Está aqui

O homem do lixo

A queda de Murdoch é uma boa notícia para a liberdade de imprensa e para a democracia, independentemente do terramoto político que venha ainda a provocar.
Os tablóides ingleses de Murdoch lucraram quase 100 milhões de euros em 2010, um dos anos mais complicados para os grupos de imprensa

O caso das escutas ilegais em Inglaterra parece dar início à queda de Rupert Murdoch, o magnata da News International. Este grupo de comunicação dispôs de uma autêntica rede de espionagem sobre políticos, celebridades e não só: os investigadores deste escândalo confirmam 4000 pessoas na lista de alvos de vigilância do detective privado suspeito de violar os "voice mails" dos telemóveis.

O News of the World, tablóide campeão de vendas ao domingo, pagou durante anos a agentes e responsáveis policiais para obter informações confidenciais sobre gente poderosa, entre eles alguns adversários do grupo. A violação dos "voice mails" foi denunciada primeiro pelo príncipe William e a investigação que condenou um editor e um detective privado apontava para a existência de apenas mais oito pessoas escutadas da mesma forma. O responsável pela investigação foi Andy Hayman, o oficial de polícia que liderou o contraterrorismo em Inglaterra entre 2005 e 2007, altura em que foi obrigado a demitir-se sob suspeita de fazer despesas sumptuárias. Foi então contratado como colunista dos jornais do grupo News International

Os tablóides ingleses de Murdoch lucraram quase 100 milhões de euros em 2010, um dos anos mais complicados para os grupos de imprensa. A ambição do magnata era comprar a totalidade da cadeia televisiva BSkyB e aumentar ainda mais a influência que já tem sobre a política do país: Andy Coulson, o editor do News of the World que saiu na sequência das condenações das escutas em 2007, tornou-se em seguida director de comunicação dos Conservadores. Com a eleição de David Cameron no ano passado, Coulson foi para Downing Street dirigir a comunicação do primeiro-ministro e ganhar o salário mais alto de todos os assessores do governo... até se ter demitido de novo em Janeiro, pelo avolumar das suspeitas sobre o seu papel encorajador do uso das escutas para produzir manchetes.

Nos Estados Unidos, Murdoch detém a licença de 27 canais, entre eles a Fox News, defensora da guerra do Iraque e da administração Bush e por onde já passaram como comentadores os principais candidatos republicanos às próximas presidenciais. Mas se se provarem as suspeitas de que o grupo usou o mesmo método para escutar os "voice mails" de vítimas do atentado de 2001 nas Torres Gémeas, dificilmente encontrará quem o defenda, mesmo entre a direita que recebe generosos contributos financeiros do magnata.

Neste escândalo que vitimou o maior jornal de escândalos, as ligações perigosas entre os media, a política e a polícia compoem uma teia de favores e chantagens que provavelmente nunca será conhecida. Muita da informação privada recolhida não foi publicada, mas poucos crêem que não terá sido usada para servir os propósitos do todo-poderoso grupo mediático agora caído em desgraça. Até a primeira comissão de inquérito ao escândalo optou por não convocar Rebekah Brooks, a ex-editora e agora administradora do grupo que se transformou na vilã deste caso:  despediu 200 jornalistas que nada tinham a ver com todos estes crimes, anunciando ao mesmo tempo que não se demite do cargo que detém na empresa. Ao que parece, os membros da comissão de inquérito tiveram receio das represálias do grupo e optaram por não arriscar ver alguma parte menos favorável das suas vidas expostas no Sun ou News of the World.
 

A queda de Murdoch é uma boa notícia para a liberdade de imprensa e para a democracia, independentemente do terramoto político que venha ainda a provocar. E é animador saber que no fim da história acaba por ser o jornalismo que está de parabéns: foi na redacção do Guardian, indiferente aos recuos na Justiça, que avançou a investigação para saber a verdade por detrás das escutas, ao ponto da Justiça não poder agora ignorá-la. A petição que corre em Inglaterra para que os políticos assumam as suas responsabilidades - e promovam um inquérito público que vá até às últimas consequências em vez de tentarem abafar a extensão da teia montada - diz-nos que a sociedade está vigilante em defesa da informação contra a manipulação. É sempre boa altura para limpar o lixo...

Sobre o/a autor(a)

Jornalista
(...)

Resto dossier

Escutas do império Murdoch

Um grupo mediático controla e amedronta o poder político. Durante anos, conseguiu espiar ilegalmente a vida de muita gente em Inglaterra. Manteve ligações próximas ao primeiro-ministro David Cameron, que contratou um dos implicados no escândalo para o governo e negociava a entrega da maior rede de pay-TV do país a Rupert Murdoch | Dossier organizado por Luís Branco.

O homem do lixo

A queda de Murdoch é uma boa notícia para a liberdade de imprensa e para a democracia, independentemente do terramoto político que venha ainda a provocar. Por Luís Branco

"O grupo Murdoch negoceia poder"

Nick Davies é o jornalista do Guardian que investigou nos últimos três anos as escutas ilegais no News of the World. Aqui está o resumo da entrevista que deu a Amy Goodman e Juan Gonzalez, do Democracy Now.

Tudo o que é sólido se dissolve no ar

A comunicação social é um negócio e nela os jornalistas têm cada vez menos força. Não são artesãos livres, mas empregados que têm de criar produtos e notícias que vendam. Por Nuno Ramos de Almeida.

Quem é quem no escândalo das escutas ilegais?

Aqui está o perfil resumido dos protagonistas do escândalo das escutas ilegais do lado do News of the World e as suas ligações à política e à polícia do Reino Unido. Quem são James Murdoch, Rebekah Brooks, Andy Coulson, Paul Stephenson, Andy Hayman e Sean Hoare?

Os Murdoch têm que parar de manipular e demitirem-se na sequência do escândalo das escutas ilegais

A máquina de relações públicas da NewsCorp colocou a sobrevivência do grupo empresarial acima da verdade, mas está na hora dos Murdoch pararem de sacudir as responsabilidades. Por Robert Greenwald, o autor do documentário Outfoxed - Rupert Murdoch's War on Journalism.

Os oportunos críticos de Murdoch

Desfrutar do escândalo colossal que está a atingir o império mediático de Rupert Murdoch é quase um dever cívico, mas alguns que sabiam mais estão a fingir o choque e a indignação. Por Mark Steel.

“Murdoch modela a política inglesa há 40 anos”

Murdoch usou o jornalismo de escândalos sexuais para atacar a ala esquerda do Partido Trabalhista e em seguida ajudou a criar Tony Blair. Entrevista com Leo Panitch, professor de Ciências Políticas da Univ. Nova Iorque.

Como a imprensa Murdoch defende o segredo sujo da Austrália

Diz-se que a escuta ilegal de gente famosa feita pelo News of the World é o Watergate de Rupert Murdoch. Mas será mesmo este o crime por que Murdoch devia ser conhecido? Na sua terra natal, a Austrália, Murdoch controla 70 por cento da imprensa da capital. A Austrália é a primeira murdochracia do mundo, em que o poder é a difamação pelos media. Por John Pilger.

Porque atirei uma tarte à cara do Rupert Murdoch

Alguns podem pensar que a minha acção jogou a favor de Murdoch, mas eu fi-la por todas as pessoas que não puderam. Por Jonnie Marbles, o comediante activista que atirou uma tarde de espuma a Rupert Murdoch no final da audição parlamentar.

News of the World, o poder do medo

Os conglomerados mediáticos sentem-se em condições de fazer o que quiserem. Eles tornam-se tão poderosos que se desobrigam de cumprir as normas legais e éticas que anunciam defender. É, portanto, indispensável que se controle a propriedade cruzada e as condições de criação das redes de radiodifusão. Por Venício Lima.

Condenação de Tommy Sheridan pode ser anulada

As revelações sobre as ilegalidades cometidas pela News International deram nova esperança aos apoiantes do ex-líder do Partido Socialista Escocês, actualmente na prisão. Por James Doleman.