Está aqui

Noam Chomsky sobre 1968

Uma das reações mais interessantes a emergir de 1968 surgiu na primeira publicação da Comissão Trilateral que entendia que se estava perante uma “crise da democracia” por haver demasiada participação das massas. Artigo publicado em “New Statesman”, a 8 de maio de 2008
Marcha contra a guerra do Vietname, Nova York, 27 de abril de 1968

1968 foi um tempo excitante de um muito vasto movimento, e deu, ele próprio, origem a um amplo leque de movimentos. Não teria havido um movimento global de solidariedade, por exemplo, se 1968 não tivesse existido. Foi extraordinário em termos de direitos humanos, direitos das minorias e também em relação às preocupações ambientais.

Os Pentagon Papers (Documentos do Pentágono, o relatório governamental ultrassecreto, de 7.000 páginas, sobre a Guerra do Vietname) são a prova de que, imediatamente a seguir à Ofensiva de Tet, o mundo empresarial se manifestou contra a guerra porque achou que ela saía demasiado cara, embora, sabemos agora, houvesse propostas no interior do governo para que fossem enviadas mais tropas americanas. Depois, LBJ (Lyndon Baines Johnson) anunciou que não enviaria mais tropas para o Vietname.

Os Pentagon Papers dizem-nos que, devido ao medo em face de uma crescente agitação urbana, o governo teve de pôr fim à guerra, já que não tinha a certeza de ter tropas suficientes para enviar para o Vietname e tropas suficientes para suprimir a revolta na frente doméstica.

Uma das reações mais interessantes a emergir de 1968 surgiu na primeira publicação da Comissão Trilateral que entendia que se estava perante uma “crise da democracia” por haver demasiada participação das massas. No final da década de 60, esperava-se que as massas fossem passivas, não que entrassem na esfera pública e se fizessem ouvir. Quando assim aconteceu, chamaram-lhe um “excesso de democracia” e houve quem achasse que se estava a pôr demasiada pressão no sistema. O único grupo que nunca expressava as suas opiniões era o empresarial e corporativo porque era aquele cujo envolvimento na política era aceitável.

A comissão reivindicava mais moderação na democracia e um retorno à passividade. Afirmava, ainda, que as “instituições de doutrinação” – escolas, confissões religiosas – não estavam a cumprir a sua função e teriam de ser mais duras.

A medida padrão de atuação mais reacionária foi muito mais dura relativamente aos acontecimentos de 1968, na medida em que tentou reprimir a democracia, tendo, até certo ponto, sido bem sucedida – mas não totalmente, já que os movimentos de ativismo social têm vindo a aumentar. Por exemplo, era inimaginável, em 1968, que, em 1980, viesse a existir um grupo internacionalista chamado Solidarity.

Mas a democracia é hoje ainda mais forte do que era em 1968. Temos de nos lembrar de que, durante o Vietname, não houve, de início, qualquer oposição à guerra. Acabou por surgir, mas apenas seis anos depois de John F. Kennedy ter atacado o Vietname do Sul e as baixas militares terem disparado. No entanto, no caso da Guerra do Iraque, a oposição à guerra esteve lá, desde o primeiro dia, mesmo antes de ter sido desencadeado qualquer ataque. A Guerra do Iraque foi o primeiro conflito, na história do ocidente, em que uma guerra imperialista foi objeto de protestos massivos, ainda antes de ter começado.

Há ainda outras diferenças. Em 1968, a mera discussão da possibilidade de retirada do Vietname remetia-a para as margens da sociedade. Agora, qualquer candidato presidencial menciona a retirada do Iraque como uma escolha política real.

Hoje, há ainda muito mais oposição à opressão do que anteriormente. Por exemplo, os Estados Unidos costumavam apoiar ou desencadear golpes militares na América Latina. Mas a última vez que os Estados Unidos apoiaram um golpe foi em 2002, na Venezuela e, mesmo assim, tiveram de recuar rapidamente devido a uma opinião pública hostil. Pura e simplesmente já não podem fazer o tipo de coisa que faziam dantes.

Por isso, penso que o impacto de 1968 foi duradouro e, no seu todo, positivo.

Artigo de Noam Chomsky, publicado em “New Statesman”, a 8 de maio de 2008, disponível em chomsky.info. Tradução de Maria Helena Loureiro para esquerda.net

Sobre o/a autor(a)

Linguista, filósofo e activista político americano
(...)

Resto dossier

“Dizer Não É Pensar” - frase de Alain, Émile-Auguste Chartier (1868-1951), tornou-se simbólica em 1968

1968 – 50 anos depois

O ano de 1968 ficou marcado pela revolta de Maio em França. No entanto, 1968 foi muito mais do que o Maio francês. Foi um movimento de revolta e mudança que marcou o mundo e que, 50 anos depois, continua presente e marcante. Dossier organizado por Carlos Santos

Imagem simbólica da ofensiva do Tet em 1968

1968 começou no Vietname

Em fevereiro de 1968, as forças de libertação lançaram no Vietname do Sul a ofensiva do Tet, que representou uma viragem na guerra e no crescimento da resistência e marcou o ascenso da luta de libertação até à vitória. Por Pierre Rousset.

Grafitti “Jouissons sans entraves” (“Desfrutemos sem restrições”), Maio de 68 - O slogan pode ser interpretado à letra como o exagero do egocentrismo. Pode também evocar a possibilidade de se satisfazer doutra maneira que não pelo constrangimento ou pelo poder

Um intenso fervor artístico e cultural carateriza a explosão do Maio de 68

O Maio de 68 fez convergir duas abordagens geralmente divergentes. Este texto é a quarta e última parte do artigo “Maio de 68 no mundo”, de Gustave Massiah, publicado em Contretemps.

Maio de 68: algumas “palavras de desordem”

Onde maio é emancipação é porque foi esse lugar do encontro improvável entre mundos sociais distantes e condenados a não se cruzarem.

Conferência de imprensa com os realizadores Claude Lelouch, Jean-Luc Godard, François Truffaut, Louis Malle, Roman Polanski - festival de Cannes, 1968

Maio 68: De Cannes a Paris, o mês que sacudiu o mundo

Se há uma herança de Maio, que é a dos movimentos sociais que então se expressaram, é a luta contra o sexismo, ou contra o racismo, ou pelos direitos civis, ou pelo ensino público, ou pelos direitos dos trabalhadores e trabalhadoras na empresa, que definiram o mínimo de que parte a vida democrática. Por Francisco Louçã

A ocupação da fábrica LIP em Besançon durou anos - Imagem lesutopiques.org

O outro aspeto do Maio de 68: a greve geral com ocupação dos locais de trabalho

“No princípio de junho [de 68], havia sete milhões de trabalhadores em greve, na França toda. Não havia gasolina, não havia restaurantes abertos” destaca José Mário Branco ao esquerda.net, no seu testemunho sobre o Maio de 68. Entrevista de Carlos Santos

Em poucas horas num espaço curto em Paris, foram erguidas 60 barricadas, sem qualquer plano prévio ou estratégia coerente, 10 de maio de 1968

A noite das barricadas há 50 anos em Paris

Na noite de 10 de maio de 1968, em poucas horas num espaço curto em Paris, foram erguidas 60 barricadas, sem qualquer plano prévio ou estratégia coerente. Na manhã de 11, após a brutal repressão policial, os estudantes apelam à greve geral a partir de 13 de maio. Por Carlos Santos.

"Iremos até ao fim" Cartaz de Maio 68

Maio 68: À bientôt, J’espere

Em artigo publicado em 2008 na revista “A Comuna”, Mário Tomé salienta que em 1968 o “ambiente internacional era de crise do sistema” e afirma que “a revolução de Maio de 68 foi a primeira de âmbito global”.

Marcha contra a guerra do Vietname, Nova York, 27 de abril de 1968

Noam Chomsky sobre 1968

Uma das reações mais interessantes a emergir de 1968 surgiu na primeira publicação da Comissão Trilateral que entendia que se estava perante uma “crise da democracia” por haver demasiada participação das massas. Artigo publicado em “New Statesman”, a 8 de maio de 2008

Berlim Ocidental era a capital da guerra fria. Alguns anos antes, a realização nesta cidade de um Congresso pelo Vietname seria impensável

O Maio de 68 e o movimento antiguerra: de Londres a Berlim

Este artigo é um extrato do livro de Tariq Ali (Street Fighting Years), onde este conta os acontecimentos decorridos em Berlim durante o Congresso sobre a guerra do Vietname, organizado pela SDS, Liga estudantil socialista alemã.

“Muito do que acontece hoje tem as suas raízes nas alegres e audazes jornadas das massas juvenis que percorreram as ruas da capital do México e de outras cidades do país”

O 68 mexicano, 50 anos depois

O 68 mexicano, em especial a sua sangrenta tragédia final em Tlatelolco a 2 de outubro, foi o último grande marco na série de acontecimentos que abalaram o mundo nesse ano. Por Manuel Aguilar Mora.

"É injusto dizer que o Maio de 68 só chegou em 69 a Portugal"

Bruno Góis entrevistou Joana Lopes no Socialismo 2018 sobre os 50 anos do Maio de 68, e o impacto que o mesmo teve em Portugal.