Está aqui

Manifesto e Petição: Pelo direito a morrer com dignidade

O Manifesto em Defesa da Despenalização da Morte Assistida foi subscrito por mais de cem personalidades de vários quadrantes da sociedade portuguesa e mais de 7.700 pessoas já assinaram a petição Pelo Direito a Morrer com Dignidade, que será debatida em plenário da Assembleia da República.

O Manifesto em Defesa da Despenalização da Morte Assistida, lançado em janeiro de 2016, defende que o Estado laico “deve libertar a lei de normas alicerçadas em fundamentos confessionais” e permitir a possibilidade de, a pedido do próprio, “antecipar ou abreviar a morte de doentes em grande sofrimento e sem esperança de cura”.

Se o direito à vida está consagrado nas leis da República, então “o direito a morrer em paz e de acordo com os critérios de dignidade que cada um construiu ao longo da sua vida, também tem de o ser”, defendem os subscritores do documento, dinamizado por António Pedro Vasconcelos, Isabel Ruivo, João Ribeiro Santos, João Semedo, Laura Ferreira dos Santos, Lucília Galha e Tatiana Marques.

O documento, que conta com o apoio de figuras da política, como os recentes candidatos presidenciais Sampaio da Nóvoa e Marisa Matias, os ex-dirigentes social-democratas Rui Rio e Pacheco Pereira, parlamentares socialistas como Isabel Moreira, Alexandre Quintanilha, Helena Roseta ou Ana Gomes, assinala que a morte assistida é “um último recurso, uma última liberdade, um último pedido que não se pode recusar a quem se sabe estar condenado”, e que “não entra em conflito nem exclui” o acesso a cuidados paliativos.

Também subscrevem o documento personalidades da área da medicina e ciência, como Sobrinho Simões, Constantino Sakellarides, Francisco George, Jaime Teixeira Mendes, João Ribeiro Santos, Jose A. Carvalho Teixeira, José Gameiro, José Manuel Boavida, Machado Caetano, Mamede Carvalho ou Rosalvo de Almeida. Entre os subscritores ligados ao meio cultural encontram-se Aldina Duarte, Fausto, Capicua, Ana Zanatti, Clara Ferreira Alves, Cláudio Torres, Olga Roriz, Jorge Palma, Maria Teresa Horta, Richard Zimler, Sérgio Godinho e Pilar del Rio.

Pelo Direito a Morrer com Dignidade

O Movimento Cívico para a Despenalização da Morte Assistida lançou, entretanto, uma petição pública pelo direito a morrer com dignidade, que já reúne mais de 7.700 assinaturas.

Os subscritores defendem “a despenalização e regulamentação da Morte Assistida como uma expressão concreta dos direitos individuais à autonomia, à liberdade religiosa e à liberdade de convicção e consciência, direitos inscritos na Constituição”. O documento exorta ainda “os deputados e os grupos parlamentares a discutir e a promover as iniciativas legislativas necessárias à despenalização da Morte Assistida”

A iniciativa será debatida em plenário da Assembleia da República, uma vez que já ultrapassou as 4.000 assinaturas.

Comentários (2)

Resto dossier

Morte Digna

Em Portugal está aberto o debate sobre a despenalização da morte assistida. Em causa está um direito fundamental: o direito a morrer com dignidade, à autonomia e liberdade individual de cada um e de cada uma. Dossier organizado por Mariana Carneiro.  

Todo o cidadão é dono da sua vida e do seu corpo

Sou a favor da despenalização da eutanásia ativa voluntária e do suicídio assistido não só devido à minha vivência como médico mas também à minha formação filosófica. Artigo de Jaime Teixeira Mendes.

O que é a morte assistida?

Nas vésperas da votação sobre a morte assistida no Parlamento, o Esquerda.net republica um artigo de 2016 que procura explicar conceitos relacionados com a eutanásia e o suicídio assistido e esclarecer algumas questões relativas aos cuidados paliativos e ao Testamento Vital. Informação compilada por Bruno Maia.

Morte assistida em Portugal: Uma realidade escondida

Somam-se as vozes de médicos e outros profissionais de saúde que confirmam a prática da eutanásia nos hospitais portugueses. Fora dos meios hospitalares, a compra de medicamentos pela internet permite que a morte chegue pelo correio, com todos os riscos que a situação acarreta.

Morte Assistida pelo Mundo

A eutanásia propriamente dita só existe na Holanda e na Bélgica. Os restantes países legislaram sobre o suicídio assistido, com mais ou menos regras, com mais ou menos possibilidades.

 

Bibliografia e vídeos sobre morte assistida

Neste artigo, o Esquerda.net disponibiliza uma compilação de bibliografia e de vídeos sobre o tema da morte assistida.

Morte assistida vs Cuidados Paliativos: Desfazer equívocos

Desde que nascemos há uma certeza que nos assiste: um dia, iremos morrer. Mas, apesar desta inevitabilidade, a morte arrasta consigo debates intensos. Artigo de Cristina Andrade.

“Afirmação de um direito de dignidade, de autonomia e de liberdade pessoal”

Em entrevista ao Esquerda.net, o deputado bloquista José Manuel Pureza defendeu que “importa reconhecer na lei o direito de todos/as de decidirem livremente que, em termos da dignidade que exigem para toda a sua vida, chegou o momento do fim” e o direito dos/as médicos de acederem ao “pedido de ajuda para concretizar essa decisão, sem estarem sujeitos/as a pena de prisão”.

A despenalização da morte assistida ou a cultura do respeito

Aqui defende-se que cada uma e cada um possa, (auto)definir-se, escolhendo as suas escolhas, traçando os seus planos de vida, mesmo que nada disto encontre o conforto da maioria da adesão social. Artigo de Isabel Moreira.

Em nome de uma ética da liberdade e da tolerância, digo sim à morte assistida

A poucos dias de novo debate parlamentar sobre a despenalização da morte assistida, republicamos este artigo de João Semedo, em fevereiro de 2016, acerca de uma das causas a que dedicou os últimos anos de vida.

Morrer sim, mas devagarinho?

Aceitar a legalização da eutanásia exige-nos a capacidade de aceitar que o “outro em sofrimento” não queira viver um pesadelo existencial sem outra saída que não seja a morte. Artigo de Francisco Teixeira da Mota.

Da minha dignidade decido eu

O paternalismo está a roer todos os valores; é um vírus que ataca regularmente a melhor ideia que a humanidade teve, aquela que dá pelo nome de Declaração Universal dos Direitos do Homem. Artigo de Inês Pedrosa.

Manifesto e Petição: Pelo direito a morrer com dignidade

O Manifesto em Defesa da Despenalização da Morte Assistida foi subscrito por mais de cem personalidades de vários quadrantes da sociedade portuguesa e mais de 7.700 pessoas já assinaram a petição Pelo Direito a Morrer com Dignidade, que será debatida em plenário da Assembleia da República.