Está aqui

A amamentação em Portugal: políticas públicas necessárias

Não basta recomendar a amamentação, são precisas medidas que fomentem uma maior consciência sobre a fisiologia da amamentação, e da sua importância na saúde e bem estar socioeconómico das famílias e sociedade. Artigo de Ana Filipa Antunes.
A amamentação em Portugal: políticas públicas necessárias
Fotografia de Al van Akker/Flickr.

Recomendar às grávidas e recém-mães que amamentem exclusivamente pelos primeiros 6 meses de vida do bebé não é suficiente.

Assim como não é suficiente dizer-lhes que esta é a melhor opção por motivos de saúde da criança... Todo aquele discurso, já mais do que badalado, de que o leite materno contém anticorpos, e que, por isso, favorece imunologicamente o bebé. Discurso, esse, que se baseia em evidência científica clara, mas que é claramente insuficiente.

Saber isto não chega para uma mãe amamentar com sucesso. Na verdade, é completamente inútil quando, por exemplo ao 2º dia de vida, o bebé chora incessantemente durante a noite e um(a) enfermeiro(a), bem intencionado(a), sugere oferecer suplemento porque o recém-nascido deve ter fome. Ou quando, às 2 semanas de vida, faltam algumas gramas para recuperar o peso de nascimento e os pais são aconselhados a suplementar a amamentação pelo pediatra; ou quando, por exemplo com 1 mês, o bebé passa pela necessidade fisiológica e perfeitamente normal de pedir para mamar mais frequentemente e algum familiar ou amigo dos pais sugere que o leite da mãe pode não ser suficiente.

E poderíamos continuar a elencar N situações em que se sugere que a amamentação não chega para aquele bebé e os pais são aconselhados a introduzir outro leite, com mais ou menos sustentação, mais ou menos necessidade absoluta de o fazer. São, de facto, muitas, e todas elas com um potencial de levar a um desmame precoce elevadíssimo.

Pelo que fica claro que combater a introdução de suplementos de outros leites na alimentação de um bebé, especialmente menor de 6 meses, deveria ser, por isso, a prioridade número um de uma política de proteção da amamentação em Portugal.

A introdução de fórmulas infantis, sugerindo que o leite materno não é suficiente, prejudica a confiança da mãe na sua capacidade de alimentar o seu filho. Sabe-se, por exemplo, que a oferta de suplemento na maternidade aumenta consideravelmente o risco da sua manutenção em casa ou de re-introdução posterior.

Não chega, portanto, saber que se deve amamentar exclusivamente pelos primeiros 6 meses, e que esta é uma recomendação endereçada pela própria OMS, ESPGHAN, DGS, Sociedade Portuguesa de Pediatria, e demais organismos internacionais ligados à alimentação e saúde infantil.

É preciso implementar medidas concretas de educação à população sobre a fisiologia da amamentação - o que é normal em termos de aleitamento materno; o que é esperado em termos de comportamento de um bebé amamentado e padrão de crescimento! 

E é preciso implementar medidas para disponibilizar mais e melhor formação aos profissionais que trabalham diretamente com mães, pais e bebés - tendo por base protocolos claros e baseados em evidência científica de suporte às dificuldades que surgem frequentemente na amamentação.

Posto isto, sugerem-se algumas medidas que visam fomentar uma maior consciência sobre a fisiologia da amamentação, e da sua importância na saúde e bem estar socioeconómico das famílias e sociedade em geral - uma vez que a amamentação é o padrão ouro e a custo, praticamente, zero!

- Formação obrigatória para todos os profissionais que trabalham diretamente com mães e bebés.

É urgente melhorar a oferta formativa sobre aleitamento materno em Portugal, nomeadamente: atualizar a formação de Aconselhamento em Aleitamento Materno segundo as orientações da OMS; criar formação de nível superior (como pós-graduações) relacionadas com o tema; garantir que a formação disponível é, de facto, a mais correta cientificamente (à luz do conhecimento atual).

- Implementar o conceito de amamentação baseada na evidência nas escolas de saúde e instituições de saúde que prestam cuidados materno-infantis.

Criar um organismo dedicado ao estudo e investigação da amamentação em Portugal e que, de forma concertada com a DGS, possa emitir normativas e protocolos de atuação clínicos relacionados com a amamentação, à semelhança do que já existe noutros países (como por exemplo a Academy of Breastfeeding Medicine).

- Investir nos cuidados de amamentação prestados nas maternidades, centros de saúde e hospitais.

A amamentação deveria ser vista como um cuidado de saúde essencial. A existência de um profissional treinado e formado, por turno, exclusivamente dedicado a prestar cuidados ligados à amamentação, poderia reduzir imensos custos para as famílias e Estado, pelo facto de existir um apoio adequado e direcionado somente ao manejo de dificuldades que as mães e bebés possam sentir.

- Controlar a oferta indiscriminada de leite artificial nos hospitais públicos, privados e centros de saúde.

Tomar medidas para que haja um respeito efetivo, por parte dos profissionais de saúde, da lei do Consentimento Informado no que respeita ao aleitamento materno / artificial. Os pais devem ser informados dos riscos vs benefícios de introduzir suplementos e deve-lhes ser dada opção de escolha, tal como recomendam a evidência científica e protocolos internacionais de manejo da lactação.

- Incluir os leites nº 2 (6-12 meses) na legislação que proíbe a sua promoção junto das famílias e profissionais, de forma a adotar mais amplamente o Código Internacional de Marketing de Substitutos do Leite Materno (OMS, 1981) e não somente os leites nº 1, como acontece atualmente.

- Promover uma boa educação parental e perinatal, bem como da sociedade em geral, sobre a fisiologia da amamentação.

Melhorar os programas de preparação para o nascimento - atualizá-los e uniformiza-los, em termos de recomendações sobre aleitamento materno. Promover a educação para a amamentação, como parte do ciclo reprodutivo do ser humano, desde o ensino básico.

- Melhorar as condições para que as mães trabalhadoras possam continuar a amamentar após o regresso ao trabalho, especialmente porque este ocorre, frequentemente, antes dos 6 meses de vida da criança.

Promover a criação de espaços para extrair e guardar leite nos locais de trabalho e o direito a pausas para extração de leite ao longo do dia, não só para que a produção de leite se possa manter, mas também para evitar problemas de saúde imediatos à mãe lactante e trabalhadora (que advêm da falta de higiene na extração e/ou falta de remoção adequada do leite).


Ana Filipa Antunes é licenciada em Ciência Política e Relações Internacionais pela Universidade Nova de Lisboa (FCSH). Consultora Parental e Conselheira em Aleitamento Materno. Formadora. Fundadora da Rede Amamenta®️.

Referências

Academy of Breastfeeding Medicine Protocol Committee. ABM Clinical Protocol #7: Model breastfeeding policy (Revision 2010). Breastfeed Med 2010;5:173–177.

Hawke BA, Dennison BA, Hisgen S. Improving hospital breastfeeding policies in New York State: Development of the model hospital breastfeeding policy. Breastfeed Med 2013;8:3–7

Kramer MS, Kakuma R. Optimal duration of exclusive breastfeeding. Cochrane Database of Systematic Reviews 2012, Issue 8. Art. No.: CD003517. DOI: 10.1002/14651858.CD003517.pub2.

Meedya S, Fahy K, Kable A. Factors that positively influence breastfeedingduration to 6 months: a literature review. Women Birth. 2010 Dec;23(4):135-45.doi: 10.1016/j.wombi.2010.02.002.

Chantry CJ, Dewey KG, Peerson JM, Wagner EA, Nommsen-Rivers LA. In-hospital formula use increases early breastfeeding cessation among first-time mothers intending to exclusively breastfeed. J Pediatr. 2014 Jun;164(6):1339-45.e5. doi: 10.1016/j.jpeds.2013.12.035.

Blyth R, Creedy DK, Dennis C-L, et al. Effect of maternal confidence on breastfeeding duration: An application of breastfeeding self-efficacy theory. Birth 2002;29:278–284

Reif M, Essock-Vitale S. Hospital influences on early infant-feeding practices. Pediatrics 1985;76:872–879.

BREASTFEEDING MEDICINE. Volumen 12, Número 3, 2017. DOI: 10.1089/bfm.2017.29038.ajk. Protocolo clínico ABM n.º 3: Tomas suplementarias en el recién nacido a término sano amamantado, revisado en 20

(...)

Resto dossier

Esther Vivas é socióloga e jornalista. Em Mama Desobediente procura "politizar a maternidade".

"A esquerda não foi capaz de elaborar um discurso próprio sobre a maternidade"

"A maternidade foi sempre um tema incómodo para o feminismo". Em entrevista, Esther Vivas explica as razões pelas quais as feministas dos anos 60 e 70 caíram "num certo discurso anti-materno e anti-reprodutivo como reação à imposição do patriarcado  para que as mulheres exerçam a experiência materna". No seu último livro, afirma a mãe como "sujeito ativo, com capacidade de tomar decisões, que se reconcilia com o próprio corpo, fortalecendo-se na gravidez, parto e amamentação".

Violência Obstétrica, um crime contra os direitos humanos

Violência Obstétrica, um crime contra os direitos humanos

A maioria dos profissionais de obstetrícia desconhece ou ignora a fisiologia do parto normal, impondo procedimentos ou intervenções médicas, muitas vezes sem qualquer consentimento ou informação, em vez de criar as condições necessárias para que ele se desenvolva naturalmente, sem intercorrências. Artigo de Laura Ramos.

A amamentação em Portugal: políticas públicas necessárias

A amamentação em Portugal: políticas públicas necessárias

Não basta recomendar a amamentação, são precisas medidas que fomentem uma maior consciência sobre a fisiologia da amamentação, e da sua importância na saúde e bem estar socioeconómico das famílias e sociedade. Artigo de Ana Filipa Antunes.

Parentalidade e Masculinidades Cuidadoras

A conquista da igualdade por parte das mulheres exige o envolvimento dos homens. É por isso necessário trazer os homens para o espaço privado da família, fazendo-os partilhar com as mulheres as tarefas domésticas e os cuidados aos filhos. A aspiração à paternidade cuidadora está assim no epicentro das novas masculinidades: as masculinidades cuidadoras. Artigo de Susana Atalaia.

Cartaz em manifestação pela humanização do parto em Fortaleza, Brasil.

Direitos na Gravidez, Parto e Pós-Parto

Embora os direitos na gravidez, parto e pós-parto sejam direitos humanos, a violência obstétrica é um fenómeno comum, que tem na sua génese o desrespeito pela mulher e pelos seus direitos sexuais e reprodutivos. Artigo de Mia Negrão.

Grávida no corredor das urgências da Maternidade Alfredo da Costa, Lisboa.

Violência obstétrica: o caso português

Nas suas múltiplas dimensões, a violência obstétrica traduz-se na perda de autonomia das mulheres num momento de importância crucial das suas vidas sendo, por isso, necessário contribuir para a visibilização deste fenómeno e para o reconhecimento dos direitos das mulheres no contexto da gravidez e do parto. Artigo de Catarina Barata e Dulce Morgado Neves.

Adiamento da gravidez e decisões reprodutivas

Adiamento da gravidez e decisões reprodutivas

Em Portugal a idade de nascimento do primeiro filho tem aumentado sucessivamente, facto que impacta a fertilidade, gravidez e parto nos grupos etários mais avançados. Por que razão adiam as mulheres a gravidez e quais as consequências? Artigo de Ana Campos.

Nascer e morrer em Portugal

Nascer e morrer em Portugal

Em 2018 morreram 17 mulheres durante a gravidez, parto e puerpério. Quase o dobro do que no ano anterior. Artigo de Mariana Falcato Simões.

Que bonito, parecem mesmo uma família a sério

Que bonito, parecem mesmo uma família a sério

Optar pela adoção como modelo de parentalidade é embarcar numa aventura simultaneamente maravilhosa e aterradora. Dirão que isso não difere da parentalidade biológica. À primeira vista poderá assim parecer, mas existem diferenças significativas. Artigo de Sandra Cunha.