Está aqui

Um Marx para comemorar

Ao fim de tanto tempo era suposto já se poder ter um Marx para comemorar. Polir, dar-lhe o lustro da actualidade. Tirá-lo da gaveta de vez em quando e conseguir arrumá-lo depois.

Passou tanto tempo que já devia ser seguro.

Ao fim de tanto tempo era suposto já se poder ter um Marx para comemorar. Polir, dar-lhe o lustro da actualidade. Tirá-lo da gaveta de vez em quando e conseguir arrumá-lo depois.

Não é nada que não tenha sido tentado antes. Um Marx-passado. Um Marx academizado e academizante. Um Marx reformista. Um Marx domesticado. Afinal, a cada qual o seu Marx de acordo com as suas necessidades, não é?

Já devia ser seguro. Contudo, há sempre algo que escapa aos marxistas de ocasião, algo que desmascara o tom emproado daqueles elogios cuidadosos em ser fúnebres.
200 anos depois, o pensamento de Marx permanece polarizante, provocante, subversivo. E o seu quadro conceptual permanece produtivo: alienação e fetichismo da mercadoria, ciclos e crises, trabalho e classes, valor e mais-valia, etc. etc. etc. etc.

Produtivo às vezes, diga-se, apesar dos marxismos. Mas, diga-se também, produtivo outras vezes por causa deles. Aliás, o chavão de que Marx é um pensador interessante serviu em alguns círculos sobretudo para afirmar que os marxismos seriam desinteressantes.  Assim, idealizado e isolado, seria mais fácil ajustar contas com ele. E da mesma penada reduzir-se-ia igualmente toda a riqueza de toda uma tradição de pensamento político a uma expressão única e caricatural. Um materialismo de trazer por casa. Uma dialéctica que limitaria a riqueza da diversidade à platitude de uma dança da contradição com os passos previamente marcados. Um seguidismo anacrónico de uma análise brilhante de uma realidade sepultada nos livros de história. Caso para dizer que o marxismo, para não ser sentido como uma tragédia por algumas pessoas, só poderia estar agora a ser repetido e como uma farsa.

Um Marx sem marxismos e sem marxistas, ora aí estaria algo digno de ser comemorado para alguns... Só que os conceitos de Marx permanecem produtivos ao ponto de nos permitir a identificação mobilizadora com ele. Marxistas. Marxista. Fica dito. Como se fora algo de radical dizer o nome desta fidelidade crítica. Como se fora algo de radical dizer que o capitalismo, vampiresco como sempre, não é para gerir mas para destruir, antes que ele nos destrua a nós e ao planeta. Como se fora algo de radical dizer que o socialismo não é um nome para invocar apenas nos dias de festa mas o nome do que queremos construir em alternativa a este sistema de dominação de classes.

Um Marx para comemorar? Sim. Um Marx que não serve só para ser comemorado. Não me entendam mal. Não vim jogar ao estafado jogo “o meu Marx é mais genuíno do que o teu...” Apenas relembrar a quem pensa que pode tranquilizar porque o espectro do comunismo já não paira sobre a Europa que se deve sobressaltar uma vez que, 200 anos depois, o espectro de Marx continua a pairar agora sobre todo o mundo. Apenas relembrar em tempos de pseudo-pragmatismos asfixiantes que continuamos a precisar como de pão para a boca de um materialismo empenhadamente revolucionário. “As revoluções são a locomotiva da história”. E “a emancipação dos trabalhadores será obra dos próprios trabalhadores”. Ainda se lembram? Não é poesia. É mesmo uma ameaça.

Sobre o/a autor(a)

Professor
(...)

Resto dossier

Bicentenário de Karl Marx

A 5 de maio comemora-se o 200º aniversário do nascimento de Karl Marx. O esquerda.net publica alguns contributos sobre a figura e a importância do legado de Marx para a compreensão do mundo de hoje. Dossier organizado por Luís Branco

Fotografias de Marx

Não será pelas fotografias que se conhecerá o pensamento, o percurso, ou a vida de Marx. Artigo de Nuno Pinheiro.

Karl Marx e O Capital: O detetive que queria decifrar a suprema intriga

O livro não era fácil. Nem para os filósofos, que tinham que mergulhar na economia, nem para os economistas, que tinham que sofrer a crítica à sua submissão ideológica e demais conceitos filosóficos, nem muito menos para os leigos, inocentes de todas essas deambulações.  Artigo de Francisco Louçã.

O Encontro de Marx com a Economia Política

Nesta versão abreviada do segundo capítulo do recém-lançado livro Another Marx: Early Writings to the InternationalMarcello Musto acompanha os passos de Karl Marx no ano em que viveu em Paris, uma etapa marcante que abriu os horizontes da sua investigação e mudou para sempre os fundamentos da ciência económica.

Marx, revolução por ela mesma

Marx não teve a noção da capacidade da burguesia para resistir e até para avançar. Nós já temos a fita do tempo e a medida das transformações que conhecemos como necessárias. Artigo de Luís Fazenda.

Immanuel Wallerstein

Leiam Karl Marx! Uma conversa com Immanuel Wallerstein

O "regresso a Marx" a que assistimos nos debates sobre alternativas após a crise financeira dão o mote a esta conversa entre os sociólogos Marcello Musto e Immanuel Wallerstein.

Um Marx para comemorar

Ao fim de tanto tempo era suposto já se poder ter um Marx para comemorar. Polir, dar-lhe o lustro da actualidade. Tirá-lo da gaveta de vez em quando e conseguir arrumá-lo depois. Artigo de Carlos Carujo.

As três críticas de Marx

Nem filosofia da história, nem sociologia de classes, nem sistema de economia, o que é então a teoria de Marx? Excertos do livro "Marx, o Intempestivo", de Daniel Bensaïd.

Marx no século XXI: E se as perguntas contassem mais do que as respostas?

Centro e cinquenta anos depois da primeira publicação do primeiro livro de O Capital, nesta segunda década do século XXI, o que resta do legado intelectual de Karl Marx? Artigo de Jean Batou.

Congresso 200 anos de Karl Marx: intervenções, vídeos e podcasts

O Bloco de Esquerda assinalou o bicentenário do nascimento de Karl Marx com uma conferência internacional em Lisboa. Leia aqui algumas das apresentações, ver os vídeos e ouvir os podcasts dos participantes nesta conferência.