Está aqui

A Economia Política do desastre no Haiti

O conceito de desastres naturais esconde o facto de que os impactos deste tipo de acontecimento são sistematicamente desproporcionais nos países mais pobres. 90% das vítimas de desastres naturais vivem em países em desenvolvimento.

Nos últimos 50 anos, o Haiti foi sistematicamente assolado por outras catástrofes naturais, cerca de 67 episódios, tais como inundações, furacões e desmoronamentos, onde para além da destruição em termos económicos, foram afectadas mais de 4 milhões de pessoas e contabilizadas mais de 14 mil vítimas mortais. Apenas uma catástrofe na dimensão dos eventos recentes foi capaz de captar a atenção internacional.

A história recente do Haiti talvez possa ser descrita com uma única palavra, "instabilidade". Entre 1986 e 2009 o Haiti teve nada mais do que 17 alterações de governos, 3 períodos sem chefe de Estado, uma ocupação por parte dos Estados Unidos, e vários períodos de intervenção das forças das Nações Unidas para assegurar um nível mínimo de segurança. Mais do que a influência directa que muitos países exerceram na busca pela exploração do povo e dos recursos haitianos, toda a lógica de apoio internacional era de alguma forma pervertida pela conivência cega justificada com a crença no caminho pelo mercado.

Diante de estruturas de poder onde o governante conta apenas com uma pequena parcela da população como suporte de seu Governo, as decisões sobre investimentos em prevenção de desastres naturais passam por duas questões fundamentais. Por um lado é importante lembrar que os investimentos deste tipo são pouco apelativos na "contabilidade eleitoral", visto que tendem a ter resultados demasiado dilatados no tempo e pouco visibilidade diante da ausência de catástrofes. No caso específico do Haiti outra questão mostrou-se fundamental para que nada fosse feito, o simples facto de os desastres naturais serem claramente favoráveis à consolidação do poder instaurado.

Tal fenómeno devia-se ao facto de uma pequena elite local concentrar os meios de produção no país. Todos os anos os desastres naturais geravam um afluxo de investimentos humanitários que perversamente era quase que exclusivamente capturado pelas elites locais, reforçando o poder destas elites e perpetuando um mecanismo de desincentivo à prevenção de desastres naturais.

As evidências mostram que medidas sistémicas de gestão e coordenação de resposta aos desastres naturais possuem um impacto muito mais significativo do que o montante de recursos envolvidos. O Haiti está prestes a atravessar o período de furacões, cujas consequências ainda podem ser muito graves. A comunidade internacional será novamente responsável por uma tragédia que podia e devia ter sido evitada e cujo a incidência nada tem de natural.

Sobre o/a autor(a)

(...)

Resto dossier

O holocausto haitiano

O terramoto tirou a vida a 200 mil pessoas, mas a catástrofe é também consequência de séculos de exploração colonial - é o que mostra este dossier.

Porque razão os Estado Unidos devem milhares de milhões ao Haiti

Estamos em dívida para com o Haiti. Não é caridade, mas sim uma questão de justiça. Os EUA devem milhares de milhões ao Haiti - com M grande.

Defender a democracia

Aristide quer retornar ao seu país, algo que a maioria dos haitianos reivindica desde o seu derrube. Mas os EUA não o querem ali. E o governo Preval, que é completamente dependente de Washington, decidiu que o partido de Aristide - o maior do Haiti - não será autorizado a concorrer às próximas eleições.

Publicado originalmente na Folha de S. Paulo

Herança da mais brutal exploração colonial da história

Se quisermos ajudar seriamente este devastado país, temos de desistir de controlá-lo e de explorá-lo.

Publicado originalmente no Guardian

E o futuro do Haiti?

E politicamente, o que acontecerá ao Haiti? Pode parecer preocupação excessiva pensar isso agora, mas não é…

Ajuda humanitária ou ocupação militar?

Ashley Smith explica porque é que a ajuda não chegou à maior parte das vítimas do terramoto de Haiti - porque a prioridade do governo dos Estados Unidos é impor o seu controlo.

As Empresas de "Segurança" dos EUA oferecem "serviços"

O grupo mercenário orwellianamente baptizado de Associação Internacional de Operações de Paz (AIOP), não esperou muito tempo até oferecer os "serviços" das suas empresas-membros para irem para o Haiti e lucrar com a assistência humanitária.

História de um Holocausto

Para Robert Gates, secretário da Defesa de Obama, trata-se da segurança em primeiro lugar. Foi essa a sua lição depois do furacão Katrina. Primeiro os militares, depois a água. Blackwater antes da água potável

"Agora só há um lugar seguro para os bandidos: o céu"

O director da principal companhia de segurança privada do Haiti justifica as execuções de delinquentes em plena rua face à inoperância policial e à perigosidade dos bandidos. Há 20 companhias privadas de segurança a operar no país.

A revolução escrava do Haiti

A Revolução Haitiana (1791-1803) corresponde a um período de violentos conflitos na colónia francesa de Saint-Domingue que levou à eliminação da escravatura e ao estabelecimento do Haiti como a primeira república governada por um descendente africano. Apesar das centenas de rebeliões ocorridas no Novo Mundo, durante os séculos da escravatura, apenas a revolta de Saint-Domingue, que começou em 1791, foi bem sucedida no sentido da libertação definitiva e é considerada como um momento decisivo na história dos africanos no continente americano. 

A Economia Política do desastre no Haiti

O desastre no Haiti deve ser visto como o reflexo macabro das consequências irresponsáveis da implementação de políticas liberais num contexto de extrema desigualdade e pobreza.