Está aqui

“TDT não pode transformar-se num assalto à bolsa das pessoas”

Francisco Louçã afirmou no sábado 7 de janeiro em Oliveira do Hospital que o processo de transição para a TDT é uma “oportunidade tecnológica”, que não pode ser transformada “num assalto à bolsa das pessoas”, e desafiou a PT a “cumprir já” a recomendação aprovada, na véspera, pela Assembleia da República.

Segundo a agência Lusa, Francisco Louçã sublinhou que a oportunidade tecnológica que representa a transição de sinal analógico para Televisão Digital Terrestre (TDT) “não pode ser transformada num assalto e muito menos numa desigualdade” entre o interior e o litoral do país, rejeitando que “quem vive no interior seja penalizado e discriminado”.

Francisco Louçã fez estas declarações numa visita a Alvoco das Várzeas, concelho de Oliveira do Hospital, na companhia dos presidentes da câmara e da junta de freguesia. Segundo o presidente da câmara de Oliveira do Hospital, 6.500 habitantes dos 22.000 do concelho não terão acesso à TDT sem custos superiores aos cobrados no litoral, se o atual processo de transição se mantiver.

Para o dirigente do Bloco de Esquerda, todos os cidadãos “devem estar perante as mesmas condições e a PT não é um império dentro de Portugal, não pode impor aos portugueses tratamentos” diferenciados. Por isso, desafiou a PT a “cumprir já” a recomendação aprovada, na sexta-feira, pela Assembleia da República, para que no interior do país não se tenha de pagar mais que no litoral para aceder à TDT. A recomendação consta de um ponto de uma proposta apresentada pelo Bloco no Parlamento, aprovado por unanimidade. Nesse ponto (segundo do projeto de resolução), a AR recomenda ao Governo que “providencie para que, como estava originalmente acordado entre a ANACOM (Autoridade Nacional de Comunicações) e a PT, seja assegurado que esta empresa” suporte os encargos decorrentes da deficiência ou mesmo ausência de sinal TDT em diversas localidades do interior. Francisco Louçã destacou que a mesma proposta preconizava o adiamento por três meses para “o fim definitivo do sinal analógico”, mas esse ponto foi “recusado pelos votos da direita”. (Aceda ao projeto de resolução do Bloco na íntegra)

O presidente da câmara de Oliveira do Hospital, José Carlos Alexandrino, eleito pelo PS, também defende o adiamento do fim definitivo do sinal analógico, para que “este processo seja repensado” e declarou à agência: “Alertamos a ANACOM e tivemos uma reunião com a PT para que esse processo fosse adiado e para que todos, em conjunto, encontremos uma solução”, sublinhando que o seu município não quer ser “parte do problema mas sim da solução”.

Francisco Louçã visitou depois a Aldeia das Dez, também no concelho de Oliveira do Hospital e o Piódão, no município de Arganil, localidades igualmente com problemas de acesso à TDT e que, além disso, correm o risco de ter de recorrer a antenas parabólicas para captar o sinal.

O recurso a parabólicas, designadamente nas Aldeias do Xisto também preocupa Louçã e o autarca de Oliveira do Hospital, recordando que ali foram feitos elevados investimentos, designadamente, para “acabar com as antenas nos telhados”.

Comentários (1)

Resto dossier

Os escândalos da TDT

O processo de implantação da TV Digital Terrestre em Portugal só pode ser definido por uma palavra: escândalo. Na verdade, muitos escândalos. Neste dossier, o Esquerda.net lista 5, mas poderiam ser mais. Mostramos como muitos portugueses vão ser obrigados a pagar para ter a mesma televisão, num processo que só beneficiou as TVs privadas e as operadoras de telecomunicações. Dossier coordenado por Luis Leiria.

Escândalo nº1: A Televisão Digital Terrestre portuguesa é a pior da Europa

A TDT poderia e deveria significar uma ampliação significativa da oferta de canais abertos a toda a população. Em Portugal não foi isso que aconteceu. Mais uma vez, ficamos na cauda da Europa. Ler dossier "Os escândalos da TDT".

Escândalo nº 2: A TDT portuguesa representa um novo imposto para se ver televisão

Os portugueses que vêem os quatro canais de TV aberta terão de pagar para ver a mesmíssima programação. “É um absurdo técnico e uma chantagem económica sobre a população”, denuncia a deputada Catarina Martins, do Bloco de Esquerda.

Escândalo nº 3: O “dono” da TDT é a PT, que é dona de um concorrente

Deu-se à raposa o galinheiro, ao entregar-se à PT a licença da TDT e deixando que se mantivesse como operadora na TV Cabo, denuncia a Comissão de Trabalhadores da RTP.

Escândalo nº 4: cobertura da TDT não é total e cria “zonas sombra”

Sinal terrestre da TDT chega a menos lugares que o sinal analógico. PT procura economizar nos emissores e a cobertura é muito menor que em Espanha.

Escândalo nº 5: A TDT portuguesa tem a pior presença de serviço público

O Reino Unido tem 16 canais públicos – sendo um especialmente criado para a TDT, com interatividade –, a Alemanha 14, a Itália 13, a Grécia 9, incluindo um canal de filmes! Por que a RTP memória, a RTP Informação e o Canal Parlamento não estão na TDT?

“TDT não pode transformar-se num assalto à bolsa das pessoas”

Francisco Louçã afirmou no  sábado 7 de janeiro em Oliveira do Hospital que o processo de transição para a TDT é uma “oportunidade tecnológica”, que não pode ser transformada “num assalto à bolsa das pessoas”, e desafiou a PT a “cumprir já” a recomendação aprovada, na véspera, pela Assembleia da República.

“A implantação da TDT tem sido um grande incentivo às TVs pagas”

A TDT não trouxe novos canais, nem novos serviços; em contrapartida, deixou cerca de 1 milhão de portugueses excluídos da TV aberta, em “zonas de sombra”. Tudo isto beneficia os interesses das TVs privadas, diz o investigador brasileiro Sérgio Denicoli, professor da Universidade do Minho. A seguir, a entrevista que concedeu ao Esquerda.net.

CT da RTP entrega queixa ao Ministério Público sobre a TDT

Há falta de equidade a nível nacional no processo de implementação da TV Digital Terrestre, já que “todos pagamos a taxa de audiovisual, mas nem todos vão ter acesso da mesma forma e ao mesmo preço à televisão”.

“O que está a acontecer é criminoso”

O sociólogo Paquete de Oliveira, antigo Provedor do Telespectador da RTP afirma que forçar a população a pagar para não ter a televisão em branco é um “crime social”.