Está aqui

O ano das greves gerais

O ano que se encerra foi marcado por uma combatividade sem precedentes. Nenhum dos problemas foi solucionado, o que parece ser o prenúncio de confrontos ainda maiores no próximo período.
Foto de VEINN, FlickR

A poderosa greve geral que em Novembro os portugueses protagonizaram foi parte de uma luta que levou, em vários países os trabalhadores cruzaram os braços para protestar contra os ataques económicos. Desde Janeiro, com as greves gerais da Argélia e do Nepal, o que vimos foi uma sucessão de combates do proletariado internacional nos quatro cantos do planeta.

Foram greves heróicas, não só contra a austeridade económica e a crise da globalização capitalista, como também politicas, como a protagonizada pelos trabalhadores panamenhos, em Julho, ou mesmo de carácter revolucionário, como a dos trabalhadores nepaleses, em Maio, que culminou com a renúncia do primeiro-ministro nepalês, em Junho.

As greves gerais são historicamente uma demonstração de que os trabalhadores têm, por um período limitado, que é o da duração da greve, um regime de dualidade de poderes onde os patrões perdem o controle da situação. É, em essência, uma situação de crise revolucionaria aberta, ainda que os trabalhadores possam não ter consciência desse facto.

A globalização capitalista criou um profundo caos e uma brutal crise. E neste ano, marcado pelas greves gerais em tantos países, os trabalhadores demonstraram várias vezes que o movimento atingiu um nível de maturidade que pode levar à luta directa pelo poder. Um exemplo disso foi a greve geral revolucionária do Nepal, em Maio.

Não foram apenas as greves gerais, mas mobilizações poderosas como a onda de greves travada pelos trabalhadores chineses contra a burocracia sindical atrelada ao governo do partido comunista. Também houve a luta heróica dos “vermelhos” na Tailândia

O ano que se encerra foi marcado por uma combatividade sem precedentes. Nenhum dos problemas foi solucionado e parece ser o prenúncio de confrontos ainda maiores no próximo período.

CRONOLOGIA DAS GREVES GERAIS

Janeiro - Argélia e Nepal

Fevereiro – Grecia e Turquia

Marco - Grecia

Maio- Curdistão, Grécia, Bolívia, Nepal e Porto Rico

Junho- Grécia e Bangladesh

Julho: Índia, Panamá e Grécia

Agosto - Chipre

Setembro - Espanha e França

Outubro - Argentina

Novembro - Portugal e Bangladesh

Dezembro- Grécia e Costa do Marfim

Sobre o/a autor(a)

(...)

Resto dossier

O Mundo em 2010

Em época de balanço do ano, relembramos aqui alguns dos factos que marcaram o mundo em 2010. Começando pela catástrofe que arrasou o Haiti em Janeiro, e concluindo com a primeira grande derrota eleitoral de Barack Obama.

Haiti: o terramoto e a herança colonial da pobreza

Um terramoto como o que atingiu a capital do Haiti teria causado enormes danos em qualquer cidade do mundo. Mas a amplitude da catástrofe resultou de uma herança directa do mais brutal sistema de exploração colonial da história.

Deepwater Horizon, o maior desastre ambiental dos EUA

A explosão duma plataforma petrolífera da BP no Golfo do México provocou o maior desastre ambiental da história dos EUA e levantou a questão da falta de segurança e respeito pela legislação ambiental por parte desta multinacional do petróleo.

A crise das dívidas soberanas

Como um castelo de cartas, a crise começou pela Grécia, alastrou à Irlanda, e prepara-se para apanhar Portugal. A banca e os seus agentes querem utilizar esta Grande Recessão para conseguir debilitar o estado de bem-estar, reduzir a dimensão social da Europa e reduzir os direitos sociais e laborais.

Solidários com Gaza sob fogo israelita

A “Flotilha da Liberdade” juntou ONG internacionais numa viagem por mar com ajuda humanitária para a faixa de Gaza, denunciando o bloqueio israelita. O exército assaltou os barcos e matou 9 activistas.

Barack Obama anuncia oficialmente o fim da Guerra do Iraque

Mas 50 mil soldados norte-americanos continuam num país devastado, com uma taxa de desemprego de 25% a 50%, doenças epidémicas sem controlo e 53% da população urbana a viver em bairros de lata.

Cuba anuncia reformas económicas

O anúncio veio em Setembro, pela voz da central sindical: a “actualização do modelo económico” de Cuba vai levar ao despedimento de um milhão de funcionários públicos e ao fim do subsídio de desemprego. Fidel e Raul Castro vão apostar na dinamização do sector privado, esperando que este absorva quem deixe de trabalhar para o Estado.

Derrota dos democratas nas eleições dos EUA

Republicanos obtêm a maior vitória de um só partido desde 1948 na Câmara de Representantes. Democratas mantêm maioria no Senado e viram à direita depois das eleições, dando assim razão ao Tea Party.

O ano das greves gerais

O ano que se encerra foi marcado por uma combatividade sem precedentes. Nenhum dos problemas foi solucionado, o que parece ser o prenúncio de confrontos ainda maiores no próximo período.