Negócios da banca

Bancos portugueses estão a lucrar 560 mil euros por hora

17 de maio 2024 - 11:22

No primeiro trimestre os cinco maiores bancos registaram uma subida de 33% relativamente ao ano passado. A maior parte dos ganhos por causa da diferença entre os juros cobrados nos empréstimos e os juros pagos nos depósitos.

PARTILHAR
Caixa Multibanco.
Caixa Multibanco. Foto de Paulete Matos.

Os cinco maiores bancos que operam no mercado português, BPI, Caixa Geral de Depósitos, Millennium BCP, Novo Banco e Santander, tiveram resultados líquidos no primeiro trimestre deste ano de mais de 1,22 mil milhões de euros. Isto significa que têm estado a faturar 560 mil euros por hora, 13,46 milhões por dia nos últimos três meses. O que é uma subida de 33% face ao mesmo período do ano passado.

De acordo com o Diário de Notícias, foi a CGD quem mais lucrou. O seu resultado líquido consolidado foi de 394 milhões de euros, mais 38% do que nos mesmos meses do ano passado. Segue-se o Santander que faturou 294,4 milhões de euros e foi o que mais cresceu em termos hómologos: 58%. O BCP teve lucros de 234,3 milhões de euros (um crescimento de 8%), o Novo Banco de 180,7 milhões (mais 22%) e o BPI de 121,3 (mais 43%).

A peça jornalística assinala que os lucros se fizeram “sobretudo do lado da margem financeira, isto é, o indicador que tem em conta a diferença entre os juros cobrados nos empréstimos e os juros pagos nos depósitos”. Os bancos arrecadaram mais 20%, 2,39 mil milhões de euros, relativamente ao ano passado por causa da diferença entre estes juros. Também aqui a CGD lidera com 716 milhões de euros ganhos desta forma (mais 17%), ficando a seguir o Millennium com 696,2 milhões (+5%) , o Santander com 440,6 milhões (mais 65%), o Novobanco com 299 milhões de euros (+21%) e o BPI com 245,6 milhões (+18%).

Por seu turno, as comissões valeram-lhe uma fatia de lucros quase igual ao ano anterior: 608,3 milhões de euros. Aqui fica à frente o BCP (196,4 milhões), depois a Caixa (142 milhões) e o Santander (120,9 milhões).

Em termos de espaços e de trabalhadores as tendências são contrastantes. Os bancos cortaram com 18 espaços físicos mas contrataram mais 376 trabalhadores. Um saldo que se deve sobretudo à Caixa que contratou mais 458 trabalhadores e ao Novo Banco com 122. Também o BCP tem um saldo positivo neste aspeto, de apenas quatro trabalhadores. Em sentido contrário, BPI cortou 111 empregos neste período e Santander 97.