria SPD; apoio à república parlamentar burguesa.

19 de abril: Renovação do Comité executivo dos Conselhos operários da Grande-Berlim: o USPD obtém 47%, o SPD 25%, o KPD 16%.

1-4 de maio: O exército retoma o controlo de Munique. Fim da República dos Conselhos de Munique. Os seus dirigentes são julgados e fuzilados.

6 de junho: Eugen Leviné, membro fundador do KPD, é fuzilado devido ao seu papel na República dos Conselhos de Munique.

27 de junho: Supressão do direito à greve para os trabalhadores ferroviários.

28 de junho: Tratado de Versalhes.

11 de agosto: Adoção da Constituição de Weimar.

18 de agosto: Greve dos metalúrgicos em Berlim.

20 de outubro: Congresso do KPD. A “esquerda”, anti-parlamentar e anti-sindical, é excluída; formará em 1920 o KAPD.

7 de novembro: Hugo Haase (USPD) é assassinado.

5 de dezembro: Fim do estado de sítio em Berlim.

12 de dezembro: A interdição do jornal do KPD é levantada.

1920

24 de fevereiro: Hitler apresenta o programa do NSDAP.

13-17 de março: Tentativa de golpe da extrema-direita chefiada por Kapp e Luettwitz e apoiado pelos Freikorps. Ebert e os ministros fogem de Berlim mas uma greve geral faz o golpe fracassar.

24 de março: Noske e o chefe do exército Reinhardt demitem-se.

6 de junho: Eleições para o Reichstag. O SPD desce de 37.9% para 21.6%, o USPD sobe de 7.6% para 18%. O KPD tem 2%.

julho: Segundo Congresso da Internacional Comunista.

Outubro: Congresso de Halle do USPD, a maioria decide juntar-se ao KPD como parte da Internacional Comunista. O partido cinde.

(...)

Resto dossier

Rosa, uma vida cor de luta

A revolução alemã faz cem anos. E com ela o assassinato de Rosa Luxemburgo, de Karl Liebknecht e de tantas e tantos outros. Ocasião para revisitar a vida e obra de Rosa Luxemburgo. Dossier organizado por Carlos Carujo.

A revolução esquecida

Revolução alemã? A expressão causará estranheza em muitas pessoas. O que se passou na Alemanha há cem anos foi apagado da memória coletiva. Mas não foi um detalhe. Foram momentos decisivos que se pagaram caro. Esmagada brutalmente primeiro e esquecida cinicamente depois, há que lembrá-la.

Rosa Luxemburgo, a marxista menos eurocêntrica?

A leitura de Isabel Loureiro da teoria da acumulação do capital de Rosa Luxemburgo vai além da mera análise dos seus “erros” como tem sido tradicionalmente feito por alguns autores. Loureiro revela uma economista que abre portas à compreensão do papel dos países periféricos na economia capitalista.

Rosa Luxemburgo: uma vida revolucionária

Rory Castle apresenta-nos a vida de Rosa Luxemburgo.  E conclui que "as suas ideias e por vezes a mera menção do seu nome continuam a provocar, inspirar e desafiar 'como o estalar de um trovão'."

Rosa Luxemburgo: um legado para as feministas?

Nancy Holmstrom discute o legado feminista de Rosa Luxemburgo à luz de alguns debates contemporâneos. Para além do exemplo de uma vida emancipada, haverá um feminismo de Rosa Luxemburgo?

O que quer a Liga Espartaquista?

Anti-militarismo, democracia de base, socialização dos meios de produção. Este texto programático foi escrito por Rosa Luxemburgo, publicado no final de 1918, e aprovado em seguida no congresso de fundação do Partido Comunista da Alemanha com poucas alterações.

Rosa Luxemburgo, uma teoria em ação

Gabriel Maissin sintetiza os aspetos fundamentais do pensamento de Rosa Luxemburgo: da polémica contra o revisionismo, à sua teoria da greve de massas, ao seu diálogo crítico com os bolcheviques e à sua teoria económica sobre “a acumulação do capital”.

Cronologia da vida de Rosa Luxemburgo

Das suas origens polacas, ao período como estudante na Suíça até às vicissitudes da sua ação política na Alemanha, esta cronologia da vida de Rosa Luxemburgo apresenta-nos as principais etapas da vida da dirigente revolucionária.

Cronologia da Revolução Alemã 1917-1920

Nesta cronologia mostra-se a sequência dos acontecimentos mais marcantes a revolução alemã. Desde a cisão partidária devido ao apoio da social-democracia ao esforço de guerra nacionalista até ao final do processo revolucionário.

De Rosa Luxemburgo à social-democracia libertária

Philippe Corcuff identifica no pensamento de Rosa Luxemburgo a possibilidade de uma via alternativa ao bolchevismo e ao anarquismo. A sua posição sobre a relação entre meios e fins da ação revolucionária seria assim a base de uma “nova política da emancipação”.

A Rosa vermelha e os coletes amarelos

António Louçã reflete neste artigo sobre a atualidade do pensamento de Rosa Luxemburgo no tempo da revolta dos coletes amarelos concluindo que “as alternativas pseudo-reformistas do nosso tempo confirmam o sentido mais geral da argumentação de Rosa Luxemburg sobre a natureza do reformismo”.

Michael Löwy: O pensamento de Rosa Luxemburgo (1ª parte)

Primeira parte de um texto de Michael Löwy, filósofo e sociólogo marxista brasileiro radicado em França, onde dirige o Centre National de la Recherche Scientifique (Centro Nacional de Pesquisa Científica).

Socialismo ou barbárie, Michael Löwy sobre Rosa Luxemburgo (2ª parte)

Segunda parte do texto de Michael Löwy sobre o pensamento de Rosa Luxemburgo. A primeira parte do artigo foi publicada no sábado, dia 19 de março.