Está aqui

Offshores do BCP: Banqueiros multados por manipulação de mercado

No início de 2013, um tribunal condenou nove ex-administradores do BCP a multas num total de mais de quatro milhões de euros, confirmando a condenação prévia do regulador da bolsa. Entre 1999 e 2007, o banco falseou as contas e escondeu a atividade de dezenas de offshores controladas por testas-de-ferro e usadas para comprar ações próprias. O buraco ronda os 600 milhões de euros e o banco é hoje um dos maiores destinatários do empréstimo da troika a Portugal, ao ficar com 3 mil milhões da linha de apoio à banca.
Administradores provocaram um buraco de 600 milhões ao BCP e ao Fundo de Pensões que lhes continua a pagar as reformas milionárias. Foto Paulete Matos

O caso das offshores do BCP resultou em dois processos de contra-ordenação, abertos em 2008 pela Comissão de Mercado de Valores Mobiliários (CMVM). O primeiro acusava o banco por ter prestado informação falsa ao mercado entre 2003 e 2007 - os delitos anteriores já estavam prescritos -, ao utilizar 31 sociedades off-shores para comprar acções próprias e esconder perdas, durante a gestão chefiada por Jardim Gonçalves. Este processo resultou na condenação do Banco a pagar uma multa de 5 milhões de euros, com metade do valor executado a ser suspenso por dois anos. O banco interpôs recurso atrás de recurso até chegar ao Tribunal Constitucional, que rejeitou as suas pretensões e confirmou a multa em fevereiro de 2012.

O segundo processo acusa individualmente os ex-administradores e já teve confirmação da sentença da CMVM no Tribunal de Pequena Instância Criminal em janeiro deste ano. Os condenados são Jardim Gonçalves, fundador e ex-presidente do banco; Filipe Pinhal, que também chegou a presidir ao BCP e recentemente lançou uma associação de reformados milionários indignados; António Rodrigues, antigo administrador financeiro; Paulo Teixeira Pinto, que também foi presidente do banco; Christopher de Beck, António Castro Henriques e Alípio Dias, três ex-administradores; Luís Gomes, antigo diretor do banco; Miguel Magalhães Duarte, o único dos nove que não foi condenado a inibição da atividade bancária.

Filipe Pinhal foi multado em 800 mil euros e inibido por cinco anos da atividade bancária. António Rodrigues teve coima de 900 mil euros e cinco anos de inibição; Christopher de Beck tem de pagar 650 mil euros e inibição de quatro anos; António Castro Henriques, coima de 250 mil euros e inibição por dois anos; Alípio Dias, coima de 200 mil e inibição de um ano; Paulo Teixeira Pinto, coima de 200 mil e inibição de um ano; Luís Gomes, coima de 250 mil e inibição de três anos; Miguel Magalhães Duarte foi condenado a pagar 75 mil euros. Tal como o BCP no outro processo, todos devem recorrer da sentença. E todos eles, apesar de condenados pela CMVM e por um tribunal, continuam a receber reformas douradas pagas pelo banco.

Num terceiro processo, atualmente em fase de julgamento, o Ministério Público acusa dois antigos presidentes do BCP, Jardim Gonçalves e Filipe Pinhal, e dois ex-administradores do banco, Christopher de Beck e António Rodrigues, dos crimes de manipulação de mercado e falsificação de documentos.

Quem paga a festa dos banqueiros do BCP?

Da leitura das sentenças da CMVM fica claro que os administradores do BCP tinham interesse pessoal e directo na declaração de resultados artificialmente elevados, dado que as suas remunerações indirectas resultavam de prémios em percentagem dos resultados, podendo chegar a 10% dos lucros (no caso de Jardim Gonçalves, os ganhos chegaram a 10 milhões de euros). Mas também permite concluir que alguns dos grandes acionistas, que agiam como intermediários na compra de ações próprias do banco, viram as suas dívidas perdoadas. O crédito concedido de forma irregular a familiares dos administradores - como o filho do fundador do banco - foi outras das situações trazidas a público.

Toda esta situação desenrolou-se durante anos sob o nariz da regulação bolsista e da empresa de auditoria KPMG, que foi incapaz de detectar qualquer anomalia e ratificou contas que estavam falseadas. Também o Banco de Portugal, que tinha conhecimento da existência de pelo menos quatro sociedades offshore, registadas em nome do acionista Goes Ferreira, desde 2002, nada fez para investigar a situação. Na decisão de multar o banco, a CMVM calcula que "o valor declarado (pelo BCP) de capitais próprios chegou a estar sobreavaliado em 21% em 2002 e 2003 e em 17% em 2004", tendo o banco voltado a mentir quando disse que as contas divulgadas já em 2007 revelavam as perdas sofridas pelas offshores. 

Para os clientes do banco que foram aliciados com oferta de crédito para comprar ações, nada disto era conhecido. Em vez de um investimento numa instituição bancária sólida e bem gerida, esses pequenos acionistas acabaram donos de papel que pouco vale, mas também de uma dívida gigantesca pelo empréstimo contraído para a compra de ações.

Quanto aos administradores responsáveis pelo período em que o banco afundou, não deverão ter grande problema em pagar as multas. Jardim Gonçalves ganha mais de 2 milhões de euros anuais e tem direito a avião, médico em Nova Iorque e segurança pessoal. Foi o único dos ex-administradores a não aceitar o acordo proposto pelo banco para baixar a reforma. Mesmo com estes cortes, Filipe Pinhal e Christopher de Beck ganham mais de um milhão de euros por ano e Paulo Teixeira Pinto mais de meio milhão. Mas o Fundo de Pensões do BCP que lhes paga as reformas foi um dos principais prejudicados pelas operações ruinosas com as offshores das ilhas Caimão. Só uma delas - a Comercial Imobiliária, que vendia ao Fundo o papel comercial que emitia - foi responsável por um buraco de 116 milhões de euros nas contas do Fundo de Pensões em 2006 e 2007.  

Banqueiros na AR: o segredo é a alma do negócio

O escândalo do BCP foi objeto de uma comissão parlamentar de inquérito, marcada pela recusa da maioria (nessa altura governava o PS) em ouvir muitos dos diretamente implicados no caso. Isso impediu uma investigação aos fracassos da supervisão do sistema bancário e até à forma como se operava a manipulação de mercado. O Bloco de Esquerda foi representado por Francisco Louçã, que denunciou o bloqueio ao funcionamento da comissão e resumiu algumas das fases mais marcantes das audições num relatório alternativo ao da maioria.

A invocação do segredo bancário, profissional ou de justiça para não responder às perguntas  foi uma constante na maior parte dos convocados a depor nesta comissão parlamentar, mesmo em questões que envolviam informação que é pública e nalguns casos publicada pelo próprio banco. A questão deu origem a um requerimento do Bloco acerca dos poderes próprios da comissão como entidade dotada de poder de investigação jurídica, à qual não é oponível o segredo de justiça. O PS votou contra este entendimento e o PCP e o CDS abstiveram-se.

Este manto de segredo invocado nos depoimentos à comissão passou ao lado do relatório da maioria socialista, que destacava antes o "espírito de total colaboração com a comissão de inquérito". Na verdade, supervisores e supervisionados desfilaram na comissão para repetir a mesma ideia: não houve problemas de supervisão neste caso, uma vez que toda a informação pedida ao banco foi entregue e os procedimentos foram sempre corretos também ao nível da auditoria. Ficou por se saber como é que o sistema funcionou bem e ao mesmo tempo deixou passar despercebidas centenas de milhões de euros em perdas com as offshores escondidas durante tantos anos.

Na comissão de inquérito, Jardim Gonçalves quebrou o silêncio quando o tema foi a desgraça dos pequenos acionistas enganados pelas contas da sua administração. O banqueiro disse ter ficado "surpreendido, quando já não sendo presidente executivo, tive notícia de que o conselho executivo estava a tentar resolver o problema dos pequenos accionistas". Para Jardim Gonçalves, "não há pequenos acionistas com problemas", mas sim "clientes com problemas de risco e de incobrabilidade". Alguns desses clientes chegaram a negociar com o seu sucessor, Paulo Teixeira Pinto, alguma compensação pelas perdas sofridas. A administração que o substituiu reconheceu na prática a culpa do banco por tê-los prejudicado e abriu um processo de negociação com alguns pequenos acionistas.

Ontem no BCP, hoje na supervisão…

A habitual lentidão da justiça em tratar este tipo de processos tem pelo menos um efeito inesperado: fazer emergir figuras que tiveram alguma ação sobre os factos em julgamento mas que hoje ocupam cargos de responsabilidade do lado de quem devia prevenir as ações que cometeram no passado. É o caso do atual governador do Banco de Portugal, que foi este mês testemunhar no julgamento que acusa Jardim Gonçalves, Filipe Pinhal, Christopher de Beck e António Rodrigues. Carlos Costa era na altura diretor da área internacional do BCP e dava luz verde à renovação dos créditos às offshores usadas para falsear as contas.

"Só tomei conhecimento da existência destas ‘offshores' no dia em que fui testemunhar", afirmou Carlos Costa, antes de se mostrar irritado com a procuradora que o comparou ao "o homem que num armazém põe "confere"". "Eu não sou nenhum capataz de conferências”, respondeu o atual governador do Banco de Portugal.

Em janeiro, numa das últimas sessões do julgamento que confirmou a condenação da CMVM aos 9 ex-administradores, um dos acusados surpreendeu a sala de audiências ao revelar que o ex-quadro do BPA que assumira em tribunal ter criado cinco offshores nas ilhas Caimão envolvidas no processo, acabara de ser nomeado diretor da supervisão na CMVM. "Isto é a prova que a CMVM não acredita na acusação que nos estão a imputar", alegava Magalhães Duarte, que tentava escapar à multa de 75 mil euros.

Semanas depois, o recém nomeado supervisor da CMVM, Miguel Namorado Rosa, foi depor como testemunha no outro julgamento e aproveitou para rejeitar o título de "criador" das offshores, repetido pela imprensa. "Recebia instrução, orientação do meu administrador", esclareceu Namorado Rosa, referindo-se a Líbano Monteiro, do BPA. O ex-quadro do BPA e BCP acrescentou que não sabia quem seriam os donos das offshores, mas que daí não concluia "que eram pessoas fantasmas, que não existiam", afirmou ao tribunal.

Hoje em dia, depois das guerras de poder, dos investimentos ruinosos e do abuso dos banqueiros sobre o património do banco, é justo dizer que o BCP só mantém as portas abertas graças ao apoio garantido pelos contribuintes. Para cumprir as regras impostas pelo Banco Central Europeu, o BCP recorreu à linha de financiamento da banca do empréstimo da troika, no valor de 3 mil milhões de euros.

(...)

Resto dossier

Dez escândalos pagos pelos contribuintes

A promiscuidade entre a política e os negócios tem sido uma constante na vida do país nas últimas décadas. O esquerda.net selecionou dez casos que escandalizaram o país, beneficiando gente poderosa e próxima do círculo do poder às custas dos contribuintes. Dossier organizado por Luís Branco. 

BPN: o assalto laranja ao país

O banco fundado e afundado por ex-governantes do PSD serviu de plataforma para branquear capitais e distribuir dinheiro pelo círculo próximo do partido. A fatura está a ser paga pelos contribuintes e pode chegar aos 7 mil milhões. As investigações e processos arrastam-se na justiça e o BPN acabou entregue ao capital angolano a preço de saldo.

Offshores do BCP: Banqueiros multados por manipulação de mercado

No início de 2013, um tribunal condenou nove ex-administradores do BCP a multas num total de mais de quatro milhões de euros, confirmando a condenação prévia do regulador da bolsa. Entre 1999 e 2007, o banco falseou as contas e escondeu a atividade de dezenas de offshores controladas por testas-de-ferro e usadas para comprar ações próprias. O buraco ronda os 600 milhões de euros e o banco é hoje um dos maiores destinatários do empréstimo da troika a Portugal, ao ficar com 3 mil milhões da linha de apoio à banca.

Fuga ao fisco e branqueamento de capitais: da "Operação Furacão" ao "Monte Branco"

A história de uma das maiores operações de fraude fiscal organizada pela banca e apanhada pela justiça arrisca-se a chegar ao fim sem que ninguém seja acusado. Na "Operação Furacão" desencadeada em 2005, os crimes fiscais ou prescrevem ou são perdoados em troca do pagamento do imposto em falta. Muitos voltaram a ser apanhados noutro esquema de branqueamento de capitais. A maioria aproveitou a amnistia oferecida pelo Governo para repatriar as fortunas e escapar às acusações, voltando a transferi-la em seguida para fora do país.

Quem ganha com as Parcerias Público Privadas?

O relatório preliminar da Auditoria Cidadã à Dívida Pública permite-nos conhecer melhor a gigantesca operação de transferência de capitais para os maiores grupos privados da finança e construção. Selecionámos alguns excertos do relatório que dizem respeito às PPP para este dossier.

Privatização da água seca os cofres das autarquias e aumenta a fatura

Os contratos de concessão de água a privados em Barcelos, Paços de Ferreira e Marco de Canavezes mostram as consequências terríveis da privatização do setor: os consumidores pagam mais e os privados lucram com a água que é de todos. E até recebem pela água que não sai da torneira: se o consumo baixar, o contribuinte paga a diferença.

BPP: Lucros para acionistas, buraco para os contribuintes

O Banco Privado Português foi arruinado pela má gestão dos administradores, que transferiam as perdas dos seus investimentos para as carteiras dos clientes. Um ano antes de falir, o banco pagou milhões em dividendos a acionistas como Balsemão, Saviotti e o próprio João Rendeiro, agora acusado em tribunal.  

Privatização do Totta: o jackpot de Champalimaud

A privatização do banco Totta & Açores em 1989 deu origem a uma grande polémica sobre a passagem da banca nacional para mãos espanholas. Champallimaud, recém-indemnizado pelo Estado, ficou com o banco apelando à proteção dos empresários nacionais, antes de o vender ao Santander. E quem mexeu os cordelinhos deste negócio do lado do Estado aparece depois do lado do banqueiro.

Portucale, submarinos e financiamento partidário

A primeira passagem de Paulo Portas pelo Governo ficou marcada pelas suspeitas de pagamento de luvas em negócios onde o Grupo Espírito Santo marcava presença, quer como parte interessada, quer como intermediário. Os escândalos ficaram impunes e há um milhão de euros depositado na conta do CDS no BES cuja proveniência continua em segredo.

Administração laranja acusada de fraude nos CTT

A história do prédio do CTT que em 2003 foi vendido duas vezes no mesmo dia, denunciada por Marinho Pinto, deu origem a uma investigação à gestão de Horta e Costa, nomeada pelo Governo Durão/Portas. O inquérito ficou três anos na gaveta e só agora onze pessoas sentam-se no banco dos réus, acusadas de  corrupção, fraude fiscal, branqueamento de capitais, administração danosa, falsificação de documentos ou participação económica em negócio. O rasto da corrupção nos CTT também passou pelo BPN e abriu um buraco de 13,5 milhões nas contas da empresa pública.

Televisão Digital Terrestre: "Deu-se à raposa o galinheiro"

A Portugal Telecom, através da PT Comunicações, foi a única candidata ao concurso para a licença da TDT. Criou-se assim uma curiosa situação de monopólio, já que a PT, que possui a Meo, não tem qualquer interesse no sucesso da TDT. Milhares de pessoas perderam acesso à tv e muitos tiveram de pagar para ver os mesmos quatro canais que já viam…