Está aqui

Ucrânia: Crise entre a Rússia e o ocidente tem estado na incubadora há 30 anos

Por um lado, a Rússia pretende opor-se à expansão da NATO para leste. Por outro, esta teme que a acumulação de meios militares na Bielorrússia e na fronteira com a Ucrânia possa ser o prenúncio de uma invasão deste país. Tensões que vêm desde a dissolução da União Soviética. Por Liana Semchuk.
Tanque T-90-S russo. Foto de Dmitry Terekhov/Flickr.
Tanque T-90-S russo. Foto de Dmitry Terekhov/Flickr.

O presidente russo, Vladimir Putin, e o presidente dos EUA, Joe Biden, tiveram uma “cimeira virtual” de duas horas em que discutiram as tensões crescentes na Ucrânia e à sua volta. Biden expressou preocupações com a acumulação de tropas russas na fronteira com este país, enquanto Putin procurou garantias de que não acontecerá uma maior expansão da NATO para leste. Pouco terá ficado resolvido mas os dois líderes concordaram em designar representantes para “começar rapidamente a discussão sobre esta situação complexa e confrontacional”.

Há três décadas, a 8 de dezembro de 1991, a União Soviética era formalmente dissolvida e a Rússia, a Ucrânia e a Bielorrússia estabeleciam a Comunidade de Estados Independentes. Agora, passados trinta anos, os três países estão presos numa perigosa troika de confronto e de ameaças diplomáticas que ameaça mergulhar a região em mais conflitos.

A história política pós-soviética da Bielorrússia e da Ucrânia é interessante a vários níveis. A primeira tornou-se na única ditadura da Europa, fortemente dependente da Rússia para sobreviver. A segunda, entretanto, é uma democracia em transição que tem vacilado entre a influência russa e ocidental ao longo dos anos. Isto, por si só, tem levado a tensões que rebentaram em 2014 quando protestos pró-União Europeia na Ucrânia levaram ao colapso do governo pró-russo, à anexação russa da Crimeia e ao conflito com separatistas no leste da Ucrânia.

As hostilidades na região leste da Ucrânia têm continuado desde então. A mobilização de tropas russas em abril na ocupada Crimeia, assim como na fronteira com o leste da Ucrânia, perto de Donetsk, nas mãos de grupos separatistas pró-russos, desencadeou medo de que Moscovo pudesse estar a planear uma invasão. No final, tal não aconteceu, mas durante outubro e novembro ocorreu outra acumulação de monta de tropas na região. Dada a quantidade de equipamento militar já presente no terreno, as intenções da Rússia estão mais uma vez a preocupar os responsáveis da NATO.

Os ministros dos Negócios Estrangeiros da NATO encontraram-se em Riga, na Letónia, no final de novembro, para discutir a situação. O secretário-geral da organização, Jens Stoltenberg, disse aos jornalistas que “não há clareza nas intenções russas mas há uma concentração pouco habitual de forças pela segunda vez este ano. Vemos mais armamento pesado, drones, sistemas eletrónicos de guerra e dezenas de milhares de tropas prontas para combate.” No início de dezembro, o secretário de Defesa dos EUA, Lloyd Austin, emitiu uma declaração em que previa que uma invasão pudesse acontecer no início de 2022 e disse que os EUA estavam “empenhados em ajudar a Ucrânia a defender o seu território soberano”.

Mas continuam a existir dúvidas entre os especialistas na região, assim como nos EUA e na Europa, sobre a ameaça de um ataque iminente. Há um conjunto considerável de opiniões de que Moscovo estará a usar a pressão como uma ferramenta negocial para impedir a expansão para leste da NATO, com um analista residente na Ucrânia a especular que Putin pretende “coagir o ocidente e começar novas negociações como as de Ialta com a Rússia”. Esta é uma referência à cimeira de 1945 entre Estaline, Winston Churchill e Franklin D. Roosevelt na Crimeia que estabeleceu o leste da Europa como pertencendo à esfera de influência da União Soviética.

A situação atual, contudo, parece volátil por várias razões.

Potenciais pontos de ignição

Em primeiro lugar, a pilha de equipamento militar na zona permite uma mobilização rápida. Preocupações semelhantes sobre equipamento militar russo também foram levantadas no caso da Bielorrússia na sequência dos exercícios conjuntos Zapad-2021 em setembro. Com Minsk a anunciar agora mais exercícios ao longo da fronteira sul da Bielorrússia com a Ucrânia, a médio prazo o potencial para uma ofensiva militar rápida parece mais ameaçador.

Há também a questão do gasoduto Nord Stream. O ocidente olha para este, que quando concluído e operacional permitiria à Rússia contornar a Ucrânia para abastecer a Europa de gás, como um alvo potencial de sanções.

Entretanto, na Europa, a atual crise energética sublinha a dependência do continente do gás russo, com a Alemanha a ser o seu principal cliente. A pressão implícita sobre a Alemanha, por parte dos consumidores europeus e empresas, para a aprovação final do gasoduto é grande, com a empresa estatal de gás russa, a Gazprom, a prever que o mercado energético continuará em tensão no próximo ano. Se a aprovação não for concedida, uma subida nas faturas e o descontentamento subsequente são prováveis.

Antítese possível

No passado, por exemplo durante a anexação da Crimeia em 2014, ou na corrente crise na região de Donbass, a Rússia tem utilizado estratégias mais dissimuladas, como explorar as divisões internas etno-linguísticas entre falantes de russo e de ucraniano para alimentar tensões e disrupções domésticas.

Moscovo também tem conseguido utilizar a influência de oligarcas ucranianos com simpatias russas, incluindo Viktor Medvedchuk, de forma a aumentar descontentamento e promover retórica anti-ocidental. Isto é particularmente eficaz, dada a sua influência sobre camadas amplas da população – especialmente na zona industrial leste do país – e ao seu controlo de meios de comunicação nacionais. Esta estratégia tem permitido à Rússia negar o seu envolvimento em Donbass, pintando o quadro de um conflito interno. Esta é uma mensagem que o Kremlin provavelmente quererá continuar a promover.

Tensões latentes

Novos relatórios recentes sugerem que Biden pode estar preparado para recuar na pertença da Ucrânia à NATO. Mas o potencial para mais conflitos em 2022, especialmente em Donbass, continua elevado.

Entretanto, o crescente papel da Turquia na estratégia de defesa da Ucrânia – que passou por exemplo pela venda recente de drones a Kiev – apresenta-se como um ponto-chave de ignição. Afinal, Moscovo opõe-se veementemente ao armamento da Ucrânia, em particular pela Nato – da qual a Turquia é membro.

Em qualquer caso, a perceção de Moscovo sobre as ambições ocidentais na Ucrânia, junto com os exercícios militares no Mar Negro, continuarão a alimentar tensões entre os dois lados. E dado o envolvimento crescente da Rússia na Bielorrússia e a sua presença militar na região moldava dissidente da Transnístria, perto da Ucrânia, é pouco provável que os medos de um aventureirismo militar e de potenciais incursões na Ucrânia se dissipem em breve.


Liana Semchuk é doutorada pela Universidade de Oxford, especialista na política da Europa de Leste e na economia pós-soviética.

Artigo publicado no The Conversation. Tradução de Carlos Carujo para o Esquerda.net.

política: 
Ucrânia
(...)

Neste dossier:

Guerra na Ucrânia

A agressão militar desencadeada por Putin foi o passo mais recente de um conflito antigo. Reunimos aqui artigos de análise da situação e a perspetiva da esquerda russa e ucraniana. Dossier organizado por Carlos Carujo.

Steve Bannon, uma das figuras mais influentes da extrema-direita norte-americana. Foto de Gage Skidmore/Flickr.

Ucrânia: a extrema-direita americana escolheu Putin

Na Europa, a extrema-direita dividia-se tradicionalmente entre o apoio aos seus congéneres ucranianos e o apoio ao regime de Putin. A força do dinheiro desempatava no caso de grandes partidos como os de Le Pen e de Salvini. Nos EUA, depois da invasão a balança passou a pender mais claramente para a admiração pelo presidente russo.

Manifestantes do grupo de esquerda "Movimento Social" manifestam-se contra a guerra. Foto do Facebook desta organização.

Uma carta à esquerda ocidental a partir de Kiev

Com a capital ucraniana a ser bombardeada, o historiador de esquerda Taras Bilous decidiu escrever uma carta à esquerda que “exagera a influência da extrema-direita na Ucrânia mas não presta atenção à extrema-direita nas “Repúblicas Populares” e evitar criticar as políticas conservadoras, nacionalistas e autoritárias de Putin”.

Manifestação de apoiantes do Azov em 2019 em Kiev. Foto de Goo3/Wikimedia Commons.

Os dois rostos da extrema-direita ucraniana

A propaganda de Putin mostra a Ucrânia como um estado fascista. A ocidente a extrema-direita ucraniana costuma ser negligenciada. Adrien Nonjon faz aqui o retrato realista de um fenómeno que apesar de continuar a ser “marginal”, tenta ser “o novo ponto de convergência e de partida para uma revolução nacional pan-europeia”.

Putin foto de Antonio Marín Segovia/Flickr.

A guerra de Putin na Ucrânia: nas pegadas de Saddam Hussein

Há um paralelo impressionante entre o comportamento de Vladimir Putin na Ucrânia e o comportamento de Saddam Hussein no passado. Os dois homens recorreram à força, acompanhados de reivindicações notavelmente semelhantes, para alcançar ambições expansionistas. Por Gilbert Achcar.

Barricada dos independentistas em Luhanksem 2014. Foto de Qypchak/Wikimedia Commons.

“Há sentimentos muito contraditórios na população de Donbass”

O investigador Gerard Toal tem feito inquéritos às populações do sudeste da Ucrânia e em Donbass em particular. Defende que a identidade desta região não é etno-nacionalista mas marcada sobretudo pelo orgulho na sua potência industrial da era soviética. E fala ainda das raízes do conflito e da agenda do governo de Putin.

Putin, o czar da extrema direita russa e europeia

Os principais aliados políticos de Vladimir Putin na Europa são partidos da extrema-direita. Por entre acordos de cooperação com o partido Rússia Unida e denúncias de financiamento ilegal a partir de Moscovo, as formações lideradas por Salvini, Marine Le Pen e Viktor Orbán integram a órbita europeia do chefe do Kremlin.

Bloco condena "agressão imperialista da Rússia" e defende "Ucrânia integral e neutral"

A Comissão Política do Bloco de Esquerda defende que Portugal deve "condenar a aventura militar de Putin e demarcar-se dos posicionamentos de apoio aos EUA e à expansão da NATO". Leia aqui o comunicado.

Banco Nacional da Ucrânia. Foto de Max/Wikimedia Commons.

A Ucrânia e o Império do Capital

A transição voraz do país para uma economia de mercado dirigida pelo bloco cleptocrático dominante tornou a Ucrânia numa vítima do implacável crescimento do império do capital vulnerável à colisão entre os imperialismos capitalistas russo e ocidental. Por Yuliya Yurchenko.

Manifestantes do Movimento Socialista Russo em 12 de fevereiro. Foto do Facebook do grupo.

Movimento Socialista Russo toma posição contra “imperialismo russo”

Putin culpou Lenine pela existência da Ucrânia e ameaçou mostrar a Kiev “o que significa descomunização”. O MSR apela à retirada imediata de tropas russas e ao direito dos cidadãos ucranianos a decidir o destino do seu país "sem os imperialistas do ocidente ou do oriente".

Jardim de infância bombardeado esta quinta-feira. Foto de EPA/JOINT FORCES OPERATION PRESS SERVICE/Lusa.

Perguntas e respostas sobre a guerra que estava esquecida em Donbass

A atenção mediática mundial virou-se para o bombardeamento de um jardim de infância no leste da Ucrânia. Mas a região está em guerra há oito anos. Alberto Sicilia esclarece o que está em disputa neste conflito.

Manifestantes na praça Maidan a atirar cocktails molotov. Foto de Mstyslav Chernov/Wikimedia Commons.

Como uma insurreição de extrema-direita apoiada pelos EUA nos trouxe à beira da guerra

Em 2014, as disputas dos poderosos, a ira justa contra um status quo corrupto e oportunistas de extrema-direita derrubaram o governo ucraniano. A crise de hoje não pode ser compreendida sem entender as revoltas de Maidan – e o apoio de Washington. Por Branko Marcetic.

Praça Maidan em Kiev que se tornou o centro da revolta de 2014.

“Alemanha é o alvo principal da campanha mediática da invasão iminente”

Nesta entrevista, o sociólogo ucraniano Volodymyr Ishchenko explica as origens da atual crise e as ficções que se construíram acerca dela.

Biden passa revista a militares recém-formados. Foto de West Point/Flickr.

Chomsky: Abordagem dos EUA à Ucrânia e Rússia “deixou de ser racional”

Nesta entrevista ao Truthout, o intelectual norte-americano analisa as contradições dos EUA sobre “esferas de influência” e sobre “respeito à soberania” dos países, ao mesmo tempo que recorda a história do alargamento da Nato a Leste.

Destruição causada pela guerra em Sloviansk. Foto de Wojciech Zmudzinski/Flickr.

A “segurança coletiva” e o conflito na Ucrânia

O princípio da soberania absoluta de segurança e militar da Ucrânia tornou-se numa desculpa para manter a funcionalidade da NATO e colocá-la no seu contexto regional europeu sob a hegemonia dos EUA, após o seu fracasso no Afeganistão. Artigo de Gustavo Buster.

Restos de material de guerra do conflito em Debaltseve. Foto Unicef Ucrânia.

A Ucrânia, segundo o Kremlin

Ainda que seja inegável que há um confronto geo-estratégico entre NATO e Rússia, quem olhe para este conflito a partir da esquerda não deve fazer um duplo mortal com pirueta e acabar a apoiar o reacionário e contra-revolucionário Putin, cujas políticas fariam as delícias dos militantes do VOX. Por Miguel Vázquez Liñán.

Tanque T-90-S russo. Foto de Dmitry Terekhov/Flickr.

Ucrânia: Crise entre a Rússia e o ocidente tem estado na incubadora há 30 anos

Por um lado, a Rússia pretende opor-se à expansão da NATO para leste. Por outro, esta teme que a acumulação de meios militares na Bielorrússia e na fronteira com a Ucrânia possa ser o prenúncio de uma invasão deste país. Tensões que vêm desde a dissolução da União Soviética. Por Liana Semchuk.