You are here

Obras proibidas no Estado Novo em exposição na Biblioteca Nacional

A mostra inédita, que poderá ser visitada entre 3 de maio e 3 de setembro, reunirá um conjunto de exemplares originais apreendidos e proibidos de circular pelos Serviços de Censura.
Imagens publicadas na página de internet da Biblioteca Nacional.

Na sua página de internet, a Biblioteca Nacional (BN) assinala que, entre 1934 a 1974, a censura oficial do Estado Novo produziu “mais de 10.000 relatórios de leitura aos livros de autores portugueses, lusófonos, e estrangeiros, em edição original ou tradução, que entravam e circulavam em território nacional”.

De entre “as obras que a Censura autorizava, aprovava com cortes, proibia, dispensava, ou proibia para mais tarde autorizar”, a BN exibirá uma seleção de cerca de um décimo “desses raros artefactos culturais que chegaram até nós e que contam várias histórias sobre o controlo e a regulação da vida literária e cultural em Portugal, durante grande parte do século XX”.

“Tal como o ‘letricídio’ que o investigador Fernando Larraz identificou em relação à censura franquista, as obras expostas demonstram o atentado que o regime de Salazar e Caetano cometeu deste lado da fronteira”, escreve Álvaro Seiça.

O escritor e investigador sublinha que os livros examinados pela Censura abrangem áreas como as artes plásticas, ciências naturais, ciência política, economia, educação, geografia, filosofia, história, literatura, música, sociologia, religião, entre outras. Em causa estão obras consideradas imorais, pornográficos, comunistas, irreligiosos, subversivos, maus, antissociais, dissolventes, anarquistas ou revolucionários.

As obras marxistas-leninistas, eróticas ou de educação sexual, e, nas décadas de 1940 e 50, a literatura neorrealista foram, de acordo com Álvaro Seiça, as mais visadas pela censura.

“A par da propaganda, da repressão exercida pelo Estado através da polícia política, do clima de medo e autocensura, a atuação da Censura teve um impacto incomensurável não só no desenvolvimento das mentalidades e na vida intelectual do país, na produção e receção literárias, no quotidiano e obra dos escritores, mas também no legado que deixou às gerações vindouras”, refere o investigador.

A exposição Biblioteca da Censura: obras apreendidas e proibidas no Estado Novo, que poderá ser visitada entre 3 de maio e 3 de setembro, será “complementada com relatórios de leitura escritos pelos censores, bem como algumas obras proibidas de ir à leitura” na BN.

Na Sala de Projeção, estará disponível ao público a peça sonora  No Escuro e à Escuta: A Censura e a Propaganda no Estado Novo, de Sofia Saldanha, que compila testemunhos de Luís de Sttau Monteiro, José Cardoso Pires ou Bernardo Santareno, telefonemas entre censores e entrevistas a pessoas anónimas.

De entre os livros proibidos da Biblioteca da Censura, encontram-se obras de autores como Jorge Amado, Natália Correia, Orlando da Costa, Vergílio Ferreira, Carmen de Figueiredo, Daniel Filipe, Tomás da Fonseca, Soeiro Pereira Gomes, Manuel Teixeira Gomes, Egito Gonçalves, Maria Lamas, Teixeira de Pascoais, Cardoso Pires, Graciliano Ramos, Alves Redol, Santareno, Miguel Torga, Louis Aragon, Italo Calvino, Mikhail Cholokhov, Colette, Joseph Conrad, Friedrich Engels, William Faulkner, Maksim Gorkii, Piotr A. Kropotkine, Lenine, André Malraux, Karl Marx, Friedrich Nietzsche, John Reed, John dos Passos, Françoise Sagan, Leão Tolstoi, Roger Vailland, ou Simone Weil.

Termos relacionados Cultura
(...)