Está aqui

Mariana Mortágua processa André Ventura por difamação

A dirigente bloquista anunciou esta segunda-feira que vai processar o presidente do Chega, André Ventura. “Mesmo ridícula, uma calúnia é uma calúnia", escreveu Mariana Mortágua no Twitter.

André Ventura partilhou na sua conta de Twitter uma publicação da espanhola Cristina Seguí na qual a “influencer”, que esteve associada ao partido de extrema-direita Vox, acusa Mariana Mortágua de receber dinheiro do BES.

"Ventura e Seguí vão responder em tribunal por difamação. Mesmo ridícula, uma calúnia é uma calúnia", escreveu Mariana Mortágua no Twitter.

No artigo Cristina Seguí. Quem é a “influencer” da ultradireita espanhola que virou a mira das teorias conspirativas para Portugal?, publicado pela revista Visão em outubro, Seguí é descrita como "amplificadora de teses conspirativas e 'fake news'", que começou a visar figuras portuguesas nos seus comentários diários, incluindo num canal de Youtube.

Decorrem também na Justiça processos relativos a queixas-crime apresentadas por Pedro Filipe Soares, Marisa Matias e pelo Bloco de Esquerda contra Cristina Seguí. Em causa está uma publicação, de outubro, com afirmações falsas, injuriosas e caluniosas, sem qualquer base factual nem provas. A “influencer” associa o Bloco de Esquerda, os dois dirigentes já citados, bem como Francisco Louçã e, inclusive, o eurodeputado Miguel Portas, falecido em abril de 2012, a uma rede fictícia de financiamento e lavagem de dinheiro que envolveria países como Cuba e Venezuela.

Em curso encontram-se ainda os processos movidos por Fernando Rosas contra André Ventura, líder do Chega, e António Albino Caldeira, autor do texto “Ó Rosas: crimes há muitos!…”, publicado a 18 de fevereiro de 2021, que acusaram o historiador de ter torturado homens e sequestrado mulheres em 1976.

José Manuel Pureza também foi alvo de afirmações falsas e injuriosas, tendo avançado com uma queixa-crime contra Pedro Saraiva Gonçalves Frazão, vereador do Chega em Santarém, que acusou o dirigente bloquista de pedofilia.

Termos relacionados Política
Comentários (1)