História de um Holocausto

22 de janeiro 2010 - 0:00
PARTILHAR

1. Agradeça-se ao presidente por ter colocado equipas de resgate no ar de imediato. Refiro-me ao presidente da Islândia, Olafur Grimsso. Na quarta-feira, a Associação de Imprensa declarou que o presidente dos Estados Unidos prometeu que: "o contingente inicial de 2000 soldados deve ser enviado para o país devastado pelo terramoto nos próximos dias." Nos próximos dias, sr. Obama?



2. Não existe tal coisa como um desastre "natural." 200 mil haitianos foram chacinados devido à existência de bairros de lata e aos planos de "austeridade" do FMI.



3. Uma amiga ligou-me a perguntar se conhecia algum jornalista que conseguisse medicamentos para o pai dela. E acrescentou, tentando manter a voz: "a minha irmã está debaixo dos escombros. Vai vir alguém que possa ajudar, alguém?" Deveria dizer-lhe: "Obama vai enviar soldados para lá nos 'próximos dias'"?



4. A China enviou equipas de resgate com cães farejadores após 48 horas. A China, Sr. presidente. A China está a 8.000 milhas de distância. Miami é só a 700 milhas. Bases dos EUA em Porto Rico: praticamente lá.



5. Robert Gates, secretário da Defesa de Obama afirmou, "Não sei de que forma este governo poderia ter respondido mais rápida e exaustivamente do que o fez." Nós sabemos que Gates não sabe.



6. Do meu trabalho no terreno, sei que o FEMA (Federal Emergency Management Agency, Agência Federal de Gestão de Emergências) tem acesso a água potável, geradores, equipamento médico móvel e mais, para a assistência a furacões na Costa do Golfo. Ainda lá estão. O Tenente General do Exército Russel Honoré, que serviu como comandante nos trabalhos para a resposta imediata à emergência após o furacão Katrina, disse à Christian Science Monitor: "Pensei que tínhamos aprendido com o Katrina a levar comida e água e a começar a evacuar a população." Talvez tenhamos aprendido mas, aparentemente, Gates e o Departamento de Defesa faltaram às aulas nesse dia.



7. Enviar soldados. É essa a resposta da América. É nisso que somos bons. O porta-aviões USS Carl Vinson apareceu finalmente ao fim de três dias. Com o quê? Foi teatralmente enviado - sem quaisquer apoios de emergência. Tem mísseis sidewinder e 19 helicópteros.



8. Mas não se preocupem, a Equipa de Resgate Internacional, totalmente equipada e auto-suficiente para sete dias no terreno, enviou de imediato juntamente com dez toneladas de ferramentas e equipamento, três toneladas de: água, tendas, equipamento de comunicação avançada e equipamento para purificação da água. Eles são da Islândia.



9. Gates não enviaria comida e água porque, segundo ele, não existia uma "estrutura ... que garantisse a segurança." Para Gates, nomeado por Bush e mantido no cargo por Obama, trata-se da segurança em primeiro lugar. Foi essa a sua lição depois do furacão Katrina. Primeiro os militares, depois a água. Blackwater antes da água potável.



10. Os anteriores presidentes dos EUA enviaram tropas para o terreno naquela ilha bastante mais rapidamente. O Haiti é a metade direita da ilha Hispaniola. É chamado de testículo direito do Inferno. A República Dominicana é o esquerdo. Em 1965, quando os dominicanos exigiram o regresso de Juan Bosch, o seu presidente eleito, deposto por uma junta, Lyndon Johnson reagiu rapidamente a esta crise, enviado 45.000 soldados dos EUA para as praias para evitar o regresso do presidente eleito.



11. Como é que o Haiti acabou por ficar economicamente enfraquecido, com infra-estrutura, desde hospitais a sistemas de água, rebentadas ou inexistentes - existem dois quartéis de bombeiros no país inteiro - e infra-estruturas tão frágeis que o país estava simplesmente à espera que a "natureza" acabasse com elas?



Não se culpe a Mãe Natureza por todas estas mortes e destruição. Essa culpa cabe a Papa Doc e Baby Doc, a ditadura Duvalier, que roubou a nação durante 28 anos. Papa e o seu Baby meteram ao bolso cerca de 80% da ajuda mundial - com a cumplicidade do governo dos EUA, satisfeito por ter os Duvalier e as suas milícias, os Tonton Macoutes, como aliados durante a Guerra Fria. (A guerra foi facilmente ganha: os esquadrões da morte dos Duvalier assassinaram cerca de 60.000 opositores ao regime.)



12. O que Papa e Baby não conseguiram roubar, foi acabado pelo FMI com os seus planos de "austeridade". Um plano de austeridade é uma espécie de magia negra orquestrada pelos economistas zombie-ficados por uma convicção irracional que os cortes nos serviços governamentais irão de alguma maneira ajudar a prosperidade da nação.



13. Em 1991, cinco anos após a fuga do assassino Baby para o exílio, os haitianos elegeram um padre, Jean-Bertrand Aristide, que resistiu aos decretos dogmáticos de austeridade do FMI. Após alguns meses, os militares, para júbilo do Papá George HW Bush, depuseram-no.



A História repete-se, primeiro como tragédia, depois com a farsa. A farsa foi George W. Bush. Em 2004, depois do padre Aristide ter sido reeleito Presidente, foi raptado e deposto novamente, para júbilo do Bébé Bush.



14. O Haiti já foi uma nação rica, a mais rica do seu hemisfério, valia mais, escreveu Voltaire no século XVIII, que essa colónia rochosa e fria chamada New England. A riqueza do Haiti estava no ouro negro: os escravos. Mas depois os escravos revoltaram-se - e têm pago por isso desde então.



De 1825 a 1947, a França forçou o Haiti a pagar uma contribuição anual para reembolsar os lucros perdidos pelos proprietários franceses de escravos em consequência da revolta dos seus escravos. Em vez de escravizar indivíduos haitianos, a França preferiu simplesmente escravizar a nação inteira.



15. O Secretário Gates diz-nos, "Existem apenas alguns factos da vida que afectam a rapidez com que se fazem algumas destas coisas." O navio-hospital da Marinha vai lá estar daqui a cerca de uma semana. Grande trabalho, Brownie!



16. Uma mensagem da minha amiga recebida. A irmã dela foi encontrada, morta; e a outra irmã dela teve de a enterrar. O pai dela precisa dos medicamentos anti-epilépticos dele. Isso também é um facto da vida, sr. presidente.



***



Através da nossa rede de jornalistas, estamos a tentar fazer chegar os medicamentos ao pai da minha amiga. Se algum leitor conhecer alguém que esteja a caminho de Port-au-Prince, por favor contacte [email protected].



Recomenda-se uma leitura urgente - The Black Jacobins: Toussaint L'Ouverture and the San Domingo Revolution, a história da revolta bem sucedida dos escravos em Hispaniola de autoria do brilhante CLR James.



Traduzido por: Sara Vicente

Termos relacionados: