Carta dos cordões industriais de Santiago a Allende – 5 de setembro de 1973

A 5 de setembro de 1973, a Coordenação Provincial de Cordões Industriais enviou uma carta ao Presidente da Unidade Popular, Salvador Allende. Nele, exigem medidas urgentes para evitar um golpe e uma ditadura militar.

09 de setembro 2023 - 20:52
PARTILHAR

Os Cordões Industriais foram uma coordenação de base dos trabalhadores que ocuparam e administraram centenas de empresas, que responderam nas fábricas e nas ruas às tentativas de reação (como a greve patronal de outubro de 1972) e constituíram um organismo inicial do poder operário.

Nesta carta, eles questionam Allende sobre a atitude moderada e conciliadora do governo, que em vez de desenvolver a força de auto-organização e mobilização do movimento operário e popular, procurou o diálogo com os democratas-cristãos e a direita, o parlamento reacionário e os militares, aceitando medidas (como o Plano de Milhas para o retorno das empresas ou a Lei de Controlo de Armas) que tendiam a enfraquecer o poder dos trabalhadores e do povo. a ameaça real aos capitalistas, ao imperialismo e aos militares que impuseram o golpe.

Os Cordões Industriais constituíram o mais avançado do processo revolucionário dos anos 70 e da classe operária chilena.

Carta enviada pelo Coordenador de Cordões a Salvador Allende

A Sua Excelência o Presidente da República, Companheiro Salvador Allende:

Chegou o momento em que a classe operária organizada na Coordenação Provincial de Cordões Industriais, no Comando Provincial de Abastecimento Direto e na Frente Unida dos Trabalhadores em conflito considerou urgente dirigir-se a si, alarmada com o desencadeamento de uma série de eventos que acreditamos que nos levarão não apenas à liquidação do processo revolucionário chileno, mas, a curto prazo, a um regime fascista do corte mais cruel e criminoso.

Antes, tínhamos o temor de que o processo em direção ao socialismo estivesse a ser comprometido para chegar a um governo centrista, reformista, democrático-burguês que tendesse a desmobilizar as massas ou a levá-las a ações insurrecionais de tipo anárquico por instinto de preservação.

Mas agora, analisando os últimos acontecimentos, o nosso medo já não é esse, agora temos a certeza de que estamos numa ladeira que inevitavelmente nos levará ao fascismo.

Por isso, passamos a elencar as medidas que, como representantes da classe trabalhadora, consideramos essenciais tomar.

Em primeiro lugar, camarada, exigimos que o programa da Unidade Popular seja cumprido: nós, em 1970, não votamos num homem, votamos num Programa.

Curiosamente, o primeiro capítulo do Programa Unidade Popular intitula-se “Poder do Povo”.

Citamos: Página 14 do programa:

“… As forças populares e revolucionárias não se uniram para lutar pela simples substituição de um Presidente da República por outro, nem para substituir um partido por outros no governo, mas para levar a cabo as mudanças fundamentais que a situação nacional exige, com base na transferência de poder dos antigos grupos dominantes para os trabalhadores, os setores camponeses e progressistas das camadas médias…”.

“Transformar as atuais instituições do Estado onde os trabalhadores e o povo têm o verdadeiro exercício do poder…”

“… O governo popular baseará essencialmente a sua força e autoridade no apoio que lhe for dado pelo povo organizado…”

Página 15:

“… Através de uma mobilização de massas, a nova estrutura de poder será constituída a partir das bases…”

Fala-se no programa de uma nova Constituição Política, de uma Câmara Única, da Assembleia Popular, de um Supremo Tribunal com membros nomeados pela Assembleia Popular. O programa indica que o uso das Forças Armadas para oprimir o povo será rejeitado… (pág. 24).

Camarada Allende, se não indicássemos que essas frases são citações do programa Unidade Popular, que era um programa mínimo para a classe, neste momento dir-nos-iam que essa é a linguagem “ultra” dos cordões industriais.

Mas perguntamos: onde está o novo Estado? A nova Constituição Política, a Câmara Única, a Assembleia Popular, os Tribunais Supremos?

Três anos se passaram, camarada Allende e você não confiou nas massas e agora nós, trabalhadores, temos desconfiança.

Nós, trabalhadores, sentimos uma profunda frustração e desânimo quando o seu Presidente, o seu Governo, os seus partidos, as suas organizações, lhes dão repetidamente a ordem de recuar em vez da voz para avançar. Exigimos que sejamos não apenas informados, mas também consultados sobre decisões, que afinal são definidoras para o nosso destino.

Sabemos que na história das revoluções sempre houve momentos para recuar e momentos para avançar, mas sabemos, temos absoluta certeza, que nos últimos três anos poderíamos ter vencido não apenas batalhas parciais, mas luta total.

Tendo tomado naquelas ocasiões medidas que tornaram o processo irrevogável, após o triunfo da eleição de vereadores de 71, o povo clamou por um plebiscito e a dissolução de um Congresso antagónico.

Em outubro (1972), quando foi a vontade e a organização da classe operária que mantiveram o país de pé diante da greve patronal, onde nasceram os cordões industriais no calor dessa luta e a produção, o abastecimento, o transporte foram mantidos graças ao sacrifício dos trabalhadores e o golpe mortal pôde ser dado à burguesia, não confiou em nós, apesar de ninguém poder negar o tremendo potencial revolucionário demonstrado pelo proletariado, e deu uma saída que foi um estalada na cara da classe trabalhadora, estabelecendo um Gabinete cívico-militar, com o agravante de incluir nele dois dirigentes da Central Única dos Trabalhadores, que ao concordarem em integrar esses ministérios, perderam a confiança da classe trabalhadora no seu organismo máximo.

Qualquer que fosse o caráter do governo, ele tinha que se afastar para defender qualquer fraqueza do governo diante dos problemas dos trabalhadores.

Apesar do refluxo e da desmobilização que isso produziu, da inflação, das filas e das mil dificuldades que os homens e mulheres do proletariado vivenciavam diariamente, nas eleições de março de 1973, mostraram mais uma vez a sua clareza e consciência ao dar 43% dos votos militantes aos candidatos da Unidade Popular.

Também aí, camarada, deveriam ter sido tomadas as medidas que o povo merecia e exigia para o proteger da catástrofe que agora apresentamos.

E já em 29 de junho, quando os generais e oficiais sediciosos aliados ao Partido Nacional, Frei e Pátria e Liberdade se colocaram francamente em posição de ilegalidade, os sediciosos poderiam ter sido decapitados e, confiando no povo e dando responsabilidade aos generais leais e às forças que então lhes obedeceram, ter levado o processo à vitória, ter ido à ofensiva. O que faltava em todas essas ocasiões era decisão, decisão revolucionária, o que faltava era confiança nas massas, o que faltava era conhecimento da sua organização e força, o que faltava era uma vanguarda determinada e hegemônica.

Agora, nós, trabalhadores, não estamos apenas desconfiados, estamos alarmados. A direita montou um aparato terrorista tão poderoso e bem organizado que é, sem dúvida, financiado e (treinado) pela CIA. Matam trabalhadores, explodem oleodutos, autocarros, ferrovias.

Produzem apagões em duas províncias, atacam os nossos líderes, as nossas instalações partidárias e sindicais.

São punidos ou presos?

Sem chimarrão!

Líderes de esquerda são punidos e presos.

Os Pablos Rodríguez, o Benjamins Mattes, confessam abertamente ter participado do “Tanquetazo”.

Estão a sofrer busca e apreensão ou são humilhados?

Não, companheiro!

A Lanera Austral de Magallanes é invadida onde um trabalhador é assassinado e os trabalhadores são mantidos deitados com a boca na neve por horas a fio.

Os transportadores paralisam o país, deixando casas humildes sem parafina, sem comida, sem remédios.

São assediados, são reprimidos?

Não, companheiro!

Os trabalhadores da Cobre Cerrillos, Indugas, Cemento Melón, Cervecerías Unidas são assediados.

Frei, Jarpa e suas trupes financiadas pela ITT pedem abertamente a sedição.

Perdem seu foro parlamentar, são processados?

Não, companheiro!

São processados, pede-se a perda de foro parlamentar de Palestro, de Altamirano, de Garretón, daqueles que defendem os direitos da classe trabalhadora.

Em 29 de junho, generais e oficiais tentaram um golpe contra o governo, invadindo o Palácio de la Moneda por horas e horas, causando 22 mortes.

São fuzilados, torturados?

Não, companheiro!

Os marinheiros e suboficiais que defendem a Constituição, a vontade do povo, e você, camarada Allende, são torturados de forma desumana.

Patria y Libertad incita ao golpe.

Estão presos, são punidos?

Não, companheiro! Continuam a dar conferências de imprensa, recebem salvo-condutos para conspirar no estrangeiro.

Enquanto Sumar é invadida, onde trabalhadores e moradores morrem, e os camponeses de Cautín, que defendem o governo, são submetidos aos castigos mais implacáveis, pendurados pelos pés, em helicópteros sobre as cabeças de suas famílias até serem mortos.

Vocês camaradas, nossos líderes, e através deles os trabalhadores como um todo são atacados da forma mais insolente e libertina pela media milionária da direita.

São destruídos, silenciados?

Não, companheiro!

A media de esquerda, o Canal 9 TV, última hipótese de voz para os trabalhadores, é silenciada e destruída.

E no dia 4 de setembro, no terceiro aniversário do governo dos trabalhadores, enquanto o povo, um milhão e quatrocentos mil, saía para saudá-los, para mostrar a nossa decisão e consciência revolucionária, a Força Aérea invadiu Mademsa, Madeco, Rittig, numa das mais insolentes e inaceitáveis provocações, sem qualquer resposta visível.

Por tudo o que foi dito, camarada, nós trabalhadores, concordamos num ponto com o Sr. Frei, que aqui só há duas alternativas: a ditadura do proletariado ou a ditadura militar.

É claro que Frei também é ingénuo, porque acredita que tal ditadura militar seria apenas uma ditadura transitória, para finalmente levá-lo à Presidência.

Estamos absolutamente convencidos de que o reformismo histórico, que é procurado por via do diálogo com aqueles que traíram repetidas vezes, é o caminho mais rápido para o fascismo.

E nós, trabalhadores, já sabemos o que é fascismo.

Até há pouco tempo, era apenas uma palavra que nem todos os colegas entendiam. Tivemos que recorrer a exemplos distantes ou próximos: Brasil, Espanha, Uruguai, etc.

Mas já o experimentamos na própria carne, nas invasões, no que está a acontecer com marinheiros e suboficiais, no que os companheiros de Asmar, Famae, os camponeses de Cautín estão a sofrer.

Já sabemos que o fascismo significa pôr fim a todas as conquistas da classe operária, das organizações operárias, dos sindicatos, do direito de greve, das listas de reivindicações.

Os trabalhadores que exigem os seus direitos humanos mínimos são demitidos, presos, torturados ou assassinados.

Consideramos não só que estamos a ser conduzidos pelo caminho que nos levará ao fascismo num tempo vertiginoso, mas que fomos privados dos meios para nos defendermos.

Por isso, exigimos de você, camarada presidente, se coloque à frente desse verdadeiro exército sem armas, mas poderoso em termos de consciência, determinação, que os partidos proletários deixem de lado as suas diferenças e se tornem a verdadeira vanguarda dessa massa organizada, mas sem liderança.

Exigimos:

1) Diante da greve dos transportadores, a requisição imediata dos camiões sem devolução pelas organizações de massa e a criação de uma Empresa Estatal de Transportes, para que a possibilidade de paralisar o país nunca mais esteja nas mãos desses bandidos.

2) Perante a criminosa greve da Faculdade de Medicina, exigimos que lhes seja aplicada a Lei de Segurança Interna do Estado, para que a vida das nossas mulheres e crianças nunca mais esteja nas mãos destes mercenários da saúde. Todo apoio aos médicos patrióticos.

3) Diante da greve dos comerciantes, não repita o erro de outubro em que deixamos claro que não precisávamos deles como corporação. Acabar com a possibilidade de que esses traficantes, em conluio com os transportadores, pretendam sitiar o povo pela fome. Que a distribuição direta, os armazéns do povo, o cabaz básico se estabeleçam de uma vez por todas.
Que as indústrias alimentícias que ainda não estão nas mãos do povo sejam transferidas para a área social.

4) Sobre a área social: Que não só não seja devolvida nenhuma empresa onde há a vontade maioritária dos trabalhadores de serem intervencionadas, mas que esta se torne a área predominante da economia. Que se estabeleça uma nova política de preços. Que a produção e a distribuição das indústrias da área social sejam demarcadas. Chega de produção de luxo para a burguesia. Que o verdadeiro controlo dos trabalhadores seja exercido dentro delas.

5) Exigimos que a Lei de Controlo de Armas seja revogada. Nova “Lei Maldita” que só tem servido para perseguir os trabalhadores, com as incursões praticadas em indústrias e bairros populares, que só estão a servir de ensaio geral para os setores sediciosos que assim estudam a reação e a capacidade de resposta da classe trabalhadora na tentativa de intimidá-la e identificar os seus líderes.

6) Diante da repressão desumana dos marinheiros de Valparaíso e Talcahuano, exigimos a libertação imediata desses heroicos irmãos de classe, cujos nomes já estão gravados nas páginas da história do Chile. Que os culpados sejam identificados e punidos.

7) Diante da tortura e morte dos nossos irmãos camponeses de Cautín, exigimos um julgamento público e a correspondente punição dos responsáveis.

8) Para todos os envolvidos em tentativas de derrubar o Governo legítimo, a pena máxima.

9) Diante do conflito sobre o Canal 9 TV, que esse meio de comunicação dos trabalhadores não seja entregue ou seja negociado por qualquer motivo.

10) Protestamos contra a demissão do companheiro Jaime Faivovic, subsecretário dos Transportes.

11) Pedimos que expresse o nosso total apoio ao Embaixador de Cuba, camarada Mario García Incháustegui, e a todos os camaradas cubanos perseguidos pelos mais ilustres reacionários e que sejam oferecidos os nossos bairros proletários para que ali estabeleçam a sua embaixada e a sua residência, como forma de agradecimento a esse povo, que chegou ao ponto de privar-se da sua própria ração de pão para nos ajudar na nossa luta.

Expulsar o embaixador dos EUA, que através dos seus representantes, o Pentágono, a CIA, a ITT, comprovadamente fornece instrutores e financiamento para os sediciosos.

12) Exigimos a defesa e proteção de Carlos Altamirano, Mario Palestro, Miguel Henríquez, Oscar Garretón, perseguidos pela direita e pelo Ministério Público Naval por defender bravamente os direitos do povo, com ou sem farda.

Alertamos-lhe, camarada, que com o respeito e a confiança que ainda temos em si, se não cumprir o programa da Unidade Popular, se não confiar nas massas, perderá o único apoio real que tem como pessoa e governante e que será responsável por conduzir o país, não a uma guerra civil, que já está a todo o vapor, mas ao massacre frio e planeado da classe trabalhadora mais consciente e organizada da América Latina.

E que será responsabilidade histórica deste governo, levado ao poder e mantido com tanto sacrifício pelos trabalhadores, moradores de bairros populares, camponeses, estudantes, intelectuais, profissionais, à destruição e decapitação, talvez em forma e custo sangrentos, não só do processo revolucionário chileno, mas também de todos os povos latino-americanos que lutam pelo socialismo.

Fazemos este apelo urgente, camarada presidente, porque acreditamos que esta é a última possibilidade de evitarmos, juntos, a perda da vida de milhares e milhares dos melhores da classe trabalhadora chilena e latino-americana.

Coordenadora Provincial de Cordões Industriais [de Santiago]


Original em Carta dos cordões industriais de Santiago a Allende- 5 de setembro de 1973
Reproduzido em esquerdaonline.com.br
Adaptação de português do Brasil (PT-BR) para português de Portugal (PT-PT) por Mariana Carneiro.