Está aqui

Iraniana que destapou a cabeça condenada a prisão

Nos últimos meses, têm sido feitos vários protestos no Irão contra o uso obrigatório do véu islâmico, e já várias mulheres o tiraram em público. Esta quarta-feira, dia 7 de março, uma mulher foi condenada a dois anos de prisão por tê-lo feito.
Os protestos contra a obrigatoriedade de utilização do véu islâmico por parte das mulheres começaram em dezembro de 2017 e um iraniana que destapou a cabeça em público foi condenada a 2 anos de prisão.
Fotografia de Amiroai/Twitter

Abbas Jafari Dolatabadi, procurador-geral de Teerão, afirma que a mulher em questão destapou a cabeça em público para “encorajar a corrupção” e criticou ainda o facto de lhe ter sido apresentada a possibilidade de sair em liberdade condicional após três meses de prisão.

Desde o final de dezembro de 2017, mais de 30 mulheres iranianas foram detidas por terem tirado os véus e tiveram de prestar declarações. Apesar de muitas terem sido libertadas, outras enfrentam acusações, e a identidade desta ainda não foi revelada.

A lei iraniana, em vigor desde a Revolução Islâmica de 1979, impõe como obrigatória a utilização do véu islâmico em público por parte de todas as mulheres, sejam ou não estrangeiras, sejam ou não muçulmanas.

Ler mais: Irão: mulheres contestam a obrigatoriedade do "hijab"

Contudo, nos últimos tempos, a rigidez tem vindo a diminuir, o que fez com que algumas mulheres nas grandes cidades do país tenham começado a utilizar véus que deixam ver o cabelo. Em algumas zonas, algumas até conduzem de cabeça descoberta, coisa que o procurador-geral garantiu que não se voltará a repetir, sob pena de apreensão dos seus veículos. "Devemos agir com firmeza contra aqueles que questionam deliberadamente as regras sobre o uso do véu islâmico", afirmou Abbas Jafari Dolatabadi.

Termos relacionados Março Feminista, Internacional
(...)