Está aqui

Adiamento da gravidez e decisões reprodutivas

Em Portugal a idade de nascimento do primeiro filho tem aumentado sucessivamente, facto que impacta a fertilidade, gravidez e parto nos grupos etários mais avançados. Por que razão adiam as mulheres a gravidez e quais as consequências? Artigo de Ana Campos.
Adiamento da gravidez e decisões reprodutivas
Foto de Inacio Rosa/Lusa.

O adiamento da gravidez é um acontecimento da nossa época em muitos países desenvolvidos.

Em Portugal, desde 2000 que o nascimento do 1º filho ultrapassa os 26 anos, tendo vindo sempre a aumentar; desde 2014 está nos 30 anos, mas com progressão sucessiva (30,4 em 2018- INE 2018).

A taxa de fecundidade (nº de filhos por cada 1 000 mulheres) nos diferentes grupos etários, nos dois últimos anos tem no grupo entre 30 e 34 anos o grupo com maior nº de nascimentos, 96,3/1000, havendo uma subida consistente também no grupo com 35-39 anos, sendo estes os dois grupos maioritários em que nascem os bébés.


Quadro I.Taxa de fecundidade: quantos filhos existem por cada 1 000 mulheres, por faixas etárias da mulher

Este tema é muito falado atualmente porque, correspondendo a situações e representando questões que são importantes na afirmação das mulheres, não deixa de ser um facto que traz consequências em relação à complexidade que abrange atualmente as questões da fertilidade, gravidez e parto nestes grupos etários.

Por que razão adiam as mulheres a gravidez?

Em primeiro lugar porque usam melhor a contracepção e esta destina-se a permitir que a gravidez ocorra quando é planeada e desejada. Em segundo lugar, porque procuram melhorar os seu níveis de educação; sempre que podem, completam o nível secundário ou superior e procuram um emprego antes de engravidarem.


Quadro II. Nível de escolaridade das grávidas

O adiamento da gravidez, da primeira e das seguintes, está também associado à situação sócio económica e às incertezas em relação à garantia de emprego ou carreira; daí que, ao adiamento da primeira gravidez, se siga também uma redução do número de filhos.

Portugal partilha com outros países onde a crise económica teve particular expressão (Grécia, Chipre, Espanha, Malta e Itália), os lugares mais baixos nos índices de fecundidade da Europa.

A estes fatores está também associada uma mais exigente escolha em relação aos e às parceiras que partilharão a paternidade e maternidade.

Apesar de continuarem a existir pressões sociais e familiares para a procriação, as mulheres hoje sabem resistir-lhes de forma bem diferente e com grandes convicções.

Contudo, o adiamento da idade da maternidade traz consequências, que são hoje desafios obstétricos e sócio-demográficos.

A fertilidade feminina vai reduzindo com a idade, já que no ovário o número e a qualidade dos ovócitos se vão reduzindo, havendo uma menor resposta às hormonas de estimulação da ovulação. A taxa de aborto espontâneo é superior nestes grupos etários, (entre 20 e 24 anos a taxa de aborto é de 8-9% e nos grupos de mais de 45 anos é de 74,7%); muitos dos abortos surgem por insuficiência hormonal, mas outros por alterações dos cromossomas que levam a embriões inviáveis.

Também pela idade materna o risco de Síndroma de Down, anomalia em que existem 3 cromossomas no cromossoma 21, vai progredindo à medida que a idade avança: aos 25 anos há um risco de 1/1064 , aos 35 anos o risco é de 1/240 e aos 40 anos é de 1/53.

Se se equacionar a necessidade de tratamentos de fertilização, a taxa de filhos vivos é de 31% acima de 35 anos, mas já só é de 6% aos 42 anos. Não só a fertilidade feminina é afetada pela idade; a fertilidade masculina também se reduz.

Quando há uma FIV, o risco de haver uma gravidez gemelar é mais elevado e associado à transferência de mais de um embrião.

Hábitos de vida pouco saudáveis, transversais à sociedade trazem aos grupos etários mais avançados riscos associados ao sedentarismo, obesidade, tabagismo, hipertensão e diabetes na gravidez. Muitas destas gravidezes são de alto risco para restrição do crescimento do feto se houver complicações associadas à hipertensão, ou excesso de peso do bébé, se a diabetes estiver mal controlada.

Os problemas circulatórios nestes grupos etários já existem (varizes, ou patologia cardíaca), podem agravar-se durante a gravidez e podem levar a acidentes cardiovasculares.

O trabalho de parto parece ter uma duração superior, sobretudo na mulher que tem o seu primeiro filho depois dos 40 anos, pois existe uma resposta insuficiente à ação da hormona que gera contrações; por este motivo e porque muitas vezes as condições médicas ditam a necessidade de uma cesariana, neste grupo etário a taxa de cesarianas é muito elevada.

Por todos estes motivos se diz hoje que a idade ideal para procriar é, entre os 20 e os 35 anos e muitas mulheres têm toda esta informação. Contudo, há muitos fatores que ditam a altura de uma gravidez, fatores pessoais, sociais, profissionais e circunstâncias da vida que não se conseguem planear.

As mulheres, sobretudo as que têm doenças crónicas, têm de planear a gravidez para momentos de estabilização da doença, da redução ou substituição de fármacos, com seguimentos sempre pluridisciplinares, com os vários médicos que a seguem a terem conhecimento do seu desejo de gravidez e conhecedores da importância de um correto acompanhamento.

Se não há outras doenças, a preparação é igualmente importante, com início da toma de ácido fólico no período da preconceção e conceção. Estas gravidezes, sem doenças prévias, são muitas vezes de evolução absolutamente normal.

Portanto é importante que as mulheres e os homens saibam os riscos que correm quando adiam uma gravidez para lá dos 35 anos, sobretudo em termos de riscos de infertilidade, de aborto e de partos menos simples que nas mulheres mais jovens.

Para Mikko Myrskylä[1], demógrafo finlandês, com muitos trabalhos realizados no Reino Unido e também nos EUA, as circunstâncias da vida e as escolhas comportamentais são mais importantes que a idade e que, de uma maneira geral os filhos de mães com mais idade têm menos problemas de comportamento, sociais ou dificuldades emocionais.

Os riscos parecem ser menores que os benefícios, para este autor, mas ele considera muito importante o equilíbrio de saúde quando se programa a gravidez.


Ana Campos é médica obstetra e ginecologista.


Notas

  1. ^ B arclay K, M yarsala M. Advanced Maternal Age and Offspring Outcomes:Reproductive Agingand Counterbalancing Period Trends. Population and Development Review 42(1):69–94 (MARCH 2016)

(...)

Resto dossier

Esther Vivas é socióloga e jornalista. Em Mama Desobediente procura "politizar a maternidade".

"A esquerda não foi capaz de elaborar um discurso próprio sobre a maternidade"

"A maternidade foi sempre um tema incómodo para o feminismo". Em entrevista, Esther Vivas explica as razões pelas quais as feministas dos anos 60 e 70 caíram "num certo discurso anti-materno e anti-reprodutivo como reação à imposição do patriarcado  para que as mulheres exerçam a experiência materna". No seu último livro, afirma a mãe como "sujeito ativo, com capacidade de tomar decisões, que se reconcilia com o próprio corpo, fortalecendo-se na gravidez, parto e amamentação".

Violência Obstétrica, um crime contra os direitos humanos

Violência Obstétrica, um crime contra os direitos humanos

A maioria dos profissionais de obstetrícia desconhece ou ignora a fisiologia do parto normal, impondo procedimentos ou intervenções médicas, muitas vezes sem qualquer consentimento ou informação, em vez de criar as condições necessárias para que ele se desenvolva naturalmente, sem intercorrências. Artigo de Laura Ramos.

A amamentação em Portugal: políticas públicas necessárias

A amamentação em Portugal: políticas públicas necessárias

Não basta recomendar a amamentação, são precisas medidas que fomentem uma maior consciência sobre a fisiologia da amamentação, e da sua importância na saúde e bem estar socioeconómico das famílias e sociedade. Artigo de Ana Filipa Antunes.

Parentalidade e Masculinidades Cuidadoras

A conquista da igualdade por parte das mulheres exige o envolvimento dos homens. É por isso necessário trazer os homens para o espaço privado da família, fazendo-os partilhar com as mulheres as tarefas domésticas e os cuidados aos filhos. A aspiração à paternidade cuidadora está assim no epicentro das novas masculinidades: as masculinidades cuidadoras. Artigo de Susana Atalaia.

Cartaz em manifestação pela humanização do parto em Fortaleza, Brasil.

Direitos na Gravidez, Parto e Pós-Parto

Embora os direitos na gravidez, parto e pós-parto sejam direitos humanos, a violência obstétrica é um fenómeno comum, que tem na sua génese o desrespeito pela mulher e pelos seus direitos sexuais e reprodutivos. Artigo de Mia Negrão.

Grávida no corredor das urgências da Maternidade Alfredo da Costa, Lisboa.

Violência obstétrica: o caso português

Nas suas múltiplas dimensões, a violência obstétrica traduz-se na perda de autonomia das mulheres num momento de importância crucial das suas vidas sendo, por isso, necessário contribuir para a visibilização deste fenómeno e para o reconhecimento dos direitos das mulheres no contexto da gravidez e do parto. Artigo de Catarina Barata e Dulce Morgado Neves.

Adiamento da gravidez e decisões reprodutivas

Adiamento da gravidez e decisões reprodutivas

Em Portugal a idade de nascimento do primeiro filho tem aumentado sucessivamente, facto que impacta a fertilidade, gravidez e parto nos grupos etários mais avançados. Por que razão adiam as mulheres a gravidez e quais as consequências? Artigo de Ana Campos.

Nascer e morrer em Portugal

Nascer e morrer em Portugal

Em 2018 morreram 17 mulheres durante a gravidez, parto e puerpério. Quase o dobro do que no ano anterior. Artigo de Mariana Falcato Simões.

Que bonito, parecem mesmo uma família a sério

Que bonito, parecem mesmo uma família a sério

Optar pela adoção como modelo de parentalidade é embarcar numa aventura simultaneamente maravilhosa e aterradora. Dirão que isso não difere da parentalidade biológica. À primeira vista poderá assim parecer, mas existem diferenças significativas. Artigo de Sandra Cunha.