You are here

Adelino Fortunato

Professor universitário. Dirigente do Bloco de Esquerda.

Artigos do Autor(a)

2018/08/29 - 11:38am

Qual a melhor forma de explorar as contradições de um PS que, apesar de se manter confortável nas sondagens, tem no horizonte sinais de crise? Eis a grande motivação da direita.

2018/07/25 - 12:25pm

Aqui radicam as verdadeiras divergências no PS: retomar o caminho das reformas ao “centro” em colaboração com a direita, ou manter alguma distância desse caminho em diálogo com a esquerda?

2018/04/26 - 11:24pm

Dois anos e meio de “geringonça” e na reta de lançamento para o ciclo eleitoral de 2019, os equilíbrios constituídos dão mostras de alguma erosão e deixam margem para uma certa imprevisibilidade.

2017/10/27 - 9:58pm

A greve da Autoeuropa e o debate que se lhe seguiu levantaram várias questões importantes. Uma delas relaciona-se com o papel das Comissões de Trabalhadores (CTs).

2017/05/28 - 9:09pm

Eis uma pergunta a que é difícil responder depois de ano e meio de governação do PS com apoio de partidos à sua esquerda. E não é por acaso.

2017/04/08 - 10:56pm

Os partidos à esquerda do PS precisam de manter uma agenda política independente, cada vez mais em confronto consequente com este governo.

2016/11/03 - 1:46pm

As pensões não se substituem à política fiscal, mas não é desejável que se contradigam no combate às desigualdades e à pobreza.

2016/09/08 - 9:50am

Precisamos de uma proposta equilibrada, que assegure a transição para um novo paradigma energético com as renováveis, mas que evite a apropriação sistemática de rendas por grupos privilegiados da população. Por Adelino Fortunato

2016/07/11 - 11:25pm

A cada dia que passa a União Europeia perde apoiantes, como se viu com o Brexit, e em vez de corrigir os erros, ela revela pavor perante a legitimação popular das suas decisões.

2016/05/11 - 5:04pm

A pressão deflacionista mostra as contradições da União Monetária no atual momento, porque bloqueia o crescimento e a criação de emprego, provoca recessões e crises de consequências devastadoras.

Pages