Está aqui

Os oportunos críticos de Murdoch

Desfrutar do escândalo colossal que está a atingir o império mediático de Rupert Murdoch é quase um dever cívico, mas alguns que sabiam mais estão a fingir o choque e a indignação. Por Mark Steel.
Mark Steel é colunista do jornal Independent e um comediante inglês conhecido pelas suas posições socialistas.

Oh isto é tão divertido! A cada passo fica ainda melhor, mas há sempre uma advertência de que “o pior está para vir” deixando-nos a tentar imaginar o que poderão ter feito que seja pior do que isto. Provavelmente, amanhã, eles terão colocado um insecto* na perna falsa de Heather Mill e terão invadido a caixa de voz de Stephen Hawking.

A única coisa que mancha tudo um bocadinho é que agora toda a gente odeia Murdoch. É como quando se gosta de uma banda desconhecida e torna-se famosa.

De repente, os políticos, que passaram as suas carreiras prostrados diante de Murdoch estão em choque perante o horror destas revelações. Este espanto poderia ser razoável se a News International fosse gerida por Susan Boyle ou por Judi Dench, mas era gerida pelo Rupert-Maldito-Vilão-Murdoch, seu idiota!

Os políticos não podem ser culpados porque, como disse Peter Mandelson, “receamo-lo.” Pode-se entender isto porque as pessoas no Egipto e na Síria que resistem aos tiranos enfrentam apenas tortura e a morte, mas Murdoch pode publicar uma fotografia de si com a cabeça numa lâmpada e ninguém é capaz de suportar isso, especialmente se for alguém com um trabalho humilde e sem poder nenhum como é o caso do primeiro-ministro.

Então que poderiam eles fazer senão voar à volta do mundo para vê-lo e ser fotografado a rir e a jantar com ele uma e outra vez? Ao fim e ao cabo, não vale a pena ser um mártir.

Cameron prometeu continuidade contratando uma das pessoas mais próximas de Murdoch e pondo de lado um ministro em caso de este se pôr no caminho de Rupert. E ainda convidou Rebekah Brooks – a vice da News International até se ter demitido no fim-de-semana pouco tempo depois de ter sido presa – para o jantar de Natal o que aconteceu, explicou ela, por pertencer ao seu círculo eleitoral. Então, este Natal, todos os cidadãos do círculo eleitoral deveriam aparecer para jantar, e sem dúvida que vão poder entrar e conversar sobre os canos atrás do Lidl enquanto tomam um cálice de porto.

Mas, agora, os líderes do partido estão desconcertados e enojados e nunca poderiam ter adivinhado, é tão convincente como alguém que protesta, “passei 10 anos com um gang de lutas de cães, mas não tinha ideia de que eles estavam envolvidos nisso.”

- - - - - - - - - - - - - - - -

A polícia também está em choque porque como poderiam saber que 11 mil páginas de documentos sobre escutas ilegais poderiam conter provas de escutas ilegais?

Deveria haver uma série de detectives baseada no Inspector Yates, que liderou a investigação sobre os jornais de Murdoch. Todas os episódios acabariam com os suspeitos todos juntos numa sala com ele a dizer, “nesta caixa estão documentos que provam que um de vós é um assassino. Mas não tenho tempo para ver isso em pormenor, portanto, podem ir em liberdade.”

Até mesmo a própria Brooks está “espantada” e, antes de ir pela prancha, estava desejosa de investigar. Então o jornal ia investigar ele próprio, a polícia investiga-se a si própria e os políticos serão investigados através de um inquérito decidido por eles próprios.

Eles são favoráveis à lei e ordem estritas, talvez seja este o plano deles para acelerar a justiça. Em vez de julgamentos dispendiosos, os acusados podem abrir inquéritos sobre eles próprios e regressar daqui a três anos para nos dizer se fizeram ou não algo de errado.

Apesar disto tudo, cada dia é glorioso para aqueles que viram as organizações de Murdoch quebrar governos, apoiar guerras e massacres, e esmagar sindicatos, porque está a fugir, a cair como um ditador cujo poder está sob ameaça, e abismado porque as pessoas já não se curvam perante ele.

Como bónus parece que cada dia alguém desagradável é apanhado no problema, então, este fim-de-semana, espero que o apresentador da BBC Rádio 1, Chris Moyles, seja forçado a demitir-se, e que o tipo que me cortou quando eu fazia a curva para a Streatham High Road seja pressionado.

E como todos os regimes despóticos em queda, histórias surgirão sobre a loucura interna como aquela em que Rebekah Brooks pede a um jornalista para ir à conferência de imprensa na manhã do 11 de Setembro vestido de Harry Potter. Se ele ao menos tivesse aceitado e voltado para tranformá-la numa coruja.
 

[*] O autor utiliza a palavra earwig que tem um duplo significado: é um insecto e também alguém que escuta ou invade a privacidade de forma oculta (N.T.)


Tradução de Sofia Gomes. Artigo original publicado no Independent.

Mark Steel é um comediante, colunista do jornal The Independent, e é um socialista e activista no Reino Unido. É autor de duas colecções sobre a Grã-Bretanha, It's Not a Runner Bean: Dispatches de Slightly Successful Comedian and Reasons to Be Cheerful, e ainda Vive la Revolution: A Stand-up History of the French Revolution.
 

(...)

Resto dossier

Escutas do império Murdoch

Um grupo mediático controla e amedronta o poder político. Durante anos, conseguiu espiar ilegalmente a vida de muita gente em Inglaterra. Manteve ligações próximas ao primeiro-ministro David Cameron, que contratou um dos implicados no escândalo para o governo e negociava a entrega da maior rede de pay-TV do país a Rupert Murdoch | Dossier organizado por Luís Branco.

O homem do lixo

A queda de Murdoch é uma boa notícia para a liberdade de imprensa e para a democracia, independentemente do terramoto político que venha ainda a provocar. Por Luís Branco

"O grupo Murdoch negoceia poder"

Nick Davies é o jornalista do Guardian que investigou nos últimos três anos as escutas ilegais no News of the World. Aqui está o resumo da entrevista que deu a Amy Goodman e Juan Gonzalez, do Democracy Now.

Tudo o que é sólido se dissolve no ar

A comunicação social é um negócio e nela os jornalistas têm cada vez menos força. Não são artesãos livres, mas empregados que têm de criar produtos e notícias que vendam. Por Nuno Ramos de Almeida.

Quem é quem no escândalo das escutas ilegais?

Aqui está o perfil resumido dos protagonistas do escândalo das escutas ilegais do lado do News of the World e as suas ligações à política e à polícia do Reino Unido. Quem são James Murdoch, Rebekah Brooks, Andy Coulson, Paul Stephenson, Andy Hayman e Sean Hoare?

Os Murdoch têm que parar de manipular e demitirem-se na sequência do escândalo das escutas ilegais

A máquina de relações públicas da NewsCorp colocou a sobrevivência do grupo empresarial acima da verdade, mas está na hora dos Murdoch pararem de sacudir as responsabilidades. Por Robert Greenwald, o autor do documentário Outfoxed - Rupert Murdoch's War on Journalism.

Os oportunos críticos de Murdoch

Desfrutar do escândalo colossal que está a atingir o império mediático de Rupert Murdoch é quase um dever cívico, mas alguns que sabiam mais estão a fingir o choque e a indignação. Por Mark Steel.

“Murdoch modela a política inglesa há 40 anos”

Murdoch usou o jornalismo de escândalos sexuais para atacar a ala esquerda do Partido Trabalhista e em seguida ajudou a criar Tony Blair. Entrevista com Leo Panitch, professor de Ciências Políticas da Univ. Nova Iorque.

Como a imprensa Murdoch defende o segredo sujo da Austrália

Diz-se que a escuta ilegal de gente famosa feita pelo News of the World é o Watergate de Rupert Murdoch. Mas será mesmo este o crime por que Murdoch devia ser conhecido? Na sua terra natal, a Austrália, Murdoch controla 70 por cento da imprensa da capital. A Austrália é a primeira murdochracia do mundo, em que o poder é a difamação pelos media. Por John Pilger.

Porque atirei uma tarte à cara do Rupert Murdoch

Alguns podem pensar que a minha acção jogou a favor de Murdoch, mas eu fi-la por todas as pessoas que não puderam. Por Jonnie Marbles, o comediante activista que atirou uma tarde de espuma a Rupert Murdoch no final da audição parlamentar.

News of the World, o poder do medo

Os conglomerados mediáticos sentem-se em condições de fazer o que quiserem. Eles tornam-se tão poderosos que se desobrigam de cumprir as normas legais e éticas que anunciam defender. É, portanto, indispensável que se controle a propriedade cruzada e as condições de criação das redes de radiodifusão. Por Venício Lima.

Condenação de Tommy Sheridan pode ser anulada

As revelações sobre as ilegalidades cometidas pela News International deram nova esperança aos apoiantes do ex-líder do Partido Socialista Escocês, actualmente na prisão. Por James Doleman.